BAHIA | Coletivo Arte Marginal promoverá atividades na 16ª Semana Nacional de Museus com apoio da Funceb

Card_Musealizando

Uma experiência de museu, mas fora do museu convencional, o Museu-Rua, fará do espaço público um lugar de memória, educação e práticas culturais entre os dias 17 e 18, em Salvador. Idealizado pelo Coletivo Arte Marginal Salvador, o “Renascer das Artes: Musealizando” – apoiado pela Fundação Cultural do Estado (Funceb/SecultBa), – busca valorizar as práticas culturais de segmentos marginalizados da sociedade, diminuindo assim a distância entre o museu e a sociedade.

A atividade integra a 16ª Semana Nacional de Museus – projeto do IPAC/SecultBA – cuja temática envolve novas abordagens e novos públicos para diminuir a distância entre o museu e a sociedade, como conta o poeta, filósofo e idealizador do projeto, Fabrício Brito, do Coletivo Arte Marginal: “Propor uma experiência museal fora do museu convencional pode ser uma estratégia de eliminação dos preconceitos, convertendo pessoas aparentemente indiferentes em públicos-alvo de outras modalidades de museu, como é o caso do Museu-Rua. Um esforço para diminuir a distância entre museu e sociedade”.

Fabrício conta que o coletivo é uma expressão cultural da sociedade civil organizada e surgiu na periferia de Salvador, nos bairros de São Caetano e Fazenda Grande do Retiro. “Na época nos considerávamos arte-educadores, mas com o tempo a gente foi entendendo a importância da memória e do patrimônio, por isso acabamos criando o conceito de arte-educação museal, que é um método de mediação cultural através das artes. Com esse método foi possível entender a arte de rua como estratégia de musealização, isto é, de valorização da memória da cultura popular”, diz o idealizador.

Programação – O evento vai começar na quinta-feira (17), às 14h, na Praça das Artes, no Pelourinho, com a exposição coletiva “O Museu é a Rua”, que possibilitará o contato do público com a poética marginal e visual de Melissa Santos, Marie Thauront e Ludmila Laísa (esta última fará uma performance com grafite ao vivo).

A tarde continuará animada com a Roda de Teatro de Rua que receberá os espetáculos da Caravana de Téspis, do Grupo Os Kaborongas, do Bando Orí, do Duo Dança e Percussão, da Boiada Multicor e do Grupo Teatral Ayá. O Grupo Teatral Ayá, o Bando Orí e a Boiada Multicor também ocuparão a Praça das Artes com artesanatos, livros e demais produtos culturais.

No dia seguinte, sexta-feira (18), também no Pelourinho, o “Renascer das Artes: Musealizando” vai estar na Casa do Teatro de Rua, a partir das 14h, com recital de poesias, música ao vivo com Edilson Bispo, Roda de Conversa e microfone aberto. Farão parte da roda de conversa as museólogas Manuela Ribeiro, Vanusa Ribeiro e Alana Silva, as quais vão bater um papo sobre “Museus, poesia e teatro de rua: possíveis diálogos”. A mediação da Roda de Conversa ficará por conta do poeta Fabrício Britto.

Serviço:
Renascer das Artes: Musealizando – Coletivo Arte Marginal de Salvador
Quando: 17 de maio, às 14h, Praça das Artes (Pelourinho)
18 de maio, às 14h, Casa de Teatro de Rua (Pelourinho)
Evento gratuito

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*