Arquivos da categoria: Textos

Festival de filmes com acessibilidade movimenta o Recife

Dezenas de pessoas com deficiência visual ou auditiva assistiram filmes em salas de cinema, no Recife, nos últimos três anos. Uma façanha do VerOuvindo que tem quebrado paradigmas e possibilitado a formação de um novo público de cinema em Pernambuco.

Jan Ribeiro/Fundarpe

Jan Ribeiro/Fundarpe

Exibição especial do VerOuvindo durante o Festival de Inverno de Garanhuns 2016

Em sua IV edição, o VerOuvindo: Festival de Filmes com Acessibilidade Comunicacional do Recife acontecerá entre os dias 21 e 30 de abril de 2017 nos cinemas do Museu e São Luiz, com entrada gratuita. O evento, realizado pela Com Acessibilidade Comunicacional e incentivado pelo Governo de Pernambuco, por meio do Funcultura, é um espaço de experimento, estudo e pesquisa de como se pensar a inserção das acessibilidades no audiovisual.

“Não é apenas uma questão de tornar os filmes acessíveis. Estamos comprometidos com a inclusão nas salas de cinema”, pontua a idealizadora, produtora do festival e audiodescritora, Liliana Tavares.

Programação

São dez dias focados na promoção e no debate da acessibilidade no audiovisual. Há exibição de filmes de curtas e longas metragens pernambucanos e nacionais, Mostra Competitiva, Master Classes, mesas redondas, oficinas e bate-papo após algumas sessões.

O documentário “Todos” de Luiz Alberto Cassol e Marilaine Castro, premiado com menção honrosa no Festin – Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa, em Lisboa, e inédito no Brasil, será exibido na sessão de abertura, no dia 26, às 18h30 no Cinema do Museu.

No mesmo dia, haverá uma mesa com presenças de destaque para acessibilidade nacional e internacional. A audiodescritora francesa Mary Gaumy falará sobre “Caminhos para produção da audiodescrição”. Já Lívia Motta (SP) debaterá a “Formação de plateia, atividades de mediação e estratégias de divulgação do produto audiovisual acessível”.

Para relembrar

O filme “Amigos de Risco” do pernambucano Daniel Bandeira foi o escolhido pelo curador de festival, André Dib, para a Sessão Memória, no sábado (29), às 19h, no São Luiz. A obra completa 10 anos de sua primeira exibição. “É o primeiro longa de Bandeira e de uma série de filmes pernambucanos”, pontua Dib.

Recursos

Durante a exibição do longa Shaolin do Sertão, de Halder Gomes, no domingo (30), o VerOuvindo apresentará uma novidade para o público.

Trata-se de um óculos da que exibe audiodescrição e Libras. “O aparelho permite que pessoas com deficiência auditiva visualizem a janela de Libras individualmente, sem alterar a luminosidade do local”, informa Liliana referindo-se aos tablets e celulares que são utilizados para acessar a Libras ou a legenda através do aplicativo MovieReading. “O óculos também possibilita que qualquer pessoa frequente a mesma sala sem interferir no filme.”, complementa.

“Na maioria das vezes, as pessoas cegas ou surdas utilizam aplicativos para ir ao cinema. Além de interferir no ambiente, a Libras não aparece na mesma tela do filme e o espectador fica tendo que olhar para duas telas”, detalha a idealizadora do Festival.

No audiovisual, a audiodescrição (AD) é um recurso voltado para pessoas cegas ou de baixa visão que procura descrever o ambiente, os personagens, o figurino e os demais elementos imagéticos e sonoros contidos em uma cena. A tradução em Libras reproduz e interpreta os diálogos, narrativas e sons na língua de sinais. Já a LSE (legenda para surdos e ensurdecidos) indica, além dos diálogos, o personagem falante e os efeitos sonoros presentes no filme.

Com exceção da Mostra Competitiva, exclusiva para Audiodescrição, os filmes exibidos no VerOuvindo contarão com todos os recursos de acessibilidade.

Sessão GloboNews

Inaugurada no ano passado, com Boa noite, Solidão de Geneton Moraes, a sessão GloboNews exibirá o documentário Trans das diretoras Ranata Baldi e Fernanda Dedavid que estarão presentes na sessão, junto com elenco e equipe de acessibilidade, para uma bate papo após o filme.

“Com esta sessão nosso festival valoriza e prestigia a audiodescrição de documentários exibidos na TV.”, afirma Liliana.

Mostra de Curtas

Os festivais pernambucanos Festcine e VerOuvindo são parceiros desde 2014.  Em 2016, o Prêmio VerOuvindo de Acessibilidade contemplou FotogrÁfrica, de Tila Chitunda, Catimbau, de Lucas Caminha e Um brinde, de João Vigo. Os três curtas do Festcine serão exibidos no dia 28/04, às 18h, no Cinema do Museu com audiodescrição, Libras e LSE.

Nova Categoria

Tendo sido pioneiro no Brasil em premiar audiodescritores, o festival inaugura uma nova categoria para sua edição de 2017. Além de contemplar com dinheiro as melhores Audiodescrições (AD) e a melhor locução, a IV Mostra Competitiva do VerOuvindo irá premiar também a melhor audiodescrição iniciante.

