Arquivo do autor:Ministério da Cultura - Regional Nordeste

Doze produções brasileiras participam do Festival de Cinema de Berlim

2019-02-15_Rise_Divulgação

A coprodução Rise, de Bárbara Wagner e Benjamin de Burca, disputa o principal prêmio do festival, o Urso de Ouro (Foto: Reprodução)

Um dos mais importantes festivais de cinema do mundo, o Festival Internacional de Berlim, conta com a participação de 12 produções brasileiras. A 69ª edição da mostra, que se encerra neste fim de semana, ocorre na capital alemã desde o último dia 7 com exibições de filmes, palestras, workshops, seminários e conferências.

Na disputa pelo principal prêmio do festival, o Urso de Ouro, está o curta Rise, de Bárbara Wagner e Benjamin de Burca, uma coprodução Brasil, Canadá e Estados Unidos. Rise (Reaching Intelligent Souls Everywhere) é um movimento criado pelo poeta canadense Randell Adjei, que, desde 2012, promove encontros em que poesia e música são usadas para compartilhar histórias e experiências pessoais. No filme, os diretores lançam um olhar sobre artistas deste movimento – em sua maioria, jovens da primeira geração de ascendência africana e caribenha nascida no Canadá. A performance diante da câmera ocorre em uma estação de metrô. As novas galerias subterrâneas de Toronto simbolizam a conexão do centro da cidade com zonas periféricas, revelando a dimensão alegórica de sua escolha como cenário.

Para o diretor-presidente da Agência Nacional do Cinema (Ancine), Christian de Castro, a participação do Brasil no festival é resultado direto da política audiovisual promovida pela agência, ou seja, “da estratégia de investimento em coproduções minoritárias executada nos últimos anos, que vem propiciando uma internacionalização dos filmes brasileiros independentes”. Christian de Castro participou, na Alemanha, de uma série de encontros com representantes de entidades internacionais cinematográficas. Entre elas, a reunião do Conselho Consultivo da Conferência de Autoridades Audiovisuais e Cinematográficas de Iberoamérica (CAACI), do qual a Ancine, vinculada ao Ministério da Cidadania, é membro.

O conselho promove o desenvolvimento da cinematografia nos países ibero-americanos e a integração desses países, por meio de uma participação equitativa, na atividade cinematográfica regional. Entre os programas mantidos pela entidade estão o Programa Ibermedia, o Ibermedia TV, o DocTV LatinoAmérica e o Observatório Ibero-Americano do Audiovisual. A CAACI é formada por 20 países membros (sendo 19 países da América Latina e Ibéria e a Itália).

Obras brasileiras em Berlim

O longa Marighella, estreia na direção de Wagner Moura, foi exibido na mostra principal, mas fora de competição. Integram a mostra Panorama os longas Greta, de Armando Praça; Divino Amor, de Gabriel Mascaro; a coprodução Brasil-Argentina Breve história del planeta verde, de Santiago Loza; e o documentário Estou me guardando para quando o Carnaval chegar, de Marcelo Gomes.

A Mostra Panorama Dokumente recebe a coprodução com Cuba La arrancada. Na Mostra Forum, estão os longas Chão, de Camila Freitas; Querência, de Helvécio Marins Jr; e A rosa azul de Novalis, de Gustavo Vinagre e Rodrigo Carneiro. O ensaio, de Tamar Guimarães, está na mostra Forum expanded; Espero tua (re) volta, de Eliza Campai, está na Mostra Geração “14 plus”, focada em conflitos de crianças e adolescentes.

Além das mostras, o Brasil marca presença nos eventos de mercado “Co-Prodution Market”, com o projeto Rule 34, e “Talent Project Market”, com os projetos Três Irmãos e Livramento. O Berlinale Talents, programa de residência do Festival de Berlim destinado ao aprimoramento de jovens talentos internacionais de audiovisual, tem neste ano a participação de 14 realizadores brasileiros nas oficinas, palestras, workshops, seminários e conferências.

