Arquivo do autor:Ministério da Cultura - Regional Nordeste

ALAGOAS: Cenarte abre matrículas para cursos de teatro nesta segunda-feira (22)

cena

A última semana de matrículas para o primeiro semestre de 2018 está aberta no Centro de Belas Artes de Alagoas (Cenarte), equipamento da Secretaria de Estado da Cultura (Secult). Nesta segunda-feira (22), têm início as inscrições para preenchimento de vagas para os cursos de teatro, todos gratuitos, encerrando as vagas letivas.

As matrículas têm períodos diferentes e podem ser feitas na secretaria da escola, de segunda à sexta-feira, das 9h às 13h. As inscrições são limitadas ao preenchimento das vagas. Na semana passada, todas as vagas para os cursos de música tiveram 100% de preenchimento.

Para matrícula é necessário estar de posse de documentos, tais como: RG, CPF, comprovante de residência, todos originais, e uma foto 3×4. Menores de idade devem estar acompanhados do responsável.

Criado há 35 anos, o Cenarte visa à promoção do acesso aos bens artístico-culturais e a prestação de serviços em artes, dança, música e teatro. O equipamento cultural está localizado na Rua Pedro Monteiro, 108, Centro de Maceió. Mais informações através do telefone: 3315-7871.

Confira abaixo o quantitativo de vagas e período de matrícula para cada curso:

Teatro e outros – Perído de matrícula: de 22 a 26 de janeiro/2018

·         Teatro: 80 vagas (manhã e tarde)

·         História da Arte: 200 vagas (manhã e tarde)

·         Oficina de Origami: 13 vagas (tarde)

Share

BAHIA:Fortaleza do Morro de São Paulo (BA) é entregue à comunidade com modelo de gestão inovador

fortaleza_morro_de_sao_paulo

Um dos mais importantes monumentos militares do Brasil, a Fortaleza do Morro de São Paulo, no município de Cairu (BA), foi inaugurado no último dia 20 de janeiro como espaço aberto à sociedade e ao turismo, contando com locais para exposição, espetáculos teatrais e eventos, de maneira a acolher os visitantes com a infraestrutura e as condições necessárias para que conheçam e valorizem esse rico patrimônio cultural. Após uma extensa obra de restauro, supervisionada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a edificação conta agora com um Plano de Gestão Participativo que tem como objetivo garantir a sustentabilidade no uso do monumento. A edificação foi restaurada com recursos da Lei Rouanet, captados junto ao Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) pelo Instituto do Desenvolvimento do Baixo-Sul (IDES), num montante de R$ 14 milhões.

O complexo, cujo projeto é atribuído ao engenheiro militar português Miguel Pereira da Costa, é composto por 600 metros de muralhas e ruínas da construção original e passou por um intenso trabalho de recuperação, restauração e revitalização. Para implementar o uso sustentável do espaço, o projeto para restauro do bem inclui a criação de um Comitê de Governança da Fortaleza do Morro de São Paulo, envolvendo representantes da sociedade civil, trade turístico, além de órgãos públicos como o Iphan, Secretaria de Patrimônio da União (SPU), Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac), Secretaria Estadual de Turismo, Sebrae, Secretaria do Trabalho, Prefeitura Municipal de Cairu, dentre outros. O objetivo é a elaboração de um Plano de Gestão Participativo que estabeleça reflexões e deliberações em diversas áreas – como comunicação, infraestrutura e segurança – o que fortalecerá uma gestão integrada contínua do monumento, visando colocar o conjunto arquitetônico junto à dinâmica turística, econômica e cultural da região.

O monumento é um Sistema Fortificado tombado pelo Iphan em 1938, pelo seu relevante interesse arquitetônico e histórico para a Bahia e o Brasil. Por sua posição geográfica estratégica, o local já existia na época da Invasão Holandesa e, tempos depois, teve grande importância durante a Independência do Brasil, contribuindo para a libertação da Bahia. O bem concentra parte da rica história da Marinha Imperial do Brasil.

As obras de restauro foram executadas em duas etapas, dada a complexidade das intervenções. A primeira delas correspondeu à elaboração de projetos executivos e complementares, juntamente com a intervenção imediata e emergencial nas muralhas da Fortaleza, cujo estado de conservação oferecia risco iminente de perda de trechos consideráveis do monumento, em decorrência da ação constante das marés, as enxurradas oriundas do morro e, também, do esforço causado pelas raízes da vegetação existente nas suas imediações.

