Arquivos da categoria: Textos

Pol√≠tica de Patrim√īnio Material fortalece preserva√ß√£o no Brasil

O Minist√©rio da Cultura (MinC), por meio do Instituto do Patrim√īnio Hist√≥rico e Art√≠stico Nacional (Iphan), lan√ßou, na √ļltima

quarta-feira (19), a Pol√≠tica de Patrim√īnio Cultural Material (PPCM). A normativa servir√° de guia para a√ß√Ķes e processos de identifica√ß√£o, reconhecimento, prote√ß√£o, normatiza√ß√£o, autoriza√ß√£o, licenciamento, fiscaliza√ß√£o, monitoramento, conserva√ß√£o, interpreta√ß√£o, promo√ß√£o, difus√£o e educa√ß√£o patrimonial relacionados √† dimens√£o material do Patrim√īnio Cultural.

Ministro S√©rgio S√° leit√£o destaca os avan√ßos contidos na pol√≠tica de patrim√īnio material, em evento no Rio de Janeiro (RJ). Foto: Ronaldo Caldas/Ascom

Ministro S√©rgio S√° leit√£o destaca os avan√ßos contidos na pol√≠tica de patrim√īnio material, em evento no Rio de Janeiro (RJ). Foto: Ronaldo Caldas/Ascom

“Temos colecionado muitos avan√ßos em rela√ß√£o √† pol√≠tica de patrim√īnio e ter formulada esta pol√≠tica de patrim√īnio material √© um desses avan√ßos. Ela funciona como esp√©cie de carta de navega√ß√£o para todos que trabalham com o patrim√īnio material no dia a dia, tanto em n√≠vel federal como estadual e municipal. √Č important√≠ssimo termos uma pol√≠tica clara para servir de orienta√ß√£o para todos n√≥s e que tem um car√°ter de pol√≠tica de Estado e n√£o apenas de governo”, pontuo S√° Leit√£o.

“Este √© um dia hist√≥rico para o patrim√īnio brasileiro. A Pol√≠tica de Patrim√īnio Cultural Material √© uma conquista da qual temos muito orgulho. √Č resultado do trabalho de uma equipe de excel√™ncia e muito comprometida”, destacou a presidente do Iphan, K√°tia Bog√©a. “Agrade√ßo ao ministro S√©rgio S√° Leit√£o por todo apoio que ele vem dado para a preserva√ß√£o do patrim√īnio brasileiro”, completou.

O patrim√īnio material √© formado por um conjunto de bens culturais classificados segundo sua natureza: arqueol√≥gico, paisag√≠stico e etnogr√°fico; hist√≥rico; belas artes; e das artes aplicadas. Eles est√£o divididos em bens im√≥veis ‚Äď n√ļcleos urbanos, s√≠tios arqueol√≥gicos e paisag√≠sticos e bens individuais ‚Äď e m√≥veis ‚Äď cole√ß√Ķes arqueol√≥gicas, acervos museol√≥gicos, documentais, bibliogr√°ficos, arquiv√≠sticos, videogr√°ficos, fotogr√°ficos e cinematogr√°ficos. J√° os bens culturais imateriais est√£o relacionados aos saberes, √†s habilidades, √†s cren√ßas, √†s pr√°ticas, ao modo de ser das pessoas.

O Iphan abriu consulta p√ļblica para que toda a sociedade participasse com contribui√ß√Ķes para a elabora√ß√£o da PPCM. Pessoas f√≠sicas e institui√ß√Ķes p√ļblicas e privadas contribu√≠ram com o texto final, entre elas a Casa de Oswaldo Cruz (Fiocruz), o Centro Nacional de Pesquisa e Conserva√ß√£o de Cavernas do Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio), o Grupo de Estudos e Pesquisas em Pol√≠tica e Territ√≥rio (Geoppol/UFRJ), a Vale S.A. ‚Äď Licenciamento Ambiental, a Rede Paulista de Educa√ß√£o Patrimonial (Repep) e o Museu de Astronomia e Ci√™ncias Afins.

Participação social

A Pol√≠tica de Patrim√īnio Cultural Material traz inova√ß√Ķes importantes para os procedimentos que envolvem a preserva√ß√£o e valoriza√ß√£o do patrim√īnio cultural. Mas, permeando todas elas, est√° o objetivo de promover a constru√ß√£o coletiva dos instrumentos de preserva√ß√£o, garantindo assim a legitimidade das a√ß√Ķes do Iphan junto √†s comunidades e tamb√©m entre os agentes p√ļblicos. Esse objetivo decorre de diversos princ√≠pios, sobretudo da indissociabilidade entre os bens culturais e as comunidades, da participa√ß√£o ativa na elabora√ß√£o de estrat√©gias e da colabora√ß√£o entre as esferas do Poder P√ļblico e a comunidade.

Outra novidade que trar√° impactos positivos √© um instrumento de prote√ß√£o in√©dito: a declara√ß√£o de lugares de mem√≥ria. Por meio desse reconhecimento, ainda que um bem cultural tenha perdido sua integridade e autenticidade, em consequ√™ncia da a√ß√£o humana ou do tempo, o Iphan poder√° reconhecer a import√Ęncia de seus valores simb√≥licos.

Tamb√©m est√£o contempladas na PPCM as especificidades culturais de povos e comunidades tradicionais. Em rela√ß√£o aos povos ind√≠genas, est√° contemplado o direito de autodefini√ß√£o de suas pr√≥prias prioridades em processos que envolvam a preserva√ß√£o de seu legado cultural. Dessa forma, vale para a pol√≠tica de patrim√īnio material o princ√≠pio que j√° era aplicado para o patrim√īnio imaterial, legando aos detentores dos bens culturais o protagonismo na constru√ß√£o das a√ß√Ķes de preserva√ß√£o, o que contribui por sua vez com a supera√ß√£o da divis√£o entre as duas vertentes de prote√ß√£o.