“A premiação em dinheiro é uma de nossas ações voltadas a valorização do trabalho do audiodescritor, ainda desconhecido por muitos”, explica Liliana.

Num total de R$ 5.000 em prêmios, os valores serão divididos para seis vencedores: as três primeiras melhores audiodescrições pelo júri oficial (1º lugar: R$ 1.500; 2º lugar: R$ 1.000; 3º lugar: R$ 700); a melhor locução (R$ 800); a melhor audiodescrição pelo júri popular (R$ 500) e a melhor audiodescrição iniciante (R$ 500). A votação acontece por meio de cédulas em Braille, com fonte ampliada e em tinta.

A Mostra Competitiva será no dia 27.04, a partir das 17h30, no Cinema do Museu.

Encontros no VerOuvindo

O 3°Encontro (Inter)nacional de Audiodescrição será em Recife e vai coincidir com as datas do VerOuvindo que está, de acordo com Liliana, agregando eventos e consolidando Pernambuco como um importante Polo de fortalecimento da profissionalização e disseminação da acessibilidade comunicacional.

No I Encontro do Mundo Cegal, em 2016, um grupo de pessoas cegas, das mais diversas partes do Brasil, frequentaram a programação do VerOuvindo e fizeram passeios com audiodescrição nos principais pontos turísticos do Recife.

“A Rádio Mundo Cegal faz transmissão ao vivo de eventos e vamos, novamente, transmitir os debates e filmes audiodescritos do VerOuvindo. Queremos ampliar a visibilidade que o festival dá a audiodescrição.”, pontua Leondeniz, coordenador do Portal e da Rádio Mundo Cegal e militante pela defesa de diretos das pessoas com deficiência.

O VerOuvindo recebe, desde sua primeira edição, não só pessoas do Grande Recife, como do interior do Estado. Grupos vinculados à Associação Caruaruense de Cegos (Acace) e à Advampe – Associacão dos Deficientes Visuais do Agreste Meridional de Penambuco, de Garanhuns, por exemplo, são assíduos no festival.

Veja a Programação Completa abaixo e confira mais informações no site 

Dia 26/04

– 18h30, Cinema do Museu
Mesa de abertura
Formação de plateia, atividades de mediação e estratégias de divulgação do produto audiovisual acessível com Lívia Motta (SP); Caminhos para a produção da audiodescrição com Marie Gaumy (FRA); Mediação: Liliana Tavares

– 20h, Cinema do Museu
Sessão de abertura

Todos* (RS, 2017, cor, doc, 81min, Livre), de Luiz Alberto Cassol e Marilaine Castro da Costa

Sinopse: Um historiador viaja por várias cidades do Brasil e exterior em busca de reposta a uma pergunta: o que é acessibilidade? Acompanhando a trajetória de Felipe, que tem deficiência visual, vamos conhecer caminhos acessíveis e caminhos com muitas barreiras. Vamos conhecer o que pessoas com e sem deficiência pensam sobre temas como diversidade humana, educação inclusiva, cultura e tecnologias. Todos é um filme sobre pessoas e suas diferenças.

*estreia no Brasil, com presença dos diretores, da equipe do filme e da acessibilidade.

Dia 27/04, Cinema do Museu
– 17h30: Mostra competitiva iniciante 
– Autofagia (12min, 2016, PE), de Felipe Soares
Audiodescrição: Felipe Soares, Mozart Albuquerque e Priscilla Botelho
Locução: Victor Moury

Elekô (7min, 2015, RJ/PE), direção coletiva
Audiodescrição: Amanda Letícia, Hannah Cunha, Giuliana Miguel
Locução: Hannah Cunha
Consultoria: Michelle Alheiros

O Outro par (6min, 2014, EGI/RJ), de Sara Rozik
Audiodescrição: Wilma Lacerda Kauss
Locução: Márcia Caspary
Consultoria: Felipe Monteiro

– 18h30: Mostra competitiva geral
A piscina de Caíque (15min, 2017, GO), de Raphael Gustavo da Silva
Audiodescrição: Alfredo Farah
Locução: Cleber Franceschi
Consultoria: Edgar Jacques

Ilha (15min, PB/RJ), de Ismael Moura
Audiodescrição: Mônica Magnani
Locução: Mônica Magnani
Consultoria: Marilena Assis, André Campelo e Luis D. Medeiros

Lá do alto (9min, 2015, RJ), de Luciano Vidigal
Audiodescrição: Mônica Magnani
Locução: Mônica Magnani
Consultoria: Marilena Assis, André Campelo e Luis D. Medeiros

Òrun Àiyé – A criação do mundo (12min, 2015, BA), de Jamile Coelho e Cintia Maria
Audiodescrição: Bárbara Carneiro
Locução: Odilon Camargo
Consultoria: Sandra Farias

Sexta série (18min, 2012, PE), de Cecília da Fonte
Audiodescrição: Rodrigo Sanches
Locução: Rodrigo Sanches
Consultoria: Ana Rosa Bordin Rabello

Dia 28/04, Cinema do Museu 
– 18h: Mostra Curtas Pernambucanos*

Catimbau (2015, DCP, cor, doc, 23min, 12 anos), Lucas Caminha
Sinopse: Catimbau é um curta-metragem experimental, desenhado como uma experiência sensorial em um parque de preservação ambiental no nordeste do Brasil chamado Vale do Catimbau, no estado de Pernambuco. Cosmo Grão compôs uma trilha sonora original inspirada no parque nacional que foi posteriormente reproduzida em localização por Lucas Caminha e sua equipe filme. Este é um filme sobre como um lugar tanto pode inspirar quanto ser inspirado pela música.