A segunda etapa contemplou a intervenção no restante do monumento, restaurando-o readequando-o aos novos usos propostos, destacando-se a restauração do Portaló, do Corpo da Guarda, do Forte da Ponta e do caminho ao longo da muralha. A intenção é valorizar o passado da região, por meio da implantação de um espaço de educação patrimonial e histórica, fazendo sua ligação com o presente e apontando caminhos para o futuro. O espaço será usado para exposição e comercialização de produtos típicos, impulsionando empreendimentos da economia criativa: artesanato, culinária, entre outros serviços da comunidade artística local. Ao ar livre haverá um anfiteatro (desmontável), dinamizando o calendário de eventos. Serão implantados também um núcleo receptivo turístico logo na entrada do monumento, bem como um pequeno núcleo de apoio aos visitantes.

Share

MINC: Mercado livreiro em alta: venda de livros cresce em 2017

pesquisa_cnel_livros_interna

O ano de 2017 trouxe bons resultados para o mercado de livros. É o que mostra o Painel das Vendas de Livros no Brasil, divulgado nesta sexta (19) e realizado pela Nielsen Bookscan Brasil, em parceria com o Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL).

A pesquisa mostra que houve aumento do faturamento em 6,15% nas vendas de livros entre 2016 e 2017, o equivalente a cerca de R$ 100 milhões. Se avaliarmos em termos de volume, houve crescimento acumulado de 4,55% em vendas de títulos, o equivalente a aproximadamente 1,8 milhões de exemplares.

Ismael Borges, gestor da Nielsen Bookscan Brasil, afirma que o crescimento do setor é real, fruto do trabalho e dedicação do mercado livreiro e de uma baixa na inflação do último ano. “O aumento de 6,15% é o maior, em termos absolutos, dos últimos três anos. No ano passado, esse percentual foi, inclusive, negativo (-3,09%)”, destacou Borges.

O gestor ainda ressaltou que em 2017 – diferentemente de 2015, em que houve um “boom” dos livros coloridos – não houve nenhum fenômeno editorial, seja em termos de autor, seja em termos de gênero. “O que vemos no estudo é que houve um crescimento de vendas sólido e regular ao longo dos meses. É sustentável em função de um trabalho regular do mercado livreiro”, avalia.

Outro ponto de destaque diz respeito ao International Standard Book Number (ISBN), sistema que identifica numericamente os livros segundo o título, o autor, o país e a editora. Entre 2016 e 2017, houve um acréscimo de 17,83% na procura por ISBN diferentes. “Isso significa que houve crescimento de livros que não haviam sido comercializados no ano anterior, tanto em termos de lançamentos, quanto de livros antigos, que voltaram a ser vendidos”, pontuou.

A escritora Ana Miranda, agraciada pela Ordem do Mérito Cultural em 2017, destaca que o crescimento apontado pela pesquisa é bom não só para escritores e para o mercado, mas para o País. “Tenho sentido que o livro está tomando uma força maior e quanto maior o movimento de leitura, melhor. O povo de um País precisa aprender a ler livros para aprender a ler o mundo”, afirmou.

Sobre a pesquisa

O objetivo da criação do Painel é dar mais transparência à indústria editorial brasileira. Para a realização do estudo, os dados são coletados diretamente do “caixa” das livrarias, e-commerce e varejistas colaboradores. As informações são recebidas eletronicamente em formato de banco de dados. Após o processamento, os dados são enviados online e atualizados semanalmente. Nielsen Bookscan é o primeiro serviço de monitoramento de vendas de livros no mundo. O SNEL divulga o Painel das Vendas de Livros no Brasil a cada quatro semanas.

Mais vendidos 

Segundo pesquisa divulgada pela Publishnews, os livros mais vendidos em 2017 foram: Batalha Espiritual, de Padre Reginaldo Manzotti; Sapiens, de Yuval Noah Harari; O homem mais inteligente da história, de Augusto Cury; O poder da ação, de Paulo Vieira; Origem, de Dan Brown; Propósito, de Sri Prem Baba; Por que fazemos o que fazemos?, de Mário Sérgio Cortella; Felipe Neto, de Felipe Neto; Rita Lee, uma autobiografia, de Rita Lee; e Ansiedade – Como enfrentar o mal do século, de Augusto Cury.

Leia a pesquisa Painel das Vendas de Livros no Brasil

Share

PERNAMBUCO: Rodas de Frevo animam os dois últimos domingos de janeiro no Paço do Frevo

33141866763_f29baac213_o

Faltando 21 dias para o Carnaval, o Paço do Frevo reforça o extenso calendário de prévias momescas , com duas Rodas de Frevo, nos dois últimos domingos de janeiro, 21 e 28. Os eventos, gratuitos e abertos ao público, acontecem na área externa do Paço do Frevo, reunindo cerca de 80 músicos em um orquestrão, a partir das 16h.