A normativa tamb√©m clareia alguns pontos em rela√ß√£o √†s compet√™ncias do Iphan, como √© o caso do patrim√īnio paleontol√≥gico e do espeleol√≥gico. De acordo com o texto, a esses bens culturais somente cabe prote√ß√£o do Iphan quando for constatada a exist√™ncia de valores referentes √† identidade, √† a√ß√£o e √† mem√≥ria dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira.

O documento apresenta 18 princ√≠pios, que v√£o da Humaniza√ß√£o, apontando para a melhoria na qualidade de vida do ser humano, at√© o Princ√≠pio do Controle Social, que estabelece que o cidad√£o √© parte leg√≠tima para monitorar as a√ß√Ķes desenvolvidas pelo Iphan. Entre as premissas encontram-se a busca da supera√ß√£o da divis√£o das dimens√Ķes materiais e imateriais do Patrim√īnio Cultural, a compreens√£o do tempo presente na abordagem dos bens culturais, a leitura do territ√≥rio e das din√Ęmicas sociais nele existentes, o est√≠mulo ao fortalecimento dos grupos sociais para preserva√ß√£o de seu Patrim√īnio Cultural e a articula√ß√£o entre as esferas de governo para compartilhamento de compet√™ncias.

J√° os cinco objetivos s√£o a qualifica√ß√£o e amplia√ß√£o das a√ß√Ķes e atividades de Preserva√ß√£o do Patrim√īnio Cultural de Natureza Material; o estabelecimento de pr√°ticas para constru√ß√£o coletiva dos instrumentos de preserva√ß√£o; a institucionaliza√ß√£o das pr√°ticas e instrumentos de preserva√ß√£o sugeridos pelo Comit√™ do Patrim√īnio Mundial; o detalhamento dos entendimentos institucionais sobre termos e conceitos espec√≠ficos; e o fortalecimento da Preserva√ß√£o do Patrim√īnio Cultural de Natureza Material de povos e comunidade tradicionais.

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura
Com informa√ß√Ķes do Iphan

Share

MinC investe mais R$ 55 milh√Ķes no fomento ao audiovisual

fsa-interna

O Minist√©rio da Cultura (MinC), por meio da Ag√™ncia Nacional do Cinema (Ancine), abre nesta ter√ßa-feira (25) as inscri√ß√Ķes para a Modalidade B do¬†Edital de Fluxo Cont√≠nuo de Produ√ß√£o para Cinema. A Chamada P√ļblica √© voltada para sele√ß√£o de projetos de produtoras brasileiras independentes de longas-metragens de fic√ß√£o, document√°rio e anima√ß√£o, com destina√ß√£o de R$ 55 milh√Ķes aos selecionados. Ser√£o avaliados o diretor, o desempenho comercial e o hist√≥rico de entrega da produtora, a qualifica√ß√£o da distribuidora e o desempenho art√≠stico.

O Edital de Fluxo Cont√≠nuo de Produ√ß√£o para Cinema vai disponibilizar R$ 150 milh√Ķes em recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), divididos em quatro Modalidades, sendo que cada projeto poder√° ser inscrito em apenas uma delas. A Modalidade A, que j√° teve as inscri√ß√Ķes encerradas no dia 18 de setembro, selecionou projetos de distribuidoras nacionais independentes, com destina√ß√£o de R$ 55 milh√Ķes.

Na Modalidade C, as inscri√ß√Ķes come√ßam no dia 2 de outubro, com R$ 25 milh√Ķes reservados a projetos que tenham como proponente produtora brasileira independente sediada nas regi√Ķes Norte, Nordeste e Centro-Oeste; na Regi√£o Sul e estados de Minas Gerais e Esp√≠rito Santo; e distribuidora brasileira independente sediada em qualquer regi√£o do pa√≠s, desde que o projeto inscrito seja de produtora sediada nas regi√Ķes listadas acima.

Por fim, a Modalidade D destinar√° R$ 15 milh√Ķes √† complementa√ß√£o de recursos de projetos que tenham como proponente produtora brasileira independente. As inscri√ß√Ķes dessa etapa ser√£o abertas em 9 de outubro.

Com base na pontuação final obtida, nas quatro modalidades, cada projeto será enquadrado em uma faixa de pontuação que dará direito a acessar diferentes tetos de valores, conforme a tabela abaixo:

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura

Share

Projeto Quatro x Quatro promove circuito de teatro em Santo Amaro (BA)

Os Fogatas - Foto Ety&Jo_ - Estudio Fotogra_fico

Chega √† cidade de¬†Santo Amaro¬†a mostra de teatro¬†‚ÄúPrincesa do Sert√£o‚ÄĚ.¬†Quatro grupos, oriundos de Feira de Santana, apresentam cinco pe√ßas regionais explorando literatura, m√ļsica e aspectos do sert√£o nordestino. As apresenta√ß√Ķes acontecem nos dias¬†22 e¬†23 de setembro, no¬†Teatro Dona Can√ī ‚Äď Centro¬†e na¬†Casa do Samba. O ingresso √© a pre√ßo popular- R$10 (inteira) e R$5 (meia).

Ao todo, seis espet√°culos participam do projeto, proporcionando conte√ļdos diversos que atendem ao p√ļblico infantojuvenil ‚Äď como o espet√°culo A peleja de Maria Bonitinha, da Cia Cuca de Teatro ‚Äď, assim como pe√ßas voltadas para o p√ļblico adulto, como √© o caso ‚ÄúEncarceradas‚ÄĚ, apresentado pelo Grupo Recorte de Teatro.