FotogrÁfrica (2016, DCP, cor, doc, 25min, 12 anos), de Tila Chitunda

Sinopse: Dona Amélia é uma angolana refugiada de guerra que recomeçou a vida em Olinda. A partir do seu mural de fotografias, sua filha mais nova, nascida no Brasil, vai em busca de suas raízes.

Um brinde (2016, DCP, cor, fic, 16min, 12 anos), João Vigo

Sinopse: Elias sempre se evitou ir a enterros e velórios. Até o dia em que Cacau exigiu a presença do amigo em seu próprio enterro.

*debate após a sessão com diretores e profissionais da acessibilidade.

Dia 29/04, Cinema São Luiz
– 14h às 17h: Oficina Iniciação à leitura cinematográfica, com André Dib (PE)
– 17h30: Master class – Uso da Linguagem cinematográfica no roteiro de audiodescrição com Marie Gaumy (FRA)

– 18:30h: Sessão Memória 16 anos

Amigos de Risco* (PE, 2007, DCP, cor, fic, 88min, 16 anos), de Daniel Bandeira.

Sinopse: Após uma temporada longe do Recife, Joca está de volta. No reencontro com os melhores amigos, Nelsão e Benito, o grupo se joga em uma jornada pela vida noturna da cidade. Buscando aventuras e passando por situações adversas, os amigos se veem correndo contra o tempo para salvar Joca, que inesperadamente passa mal. Sessão comemorativa de 10 anos, com filme restaurado em 2K.
*com presença do diretor, da equipe do filme e da acessibilidade.

20:30h: Sessão GloboNews
Trans* (RJ, 2016, cor, doc, 53min, 18 anos), de Fernanda Dedavid e Renata Baldi.
Sinopse: João é escritor. Nasceu Joana em 1950. Giowana, advogada, se assumiu mulher há 6 anos. Wallace deixou de se definir como homem ou como mulher em 2010. Atua no Teatro Oficina.

O estudante Luan, 16 anos, era menina até os 14. Trans conta como se sente e como é a vida de quem nasce num corpo com o qual não se identifica. A trajetória, a ambiguidade, a dúvida, o medo, a coragem de ser transgênero no Brasil.  *com presença da diretora, da equipe do filme e da acessibilidade.

30/04 – Cinema São Luiz
17h – Sessão de encerramento

Shaolin do Sertão* (CE, 2016, DCP, cor, fic, 100min, 12 anos), de Halder Gomes

Sinopse: Aluízio Li, um aficionado e alienado por filmes de artes marciais no interior do Ceará nos anos 80, vê seu mundo lúdico e inocente em xeque quando um lutador profissional aposentado (Toni Tora Pleura) resolve desafiar todos os “valentões” da cidade. Downtown Filmes.
*com presença do diretor e com a experimentação do óculos para visualização da Libras na tela através do aplicativo MovieReading.

Share

Morre aos 70 anos o cantor, apresentador e ator Jerry Adriani

res11-710x450-post (1)É com pesar que o Ministério da Cultura (MinC) recebe a notícia do falecimento do cantor, ator e apresentador Jerry Adriani, ocorrido neste domingo (23), aos 70 anos. Nascido em São Paulo (SP), o cantor era ídolo da Jovem Guarda, movimento cultural surgido em meados da década de 1960 que mesclava música, comportamento e moda.

Começou a carreira de cantor em 1964 com o disco Italianíssimo, no qual gravou músicas em italiano. O primeiro disco em português foi Um grande amor, de 1965. Foi um dos responsáveis por incentivar a carreira de Raul Seixas. Durante três anos, a banda Raulzito e os Panteras atuou como banda de apoio de Jerry Adriani. Lançou cerca de 30 discos em toda a carreira.

Além da música, Jerry Adriani também atuou como apresentador, em programas como Excelsior a Go Go, da TV Excelsior, e A Grande Parada, na TV Tupi. Também atuou em três filmes – Essa gatinha é minha, Jerry, a grande parada e Jerry em busca do tesouro – e em novelas e seriados, entre eles Malhação e A Grande Família.

O ministro da Cultura, Roberto Freire, manifesta sinceros sentimentos de pesar à família, amigos e admiradores de Jerry Adriani e de sua significativa trajetória.

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura
Share

Ouvidoria do MinC contribui para apuração de irregularidades

Criada para ser um canal de comunicação direta entre o cidadão e o Ministério da Cultura (MinC), a Ouvidoria tem desempenhado importante papel na apuração de irregularidades envolvendo o mau uso de recursos públicos por meio de diferentes mecanismos, entre eles a Lei Federal de Incentivo à Cultura, conhecida como Lei Rouanet.