Entre os 250 realizadores selecionados, os brasileiros são: Alois Di Leo (Caminho dos Gigantes); Ana Alice de Morais (Esse Amor que nos Consome); Clarissa Guarilha (Tão Longe é Aqui); Barbara Colen (Aquarius); Ricardo Martensen (Cine São Paulo); Manuela Falcão (Tinta Bruta); Luiz Lepchack (Com Todo Amor que Disponho); Julia Alves (Los Territorios); Will Domingos (Sr. Raposo); Aline Belfort (Antônio Um Dois Três); Fernanda Pessoa (Histórias Que Nosso Cinema Não Contava); Wilssa Esser (Temporada); Victor Guimarães (Crítico de Cinema) e Talita Arruda (Distribuidora).

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura
Ministério da Cidadania
Com informações da Ancine

Share

PERNAMBUCO | Bacanal do Bandeira comemora os 100 anos de lançamento do livro “Carnaval”

26226290478_84467d4a78_z-607x402

O Espaço Pasárgada, equipamento cultural gerenciado pela Secult-PE/Fundarpe, programou uma série de atividades para comemorar os 100 anos do lançamento do livro “Carnaval”, escrito por Manuel Bandeira em 1919. A obra, que marcou uma espécie de libertação do artista em relação à herança parnasiano-simbolista, consolidou o nome de Bandeira entre os grandes expoentes do Modernismo.

Antes da saída do Bacanal do Bandeira na próxima sexta-feira (22), o Pasárgada irá oferecer gratuitamente, entre os dias 18 e 22 de fevereiro, duas atividades em sua sede: “Poesia Visual – Bandeira por um novo olhar 100 anos depois” e “Reaproveitar Carnavalizando”.

A primeira delas será comandada pelo artista visual Charles (Victor Dreyer) que, a partir de uma imersão em sete poemas do livro Carnaval, lançado em 1919 por Manuel Bandeira, criará telas originais para exposição “Poesia Visual – Bandeira por um novo olhar 100 anos depois”. Numa espécie de work in progress, o público poderá acompanhar a criação das obras entre os dias 18 e 22 de fevereiro, das 9h às 17h. O acesso é livre.

Também entre os dias 18 e 22 de fevereiro, das 13h às 17h, a carnavalesca Ana Rosa Wanderley mediará uma oficina de adereços para o Carnaval, no Espaço Pasárgada. Com a proposta de redução de consumo e de danos ao meio-ambiente para suas criações, Ana Rosa mostrará aos participantes como reutilizar adereços antigos em novas produções. As inscrições são gratuitas e poderão ser feitas até segunda-feira (18) pelo telefone (81) 3184-3165 ou e-mail pasargada.fundarpe@gmail.com.

Bacanal do Bandeira – Na sexta-feira (22), o Espaço Pasárgada irá desfilar com sua Troça Carnavalesca Mista Bacanal do Bandeira pelas ruas do centro do Recife. Assim como acontece há oito anos, antes da saída, haverá um recital com microfone aberto que contará com a participação dos atores Eduardo Godoy, Ana Medeiros, Márcia Cruz, Ana Nogueira, Paulo de Pontes, Douglas Duan, além de poetas convidados. O sarau começa às 16h, em frente ao Pasárgada, e o bloco sairá às 17h pelas ruas da União, Riachuelo, Saudade, Princesa Izabel, Mamede Simões e Aurora, com apoteose em frente à estátua do poeta Manuel Bandeira. O acesso é gratuito.