Dentro do mundo liter√°rio, a Cia Cuca de Teatro abre a programa√ß√£o com a pe√ßa infantil¬†Os Fogatas, adapta√ß√£o do texto ‚ÄúOs Cigarras e Os Formigas‚ÄĚ, da escritora Maria Clara Machado. J√° o grupo Conto em Cena, traz a obra de Guimar√£es Rosa,¬†A hora e a vez de Augusto Matraga, para os palcos do teatro com o espet√°culo¬†Matraga. Ambas as pe√ßas buscam desenvolver os elementos de valoriza√ß√£o do teatro brasileiro e popular.

Homenagem ao Rei do Bai√£o ‚ÄstDentro do circuito, o p√ļblico poder√° conferir a pe√ßa¬†Amor em Luiz,¬†promovida pelo Grupo Cordel. A atra√ß√£o √© gratuita e acontece no dia 23/09, na Casa do Samba. As m√ļsicas de Luiz Gonzaga ser√£o apresentadas em meio a uma trama de amor e a√ß√£o.

O Projeto –¬†‚ÄúQuatro X Quatro ‚Äď Mostra do Teatro da Princesa do Sert√£o‚ÄĚ √© fruto da uni√£o de quatro grupos de teatro de Feira de Santana que trabalham para disseminar a produ√ß√£o do interior, sob o olhar atento frente √†s quest√Ķes de cultura, √©tica e sociedade. A Cia. Cuca de Teatro – que em 2018 celebra 20 anos de trabalho voltados a Inf√Ęncia e Juventude; Grupo Conto em Cena ‚Äď com 9 anos de atua√ß√£o, concilia de maneira prazerosa teatro e literatura e tem a dramaturgia corporal como linha de pesquisa; Grupo Recorte de Teatro – 4 anos de atua√ß√£o, mantem a linha brechtiniana, trazendo para os palcos textos autorias em car√°ter¬†teatro documental com recortes sociais; e Grupo Cordel ‚Äď com 6 anos de trabalho, com montagens voltadas tanto para a cultura nordestina e para a t√©cnica de dramaturgia corporal.

Serviço:

Dia 22/09/18

Espetáculo infantil Os Fogatas РCia cuca de teatro
Classificação: Livre (indicação a partir de 3 anos)
Teatro Dona Can√ī ‚Äď 16h ‚Äď Ingresso: R$10 (inteira) R$ 5 (meia)

Espetáculo Matraga РGrupo Conto em Cena
Classificação 14 anos.
Teatro Dona Can√ī ‚Äď 20h –¬† Ingresso: R$10(inteira) R$ 5 (meia)

 

Dia 23/09/18

Espet√°culo Infantil¬†A peleja de Maria Bonitinha¬†‚Äď Cia Cuca de Teatro
Classificação: Livre (indicação a partir de 3 anos)
Teatro Dona Can√ī ‚Äď 16h ‚Äď Ingresso: R$10(inteira) R$ 5 (meia)

Espetáculo O amor em Luiz com o grupo Cordel
Classificação 12 anos
Local: Casa do Samba ‚Äď 18h ‚Äď Entrada: Aberto ao p√ļblico

Espetáculo Encarceradas РGrupo Recorte de Teatro
Classificação 16 anos
As 19h-Teatro Dona Can√ī ‚Äď Ingresso: R$10(inteira) R$ 5 (meia)

Share

Propostas do Cear√° est√£o na lista de habilitados do Edital de Bibliotecas Digitais

edital-bibliotecas-digitais-interna

O Minist√©rio da Cultura (MinC) divulgou o resultado final da fase de habilita√ß√£o do edital de Bibliotecas Digitais, que vai destinar R$ 2 milh√Ķes para fomentar a cria√ß√£o do conceito de biblioteca digital em 19 bibliotecas p√ļblicas estaduais, distritais ou municipais do Brasil, com premia√ß√£o de R$ 100 mil para cada. As propostas habilitadas ainda passar√£o pela an√°lise da Comiss√£o de Avalia√ß√£o e Sele√ß√£o, que avaliar√° cada proposta de acordo com os crit√©rios estipulados na sele√ß√£o.

O edital prev√™ a aquisi√ß√£o de leitores de livros digitais (e-readers) e de licen√ßas e direitos para acesso digital a conte√ļdos e livros, al√©m de a√ß√Ķes de moderniza√ß√£o e adequa√ß√£o da estrutura, tornando os espa√ßos mais atrativos. O edital integra o Programa Leitura Gera Futuro, que inclui outros dois editais, voltados √† realiza√ß√£o de feiras liter√°rias e √† publica√ß√£o de livros com tem√°tica relacionada aos 200 anos da Independ√™ncia do Brasil. No total, os tr√™s editais preveem investimentos de R$ 6 milh√Ķes.

O edital de Feiras Liter√°rias, que encerrou as inscri√ß√Ķes em 11 de setembro, vai destinar R$ 3 milh√Ķes para 17 a√ß√Ķes liter√°rias no pa√≠s, como feiras, jornadas e bienais, entre outros. Tr√™s projetos receber√£o R$ 400 mil cada; quatro, R$ 200 mil cada; e dez, R$ 100 mil cada. Apenas entidades privadas sem fins lucrativos estavam habilitadas a concorrer. Um dos pr√©-requisitos para inscri√ß√£o do projeto √© que o evento j√° tenha sido realizado pelo menos uma vez. Receber√£o pontua√ß√£o extra feiras que sejam acess√≠veis para pessoas com defici√™ncia e as que promovam interc√Ęmbio liter√°rio com outros pa√≠ses.

O Pr√™mio de Incentivo √† Publica√ß√£o Liter√°ria, 200 Anos de Independ√™ncia, tamb√©m com inscri√ß√Ķes encerradas no dia 11 de setembro, vai repassar R$ 1 milh√£o em pr√™mios para obras liter√°rias com tem√°tica relacionada aos 200 anos da Independ√™ncia do Brasil, comemorados em 2022. Ser√£o premiadas 25 obras no valor de R$ 40 mil cada. Podem concorrer pessoas f√≠sicas brasileiras ou naturalizadas, com obras in√©ditas.