O objetivo do evento é disponibilizar um palco para a produção de músicos independentes ou em formação, que poderão apresentar composições suas, executar os clássicos da folia ou vesti-los com novos arranjos, assegurando frescor a uma das maiores e mais antigas instituições do Carnaval e da cultura pernambucana: o frevo.

A ação ocorrerá sob direção do Maestro Spok e apoio pedagógico-cultural do Paço do Frevo. Para se apresentar nas Rodas de Frevo, é preciso fazer uma inscrição prévia pelo telefone 3355-9500.

Paço do Frevo – Instalado no Bairro do Recife, o Paço do Frevo é um espaço dedicado à difusão, pesquisa, lazer e formação sobre o frevo que se toca, que se dança e que se vive no Recife, visando propagar sua prática e sua tradição para as futuras gerações. No equipamento cultural da Prefeitura do Recife, os visitantes podem mergulhar em um vasto universo de personalidades, histórias e memórias, experimentando o carnaval pernambucano durante o ano todo.

O equipamento, inaugurado em 2014, é um centro de referência de ações, projetos e atividades de documentação, transmissão e valorização do frevo, uma das principais tradições culturais brasileiras, reconhecido como Patrimônio Imaterial da Humanidade pela Unesco.

Serviço
Rodas de Frevo

Domingos, dias 21 e 28 de janeiro

Horário: 16h

Endereço: Paço do Frevo. Praça do Arsenal da Marinha, s/nº, Bairro do Recife

Acesso gratuito

Para inscrições de músicos: 3355-9500

Share

MINC: Olhar feminino ganha a telona na programação da Cinemateca

photo5120863046183528498

A Cinemateca Brasileira abriu, nesta quinta-feira (18), a programação oficial para 2018 com a mostra Mulheres, Câmeras e Telas. Até 4 de fevereiro, serão exibidos mais de 40 filmes, de diversos períodos da filmografia nacional, que destacam profissionais que atuaram em diferentes áreas da produção audiovisual, entre cineastas, atrizes, fotógrafas, roteiristas, montadoras e produtoras. A Cinemateca integra a Secretaria do Audiovisual (SAv) do Ministério da Cultura (MinC) – o ministro, Sérgio Sá Leitão, participou da solenidade de abertura.

“Nós temos uma preocupação muito grande com a questão de gênero no audiovisual. Pesquisas recentes mostraram, no cinema brasileiro, uma desproporção muito grande entre o peso da mulher na sociedade e na produção audiovisual. Obviamente, precisamos estimular, induzir e promover a participação feminina”, destacou Sá Leitão. “Precisamos ter uma política para isso, não podemos ficar apenas com uma medida aqui e outra ali, que acabam sendo apenas paliativas e não geram um resultado de fato. Solicitamos ao Conselho Superior de Cinema que trate deste assunto e formule políticas para a inclusão não apenas de gênero, mas também de raça. A ideia é constituir um grupo de trabalho para tratar do tema”, completou.

O filme Eternamente Pagu (1987), de Norma Bengell, abriu a mostra. O longa conta a história da escritora, diretora de teatro e militante política Patrícia Rehder Galvão, a Pagu, interpretada pela atriz Carla Camurati. Outros destaques são Amor maldito (1984), de Adélia Sampaio, primeira cineasta negra a dirigir um longa-metragem no Brasil; Amélia (2000), de Ana Carolina; Vida de doméstica (1976), de Eliana Bandeira; e O ébrio (1946), de Gilda de Abreu, uma das dez maiores bilheterias da história do cinema brasileiro e a maior da época.

Também farão parte da mostra longas de diretoras estrangeiras, como Romance (1999), de Catherine Breillat, poderoso filme feminista que causou polêmica em seu lançamento por conta de suas cenas de sexo explícito; O estranho que nós amamos  (2017), de Sofia Coppola; e A Menina Santa (2004), da cineasta argentina Lucrecia Martel.

A mostra será encerrada no dia 4/2, com a sessão dupla ao ar livre do curta de animação Frankenstein punk (1986), de Eliana Fonseca, seguida pela exibição de Lua de Cristal (1990), de Tizuka Yamasaki. Confira a programação completa no site da Cinemateca.   

Revista Filme Cultura

Durante a solenidade de abertura, também houve o lançamento da 63ª edição da Revista Filme Cultura, que tem o mesmo tema da mostra: Mulheres, Câmeras e Telas. Entre os temas abordados pela publicação estão mulheres negras no audiovisual, mulheres pioneiras no audiovisual, a representação da mulher em filmes brasileiros, a violência contra a mulher e o cinema contemporâneo nacional e suas possibilidades de subversão no audiovisual independente.