Serviço
Bloco Bacanal do Bandeira
Quando: sexta-feira (22), às 17h
Onde: Espaço Pasárgada (R. da União, 263 – Boa Vista, Recife – PE)
Acesso gratuito

Share

Consulta pública sobre novas regras do CNPC termina neste domingo (17)

cnpc-destaquinho-1-768x768

Termina neste domingo (17) consulta pública para a elaboração de novo decreto do Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC), órgão do Ministério da Cidadania responsável por propor a formulação de políticas públicas para o desenvolvimento e o fomento das atividades culturais no Brasil. Qualquer pessoa pode participar. As contribuições devem ser feitas na plataforma digital do CNPC.

Os interessados em participar devem fazer o cadastro no ID da Cultura, colocando nome, e-mail e CPF (veja o passo a passo). Em seguida, na página da consulta, o participante cadastrado poderá inserir comentários com proposições de alteração ao texto em cada parágrafo da minuta do decreto.

Segundo a secretária de Diversidade Cultural da Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania, Magali Moura, o objetivo é ter um CNPC mais ágil, que fortaleça o Sistema Nacional de Cultura, com representatividade da sociedade civil advinda dos Conselhos dos Estados e Municípios e das entidades dos setores culturais, mantendo a paridade entre poder público e sociedade civil. “Além disso, levamos em conta as dimensões simbólica, cidadã e econômica da cultura, tendo a multissetorialidade como critério orientador, com vistas ao debate de políticas públicas transversais e também específicas”, afirma.

A Secretaria da Diversidade Cultural coordenou o Grupo de Trabalho responsável por elaborar o decreto do CNPC, instituído em agosto de 2018, que teve em sua composição representantes das secretarias e entidades vinculadas à Secretaria Especial da Cultura, da Confederação Nacional dos Municípios, da Secretaria de Cultura do DF, do Fórum Nacional dos Secretários e Dirigentes de Cultura dos Estados e do Fórum Nacional de Secretários e Gestores de Cultura das Capitais e Municípios Associados, entre outros.

Composição do CNPC

A atual composição e funcionamento do CNPC foi estabelecida pelo Decreto nº 5.520/2005 e passou por duas atualizações, por meio da edição do Decreto nº 6.973, de 07 de outubro de 2009, e do Decreto nº 8.611, de 21 de dezembro de 2015.

O Conselho é composto por: i) Plenário, ii) Comitê de Integração de Políticas Culturais, iii) Conferência Nacional de Cultura, iv) Comissões Temáticas ou Grupos de Trabalho e v) Colegiados Setoriais de áreas técnico-artísticas e de patrimônio. Sua estrutura fixa envolve mais de 600 pessoas, sendo os 540 integrantes dos Colegiados Setoriais, entre titulares e suplentes, escolhidos em processo eleitoral nacional. O Plenário do CNPC é composto por 76 integrantes, entre representantes do poder público federal, estadual e municipal, da sociedade civil e convidados, com mandato de dois anos.

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura
Ministério da Cidadania

Share

PERNAMBUCO: Espetáculo e oficina de frevo animam o Recife Antigo

A exposição “Quando a vida é uma euforia”, de Joana Lira, que segue em cartaz no Cais do Sertão, dá continuidade neste fim de semana à sua programação paralela, que contagia turistas e moradores da capital pernambucana.

Divulgação

Divulgação

‘Entre Ruas’ chega ao bairro do Recife neste sábado (16)

No sábado (16), a pedida é o espetáculo itinerante “Entre Ruas” do Studio Viégas de Dança, que fará o trajeto Marco Zero – Cais do Sertão, a partir das 16h. “Entre Ruas” tem convidado o público do Recife e de Olinda a mergulhar no frevo pelas ruas e praças histórias, onde surgiu e até hoje resiste o nosso frevo. Com direção artística e coreografia de Alexandre Macedo, o espetáculo faz referência a mestres do ritmo, é alinhavado pela literatura de cordel e evidencia o cotidiano, a história e a arquitetura dos bairros por onde passa.

Já no domingo (17), a partir das 15h, Alexandre promove uma oficina gratuita de frevo, despertando no público a vontade de cair no “passo”. A atividade – com duas horas de duração e aberta a qualquer interessado maior de 12 anos – será na Sala Moxotó do Cais do Sertão. Aproveite!