Confira o resultado final da fase de habilitação

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura

Share

MinC investe mais R$ 55 milh√Ķes no fomento ao audiovisual

fsa-interna

O Minist√©rio da Cultura (MinC), por meio da Ag√™ncia Nacional do Cinema (Ancine), abre nesta ter√ßa-feira (25) as inscri√ß√Ķes para a Modalidade B do¬†Edital de Fluxo Cont√≠nuo de Produ√ß√£o para Cinema. A Chamada P√ļblica √© voltada para sele√ß√£o de projetos de produtoras brasileiras independentes de longas-metragens de fic√ß√£o, document√°rio e anima√ß√£o, com destina√ß√£o de R$ 55 milh√Ķes aos selecionados. Ser√£o avaliados o diretor, o desempenho comercial e o hist√≥rico de entrega da produtora, a qualifica√ß√£o da distribuidora e o desempenho art√≠stico.

O Edital de Fluxo Cont√≠nuo de Produ√ß√£o para Cinema vai disponibilizar R$ 150 milh√Ķes em recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA), divididos em quatro Modalidades, sendo que cada projeto poder√° ser inscrito em apenas uma delas. A Modalidade A, que j√° teve as inscri√ß√Ķes encerradas no dia 18 de setembro, selecionou projetos de distribuidoras nacionais independentes, com destina√ß√£o de R$ 55 milh√Ķes.

Na Modalidade C, as inscri√ß√Ķes come√ßam no dia 2 de outubro, com R$ 25 milh√Ķes reservados a projetos que tenham como proponente produtora brasileira independente sediada nas regi√Ķes Norte, Nordeste e Centro-Oeste; na Regi√£o Sul e estados de Minas Gerais e Esp√≠rito Santo; e distribuidora brasileira independente sediada em qualquer regi√£o do pa√≠s, desde que o projeto inscrito seja de produtora sediada nas regi√Ķes listadas acima.

Por fim, a Modalidade D destinar√° R$ 15 milh√Ķes √† complementa√ß√£o de recursos de projetos que tenham como proponente produtora brasileira independente. As inscri√ß√Ķes dessa etapa ser√£o abertas em 9 de outubro.

Com base na pontuação final obtida, nas quatro modlidades, cada projeto será enquadrado em uma faixa de pontuação que dará direito a acessar diferentes tetos de valores, conforme a tabela abaixo:

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura
Share

3¬™ Mostra Lugar de Mulher √© no Cinema abre inscri√ß√Ķes para todo pa√≠s

MOSTRA 3

At√© o dia¬†31 de dezembro, cineastas do Brasil podem enviar os seus curtas para a terceira edi√ß√£o do festival Lugar de Mulher √© no Cinema. Para estar apta, a produ√ß√£o deve ser dirigida ou protagonizada por uma figura feminina e¬†ter¬†at√© vinte minutos. Os interessados podem mandar seus materiais pela plataforma Freeway ou Google Forms. Para maiores informa√ß√Ķes, basta acessar a p√°gina do evento no Facebook, enviando um e-mail para¬†contato@mostramulhernocinema.com.br¬†ou no site¬†www.mulhernocinema.com.br¬†.

Em 2018, a mostra exibiu 134 curtas, gratuitamente. Al√©m disso, foram promovidas atividades formativas, como oficina de cr√≠tica cinematogr√°fica e fotografia, para mulheres soteropolitanas de baixa renda. A pr√≥xima edi√ß√£o acontece em mar√ßo de 2019 e contar√° com os pr√™mios de¬†Melhor Filme, Melhor Roteiro, Melhor Diretora e Melhor Atriz para os curtas da ‚ÄúMostra Selecionada‚ÄĚ, o pr√™mio de Melhor Anima√ß√£o para um filme da ‚ÄúMostra Matin√™‚ÄĚ e o ‚ÄúPr√™mio Especial Marielle Franco‚ÄĚ para o melhor filme com tem√°tica em direitos humanos. A crit√©rio do j√ļri, a 3¬™ Mostra poder√° ainda conceder premia√ß√Ķes extras tais como: especiais, destaques e/ou men√ß√Ķes honrosas.

Assessoria de Imprensa ‚Äď Enoe Lopes Pontes:¬†71 99688-8787

Share

Mais dois terreiros de candomblé são tombados pelo Iphan

capela_interiorphilipe_razeira_recife

Foto: Philipe Razeira/Acervo Iphan

Os terreiros de candombl√© Il√™ Ob√° Ogunt√© S√≠tio de Pai Ad√£o, em Recife (PE), e Tumba Junsara, em Salvador (BA), passaram a ser, nesta quinta-feira (17), Patrim√īnio Cultural Material do Brasil. Eles se juntam a outros nove terreiros que foram tombados anteriormente pelo Instituto do Patrim√īnio Hist√≥rico e Art√≠stico Nacional (Iphan).

Il√™ Ob√° Ogunt√© S√≠tio de Pai Ad√£o foi um dos primeiros terreiros de Xang√ī em Pernambuco. A casa teria sido fundada em 1875 por If√°tinuk√©, que tamb√©m atendia pelo nome de In√™s Joaquina da Costa, ou Tia In√™s, uma nigeriana origin√°ria da cidade de Oy√≥, que veio para Pernambuco junto com seu companheiro Jo√£o Otol√ļ e outros negros africanos. Ao comprarem as terras onde hoje se encontra o terreiro, deram origem √† casa de culto, inicialmente chamada de Ob√° Omi, que segundo o sacerdote atual, Manoel Papai, tamb√©m significa Iemanj√°.