IMG_7342_395

A equipe da Ouvidoria do MinC tem desempenhado importante papel na apuração de irregularidades envolvendo o mau uso de recursos públicos (Foto: Divulgação)

O órgão recebe denúncias e reclamações e as apura em âmbito administrativo. Ou seja, se dedica a fatos cometidos por servidores, mas não só. Também investiga terceiros, como proponentes (pessoas físicas ou jurídicas que possuem projetos culturais apoiados pelo MinC), na aplicação de benefícios recebidos. Exemplos recentes em que a atuação da Ouvidoria fez-se presente foram a Operação Boca Livre, deflagrada pela Polícia Federal, e a consequente instauração da CPI da Lei Rouanet.

“A Ouvidoria representa o interesse do cidadão dentro da estrutura da Administração Pública. Portanto, é como se ele, cidadão, estivesse representado nas apurações feitas dentro do órgão, uma vez que os recursos são públicos”, reforça Carlos Alberto Junior, ouvidor do MinC.

Nos casos relativos ao uso indevido de valores provenientes de incentivo fiscal cometidos por proponentes e que contenham indícios de participação de servidores públicos lotados no Ministério, a Ouvidoria age em conjunto com outros órgãos internos do MinC, como a Assessoria de Controle Interno, o Núcleo de Correição e a Consultoria Jurídica – sob a supervisão do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União.

Assim como as investigações na esfera criminal, as que se dão na esfera administrativa visam, atualmente, reaver aos cofres públicos somas que ultrapassam R$ 100 milhões. Além disso, o MinC busca aprimorar, a cada dia, mecanismos para evitar fraudes e malfeitos. Recentemente, editou uma nova Instrução Normativa (nº 1/2017) para a Lei Rouanet. Mais atual e eficaz que a anterior (nº 1/2013), o instrumento serve para nortear desde a apresentação de projetos culturais até a fase de prestação de contas financeira dos mesmos.

Por meio da Ouvidoria, o Ministério da Cultura intensifica seus esforços para combater fraudes, ampliar a transparência e estimular a participação social, na qual o cidadão tem papel preponderante, com suas sugestões, reclamações, elogios e denúncias.

Serviço

A Ouvidoria pode ser acessada no endereço http://ouvidoria.cultura.gov.br/ouvidoria/login.jsp

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura
Share

Atlas Econômico da Cultura Brasileira

Volume I

CEGOV   2017   Atlas volume 1 digital.pdfO primeiro volume da coleção orienta-se em torno da exposição de marcos teóricos e conceitos fundamentais, bem como de exemplos de estudos regionais e setoriais, os quais serão objeto dos próximos volumes da coleção. A primeira parte do volume I foca em aspectos teóricos e conceitos, apresentando capítulos acerca da taxonomia da economia da cultura e da economia criativa, do debate sobre a conta satélite da cultura no Brasil e no mundo e da proposição de um método de mapeamento para as cadeias produtivas das artes. Na segunda parte, são apresentados estudos regionais e setoriais, os quais expõem discussões iniciais a respeito do mapeamento em nível estadual e de setores como audiovisual, editorial, jogos digitais, museus, e música.


Volume II

CEGOV   2017   Atlas volume 2 digital.pdfO segundo volume tem como objetivo principal a elaboração de modelos metodológicos a serem aplicados na formulação do Atlas Econômico da Cultura Brasileira. Assim, reúne autores nacionais e internacionais organizados em quatro partes que correspondem aos eixos temáticos do Atlas, apresentando esforços de pesquisa provenientes das experiências espanhola e holandesa, contribuições da sociedade civil organizada, de institutos federais de pesquisa e de universidades públicas, conformando assim uma multiplicidade de saberes a serviço da compreensão do impacto econômico da cultura na realidade brasileira e mundial.

Share

Série de encontros do MinC com proponentes da Lei Rouanet passará por Recife em junho

Rouanet destaquinhoO Ministério da Cultura (MinC) vai realizar uma série de encontros para produtores culturais com o objetivo de apresentar a nova versão do Sistema de Apoios às Leis de Incentivo à Cultura (Salic) e esclarecer dúvidas sobre as regras trazidas pela Instrução Normativa nº 1/2017 para o incentivo fiscal da Lei Rouanet (Lei 8.313/91). Gratuita e aberta ao público, a iniciativa percorrerá as cinco regiões do País.
.
Os primeiros encontros serão em Brasília nos dias 25 e 28 de abril, no auditório do Ministério da Cultura (Bloco B da Esplanada dos Ministérios). Inscreva-se pelo formulário (turma dia 25) e (turma dia 28). As vagas são limitadas a 105 pessoas por turma.
.
Com a publicação, em março, das novas regras trazidas pela IN para o uso do incentivo fiscal da Lei Rouanet, o apoio a projetos culturais ganhou mais transparência e novo fluxo de análise dos projetos. Uma nova versão do Salic trouxe alterações no processo de cadastro das propostas, principalmente nas etapas do plano de distribuição e planilha orçamentária. A ferramenta ainda está disponível em aplicativo para smartphones e tablets pelo sistema Android e, em breve, nas lojas online para o sistema IOS.
.
A partir dessas novidades, técnicos da Secretaria de Fomento e Incentivo à Cultura (Sefic) irão atender diretamente aos proponentes para tirar dúvidas e receber contribuições de melhoria para o Salic.
.
O secretário de Fomento e Incentivo à Cultura, José Paulo Martins, recebeu representantes das regionais do Ministério da Cultura na tarde desta quinta-feira (20), em Brasília, para apresentar os principais pontos da IN.  “A cultura ainda não tem seu devido status de importância para a formação do cidadão. Não tenho dúvida de que ela é um dos principais meios de políticas públicas principalmente pela sua abrangência e diversidade. A nova Instrução Normativa vai nos permitir dar um salto no uso da Lei Roaunet”, declarou.
.
Estiveram presentes na reunião os representantes das regionais do MinC em Nordeste (Maria do Céu), São Paulo (Haifa Madi e Farid Madi), Sul (Marcelo Souza), Rio de Janeiro/Espírito Santo (José Haddad), Minas Gerais (Aníbal Macêdo).