Share

Miguel Proença é o novo presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte)

Miguel_Proença

Doutor em Música, Proença integrou o corpo docente do Instituto de Artes da UERJ e exerceu o cargo de professor convidado da Universidade de Música de Karlsruhe, na Alemanha (Foto: Vitor Jorge)

Foi publicada nesta sexta-feira (15), no Diário Oficial da União, a nomeação do pianista Miguel Proença como presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte), instituição do Ministério da Cidadania responsável pelo desenvolvimento de políticas públicas de fomento a artes visuais, música, circo, dança e a teatro. Proença substitui o ator Stepan Nercessian.

Doutor em Música pela Escola Superior de Música de Hannover, na Alemanha, Proença integrou o corpo docente do Instituto de Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e exerceu o cargo de professor convidado da Universidade de Música de Karlsruhe, na Alemanha.

Natural de Quaraí (RS), foi diretor da Escola de Música Villa-Lobos, diretor artístico do Teatro do SESI-RS e secretário Municipal de Cultura do Rio de Janeiro. Antes de se juntar à equipe do Ministério da Cidadania, Proença dirigiu a Sala Cecília Meirelles, no Rio de Janeiro, de abril de 2017 a janeiro de 2019.

Durante seus mais de 50 anos de carreira, Proença gravou vários CDs, incluindo a coletânea “Piano Brasileiro” (2005), que recebeu da Unesco o prêmio Patrimônio da Música Brasileira, e o disco “Tango”, gravado com Bibi Ferreira. Tocou em diversos concertos no Brasil e no exterior. Organizou e foi o protagonista da série de turnês “Piano Brasil”, que levou música clássica a 150 municípios de todos os estados brasileiros, ao Distrito Federal e a países como Itália, França, Espanha e Macedônia. Em 2015, tornou-se Cidadão Honorário do Rio de Janeiro.

Integrou o júri de diversas competições internacionais em países como Japão, Portugal, França, Itália e Espanha. Integra o Hall da Fama da Steinway & Sons (Hamburgo, Alemanha), juntamente com os maiores pianistas de todos os tempos.

Além da área cultural, Miguel Proença também atua com projetos educacionais e de formação de plateia. De 1995 a 1998, em parceria com a Capes, proporcionou, a centenas de estudantes brasileiros, bolsas de estudo na Europa, Rússia, Japão e no Brasil.

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura
Ministério da Cidadania

Share

CEARÁ: Vila da Música abre inscrições para cursos gratuitos

A Vila da Música, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, no Crato, abre inscrições para cursos de formação com ênfase na prática, no ensino e na vivência cultural. Para os veteranos, as inscrições seguem abertas entre os dias 13, 14 e 15 de fevereiro e para os novatos, entre os dias 18 a 22 de fevereiro.

WhatsApp-Image-2019-02-12-at-16.48.20

Entre os cursos ofertados, a Vila da Música oferece:

– Musicalização infantil (Crianças de 05 a 10 anos),

Cursos Livres (A partir de 10 anos, jovens e adultos):

– Cordas (Violino, Viola, Violoncelo, Contrabaixo, Rabeca, Violão)

– Sopro (Flauta transversal, Flauta doce, Clarinete, Saxofone, Trompete, Trombone, Tuba)

– Teclas (Piano, Teclado Acordeon)

– Percussão (Bateria, Pandeiro, Percussão Orquestral, Xilofones, Metalofones, Cajon, Percussão de Banda)

– Coral (Adulto, Infantil)

– Complementação (Teoria, Percepção e Solfejo, Prática em Conjunto, Editoração de Partitura)

– Corpo Brincante

– Teatro

– Futebol de Salão

A Vila da Música informa que todos os cursos são gratuitos, abertos ao público mediante inscrição prévia em horário comercial (de 8h às 12h e de 13h às 17h), na sede do equipamento, no Crato (Avenida José Horácio Pequeno, 1366, em Belmonte). No ato da matrícula trazer a seguinte documentação: xerox do RG, CPF, Foto 3×4 e Comprovante de residência.