Dedicada à pesquisa, à reflexão e à divulgação do cinema brasileiro, a revista Filme Cultura foi lançada em 1966 e circulou até 1988. De 2010 a 2013, voltou a ser publicada, com as edições de 50 a 61. Em 2017, a revista foi novamente retomada, apostando em um modelo que possibilitasse a participação da sociedade na produção dos textos. Foram realizados, nas edições 62 e 63, editais de chamada para textos, abrindo espaço para quem quisesse contribuir, ampliando as possíveis vozes e democratizando o acesso ao ambiente da pesquisa cinematográfica brasileira.

Confira a programação da mostra Mulheres, Câmeras e Telas

Share

BAHIA: Samba, rap, afro pop e axé integram mistura de ritmos do Pelourinho

diamba

(Foto: Divulgação)

Para começar mais uma semana em ritmo de Carnaval os Largos do Pelourinho recebem variadas atrações. A proposta é misturar alguns dos ritmos existentes na Bahia para garantir um verão de festas para todos os públicos. Entre as atrações, Diamba, Rashid, Olodum, Cortejo Afro e Gerônimo são alguns dos destaques, em encontros com convidados especiais.

Sexta-feira (19), no Largo Pedro Archanjo será o Dia D, festa comandada pela Diamba às 21h. A banda trabalha em um ritmo eletrizante e sempre busca inovar o som, arriscando novos arranjos e mostrando canções inéditas, com participação do DJ Telefunksoul. O valor do ingresso é R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia). Já no Largo Quincas Berro D’Água acontece mais uma noite do evento Sampelô Prime com a banda Viola de Doze às 20h. Os ingressos custam R$ 20 e R$ 10.

No sábado (20) no Largo Quincas Berro d’Água, às 20h, é noite do Samba Axé Sertanejo, com as bandas Miskuta, Samba do Pretinho e convidados. Ingressos R$ 20 e R$ 10. Já no Largo Pedro Archanjo, às 20h, tem show da Banda Tá Na Fita, a entrada é gratuita.

Ainda no sábado, acontece o festival Rap Conecta, no Largo Tereza Batista, às 21h, a atração principal é o rapper Rashid. O evento traz as participações de DJ Mr. Brown e do MC Godô. Ainda terá como convidados especiais Kamau, MC paulistano e parceiro de longa data do rapper, MC Cdoze e o trio Versu2 completando as atrações. Ingressos de R$ 40,00 (inteira) e R$ 20 (meia).

Domingo (21), tem ensaio do Bloco Olodum, no Largo Tereza Batista, a partir das 14h. Ingressos R$ 50. Comemorando os 10 anos da Faixa Negra – 107.5 Educadora FM, um grande show com Opanijé, Tambores do Mundo, Zabah Bush e Juliana Ribeiro acontece no Largo Pedro Archanjo, a partir das 17h. O evento é gratuito. Já no Largo Quincas Berro d’Água, às 19h, tem o primeiro dia do Festival Alerta Geral, com 20 compositores disputando as semifinais do concurso. A festa ainda conta com o show do Grupo Miudinho. Ingressos R$ 20 e R$ 10.

Na segunda-feira (22), no Largo Tereza Batista, às 14h, acontece o primeiro dia da Oficina de Percussão com o grupo Bahia Connection, formado por percussionista estrangeiros. O objetivo do evento, que acontece pelo quarto ano consecutivo, é promover encontros com mestres de percussão da música baiana. O público pode assistir ao evento, que acontece diariamente até o dia 27, sendo os demais dias no Largo Pedro Archanjo.

cortejoafro_foto_sidney_rocharte

Foto: Sidney Rocharte

Ainda na segunda-feira, a banda Cortejo Afro promove mais uma noite elegantemente sofisticada no Pelourinho, mas dessa vez em casa nova. O ensaio vai acontecer no Largo Quincas Berro d’Água, às 20h. Os convidados desta semana são Larissa Luz, Olodum e Edu Casa Nova. Ingressos R$ 40 e R$ 20. Também às 20h, acontece no Largo Tereza Batista o evento ‘Axé Forever – Nossa História’, com participação de Ademar Furtacor, Robson Morais, Zé Paulo e Zé Honório. Ingressos a R$ 20 e R$ 10.

Na terça-feira (23), o Festival Alerta Geral agita mais uma vez o Largo Quincas Berro d’Água, às 19h, com a disputa entre 10 compositores finalistas e ainda os shows de Bambeia e Délcio Luz. Ingressos R$ 20 e R$ 10. Gerônimo Santana recebe os cantores Márcio Victor e Márcia Castro, além da banda É O Tchan. A apresentação, que integra o projeto O Pagador de Promessa, acontece no Largo Pedro Archanjo, às 20h, com ingressos a R$ 40 e R$ 20. No Largo Tereza Batista, às 20h, a banda Afrodisíaco realiza ensaio de verão com as participações de Timbalada Século XXI, Tatau e Samba do Pretinho. Ingressos a R$ 20 e R$ 10.