Próximos encontros

Os próximos encontros com os proponentes ocorrem no Rio de Janeiro, nos dias 3 e 22 de maio; Belo Horizonte, em 16 de maio; e Porto Alegre, em 29 de maio. No mês de junho, o MinC visitará as cidades de Recife, dia 12; Belém, 19; e São Paulo, dia 26.
.
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura
Share

Funarte apoia a VIII Semana de Dança Cariri, no Ceará

De 21 a 29 de abril, a VIII Semana de Dança Cariri vai apresentar espetáculos, oficinas, palestra e debate com artistas e profissionais das diversas áreas da dança. Espaços escolhidos nas cidades de Brejo Santo, Crato e Juazeiro do Norte, no Ceará, vão sediar o evento, que tem entrada gratuita. O objetivo do projeto, que ocorre há oito anos, é dar visibilidade à arte da dança e integrar o maior número de pessoas possíveis. A oitava Semana de Dança é realizada pela Associação Dança Cariri – ADC, SESC, Centro Cultural Banco do Nordeste – CCBN e conta com o apoio da Fundação Nacional de Artes (Funarte), instituição vinculada ao Ministério da Cultura.Montagem-O-Ceu-de-Basquiat-Divulgacao (1)
A Associação Dança Cariri realiza a Semana de Dança desde 2008 e comemora dez anos de trabalho em 2017. A ideia do evento é promover o diálogo, a valorização da atividade da dança como meio de educação e a formação de plateia voltada para as artes cênicas. A VIII Semana Dança Cariri traz novidades na área da acessibilidade, com espetáculo direcionado aos deficientes auditivos, além de montagem de dança voltada ao público infantil. Cerca de 190 pessoas, incluindo artistas, equipe de produção e convidados, participarão do evento.
Serviço:
VIII Semana de Dança Cariri
Programação gratuita
Brejo Santo
Dia 21 de abril (feriado)
18h – Cerimônia de abertura
O tempo passa, da Compassos Cia de Dança (PE)
Manga com leite, da Cia Alysson Amancio (CE)
Local: Cine Teatro Prof. Júlio Macedo Costa
Crato
Dia 22 de abril (sábado)
9h – Oficina de dança contemporânea, com Patrícia Costa
19h – Mulheres do Coco da Batateira
Cerimônia de abertura: homenagem a dez artistas de dança do Crato
Coco da Mestre Maria da Santa
O tempo passa, da Compassos Cia de Dança (PE)
Local: SESC Crato
Dia 23 de abril (domingo)
13h – Oficina de Dança e Voz, com Victor Hugo
19h – O que cabe em mim, com Rosilene Diniz e Raimundo Branco (PE)
Local: SESC Crato
Dia 24 de abril (segunda-feira)
9h – Oficina de balé, com Paulo Marques
10h30 – Oficina de dança contemporânea, com Coletivo Tanz (PB)
18h30 – Terreiro Envergado, do Coletivo Tanz
19h – Cia de Artes Sintra
Delicadeza, da Cia da Ideia (RJ)
Felizes para sempre (CE)
Local: SESC Crato
Juazeiro do Norte
Dia 25 de abril (terça-feira)
9h – Oficina de dinâmica muscular para dança, com Giselda Fernandes (RJ)
11h – Oficina de dança contemporânea, com Coletivo Tanz e Erik Breno
Local: Associação Dança Cariri
17h – Terreiro Envergado, do Coletivo Tanz
Local: Praça Padre Cícero – Juazeiro do Norte (PB)
18h – Cotidiano, da Ballare Cia Experimental de Dança (Cariri)
Beat it, da Academia de Dança Daniel Telles
Mulata, da Cia Dita (Fortaleza-CE)
Local: Teatro CCBNB – Cariri
19h30 – Da Rua, com o Grupo Mafia King – Org Baiano
Sobre Cisnes, com Giselda Fernandes (RJ)
Local: Terreiro Mestre Margarida – SESC Juazeiro do Norte
Dia 26 de abril (quarta-feira)
9h – Oficina de dança contemporânea, com Márcio Cunha (RJ)
Local: Sala de Dança SESC Juazeiro do Norte
14h – Minicurso Corpo Cidade, com Denise Espírito Santo (RJ)
Local: Associação Dança Cariri
18h – Um corpo jogado ao mar, com Bruno Gomes (Fortaleza – CE)
BradoBrasil, do Coletivo Dama Vermelha (Cariri)
Local: Teatro CCBNB – Cariri
19h30 – Arruaça (Cariri)
Local: rua em frente ao SESC Juazeiro do Norte
O Céu de Basquiat, com Márcio Cunha Dança Contemporânea (RJ)
Local: Teatro SESC Juazeiro do Norte
Dia 27 de abril (quinta-feira)
9h – Oficina de dança contemporânea, com Camila Fersi
14h – Minicurso Corpo Cidade, com Denise Espírito Santo (RJ)
Local: Associação Dança Cariri
16h30 – Debate Dança em tempos de crise: como resistir?, com o Prof. Dr. Joubert Arrais (UFCA), Dra. Gilsamara Moura (UFBA) e Profª Dra. Denise Espírito Santo (UERJ)
Local: Auditório CCBNB Cariri
18h – Desencanto de nós, com a Inspire Cia de Dança
Tap, da Cia Balé Eddança (Cariri)
Louca-Revisitada, com Gilmara Moura (SP)
Local: Teatro CCBNB – Cariri
19h30 – Dança do ventre, com a Associação Dança Cariri
Frestas, fôlego e pele, do Balé da Cidade de Campina Grande (PB)
Local: Terreiro Mestre Margarida – SESC Juazeiro do Norte
Dia 28 de abril (sexta-feira)
9h – Oficina de balé, com Marley Lucena (ex-Bolshoi)
10h30 – Oficina de dança contemporânea, com Romero Mota (PB)
14h – Minicurso Corpo Cidade, com Denise Espírito Santo
Local: Associação Dança Cariri
16h30 – Palestra Texturas afetivas de nossa dança – resistir ou re-existir?, com Gilsamara Moura (SP/BA)
Local: Auditório CCBNB Cariri
18h – Grand Pas de Deux de Quebra Nozes, com o Balé da Cidade de Campina Grande (PB)
Jayane Diniz Dança do Ventre
Enigma, com Elaine Leão (Cariri)
Academia de Artes e Balé Rocha
Grupo de Dança APAE
Local: Teatro CCBNB Cariri
19h30 – Andanças do meu Brasil Varonil FlashMob, do Núcleo de Estudos em Dança – NED
Manga com leite, com a Cia Alysson Amancio (CE)
Local: Terreiro Mestre Margarida – SESC Juazeiro do Norte
Dia 29 de abril (sábado)
9h – Seminário de Tango Professor Lucas Camargo e Natacha Muriel
11h – Oficina Corpo Presente, com Denise Sturtz (RJ)
Local: Associação Dança Cariri
18h – Espetáculo infantil Brincar, daCia de Dança SESC Araripina
19h30 – Cerimonial de encerramento (homenagem a 10 artistas da dança de Juazeiro)
20h15 – Três solos de um tempo, com Denise Sturtz
Local: Terreiro Mestre Margarida – SESC Juazeiro do Norte
Fundação Nacional de Artes (Funarte)
Ministério da Cultura
Share