Saiba mais

A Vila da Música é um Equipamento cultural voltado para a formação e fruição cultural, inspirada na experiência realizada pela Sociedade Lírica do Belmonte (Solibel). O equipamento surge como um centro de socialização e de cidadania por meio da educação dos sentidos. Primeiro equipamento cultural do Estado no Interior, o espaço conta com infraestrutura moderna e dedicada a atender estudantes – crianças, jovens e adultos -, distribuídos em diversos cursos de diversos instrumentos.

OBS: No ato da inscrição escolher um item para doação.

Mais informações: (88) 3521.4335

Share

ALAGOAS: Secult lança edital para agremiações carnavalescas

marcio_ferreira_20190212_1899931335

Disseminar a cultura e democratizar o acesso aos recursos públicos são missões da  Secretaria de Estado da Cultura. Com a proximidade dos festejos carnavalescos, a Secult publicou no Diário Oficial desta quarta-feira (13), uma portaria especial para inscrições no Edital de Credenciamento de Artistas. Serão R$280 mil destinados à 50 agremiações em todo Estado.

As novas vagas abertas são exclusivas para atrações artísticas carnavalescas, tais como: Blocos Carnavalescos, Ligas Carnavalescas, Escolas de Samba, Grupos Afro-Alagoano. “A seleção visa promover o fomento e a difusão dos Blocos Carnavalescos e Escolas de Samba em todo o Estado, bem como, o fortalecimento e a democratização do carnaval, valorizando as tradições, a participação das comunidades locais e repassar de forma democrática os recursos alocados para apoio ao Carnaval de Alagoas”, explica o secretário Paulo Poeta.

As inscrições deverão ser realizadas no período de 13 a 20 de fevereiro, de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h, no protocolo da SECULT. Poderão participar desta Convocatória, as Pessoas Jurídicas de direito privado, de natureza cultural, com ou sem fins lucrativos, representante de um ou mais grupos  que deverão estar comprovadamente por meio de fotos ou vídeos, em pleno funcionamento por, no mínimo, três anos.

Os blocos carnavalescos serão selecionados tendo como base o mapa de Regiões de Planejamento de Alagoas, da seguinte forma: 18 blocos carnavalescos para a região Metropolitana; 32 blocos carnavalescos para as demais localidades, sendo 04 blocos carnavalescos por região.

O valor a ser destinado a cada bloco carnavalesco é o de R$ 4 mil. Já para as Escolas de Samba, R$ 10 mil. O resultado final será divulgado no dia 27 de fevereiro.

As documentações e formulários para inscrição estão disponíveis no link https://bit.ly/2Gr8L3G

Share

BAHIA: Teatro Vila Velha lança programação com Lavagem, samba e feijoada

espetaculo_porque_hecuba_ft_marcio_meirelles

Foto do espetáculo Por Que Hécuba que também integra a programação 2019 / Foto: Márcio Meirelles

Com atividades culturais diversificadas, o Teatro Vila Velha – espaço apoiado pelo Programa de Apoio a Ações Continuadas de Instituições Culturais, do Fundo de Cultura da Bahia – realiza neste domingo (17), a partir das 10h, a 2ª Lavagem do Teatro Vila Velha, para lançamento da programação 2019. O evento também vai marcar o encontro entre os artistas que integram a programação e o público do Teatro. Este ano serão 25 espetáculos, entre estreias, novas montagens e reapresentações em cartaz no Palco Principal e no Cabaré dos Novos. Além disso, o teatro recebe ainda festivais como o Vivadança, o Fiac, o Cena Brasileira e o Festac.

