PERNAMBUCO | RECIFEST leva filmes sobre gênero e sexualidade à periferia do Recife

Com a proposta de descentralizar ações e alcançar públicos com ainda pouco acesso ao audiovisual independente, o RECIFEST – Festival de Cinema de Diversidade Sexual e de Gênero promove entre os dias 16 e 18 de novembro sessões com debates em quatro pontos distintos da capital pernambucana.

recifest-colonia-607x403

O evento é uma realização da Panela Produções Culturais e Casa de Cinema e aposta no cinema como ferramenta para a desconstrução da LGBTfobia, machismo, misoginia e outras formas de opressão.  “As dificuldades de escoamento da produção audiovisual pernambucana e nacional acabam resultando, muitas vezes, num modelo de distribuição restrito e inevitavelmente elitizado que circula em poucas salas de cinema, geralmente de público específico e reduzido. As ações de itinerância nos festivais, como sair de nossa sala principal, que é o Cinema São Luiz, por exemplo, é ao mesmo tempo um movimento de se aproximar de outros espectadores nos espaços que eles já ocupam para discutir juntos gênero e sexualidade a partir do audiovisual, bem como uma forma de introduzir um convite a estas pessoas estarem presentes também nas sessões no centro da cidade, onde exibiremos os filmes das mostras deste ano”, pontua Rosinha Assis, produtora executiva do festival.

Uma das salas de exibição descentralizadas do RECIFEST, a Colônia Penal Feminina do Bom Pastor tem sido um espaço de relacionamento, também, entre as mulheres detentas e o audiovisual graças ao Cineclube Alumia, que mensalmente realiza sessões audiovisuais no refeitório da penitenciária feminina e que se junta em parceria com o Recifest para realizar as sessões dentro da programação do festival. As mulheres cis e homens trans que cumprem pena na Colônia Penal Feminina do Bom Pastor, também podem participar do 5º RECIFEST através da oficina, que ocorre nos dias 13 e 14 de novembro, ministrada pela atriz Isabel Fernanda de Freitas e articulada também, junto ao Cineclube Alumia.

Denominada Estética da Afetividade, a proposta pedagógica visa desenvolver o potencial pessoal e social dos participantes através dos elementos do Teatro do Oprimido de Augusto Boal, que prega que as pessoas são melhores do que pensam ser. Do mesmo modo que as mulheres apenadas e os homens cis apenados não tem a liberdade de frequentar salas de cinema como o São Luiz, os moradores da periferia também estão bem distantes – geográfica e socialmente – do universo da Sétima Arte. Acesso à cultura é cidadania, e por isso o bairro de Chão de Estrelas, com também recebe a Mostra RECIFEST na Comunidade.

Além das atividades paralelas que ocorrem desde o dia 13 de novembro de 2017, com oficinas gratuitas no Recife e em Caruaru, a semana oficial do festival acontece de 21 a 25 de novembro na capital pernambucana, com exibições nacionais e internacionais, lançamentos e apresentações de outras linguagens artísticas no Cinema São Luiz, na Rua da Aurora. No agreste pernambucano, as exibições ocorrem de de 27 a 30 de novembro na cidade de Caruaru.

VENCEDORES DO IV RECIFEST EXIBIDOS – edição 2015 e 2016

Melhor curta pernambucano – “Nena Cajuína”
Melhor curta nacional – “Antes da Encanteria”
Mostra Competitiva Pernambucana – Virgindade, de Chico Lacerda
Mostra Competitiva Nacional – Aceito, de Felipe Cabral

CONFIRA OS PONTOS DE EXIBIÇÃO:

Mostra RECIFEST na Comunidade: Filmes vencedores dos Recifest 2015 e 2016
Acesso gratuito

Quinta-feira, 16 de novembro

15h | Local: Gestos – HIV ­– Comunicação e Gênero (Rua dos Médices, 68 – Boa Vista – Recife)

Sexta-feira, 17 de novembro

13h | Local: Colônia Penal Feminina Bom Pastor (Endereço: Rua do Bom Pastor, 1407 – Engenho do Meio , Recife/PE – PE – Cep: 50670-260)

19h | Local: COMPAZ – Alto de Santa Terezinha – Av. Aníbal Benévolo, S/N – Recife

Sábado, 18 de novembro

17h | Local: Centro Cultural Daruê Malungo (Rua Passarela, 18A – Chão de Estrelas – Recife)

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*