Exposição Além da Imagem inaugura na próxima terça (25) em Fortaleza

Como pintar em uma época em que telas não são mais janelas renascentistas emoldurando paisagens desenhadas em perspectiva ou suportes modernistas? Qual o lugar da pintura nesses tempos imersos no fluxo ininterrupto e desmedido de imagens e informações processadas e emitidas pelas novas tecnologias? Como rearticular as formas visuais e as palavras que as colocam em relação? Como pensar a disjunção ou o reenlace entre imagens e palavras, entre o expor e o significar? A tela, nas últimas décadas, vem da sucessão de imagens que proliferam nas interfaces tecnológicas e econômicas estabelecendo, portanto, outros caminhos, novas interrogações.unnamed (4)Os sete artistas da mostra “Além da Imagem”, cuja curadoria é da pesquisadora e crítica de arte Marisa Flórido, enfrentam, cada um a seu modo, as inquietações que perpassam a interseção entre a vida contemporânea e a prática pictórica. São obras que problematizam o lugar da pintura e da imagem em uma época imersa no fluxo ininterrupto e vertiginoso de imagens, informações e capital, no contexto atual regido pela lógica da economia globalizada e da velocidade das novas tecnologias de comunicação em rede.

A exposição resulta do trabalho de pesquisa e de orientação que Marisa Flórido desenvolve com um grupo de artistas formado nos cursos livres da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, no Rio de Janeiro, e que se consolidou no curso de aprofundamento “Imersões”, da Casa França Brasil/RJ (coordenado por Marcelo Campos, Marisa Flórido, Efraim Almeida e Cadu). São artistas oriundos de diferentes áreas de conhecimento e atuação profissional como a Literatura, o Direito, a Economia, a Arquitetura, a Administração, a Psicologia e o Design e que estão em processo de acompanhamento continuado de seus trabalhos de arte. A mostra vai refletir então esse processo contínuo de formação de artista que problematiza a pintura no contexto contemporâneo.

Share

Alagoas: Papel no Varal – 8 anos de poesia enlaçada no sisal

Quarta, 26 de abril, às 20h, o Instituto Lumeeiro comemora o Aniversário do Papel no Varal. A festa acontecerá na petiscaria Sou Jorge e traz poemas que marcaram a história do projeto.varaldepoesia600

Há oito anos o Varal enlaçava a Poesia em suas cordas de sisal e lançava-a aos olhares de seus amantes para que eles lhe dessem voz e mostrassem ao mundo todos os contornos de versos e rimas de sua amada. Nesse clima de compartilhamento, Ricardo Cabús comanda o palco de comemorações com muita alegria e descontração. Entre os poetas que estarão no varal, nomes como Vinicius de Moraes, Li Po e Jorge de Lima. Versos como os de Fanatismo, de Florbela Espanca, poderão ser lidos por completo pelos presentes:

“Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida

Meus olhos andam cegos de te ver!