O S√≠tio de Pai Ad√£o funcionava tamb√©m como inst√Ęncia consultiva em casos complexos enfrentados por alguns maracatus da regi√£o. Al√©m disso, possu√≠a v√≠nculos com muitas escolas tradicionais de samba e agremia√ß√Ķes de frevo cujos carnavalescos s√£o ligados aos terreiros de Xang√ī, Jurema e Umbanda, fazendo uso comum de pr√°ticas pr√≥prias de religi√£o dos Orix√°s.

O terreiro possui uma relev√Ęncia hist√≥rica para compreens√£o das religi√Ķes de matrizes africanas no Brasil. Todo local remete a um ambiente rural que remonta ao in√≠cio da ocupa√ß√£o do bairro de √Āgua Fria, inicialmente conhecido como Beberibe de Baixo.

O Terreiro Il√™ Ob√° Ogunt√© S√≠tio Pai Ad√£o recebe este nome em homenagem a um de seus sacerdotes. Pai Ad√£o foi um dos maiores propagadores do nag√ī pelo Recife (PE), ajudando a fundar outros terreiros e tornando-se refer√™ncia na cidade. Em fun√ß√£o disso, gozava de grande estima e respeito da parte dos intelectuais que pesquisavam sobre os Xang√īs de Pernambuco.

Muitos dos seus conhecimentos serviram de embasamento para pesquisadores locais e para textos clássicos de Gilberto Freyre, Gonçalves Fernandes, Waldemar Valente e René Ribeiro, expoentes da intelectualidade pernambucana e estudiosos dos candomblés da região.

Pai Ad√£o ostentava o orgulho e o conhecimento de um grande sacerdote, destacando-se entre as demais lideran√ßas de terreiros do Recife, dos quais detinha grande respeito. Lidava em p√© de igualdade com os cientistas e pesquisadores que o procuravam. Tornou-se assim, a maior refer√™ncia na hist√≥ria do Xang√ī pernambucano.

A rela√ß√£o de Pai Ad√£o com outros terreiros em geral foi not√≥ria. Seu terreiro ainda hoje √© citado como refer√™ncia em termos de hist√≥ria do Xang√ī, das tradi√ß√Ķes nag√ī e de muitas das tradicionais agremia√ß√Ķes de carnaval, frevo e maracatus de Recife e de Olinda. Na zona norte de Recife, onde se concentram muitas agremia√ß√Ķes de Maracatu Na√ß√£o, era tradi√ß√£o os grupos fazerem passagem pelo S√≠tio de Pai Ad√£o ao longo do percurso, que se fazia a p√© at√© o centro da cidade ou aos palanques no per√≠odo do Carnaval.

O falecimento de Pai Adão, em 1936, teve grande repercussão na cidade do Recife. Seu velório contou com a presença e estima de centenas de pessoas, de diferentes classes sociais, tendo sido largamente noticiado pelos principais jornais do estado.

Tumba Junsara

Legado, resist√™ncia e religiosidade comp√Ķem a ess√™ncia do Terreiro Tumba Junsara, em Salvador (BA), que est√° entre os mais antigos de tradi√ß√£o Angola no Brasil. Fundado em 1919 pelos irm√£os Manoel Rodrigues e Ciriaco, o Terreiro de candombl√©, de tradi√ß√£o angola, faz da milonga (mistura) um caminho para manter suas refer√™ncias culturais. Uma caracter√≠stica da Na√ß√£o Angola, por exemplo, √© a presen√ßa de um culto espec√≠fico em rever√™ncia aos ancestrais ind√≠genas.

Em 1919 o Tumba Junsara estava em Acupe, município de Santo Amaro (BA). Logo após a fundação, o terreiro teve que ser transferido para Pitanga, também em Santo Amaro e depois para Beiru, em Salvador. Em 1920 mudou-se para a Ladeira do Pepino, próximo ao Engenho Velho de Brotas e, em 1938, passou a ocupar o endereço atual, na Ladeira da Vila América. Tumba Junsara está em uma região de Salvador que concentra vários terreiros, entre eles alguns já tombados pelo Iphan, como Oxumaré, Gantois e Alaketo e Casa Branca.

Assentamentos, moradias, barrac√£o, mata e uma fonte de √°gua √© a estrutura atual do terreiro. A Fonte Dandalunda recebe quem entra no terreiro. Bem no meio est√° a moradia principal e mais antiga, que antecede o quarto do segredo, Lemba Oxal√°. A cozinha da resid√™ncia √© tamb√©m a cozinha sagrada. A mata reduzida √© formada por p√©s de nativo, jurema, bambu, obi e akok√ī, que t√™m uso medicinal em rituais, alimentar e paisag√≠stico.

A Casa reproduz em seu territ√≥rio as estruturas lit√ļrgicas e mundanas necess√°rias para a tradi√ß√£o, o espa√ßo mato e o espa√ßo constru√≠do, que juntos, formam uma √°rea sagrada. A comunidade do Terreiro Tumba Junsara abra√ßa as tradi√ß√Ķes e se reinventa como culto.