A programação terá suas vendas abertas a partir do lançamento. Na 2ª Lavagem acontece um cortejo performático com artistas do Vila e convidados, samba ao vivo, o tradicional Brechó do Vila e uma feijoada preparada pelo ator do Bando de Teatro Olodum e Afro-Chef, Jorge Washington, e pelo chefe de palco do Teatro, Marcos Dedê. A lavagem segue até às 17h.

Já o cortejo percussivo será formado por atores do Bando de Teatro Olodum, do Grupo Teatro dos Novos, da Universidade Livre do Teatro Vila Velha, artistas convidados e pelo público presente, que seguirão pelas redondezas do Vila e depois farão a Lavagem das escadas do Cabaré dos Novos. Na sequência, será apresentada a programação anual num telão, com a presença da coordenação, elenco e diretores dos espetáculos. Logo após será servida a feijoada (R$ 25, o prato) ao som de sambas da Bahia. Durante o evento, acontecerá mais uma edição do Brechó do Vila, com venda de roupas, acessórios, livros e música.

O evento integra as ações do projeto O Vila se Reinventa, uma estratégia da organização do teatro para a compra antecipada de ingressos, que inclui calendário anual de novas montagens e reposições do seu repertório, além dos espetáculos de grupos e artistas convidados.  A 1ª Lavagem do Vila aconteceu em 1996, quando foi inaugurada a primeira etapa da reforma do Teatro vila Velha.

Este ano o Vila estreia dois grandes projetos. O primeiro é uma nova edição do Três e Pronto, no qual um elenco ensaia durante três semanas e se apresenta durante mais três semanas. Serão nove textos de dramaturgos portugueses contemporâneos, entre eles Isabel Milhanas Machado, Carlos Alberto Machado, Pedro Eiras e Sabrina Marques, dirigidos por baianos como Celso Jr., Chica Carelli, Fernanda Paquelet, Hebe Alves, João Sanches e Paula Lice.

O segundo grande projeto é a montagem de “A Tempestade”, considerada a última peça escrita por William Shakespeare, provavelmente entre 1610 e 1611. Além disso, o Vila reapresenta algumas de suas montagens recentes, como A Última Virgem (texto de Nelson Rodrigues/direção de Celso Júnior) e Por que Hécuba (texto de Matéi Visniec/direção de Marcio Meirellles).

Entre os espetáculos convidados, o Coral Ateliê e Escorpião, do grupo Ateliê Voador e Mal Invisível, do diretor Marcelo Sousa Brito (Coletivo Cruéis Tentadores); além do evento Liquidificador de Mídias, do coletivo Coato. E também este ano o Bando de Teatro Olodum estreia no Vila sua nova montagem, O Coelhinho, com texto de Lázaro Ramos.

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais.

Serviço

 

2ª Lavagem do Teatro Vila Velha 
Onde: Cabaré dos Novos do Teatro Vila Velha
Quando: Dia 17/02 – domingo
Horário: 10h às 17h
Entrada Franca
Feijoada: R$ 25,00, o prato
Informações: (71) 3083-4600

Share

PERNAMBUCO: “Tito e os Pássaros”, “Parquelândia” e “Fevereiros” estreiam no São Luiz

tito-e-os-passaros-animacao-607x354

Tito e os Pássaros foi uma das animações indicadas ao Oscar na última edição Foto: Divulgação

O primeiro deles é uma animação brasileira que, dirigida por Gustavo Steinberg, Gabriel Bitar e André Catoto Dias, tem sido largamente elogiada pela crítica e público. A produção, que foi uma das 25 pré-selecionadas para a disputa pelo Oscar de animação, conta a história de Tito, um menino tímido de 10 anos que vive com sua mãe. De repente, uma estranha epidemia começa a se espalhar, fazendo com que pessoas fiquem doentes quando se assustam. Tito rapidamente descobre que a cura está relacionada à pesquisa feita por seu pai ausente sobre o canto dos pássaros. Ele embarca numa jornada com seus amigos para salvar o mundo da epidemia. A busca de Tito pelo antídoto se torna uma jornada para encontrar seu pai ausente e sua própria identidade.