Na quarta-feira (24) acontece mais um ensaio do Bloco Muzenza apresentando uma mistura do movimento existente no ritmo do reggae em harmonia com a batida da percussão. O ensaio começa às 20h, no Largo Pedro Archanjo, com ingressos a R$ 20 e R$ 10. No Largo Tereza Batista, às 20h, o projeto Barca da Folia apresenta como proposta fundir os vários elementos da música de matriz africana da Bahia, Jamaica, de Angola, Cuba e a música pop negra de vários locais do mundo. Tudo isso com muito Groove, alegria, graça e muita descontração. Entrada franca.

Na quinta-feira (25), o Samba Junino comanda o evento ‘Viva o Samba da Bahia’ com o objetivo de promover a cultura local nos bairros mais populares, às 20h, no Largo Pedro Archanjo. Ingressos a R$ 15,00 e R$ 7,00. No Largo Tereza Batista, às 20h, tem Jahdirá na Área, apresentando músicas autorais da banda que pretende renovar o cenário reggae de Salvador. Ingressos R$ 20 e R$ 10. Já no Largo Quincas Berro d’Água, os ensaios de verão da Patrulha do Samba continuam recebendo convidados especiais, às 20h. Ingressos R$ 25.

A programação dos Largos do Pelourinho tem apoio da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA), por meio do Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI) e o Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC), através da cessão gratuita de pauta. A programação é sujeita a alterações, de responsabilidade das respectivas produções dos eventos.

Dia D – Diamba
Data: 19 de janeiro, sexta-feira, às 21h
Local: Largo Pedro Archanjo
Valor: R$ 40,00 e R$ 20,00

Sampelô Prime – Viola de Doze
Data: 19 de janeiro, sexta-feira, às 20h
Local: Largo Quincas Berro D’Água
Valor: R$ 20,00 e R$ 10,00

Rap Conecta – Rashid e convidados
Data: 20 de janeiro, sábado, às 21h
Local: Largo Tereza Batista
Valor: 1º Lote R$ 40,00 e R$ 20,00 / 2º Lote R$ 60,00 e R$ 30,00

Tá na Fita 
Data: 20 de janeiro, sábado, às 20h
Local: Largo Pedro Archanjo
Entrada gratuita

Samba Axé Sertanejo – Miskuta, Samba do Pretinho e convidados
Data: 20 de janeiro, sábado, às 20h
Local: Largo Quincas Berro D’Água
Valor: R$ 20,00 e R$ 10,00

Ensaio do Bloco Olodum
Data: 21 de janeiro, domingo, às 14h
Local: Largo Tereza Batista
Valor: R$ 50,00

10 Anos da Faixa Negra 107.5
Atrações: com Opanijé, Tambores do Mundo, Zabah Bush e Juliana Ribeiro
Data: 21 de janeiro, domingo, às 17h
Local: Largo Pedro Archanjo
Entrada gratuita

Festival Alerta Geral
Data: 21 e 23 de janeiro, domingo e terça, às 19h
Local: Largo Quincas Berro D’Água
Valor: R$ 20,00 e 10,00

Cortejo Afro
Data: 22 de janeiro, segunda-feira, às 20h
Local: Largo Quincas Berro d’Água
Valor: R$ 40,00 e R$ 20,00

Axé Forever – A Nossa História
Atrações: Ademar Furtacor, Robson Morais, Zé Paulo e Zé Honório
Data: 22 de janeiro, segunda-feira, às 20h
Local: Largo Tereza Batista
Valor: R$ 20,00 e R$ 10,00

Oficina de Percussão – Grupo Bahia Connection
Data: 22, 23, 24, 25 de janeiro, às 14h
Local: Largo Tereza Batista
Entrada gratuita

Gerônimo – O Pagador de Promessa
Data: 23 de janeiro, terça-feira, às 20h
Local: Largo Pedro Archanjo
Valor: R$ 40,00 e R$ 20,00

Banda Afrodisíaco e convidados
Data: 23 de janeiro, terça-feira, às 21h
Local: Largo Tereza Batista
Valor: R$ 20,00 e R$ 10,00

Ensaios do Muzenza
Data: 24 de janeiro, quarta-feira, às 20h
Local: Largo Pedro Archanjo
Valor: R$ 20,00 e R$ 10,00

Ensaios Barco Folia
Data: 24 de janeiro, quarta-feira, às 20h
Local: Largo Tereza Batista
Entrada gratuita

Viva o Samba da Bahia – Liga do Samba Junino de Salvador
Data: 25 de janeiro, quinta-feira, às 20h
Local: Largo Pedro Archanjo
Valor: R$ 15,00 e R$ 7,00