Instituto do Patrim√īnio Hist√≥rico e Art√≠stico Nacional (Iphan)
Ministério da Cultura

Share

Projeto Azougue promove sambada no terreiro do Maracatu √Āguia Formosa, em Tracunha√©m (PE)

21/10/17 - Projeto Azougue leva para cidade de Tracunh√©m-PE Sambada de Maracatu com √Āguia Formosa (Mestre Felype Silva} e Le√£o Formoso de Nazar√© da Mata (Mestre Pedrinho Gabriel), e ciranda Estrela do Mestre Edmilson. Foto: Eric Gomes

21/10/17 – Projeto Azougue leva para cidade de Tracunh√©m-PE Sambada de Maracatu com √Āguia Formosa (Mestre Felype Silva} e Le√£o Formoso de Nazar√© da Mata (Mestre Pedrinho Gabriel), e ciranda Estrela do Mestre Edmilson. Foto: Eric Gomes

O Projeto Azougue¬†promove, neste¬†s√°bado¬†(22), √†s 21h, sambada no Terreiro do¬†Maracatu Rural √Āguia Formosa, em¬†Tracunha√©m, Zona da Mata Norte de Pernambuco, com as participa√ß√Ķes dos integrantes do¬†Maracatu Piaba de Ouro¬†(Olinda).¬† A noite vai come√ßar com a¬†Ciranda Flor de L√≠rio¬†(Nazar√© da Mata). As atividades integram o¬†Projeto de Manuten√ß√£o do¬†Maracatu Rural √Āguia Formosa, que conta com Incentivo do¬†Fundo Pernambucano de Incentivo √† Cultura¬†(Funcultura PE). O evento, que acontece na Rua Professora Ana Vaz de Andrade, em frente ao Hamburg√£o do Lula, √© aberto ao p√ļblico e tem entrada gratuita.

Al√©m da sambada deste¬†s√°bado¬†(22), o¬†Projeto Azougue¬†promove outras cinco a√ß√Ķes: Encontro de Mestres e Poetas da Mata Norte; a√ß√£o educativa cont√≠nua de Confec√ß√£o de adere√ßos de Maracatu; 2¬ļ m√≥dulo do Curso de Teoria Musical ‚Äď estimulando a forma√ß√£o da nova gera√ß√£o de m√ļsicos, com o¬†Maestro Minuto; Oficina de Rabeca, com o¬†Mestre Maciel Sal√ļ; e Roda de di√°logo com o tema ‚ÄúBrincando com os mestres ‚Äď uma viv√™ncia com quem faz do brinquedo sua miss√£o‚ÄĚ.

Em 2018, o¬†Projeto Azougue¬†traz como uma das suas principais novidades a Oficina de Rabeca, que ser√° ministrada pela primeira vez em Tracunha√©m pelo m√ļsico e rabequeiroMaciel Sal√ļ. Al√©m disso, o projeto d√° continuidade a algumas a√ß√Ķes iniciadas em edi√ß√Ķes anteriores, entre elas, o 2¬ļ m√≥dulo do¬†Curso de Teoria Musical, que √© o √ļnico curso de inicia√ß√£o musical do munic√≠pio. ‚ÄúEsse curso √© muito importante para a forma√ß√£o de novo maracatuzeiros, j√° que a cidade n√£o possui conservat√≥rio nem cursos profissionalizantes na √°rea de m√ļsica‚ÄĚ, explica o Mestre Maciel Sal√ļ, coordenador do¬†Projeto Azougue.

As a√ß√Ķes demonstram a participa√ß√£o positiva do¬†Maracatu Rural √Āguia Formosa¬†ao atuar de maneira direta na vida de seus integrantes e da comunidade. ‚ÄúN√≥s levamos a cultura do Maracatu para as escolas e tamb√©m levamos a comunidade para a sede do¬†Maracatu Rural √Āguia Formosa.¬†√Č dessa forma que, a cada edi√ß√£o do projeto, conseguimos atrair cada vez mais crian√ßas, adolescentes e adultos para a manuten√ß√£o deste patrim√īnio cultural imaterial de Pernambuco‚ÄĚ, conta Maciel Sal√ļ.

Incentivo Funcultura¬†‚Äď O¬†Projeto de Manuten√ß√£o do¬†Maracatu Rural √Āguia Formosa¬†integra as a√ß√Ķes da terceira edi√ß√£o¬†Projeto Azougue¬†e trata diretamente da manuten√ß√£o e estrutura√ß√£o do¬†√Āguia Formosa¬†como entidade cultural. A inciativa faz refer√™ncia √† atua√ß√£o do grupo como organismo social atuante na Zona da Mata Norte de Pernambuco. A manuten√ß√£o do¬†Maracatu Rural √Āguia Formosa¬†conta com Incentivo do Fundo Pernambucano de Incentivo √† Cultura (Funcultura PE), atrav√©s da Funda√ß√£o do Patrim√īnio Hist√≥rico e Art√≠stico de Pernambuco (Fundarpe),¬†Secretaria de Cultura de Pernambuco¬†(Secult-PE) e¬†Governo de Pernambuco.

Serviço:

PROJETO AZOUGUE | Maracatu Rural √Āguia Formosa ‚Äď manuten√ß√£o

A√ß√£o: Sambada dos Maracatus √Āguia Formosa (Mestre Felype Silva) e Piaba de Ouro (Mestre Gleibson Sal√ļ)

Abertura: Ciranda Flor de Lírio do Mestre Luciano

Quando: neste sábado (22/09/18), às 21h

Onde: Rua Professora Ana Vaz de Andrade, Tracunhaém|PE (em frente ao Hamburgão do Lula)

Realiza√ß√£o:¬†Maracatu √Āguia Formosa, Gr√£o ‚Äď Comunica√ß√£o e Cultura, Maciel Sal√ļ¬†e¬†Projeto Azougue

Incentivo: Fundo Pernambucano de Incentivo √† Cultura (Funcultura PE), Funda√ß√£o do Patrim√īnio Hist√≥rico e Art√≠stico de Pernambuco (Fundarpe), Secretaria de Cultura de Pernambuco (Secult-PE) e¬†Governo de Pernambuco

Redes sociais: facebook.com/projetoazougue e instagram.com/projetoazougue

Share

Brasil, Col√īmbia e Mo√ßambique celebram em Cachoeira (BA) a diversidade liter√°ria na 13¬™ Edi√ß√£o do Caruru dos Sete Poetas: Recital com Gostinho de Dend√™.