Divulgação

Divulgação

Parquelândia é o primeiro longa da cineasta pernambucana Cecília da Fonte

Na quinta-feira (14), às 20h, haverá uma sessão especial do filme “Parquelândia”, primeiro longa da cineastra pernambucana Cecília da Fonte. O longa, que conta com incentivo do Governo do Estado, por meio dos recursos do Funcultura, acompanha o cotidiano de trabalhadores e trabalhadoras de um parque de diversões itinerante que atravessa o sertão do Piauí e Pernambuco, e revela as condições precárias de trabalho a que essas pessoas estão submetidas.

Já “Fevereiros“, dirigido por Marcio Debellian, retrata a carreira da cantora Maria Bethânia a partir do vitorioso desfile da Mangueira em sua homenagem, em 2016, e mostra a construção do Carnaval da escola de samba, dos desenhos das primeiras alegorias aos desfiles na avenida. “O que me interessou desde o início, independente do resultado que o Carnaval viria a ter, foi o recorte que a Mangueira escolheu para o enredo”, diz o diretor. “Entre as inúmeras possibilidades de se homenagear Maria Bethânia, a escola escolheu tratar da sua devoção religiosa, do seu sincretismo pessoal que junta o candomblé, devoção católica e sabedorias herdadas dos índios”, diz Debellian.

“Fevereiros” rodou 29 festivais de cinema pelo mundo, passando por países como Canadá, França, Rússia, Suíça, Espanha, Itália, Chile, Uruguai, Congo e Senegal. É vencedor do prêmio de Melhor Filme no 10º IN-Edit Brasil e recebeu Menção Honrosa do Júri na competitiva Ibero-americana do 36º Festival Internacional do Uruguai.

O São Luiz ainda exibe nesta semana os filmes: A Esposa e O Beijo no Asfalto. Com som e projeção digitais, o São Luiz é o cinema de rua mais moderno de Pernambuco. Os ingressos custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia-entrada). Às terças-feiras, os valores caem para R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia-entrada), respectivamente. Não há exibições às segundas-feiras. Confira a programação completa abaixo:

TITO E OS PÁSSAROS
(Brasil, 2018, 73min.)
Gênero: Animação | Direção: Gustavo Steinberg, Gabriel Bitar, André Catoto Dias
Classificação Etária: Livre
Sinopse: O filme conta a história de um menino que é responsável, junto com seu pai, por achar a cura para uma doença que é contraída após a pessoa tomar um susto.
Dias e horários: quinta-feira (14), sexta-feira (15), sábado (16), domingo (17), terça-feira (19) e quarta-feira (20), às 14h30.

PARQUELÂNDIA
(Brasil, 2018, 73min.)
Gênero: Documentário | Direção: Cecília da Fonte
Classificação Etária: 12 anos
Sinopse: O filme é um documentário que acompanha o cotidiano de trabalhadores e trabalhadoras de um parque de diversões itinerante que atravessa o sertão do Piauí e Pernambuco e revela as condições precárias de trabalho a que essas pessoas estão submetidas.
Dias e horários: quinta-feira (14), às 20h | sexta-feira (15), domingo (17) e quarta-feira (20), às 16h05 | sábado (16) e terça-feira (19), às 19h30.

FEVEREIROS
(Brasil, 2017, 73min.)
Gênero: Documentário | Direção: Márcio Debellian
Classificação Etária: Livre
Sinopse: A partir do vitorioso carnaval da Mangueira em homenagem a Maria Bethânia, o filme percorre uma viagem entre Rio e Bahia, acompanhando a cantora no universo familiar, festivo e religioso que inspirou o enredo.
Dias e horários: quinta-feira (14), às 16h30 | sexta-feira (15), domingo (17) e quarta-feira (20), às 19h30 | sábado (16) e terça-feira (19), às 16h05.

