19 ideias sobre “Contato

  1. Seu nome

    gostei de ler a metéria publicada, pois relata a perspectiva de alcançar um objetivo. nós indios temos grandes idéias, pois não somos simplesmente uma raça discriminada racialmente. Mas nossas forças vem da nossa cultura, do nosso sangue, do nosso saber sobreviver nesse mundão de meu Deus…é isso pessoal

  2. Magal Melo

    Gostei do blog, este é mais um canal para ampliar os contatos e as discussões sobre cultura. No mais, gostaria de pedir uma atenção especial para os artistas de Guarabira, que no momento não tem nenhum apoio do MINC nas suas atividades.

  3. Zezito de Oliveira

    Estou aguardando a matéria sobre a visita do Fábio Lima a Sergipe, A visita foi produtiva e deixou uma impressão positiva do novo chefe da representação regional do MINC.
    Sucesso!!

  4. Comunicação - Representação Regional Nordeste do MinC Autor do post

    Prezado Magal,

    estamos à disposição para auxiliar, divulgar e orientar sobre as políticas públicas de cultura. Quanto à atenção aos artistas de sua cidade, informo que o chefe da Regional Nordeste do Ministério da Cultura, Fábio Lima, já tem uma reunião marcada com o secretário de Cultura da Paraíba, Chico César, na próxima semana, no intuito de ampliar o apoio do MinC neste estado.

    Em caso de dúvidas, entre em contato.

  5. Comunicação - Representação Regional Nordeste do MinC Autor do post

    Caro Zezito,
    o encontro Rumo à Cidadania Cultura, em Recife, acontecerá no dia 17 de maio, a partir das 14h, no auditório da Casa da Indústria – FIEPE (Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco), que fica na Av. Cruz Cabugá, 767 – Santo Amaro – Recife – PE. As inscrições devem ser feitas no endereço http://bit.ly/SCDCRecife, até 12h, do dia 16/05/2011.
    Outras informações: Representação Regional Nordeste – Ministério da Cultura – (81) 3194-1300.

  6. Lanora Whitted

    Prezados Colegas,
    A Escola de Televisão & Arte Eletrônica está lançando mais uma novidade, o “QUIZ AUDIOVISUAL”.
    Preparamos mais de 400 perguntas sobre a produção audiovisual, sorteadas aleatoriamente, para você poder testar seus conhecimentos de uma maneira divertida. E ainda, poder ganhar de presente o livro Televisão Manual de Produção & Direção (Versão CD), do autor Valter Bonasio

    Participe! “QUIZ AUDIOVISUAL”
    escoladetelevisao.com.br

  7. Carla Sena

    AMIGOS!

    O Espaço Cultural Teatro Mamulengo traz a exposição de desenhos do artista plástico,Fernando Duarte, LUNG TA, com exposição e venda de mais de cinquenta gravuras. A exposição participa de uma mostra paralela do Spa das Artes que acontece de 11 a 18 de setembro, em Recife.

    Abertura
    19h
    Show de Naara e Publius às 19h30
    Coquitel – 19h às 20h
    Entrada Franca
    Serviço de Bar

    Exposição
    Serão sessenta e quatro desenhos em nanquim sobre papel vegetal de figuras abstratas e algumas pequenas frases.
    LUNG TA são as bandeiras de oração do budismo tibetano que são penduradas horizontalmente.
    Acontece de 15 de setembro a 14 de outubro.

    Hotários:
    Seg a Sexta – das 11 às 22h
    Sáb e Dom – das 16 às 22h
    Serviço de Bar e Restaurante

    O Espaço Cultural Bar Teatro Mamuelngo,
    Localizado em uns dos principais pontos turisticos do Recife,
    Rua da Guia, 211, Recife Antigo (Praça do Arsenal, próx a Torre Malakoff)

    Contato para reservas e maiores informações
    81.32241500
    81.92040674

    “Mamuelngo, a sua historia é a nossa Histrória.”