Jadhirá Na Área
Data: 25 de janeiro, quinta-feira, às 20h
Local: Largo Tereza Batista
Valor: R$ 20,00 e R$ 10,00

Patrulha do Samba
Data: 25 de janeiro, quinta-feira, às 20h
Local: Largo Quincas Berro D’Água
Valor: R$ 25,00

Share

MINC: Uso da internet na cultura ainda é desafio, aponta estudo inédito

artes_site-02

O uso das tecnologias da informação e comunicação, as chamadas TICs, pode ser melhor aproveitado pelos equipamentos culturais brasileiros, tais como instituições culturais, bibliotecas, cinemas, museus, teatros e pontos de cultura. É o que revela a 1ª edição da pesquisa TIC Cultura 2016, divulgada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CHI.br), por meio do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) e do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br).

Segundo a pesquisa, a presença na internet, por meio de websites e redes sociais, a oferta de serviços on-line, e a ampliação do acesso universal à diversidade de expressões culturais pela web, sao desafios a serem enfrentados pelos estabelecimentos que desempenham atividades culturais no Brasil. Foram ouvidos funcionários de 2.389 equipamentos culturais, incluindo arquivos públicos e privados, bens tombados, bibliotecas, cinemas, museus, teatros e pontos de cultura – entidades culturais certificadas pelo Ministério da Cultura (MinC). A pesquisa foi realizada entre novembro de 2016 e abril de 2017 e abordou questões como gestão interna, contato com o público e digitalização de acervos.

Presença na internet

De acordo com o estudo, o uso do computador é praticamente universalizado entre cinemas (98%) e arquivos (99%), por exemplo, mas ainda pode ser expandido em bens tombados (69%), bibliotecas (78%) e museus (81%). O uso da Internet revela um cenário semelhante: 98% dos cinemas e 97% dos arquivos estão conectados. Mas o percentual cai quando analisados os teatros e pontos de cultura (84%), os museus e bibliotecas (74% e 72%, respectivamente) e os bens tombados (64%).  A pesquisa também mostra desigualdades regionais: enquanto 81% das bibliotecas da região Sudeste utilizaram a Internet no ano anterior à pesquisa, o percentual alcança apenas 49% entre aquelas da região Norte.

A maior parte das instituições oferece serviços, informações ou assistência ao público pela Internet, com destaque para arquivos de informações (82%) – públicos e privados – e cinemas (76%). Entre os serviços oferecidos pela Internet, destacam-se a venda ou reserva de ingressos entre teatros e cinemas – estes agregam o maior percentual na venda de produtos e serviços (57%).

Quando analisa a presença nas redes, a pesquisa mostra que websites próprios são mais comuns entre cinemas (73%) e arquivos (57%) do que entre teatros (42%), museus (35%) e bibliotecas (9%). Já nas redes sociais, a presença é mais frequente: mais da metade dos cinemas (94%), pontos de cultura (77%), teatros (62%) e arquivos (54%) tem perfis nas mídias sociais. O percentual é menor nos museus (49%), bens tombados (48%) e bibliotecas (35%).

Em busca de melhorias

A pesquisa TIC Cultura revela, ainda, que a maior parte dos equipamentos culturais não tem área ou departamento de TI, nem contrata serviços nessa área, exceto no caso dos cinemas.  A justificativa apontada é a escassez de recursos financeiros, além do uso de dispositivos ultrapassados e a baixa velocidade de conexão.

Outro ponto da pesquisa diz respeito à digitalização de arquivos: a prática é mais comum nos arquivos públicos e privados (74%), pontos de cultura (63%) e museus (58%). A maior parte dos equipamentos, entretanto, digitalizou menos da metade dos itens de seus acervos – a principal dificuldade apontada é a falta de financiamento, seguida da falta de equipe qualificada. Mesmo entre aqueles que contam com acervo digitalizado, a maior parte o disponibiliza para o público na própria instituição, e não na Internet.

Formação e Informação

Em relação às atividades de capacitação e formação oferecidas ao público, tais como oficinas de cultura, a pesquisa aponta que elas ainda são predominantemente presenciais entre todos os tipos de equipamentos – a oferta de formação à distância não é prática comum, apresentando percentuais acima de 10% apenas entre pontos de cultura (13%) e arquivos (17%).

Já nos pontos de cultura, destacam-se o uso das tecnologias da informação e comunicação para a captação de recursos (54%), para a busca de informações sobre editais governamentais (77%) e para a participação nesses editais (74%), por exemplo.

