#PALMARES (PE) | Primeiro jornal da imprensa negra combatia preconceito

21740566_2375882689303483_7373872218783087103_n

No dia 14 de setembro de 1833, há 184 anos, surgiu no Brasil, na cidade do Rio de Janeiro, o primeiro jornal feito por negros e dedicado a esta população. O periódico se chamava O Homem de Cor e também ficou conhecido como O Mulato.

Criada por Francisco de Paula Brito ainda no período da escravidão, a publicação teve pioneirismo ao discutir questões como ascensão social dos afro-brasileiros e a luta contra o preconceito. De origem humilde, Paula Brito foi educado pelo avô, o escultor Mestre Valentim. Aos 15 anos, aprendeu a profissão de tipógrafo na Imprensa Nacional e depois se dedicou ao jornalismo e à literatura. Entre 1830 e 1860, editou centenas de jornais.

Como boa parte da população negra não lia, os poucos alfabetizados narravam os conteúdos aos demais. O Homem de Cor teve vida curta, porém logo abriu caminho para que viessem outros veículos da imprensa negra, que nunca mais deixou de estar presente no jornalismo brasileiro.

Share
Este post foi publicado em Textos em por .

Sobre Ministério da Cidadania - Regional Nordeste

São ainda responsabilidade do Escritório Regional Nordeste: fornecer subsídios para a formulação e avaliação das políticas, programas, projetos e atividades da Secretaria Especial do Desenvolvimento Social; a Secretaria Especial do Esporte; a Secretaria Especial de Cultura; auxiliar o Ministério da Cidadania na articulação com os órgãos federais, estaduais, municipais e entidades privadas, incluindo empresas, instituições culturais e o terceiro setor; atender e orientar o público quanto aos serviços prestados pelo Ministério; prestar apoio logístico e operacional aos fóruns de política cultural; exercer as atividades de ouvidoria; e exercer outras atividades determinadas pelo Ministro de Estado.