  8. Bernadete Lage Rocha

    A Toda Sociedade Brasileira.
    Abaixo, manifesto nacional por melhoria da condição de um povo com o estigma doloroso de vidas – 800000 pessoas, 90% analfabetos, segundo o IBGE – relegadas ao abandono e à execração pública diária. Resolvemos apelar para a compaixão e a responsabilidade civil de todos os segmentos da sociedade, por puro cansaço de anos de tentativa inglória de amenizar a dor do despertencimento. O momento é agora, já que o governo federal confirma o intento de erradicação da miséria em nosso país.
    Estamos enviando-lhes este manifesto de pedido de socorro imediato ao Povo Cigano, para que todos se sensibilizem e interfiram junto aos órgãos competentes, para incluí-los nas políticas públicas de saúde, educação, erradicação da miséria e de comportamentos preconceituosos que causam tanto sofrimento a esses seres à margem da vida.
    Nós, voluntários do Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente, APAC, Casa de Passagem, e na cidade de Viçosa, Minas Gerais, além do Forum Mundial Social – Mineiro e diversas outras entidades requeremos as medidas emergenciais de inclusão destes brasileiros, que já nascem massacrados pelo fardo vitalício da dor do aviltamento e segregação atávica em nossa sociedade, desabrigados que são da prática do macroprincípio da dignidade da pessoa humana, telhado da Constituição.

    Cliquem no link abaixo, no artigo da SEPPIR, que confirma a situação deles. E, por favor, leiam o anexo.
    http://noticias.r7.com/brasil/noticias/falta-de-politicas-publicas-para-ciganos-e-desafio-para-o-governo-20110524.html
    Se nosso país tornou-se referência em crescimento econômico, certamente conseguirá sê-lo também em compaixão e acolhimento dessa causa universal.
    DE GENTE ESTRANHA, em caravana.
    Dolorosamente incômoda.
    Ciganos. Descobrimos, perplexos, que suas famílias são excluídas dos programas de bolsa-família, saúde, educação, profilaxia dentária, vacinas etc. Sua existência se torna mais dramática, pois não conseguem os benefícios do governo por não terem endereço fixo. Segundo o IBGE, são cerca de 800.000, 90% analfabetos.
    Há seis anos, resolvemos visitar um acampamento em Teixeiras, perto de Viçosa. E o que vimos foi estarrecedor: idosas, quase cegas, com catarata. Pais silenciosamente angustiados, esperando os filhos aprenderem a ler em curto espaço de tempo, até serem despejados da cidade. Levamos ao médico crianças que “tinham problema de cabeça”. E eram normais. Apenas sofriam um tipo diferente de bullyng, ignoradas, invisíveis que são. Chefes de família com pressão altíssima e congelados pelo medo de deixarem os seus ao desamparo.
    Vida itinerante. Numa bolha, impermeável. Forasteiros no próprio país. Dor sem volta. Passamos a visitar todos que aqui vem. E a conviver com o drama de mulheres grávidas, anêmicas e sem enxoval. Crianças analfabetas aos dez, onze anos.
    Em 2008, pesquisando, achamos a Cartilha dos Direitos Ciganos da advogada Dra. Mirian Stanescon Batuli, a primeira cigana com curso superior no Brasil.
    Certa vez, ao entregar a Cartilha na rua, ouvimos o seguinte: “se vocês chegassem há pouco, veriam uma dona xingar todo mundo de ladrão, como sempre fazem.” Outra, com os olhos turvos, grávida de dois meses e já com quatro filhos, tentou doar-me o bebê. Um cigano olhou a Cartilha com descrença. Medo cravado na alma. Alguns às vezes nos ligam para ver se conseguimos do prefeito de algum lugar que eles fiquem um pouco mais até que um ou outro menino termine o semestre na escola.
    Sugeriram-nos que eles precisam se organizar e reivindicar. Ora, alguém já viu seqüestrado negociar com sequestrador? Como pessoas reféns do analfabetismo, execradas publicamente todos os dias de suas vidas, amordaçadas pelo preconceito e com filhos para alimentar conseguirão lutar por algo? Vide a Pirâmide de Maslow. Quem tem que gritar somos nós. Para eles não sobra tempo de aprender o ofício da libertação, já que são compulsoriamente nômades – sempre partem porque os donos dos terrenos ou algum prefeito desinformado logo dão um jeitinho de “precisar com urgência daquele local”. Assepsia étnica.
    A gente descobre, atordoada, que desde a primeira diáspora, quando passaram a viver à deriva, sempre expulsos, eles vivem numa cápsula do tempo. Conservam os mesmos hábitos daquela época, ou seja, sociedade patriarcal, vestuário, casamento prematuro, a prática de escambo e a mesma língua dos antepassados. Tudo isto PORQUE NÃO PARTICIPAM DAS TRANSFORMAÇÕES DA CIVILIZAÇÃO. Jamais tem acesso às benesses das pesquisas tecnológicas e científicas, aos programas governamentais de erradicação da miséria, às celebrações civis agregadoras ou sequer a proposta de ao menos um olhar de compaixão.
    E, então, “civilizados” que somos, cristãos ou não, que gritamos por nossos direitos, que votamos a favor ou contra, que existimos, continuaremos a dormir em paz?
    Agradecemos a todos que se sensibilizarem com a causa e nos ajudarem.
    Abaixo, email recebido de uma senhora cigana , esposa de um professor de Viçosa.
    Respeitosamente,
    Profª.Bernadete Lage Rocha
    l.bernadete@yahoo.com.br
    031-88853369
    Voluntariado:
    APAC – Viçosa-MG
    Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente
    Conselho de Segurança Alimentar
    MULHERES PELA PAZ
    PASTORAL NÔMADE