Não és sequer razão de meu viver,

Pois que tu és já toda a minha vida! (…)”

 A música fica sob o comando da voz e do violão de Allan Bastos, que fará uma breve apresentação durante o intervalo das declamações e ao final do evento volta com um show especial para comemorar a data e animar o público ao som da MPB.

O evento é gratuito e as mesas serão distribuídas nas farmácias Ao Pharmacêutico. Aqueles que adquirirem os ingressos antecipados terão reserva garantida até às 20h, após esse horário a mesa será destinada aos participantes que estiverem na lista de espera.

O Papel no Varal

O projeto, iniciado em 2009, leva a poesia ao grande público. Num varal de sisal, 100 poemas de autores de todos os tempos e de todos os cantos são dispostos para que as pessoas escolham e leiam. Há duas orientações: não trazer de casa, nem ler o próprio poema. A curadoria fica por conta de Ricardo Cabús e a pré-seleção passa pelo conselho editorial do Instituto Lumeeiro.

Serviço

Aniversário do Papel no Varal: 8 anos
Data: 26 de abril de 2017 (quarta-feira)
Horário: 20h
Local: Sou Jorge Petiscaria – Jatiúca
Mesas gratuitas: Ao Pharmacêutico
Apresentação e curadoria: Ricardo Cabús
Participação musical: Allan Bastos
Classificação indicativa: 12 anos
Promoção: Instituto Lumeeiro
Informações: (82) 98139-1707
contato@lumeeiro.org
produção@lumeeiro.org
www.facebook.com/institutolumeeiro
www.facebook.com/papelnovaral
Twitter: @lumeeiro e @papelnovaral
Instagram: Lumeeiro

Share

Processo Seletivo para Ingresso de Novos Alunos no Curso Técnico em Artes Circenses da Escola Nacional de Circo – Turma 2017/2019

EscolaNdeCircoeRedeGlobo220706-7A Fundação Nacional de Artes – Funarte publicou, no dia 20 de abril de 2017, no Diário Oficial da União, a portaria que institui o Edital do Processo Seletivo para Ingresso de Novos Alunos no Curso Técnico em Artes Circenses da Escola Nacional de Circo – Turma 2017/2019. Sessenta novos alunos serão selecionados e cada um receberá uma bolsa de R$ 2,5 mil reais mensais, durante o período de agosto de 2017 a junho de 2019, conforme o item 2.1 do edital. As inscrições estarão abertas até 7 de junho.

Podem participar do processo seletivo brasileiros natos ou naturalizados e estrangeiros (pessoa física) que tiverem concluído o ensino médio até a data de publicação do edital. A bolsa visa possibilitar aos alunos a manutenção de suas necessidades básicas de moradia, alimentação e saúde na cidade do Rio de Janeiro durante todo o período do Curso Técnico em Artes Circenses. Os recursos disponibilizados para o desenvolvimento deste edital totalizam R$ 3.450 milhões.

O Curso Técnico em Artes Circenses é realizado pela Escola Nacional de Circo, em parceria com o Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ),  e é o primeiro no gênero a ser reconhecido pelo Ministério da Educação. Foi instituído pela Resolução nº 11 de 02 de abril de 2015 do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro do Ministério da Educação. A resolução e o projeto político pedagógico estão disponíveis em www.funarte.gov.br/enc.

As inscrições estarão abertas pelo prazo de 45 dias corridos, contados a partir do primeiro dia útil após a publicação do edital no Diário Oficial da União. Somente serão aceitas inscrições enviadas pelos correios, exclusivamente via SEDEX, sendo desconsideradas aquelas postadas após a data de encerramento.

As inscrições deverão ser encaminhadas com a seguinte identificação e endereço:

PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO DE NOVOS ALUNOS NO CURSO TÉCNICO EM ARTES CIRCENSES DA ESCOLA NACIONAL DE CIRCO – TURMA 2017/2019

Escola Nacional de Circo
Rua Elpídio Boamorte, S/Nº
Praça da Bandeira – Rio de Janeiro/RJ
CEP: 20270-170

Os candidatos inscritos serão avaliados em quatro etapas: 1) Habilitação – triagem, de caráter eliminatório, coordenada pela Comissão de Habilitação; 2) Avaliação preliminar, realizada pela Comissão de Seleção, segundo os critérios de pontuação (Anexo 1 do edital); 3) Avaliação presencial, realizada pela Comissão de Seleção que avaliará o desempenho dos candidatos em provas técnicas e artísticas presenciais realizadas nas dependências da Escola Nacional de Circo (Anexo 1); 4) Análise da documentação complementar (item 12.1).

Os resultados de todas as etapas serão divulgados na página eletrônica da Funarte (www.funarte.gov.br), sendo de inteira responsabilidade do candidato acompanhar a publicação de todos os atos referentes ao processo seletivo.