A ESPOSA
(The Wife, Suécia, EUA, 2017, 101 min.)
Gênero: Suspense | Direção: Björn Runge | Elenco: Glenn Close, Jonathan Pryce, Max Irons | Classificação Etária: 12 anos
Sinopse: Enquanto viaja para Estocolmo com o marido, que receberá o Prêmio Nobel de Literatura, Joan (Glenn Close) questiona suas escolhas de vida. Durante os 40 anos de casamento, ela sacrificou seu talento, sonhos e ambições, para apoiar o carismático Joe (Jonathan Pryce) e sua carreira literária.  Assediada por um jornalista (Christian Slater) ávido por escrever uma escandalosa biografia de Joe, agora Joan enfrentará o maior sacrifício de sua vida e alguns segredos há muito enterrados finalmente virão à tona.
Dias e horários: sexta-feira (15), domingo (17) e quarta-feira (20), às 17h35.

O BEIJO NO ASFALTO
(Brasil, 2017, 98min.)
Gênero: Drama | Direção: Murilo Benício | Elenco: Lázaro Ramos, Débora Falabella, Otávio Müller | Classificação Etária: 12 anos
Sinopse: Baseado na peça homônima escrita por Nelson Rodrigues. Ao presenciar um atropelamento, Arandir, um bancário recém-casado, tenta socorrer a vítima, mas o homem, quase morto, só tem tempo de realizar um último pedido: um beijo. Arandir beija o homem, mas seu ato é flagrado por seu sogro Aprígio e fotografado por Amado Ribeiro, um repórter policial sensacionalista.
Dias e horários: quinta-feira (14), às 18h | sábado (16) e terça-feira (19), às 17h35.

Share

Gestores culturais debatem desafios do setor com Secretário Especial

2019-02-13_Fórum-Secretários-e-Gestores-de-Cultura_Clara-Angeleas-1024x682

O Fundo Nacional da Cultura e a Lei Rouanet estiveram em debate durante encontro de gestores culturais (Foto: Clara Angeleas / Secretaria da Cultura)

Os principais desafios do setor cultural em 2019 foram apresentados nesta quarta, durante a Assembleia Geral do Fórum Nacional de Secretários e Gestores de Cultura das Capitais e Municípios Associados. O secretário especial da Cultura do Ministério da Cidadania, Henrique Pires, recebeu gestores culturais de todo o País, na sede da Frente Nacional de Prefeitos, em Brasília (DF). Entre os assuntos debatidos no encontro, se destacaram as perspectivas de adequações na Lei Rouanet e o Fundo Nacional da Cultura.

“Sei das dificuldades de quem está lá na ponta, pois já estive neste mesmo lugar. Essa visita é de aproximação, nosso gabinete está aberto para todos os secretários do País. O grande desafio agora é pacificar o setor”, avaliou Pires. O secretário destacou estudos para ampliar o incentivo fiscal do setor cultural para fora do eixo Rio-São Paulo, com o objetivo de criar um público cativo para exposições, espetáculos e eventos culturais em todo o País.

Além de fortalecer o Fundo Nacional da Cultura, Pires também mencionou o reforço a ser empenhado em relação às emendas parlamentares, junto ao Congresso Nacional. O secretário lembrou que essas emendas são efetivas para complementar o orçamento destinado a programas e projetos vinculados à Secretaria Especial da Cultura.

O presidente do Fórum Nacional, Vicente Cavalcante Palmeira, reforçou a importância da proximidade entre a Secretaria Especial e os gestores municipais. “É preciso que haja um foco nesse sentido e estamos aqui, à disposição, porque essa briga também é nossa”, pontuou.

Assessoria de Comunicação
Secretaria Especial da Cultura
Ministério da Cidadania

Share