    (O nome foi deletado em respeito à ela)
    Bernadete: Li seu artigo e os outros que me indicou e, neste momento, de alma pesada, garganta em nó e olhos úmidos, não sei como expressar-me. A dor que experimento é como chaga viva, sangrenta, para a qual não parece haver remédio. Parece que se instalou em mim toda a dor do meu povo e, tudo que posso, exatamente agora, é deixar que o pranto role e lave os lixos da minha mente, ora poluída pelo desamor, pelo descaso, pela vida miserável a que tem sido obrigados os meus iguais, a minha carne, o meu sangue.
    Sei, perfeitamente, o que ser cigano no mundo dos gadjés. Também tenho sofrido preconceito e muitas vezes experimentei “o dom da invisibilidade”, outras tantas, conheci o verdadeiro significado e a dor do desprezo, pelo simples fato de não negar minha origem. A forma que encontrei de não mais deixar-me exposta às feridas que levava para casa, cada vez que fui alvo de repúdio, de zombaria, de desconfiança e de outros tipos de preconceito foi o anonimato, o refúgio da minha casa, de onde raramente saio. Aconselharam-me, mais de uma vez, esconder minha origem para que a sociedade me aceitasse, mas não posso ou quero e, ademais, tenho orgulho de ser uma filha da Casa de Rom, tenho orgulho do meu pai e de sua quinta casta, da minha mãe e da terceira casta à qual pertence.
    Sempre sonhei em lutar pelo meu povo, porém fomos criados para sermos pacíficos, para entendermos e aceitarmos que o mundo é dos Gadjés e que somos hóspedes de passagens, além de minoria. Nunca consegui realizar o sonho que acalento de criar “A Escola Itinerante Pró-Ciganos”, para levar o saber, a educação a cada acampamento, a fim de diminuir a linha de desigualdade que separa o meu povo dos Gadjés. Quem sabe, agora, com sua ajuda e mais de quem queira abraçar essa causa, a escola possa ser criada e eu realize o sonho de ensinar a cada ciganinho a descobrir a escrita, a leitura e, através da educação, meu povo aprenda a lutar por respeito à sua condição de ser humano?
    Obrigada, amiga, por se importar com os “párias” da sociedade.

  9. ANDRÉ DE ANDRADE

    BOA INICIATIVA ESSE ESPAÇO DE COMUNICAÇÃO

    Gostaria de registrar a satisfação em contar com mais esse espaço para o diálogo cultural, faço desde já um pedido para que o RRNE possa estender suas ações para a Região do Cariri, no Ceará, principalmente para atividades de formação e orientação do Sistema Nacional de Cultura.

    André de Andrade
    Secretaria Municipal da Cultura de Juazeiro do Norte

  10. Marcos Aurélio

    Olá saudações a todos!
    Gostaria de saber quais os canais que devo seguir para conseguir apoio na execução de projetos com repentistas, cordelistas e emboladores qui no Maranhão onde retornei para residir? Executei um projeto em Fortaleza no Ceará e gostaria de dar continuidade a estes eventos de cultura popular aqui em minha terra.
    Grato pela atenção!
    Prof. Marcos Aurélio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*