Programação Infantil CARURU 2018

No dia¬†22 de setembro,¬†s√°bado, acontecer√° em Cachoeira (Bahia) a O evento une √† literatura um momento da tradi√ß√£o cultural e religiosa baiana, integrando diversas linguagens e manifesta√ß√Ķes art√≠sticas, tanto para o p√ļblico adulto quanto infantil, al√©m de Quermesse de Livros, na Igreja D‚ÄôAjuda, que reunir√° editoras independentes e obras de autores da EBESC – Uni√£o Baiana de Escritores.

Este ano, o Caruru prestar√° homenagem ao poeta negro baiano, Jos√© Carlos Limeira (1951 ‚Äď 2016), um dos poetas mais importantes da literatura negra contempor√Ęnea, autor de ‚ÄúO Arco-√≠ris Negro‚ÄĚ (1978) e ‚ÄúAtabaques (1983)‚ÄĚ em parceria com √Čle Semog, ‚ÄúBlack Intentions‚ÄĚ (2003) e ‚ÄúMalak√™‚ÄĚ (2008), Encantadas. Salvador: Ogum‚Äôs Toques Negros, 2015. Na homenagem, al√©m do lan√ßamento do Pr√™mio Jos√© Carlos Limeira de Poesia Negra para poetas in√©ditos, promovido pela Portu√°rio Atelier Editorial, haver√° apresenta√ß√£o de performance do Grupo de Poesia Resist√™ncia Po√©tica e da Oficina Negra de Teatro, dirigida pelo professor Raimundo Moura.

O Recital √© gratuito e acontece em pra√ßa p√ļblica, no Largo d‚ÄôAjuda, na Her√≥ica cidade da Cachoeira.

A programação começa às 10h com Peleja de Cordelistas e Heppers na Feira Livre de Cachoeira sob o comando dos poetas Denisson Palumbo e Rilton Jr., anunciando a todxs o Caruru dos Sete Poetas. Às 15 horas, no Largo d’Ajuda, entra na roda e vem brincar com a gente na programação infantil do Caruru dos 7 Poetas. Vai ter oficina de pintura e o Arame das Artes com Davi Rodrigues, festival de bolhas de sabão, brincadeiras e contação de histórias.

√Äs 20, o XIII¬ļ Recital com Gostinho de Dend√™ √© aberto nos passos da dan√ßa o Grupo Cultural Ra√≠zes do √Čbano, com a performance Ibeji. Em seguida, o Coletivo Novos Cachoeira, sob a dire√ß√£o do m√ļsico S√≥lon de Albuquerque Mendes, apresenta um concerto fruto das oficinas e encontros musicais, as quais possibilitam a cria√ß√£o de novas harmonias, composi√ß√Ķes e arranjos que conferem ineditismo a um repert√≥rio repleto de interven√ß√Ķes autorais.

Todos os arranjos e composi√ß√Ķes s√£o escritos por membros do grupo, especialmente para o grupo e seu p√ļblico.

Com a apresenta√ß√£o do poeta Tiago Oliveira, Gato Preto, os sete poetas: Alex Sim√Ķes (Ba), Celso Borges (Ma), NegaFya (Fabiana Lima) Laura Castro (Ba), Pedro Pereira Lopes (Maputo ‚Äď Mo√ßambique), Ricardo Aleixo (MG), R√≥mulo Bustos Aguirre (Cartagena de √ćndias ‚Äď Col√īmbia) s√£o convidados a recitar e celebrar o XIII¬ļ Caruru dos Sete Poetas: Recital com Gostinho de Dend√™, apresentando seus versos em Sete Rodadas de Poesia.

O encerramento fica por conta do grupo musical G√™ge Nag√ī, que integrar√° interven√ß√Ķes po√©ticas em seu repert√≥rio, al√©m das cantigas afro-barrocas de seu repert√≥rio atento √†s tradi√ß√Ķes afro-brasileiras, neste momento tamb√©m √© servido o tradicional Caruru para o p√ļblico.

Numa analogia aos sete meninos das manifesta√ß√Ķes religiosas, este projeto promove o encontro de sete poetas para recitar seus versos e celebrar nossa cultura e arte liter√°ria. √Č a (biblio)diversidade da poesia, da comida baiana, exposi√ß√£o/comercializa√ß√£o de livros e performances art√≠sticas numa celebra√ß√£o p√ļblica e integradora √© que faz do Caruru dos Sete Poetas, uma tradi√ß√£o no calend√°rio liter√°rio da Bahia. Em Cachoeira, no Rec√īncavo Baiano, onde acontece desde 2005, e faz refer√™ncia ao caruru dos sete meninos, de rever√™ncia aos Ibejis, da tradi√ß√£o afro-brasileira, e aos santos cat√≥licos S√£o Cosme e Dami√£o.

O Caruru √© uma iniciativa da Portu√°rio Atelier Editorial, em parceria com Casa de Barro ‚Äď Cultura, Arte, Educa√ß√£o, Grupo Cultural Ra√≠zes do √Čbano, Gege Nag√ī, Coletivo Novos Cachoeiranos e Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Cahoeira e conta com apoio financeiro do Fundo de Cultura da Bahia / Secretaria de Cultura / Secretaria da Fazenda / Governo do Estado da Bahia.