Mais informações podem ser obtidas pelo endereço eletrônico escolacirco@funarte.gov.br ou pelo telefone: (21) 2504-5320.

Acesse abaixo o edital e seus anexos:

Edital Processo Seletivo Novos Alunos ENC 2017-2019

Ficha de Inscrição e Anexo 2 – Pré-Projeto de Pesquisa em Artes do Circo

Anexo 3 – Formulário de Recursos- Edital Processo Seletivo ENC – Turma 2017-2019

Anexo 4 – Formulário de Pedido de Reconsideração – Edital Processo Seletivo ENC – Turma 2017-2019

Portaria que institui o Edital do Processo Seletivo Novos Alunos ENC 2017-2019

Share

Artigo do ministro: economia da cultura e o mundo do futuro

30938029013_cdc749d640_zA repercussão francamente positiva do lançamento da Coleção Atlas Econômico da Cultura Brasileira, no último dia 5 de abril, em São Paulo, mostra o acerto do Ministério da Cultura ao promover essa iniciativa e a necessidade de trabalharmos no sentido de construir uma ferramenta para valorizar o setor cultural e compreender sua importância na composição do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Afinal, é disso que se trata: dimensionar o impacto da cultura na economia do País por meio de metodologia e critérios unificados de aferição.

Atualmente, não há um sistema unificado e padronizado que tenha condições de medir, com precisão, a participação da Cultura no conjunto de todos os bens e serviços produzidos no País. Conhecido como “PIB da Cultura”, esse mecanismo existe em 21 países, sete dos quais na América do Sul (Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Peru e Uruguai). No Brasil, até este momento, os dados disponíveis não são apresentados com a periodicidade necessária, de modo que não podem ser comparados, e também não há consenso sobre quais os setores que deveriam ser acompanhados.

É importante termos a consciência de que a cultura já exerce um papel central na economia e será cada vez mais importante. O planeta vem passando pela maior revolução que a aventura humana já experimentou, com profundas mudanças que afetam a sociedade, as relações e as instituições, e todos nós devemos nos preparar para essa nova realidade. Ainda não é possível saber ao certo onde iremos chegar, mas não há dúvida de que esse mundo do futuro é um dado da realidade e vem sendo construído aqui e agora, bem diante dos nossos olhos.

Inicialmente, foram lançados os dois primeiros volumes de um total de seis obras do Atlas Econômico da Cultura Brasileira, elaborado em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS). Em junho deste ano, deve ser divulgado o terceiro livro – e a conclusão da obra completa está prevista para abril de 2018. Também serão publicados cadernos setoriais com informações específicas sobre a cadeia produtiva de setores que compõem a economia da cultura.

Neste primeiro momento, os dois volumes trazem, fundamentalmente, o marco referencial teórico e metodológico que será utilizado para a aferição dos dados. O estudo está apoiado em quatro eixos principais: empreendimentos culturais, mão de obra do setor cultural, investimentos públicos e comércio exterior. Entre as cadeias produtivas que serão estudadas de forma prioritária, estão o audiovisual, os games, o mercado editorial, a música e os museus e patrimônio.

É evidente que o fato de a expressão econômica da cultura ser pouco dimensionada no Brasil dissemina na opinião pública a impressão de que o setor não tem um grande impacto no conjunto de riquezas produzidas pelo país. O Atlas serve também para desmistificar essa tese equivocada, pois mostra a importância de se investir na cultura para movimentar a economia e fazê-la crescer, especialmente em um momento de crise como o que vivemos.

Segundo estimativas do Banco Mundial, a cadeia produtiva da cultura foi responsável por nada menos que 7% do PIB mundial em 2008. Em 2010, os setores culturais representavam cerca de 4% do PIB anual brasileiro. Algumas pesquisas publicadas no Atlas mensuram a importância dos processos econômicos engendrados a partir de organizações e agentes culturais no País. Em 2016, segundo dados da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), os setores da economia criativa representaram algo em torno de 2,6% do PIB, o equivalente a R$ 155,6 bilhões de produção, com um crescimento acumulado de quase 10% em dez anos e representando 3,5% da cesta de exportação brasileira.

No segundo volume do Atlas, o artigo intitulado Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil: Os Profissionais Criativos no Cenário de Crise, de autoria dos pesquisadores Tatiana Sánchez, Joana Siqueira, Cesar Bedran e Gabriel Bichara Santini Pinto, mostra que os trabalhadores criativos apresentaram salários superiores em relação à remuneração média entre 2013 e 2015. Entende-se como trabalhador criativo o profissional que atua na indústria criativa – aquela que utiliza a cultura como insumo e cujo propósito é a fabricação de produtos funcionais (é o caso da arquitetura e do design, por exemplo).

A economia da cultura é resultado de um processo irrefreável em direção ao mundo do futuro. Essa nova sociedade, formada a partir de interações e relações pessoais e profissionais totalmente diferentes daquelas às quais estávamos acostumados, ainda é uma incógnita – mas será nela que vamos todos nos inserir daqui por diante. A cultura tem importância fundamental na construção desse novo mundo, e o Brasil não pode desperdiçar a oportunidade de se posicionar na vanguarda. O futuro já chegou, e é para ele que o Atlas Econômico da Cultura Brasileira aponta.

Roberto Freire
Ministro da Cultura
Share