Leia a Pesquisa TIC Cultura 2016

Share

MINC | MinC economiza mais de 8 milhões em 2017 com adoção de novas práticas

minc-economia-interna

Com uma fórmula que envolveu otimização de espaços e uso de pessoal, cortes de contratos terceirizados e novas práticas adotadas no dia-a-dia dos funcionários, o Ministério da Cultura (MinC) alcançou uma economia de R$ 8,3 milhões em 2017. “A redução de gastos é extremamente importante. Quando fazemos cortes para reduzir os nossos custos, temos a possibilidade de ter verba para as atividades finalísticas”, afirma o subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração da Secretaria Executiva do Ministério da Cultura, Felipe Marron.

A maior economia do MinC se deu com a realocação de pessoal, reduzindo o aluguel de espaços físicos ocupados pela pasta. Além do edifício-sede na Esplanada dos Ministérios, funcionários ficavam instalados em diversas salas de um edifício comercial na área central de Brasília (DF). Com a desocupação de um andar e meio do edifício, colaboradores e servidores foram realocados e cerca de R$ 4 milhões foram economizados, no ano.

Outra iniciativa que resultou na redução de uso de recursos públicos foi a de locação de veículos. “São ações de controle que vão sendo efetuadas, a gente substituiu o modelo de carros alugados com motorista pelo Taxigov. Agora, fazemos uma fiscalização da utilização para ver se não está tendo uma utilização indevida”, afirma Marron.

Na avaliação do subsecretário, o modelo inibe a utilização indevida do carro disponível para autoridades e funcionários. O MinC se antecipou e adotou o novo modelo de serviço contratado pelo Ministério do Planejamento em julho de 2017, apesar da adesão ao modelo ter sido prevista para novembro do último ano. A alteração gerou uma economia mensal de aproximadamente R$ 74 mil reais – e anual de R$ 890 mil reais.

“A gente sabe o trajeto de cada um, ponto a ponto: a hora que solicitou, a hora que chegou, para onde foi e o que foi fazer, porque tem que bater com a agenda, principalmente de quem é autoridade, que tem agenda publicada. Quem não tem agenda publicada, a gente pega e confere com as atividades que eles desenvolvem”, explicou Marron.

Para se dimensionar a importância da redução de gastos em 2017, o montante economizado representa a construção de quase quatro CEUs, o dobro do valor total da 5ª edição do Prêmio Culturas Populares ou ainda o custeio de editais do Programa Nacional de Fomento ao Audiovisual (Proav). Em 2018, outros contratos serão reduzidos e as ações de controle de gastos serão intensificadas.

Orçamento

Os recursos do orçamento do MinC financiam, além de políticas públicas culturais, a manutenção da sede, das seis representações regionais do MinC e de todas as suas sete entidades vinculadas – que inclui três autarquias e quatro fundações, os 30 museus administrados pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e as unidades do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) de todo o país. Em 2017, o orçamento executado do MinC foi de cerca de R$ 552 milhões, sendo cerca de 45% usado para atividades finalísticas como editais, prêmios e obras. O orçamento inicial do MinC para 2018 está em cerca de R$ 500 milhões – o valor ainda pode ser contingenciado.

Share

ANCINE renova apoio à participação brasileira em eventos internacionais de mercado

A Agência Nacional do Cinema – ANCINE instituiu, por meio de portaria publicada na última sexta-feira, 12 de janeiro, no Diário Oficial da União, a Ação de Apoio à Participação Brasileira em Eventos de Mercado e Rodadas de Negócios Internacionais. Em linhas gerais, As regras de participação na Ação são as mesmas do Programa de Apoio à Participação Brasileira em Eventos de Mercado e Rodadas de Negócios Internacionais. O programa foi renomeado e incorporado à Linha de Apoio à Internacionalização do Audiovisual do FSA.

ancin

Aprovada pelo Comitê Gestor do FSA, em dezembro, esta ação tem como finalidade promover a presença de profissionais brasileiros do audiovisual, em representação de empresas produtoras brasileiras, nos principais eventos internacionais do mercado audiovisual, criando mais oportunidades para encontros, trocas e negociações com as empresas de outros países presentes nesses eventos.

Será destinado o montante de R$ 800 mil em recursos do FSA para auxílio financeiro a representantes de produtoras independentes brasileiras para viabilizar a presença em eventos de mercado e encontros de negócios.

A Ação contempla um total de 29 eventos ao longo do ano. De acordo com o regulamento, podem requerer apoio os representantes de empresas produtoras brasileiras independentes registradas na ANCINE que tenham ao menos um CPB de obra emitido no prazo de 18 meses anterior ao evento pretendido, ou ao menos um SALIC de projeto em processo de realização no momento do pedido, ou um projeto selecionado pelo FSA nos últimos 24 meses, ou ainda, para o caso dos eventos de jogos eletrônicos, um relatório comercial de jogo eletrônico emitido por loja ou plataforma há menos de 36 (trinta e seis) meses. Cada empresa poderá ser contemplada com, no máximo, três apoios por ano, e não poderá pedir apoio para o mesmo evento por três anos consecutivos.