SERVIÇO

¬†O que:¬†13¬™ edi√ß√£o do Caruru dos 7 Poetas ‚Äď Recital com Gostinho de Dend√™

Onde: Largo d’Ajuda. Cachoeira/BA

Quando: 22 de Setembro

In√≠cio:¬†a partir das 15h ‚Äď Programa√ß√£o Infantil / 20h Recital

Quanto: Gratuito

Produção: Portuário Atelier Editorial

Informa√ß√Ķes:

Jo√£o Vanderlei de Moraes Filho

(75)98224-9502/ portuario.atelier.editorial@gmail.com

Convidados:

Tiago Oliveira (Mestre de Cerim√īnica do Evento)¬†71 99173-6321

Alex Sim√Ķes (Ba),¬†71 9 9395-0435

NegaFya (Fabiana Lima)  71 9 8861-8292

Pedro Pereira Lopes (Maputo ‚Äď Mo√ßambique),¬†+25 882745881

R√≥mulo Bustos Aguirre (Cartagena de √ćndias ‚Äď Col√īmbia)¬†+57 318 4333837

Coletivo Novos Cachoeiranos 71 9 9200-5135

Ra√≠zes do √Čbano¬†75 9 8121-5148

Grupo de Poesia Resistência Poética 71 9 8171-3929

Share

Brasil ganha outros quatro patrim√īnios culturais

psp_mara_freire_0112

Foto: Mara Freire/Acervo Iphan

Ap√≥s o registro da literatura de cordel e o tombamento do acervo do artista sergipano Arthur Bispo do Ros√°rio, o Brasil ganhou, nesta quinta-feira (20), mais quatro patrim√īnios culturais. O Conselho Consultivo do Patrim√īnio Cultural aprovou os registros da Prociss√£o do Senhor dos Passos, em Florian√≥polis (SC), e do Sistema Agr√≠cola Tradicional das Comunidades Quilombolas do Vale do Ribeira (SP) e os dos terreiros de candombl√© Il√™ Ob√° Ogunt√© S√≠tio Pai Ad√£o, em Recife (PE), e Tumba Junsara, em Salvador (BA).

A Prociss√£o do Senhor dos Passos, da Igreja Cat√≥lica, √© realizada em Florian√≥polis (SC) h√° 250 anos e re√ļne em m√©dia 60 mil fi√©is. Com dura√ß√£o de uma semana, sempre 15 dias antes da P√°scoa, a celebra√ß√£o √© marcada por momentos simb√≥licos, entre eles a Prociss√£o do Encontro, o √°pice ritual que encena a Paix√£o de Cristo e tem como momento m√°ximo o serm√£o que marca o encontro entre o Cristo e sua m√£e, na quarta esta√ß√£o da Via Crucis. A hist√≥ria da Prociss√£o tem in√≠cio com a chegada da imagem √† cidade, ent√£o vila de Nossa Senhora do Desterro, em 1764.

Desde o período colonial, o rio Ribeira do Iguape, no estado de São Paulo, viu o cultivo de mandioca, milho, feijão e arroz tornar-se o eixo estruturante do modo de vida de comunidades quilombolas que se instalaram nas suas margens. Esse modo de fazer roça e os bens culturais a ele associados integram o Sistema Agrícola Tradicional das Comunidades Quilombolas do Vale do Ribeira.

Entre o apogeu e a decad√™ncia da explora√ß√£o do ouro, foi a agricultura de subsist√™ncia que permitiu a perman√™ncia dos grupos afrodescendentes nos vales e montanhas da regi√£o. Muito al√©m de uma atividade econ√īmica, o plantar e colher estabeleceu as trocas com a natureza, os la√ßos de parentesco e compadrio, a fabrica√ß√£o de materiais para o uso di√°rio, a express√£o do divino e as manifesta√ß√Ķes religiosas, de m√ļsica e dan√ßa, transmitidos entre as sucessivas gera√ß√Ķes que ali moraram.

Um dos primeiros terreiros de Xang√ī em Pernambuco foi o Il√™ Ob√° Ogunt√© S√≠tio de Pai Ad√£o. A casa possui uma relev√Ęncia hist√≥rica para compreens√£o das religi√Ķes de matrizes africanas no Brasil. O nome √© homenagem a um de seus sacerdotes: Pai Ad√£o, um dos maiores propagadores do nag√ī pelo Recife, que ajudou a fundar outros terreiros e tornou-se refer√™ncia na cidade. Em fun√ß√£o disso, Pai Ad√£o gozava de grande estima e respeito da parte dos intelectuais que pesquisavam sobre os Xang√īs de Pernambuco.

Legado, resist√™ncia e religiosidade comp√Ķem a ess√™ncia do Terreiro Tumba Junsara, em Salvador (BA), que est√° entre os mais antigos de tradi√ß√£o Angola no Brasil. Fundado em 1919 pelos irm√£os Manoel Rodrigues e Ciriaco, o Terreiro de candombl√© faz da milonga (mistura) um caminho para manter suas refer√™ncias culturais. Uma caracter√≠stica da Na√ß√£o Angola, por exemplo, √© a presen√ßa de um culto espec√≠fico em rever√™ncia aos ancestrais ind√≠genas.

Sobre o Conselho Consultivo do Patrim√īnio Cultural

O Conselho Consultivo do Patrim√īnio Cultural √© o √≥rg√£o colegiado de decis√£o m√°xima do Instituto do Patrim√īnio Hist√≥rico e Art√≠stico Nacional (Iphan), institui√ß√£o vinculada ao Minist√©rio da Cultura (MinC), para as quest√Ķes relativas ao patrim√īnio material e imaterial. S√£o 26 conselheiros que representam os minist√©rios da Educa√ß√£o, das Cidades, do Turismo e do Meio Ambiente, o Instituto Brasileiro dos Museus (Ibram), o Conselho Internacional de Monumentos e S√≠tios (Icomos), o Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), a Sociedade de Arqueologia Brasileira (SAB), a Associa√ß√£o Brasileira de Antropologia (ABA) e mais 13 representantes da sociedade civil, com especial conhecimento nos campos de atua√ß√£o do Iphan.

Instituto do Patrim√īnio Hist√≥rico e Art√≠stico Nacional (Iphan)
Ministério da Cultura

Share