As solicitações devem ser realizadas no prazo máximo de 45 dias antes do início de cada evento, com exceção expressa apenas para o European Film Market/Festival de Berlim e para o Kidscreen, para os quais a antecedência é de 15 dias.

A lista de eventos contemplados pelo programa traz o número máximo de apoios a serem concedidos para cada um deles e nos casos em que o número de pedidos de apoio cumpridores dos requisitos obrigatórios exceda este número, será realizado processo de seleção, a partir de um sistema objetivo de pontuação.

Em 2017, o Programa de Apoio à Participação de Produtores de Audiovisual em Eventos de Mercado e Rodadas de Negócios concedeu 150 apoios financeiros, viabilizando a participação em mercados e rodadas de negócio ao redor do mundo.

Inscrições:

As solicitações de apoio devem ser efetivadas por meio do Sistema de Apoio Internacional no Portal ANCINE. O sistema elimina a necessidade de envio de formulários e anexos por e-mail, garante mais agilidade e segurança e dinamiza as solicitações direcionadas a ação de apoio gerida pela Assessoria Internacional da ANCINE. Dúvidas, críticas e sugestões podem ser enviadas para o endereço eletrônico  programa.mercados@ancine.gov.br.

 

Share

MARANHÃO | Casas de cultura receberam mais de 300 mil visitantes em 2017

1481037921-849068417

O ano de 2017 passou e deixou marcado na memória de muitos turistas e ludovicenses as belezas, sabores e história da cultura do Maranhão. No período, mais de 300 mil visitantes puderam apreciar o amplo cenário da produção cultural maranhense oferecido pelos 25 equipamentos culturais mantidos pelo Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Sectur).

Um dos impulsionadores do número de visitantes tem sido a facilidade de agendar pela internet o passeio, por meio do sistema Circuito de Visita Cultural, implantado desde 2016 e disponível no site da Sectur. Outra mudança foram os investimentos realizados na recuperação e manutenção dos equipamentos culturais além da criação de novos, como o Forte Santo Antônio que tem atraído muitos turistas.

As mais visitadas
A Biblioteca Pública Benedito Leite, o Palácio dos Leões, a Casa do Maranhão, o Museu Casa de Nhozinho, o Museu Histórico e Artístico do Maranhão e o Centro de Pesquisa e História Natural e Arqueologia do Maranhão estão entre as casas mais visitadas. Só a Biblioteca recebeu mais 100 mil visitantes em 2017 e as demais registraram média em torno de 40 mil visitas ao ano.

Um conjunto amplo e diversificado de atrações pode ser encontrado nas casas de cultura do Maranhão. Espaços como Centro de Cultura Popular, Museu Casa de Nhozinho e Casa do Maranhão mantém um rico acervo das mais variadas expressões da cultura popular.

A Biblioteca Benedito Leite, a segunda mais antiga do país, possui um amplo acervo formado por obras raras e a mais completa coleção de jornais maranhenses. Desenvolve projetos de incentivo à leitura, acessibilidade em bibliotecas públicas, entre outros.

Outro programa para levar a família e conhecer um pouco mais da história e cultura do Maranhão são os museus Histórico e Artístico, Arte Sacra, Palácio dos Leões e Convento das Mercês. São casas que oferecem  exposições e mostras permanentes apresentando ao visitante diversas coleções de mobiliário, pintura, escultura, documentos, fotografias e gravuras.

No Palácio dos Leões um serviço gratuito de foto instantânea foi instalado num totem para que o visistitante registre o seu momento durante a visita ao museu. As fotos são entregues para cada integrante que levam pra casa uma lembrança da visita.

O Centro de Pesquisa de História Natural e Arqueologia possui espaço interativo que retrata a história das etnias que originaram o povo maranhense, além de exposição com peças de cerâmicas, artefatos pré-coloniais, objetos de usos dos povos indígenas.

Agendamento online

Pelo sistema Circuito de Visita Cultural é possível agendar somente grupos de visitantes. O sistema compreende 18 equipamentos divididos em oito circuitos pré-definidos. Ao realizar o agendamento online, basta escolher o circuito, dia, horário e número de pessoas incluídas na visitação. Para agendar as visitas é só acessar o site da Sectur ou ir direto no link cultura.ma.gov.br/circuitocultural.

Informações sobre todos os equipamentos culturais podem ser encontradas no site da Sectur. Um breve histórico das casas, além de horários de visita, endereço, site e contatos podem ser acessados no www.sectur.ma.com.br.

Share