Arquivo da tag: RRNE

Cine É Proibido Cochilar estreia na Casa do Patrimônio de Olinda

artecineO Cine É Proibido Cochilar, iniciativa da Representação Regional Nordeste do Ministério da Cultura (RRNE/MinC), aporta na Casa do Patrimônio de Olinda – ligada ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN-PE) – no dia 18 de junho, com a sessão de inauguração do Cine no local. A partir das 19h, o público poderá assistir ao documentário pernambucano Rio Doce/CDU e logo após será aberto um espaço para debate com profissionais que fizeram parte do filme, como o montador João Maria e o fotógrafo Beto Martins. Esta ação é fruto de uma parceria que a RRNE/MinC está firmando com a Casa do Patrimônio de Olinda.

Continue lendo

Share

Confira a cobertura da segunda edição do Sarau Temos Palco, realizada em 25/11/14

A segunda edição do Sarau Temos Palco aportou, na última terça-feira (25/11), na Sala Funarte Nordeste – localizada na Representação Regional Nordeste do Ministério da Cultura. A iniciativa da Fundação Nacional de Artes (Funarte) tem como principal objetivo incentivar vocações artísticas, valorizar novos talentos e abrir espaço para toda e qualquer expressão de arte, além de promover intercâmbio cultural. Confira as imagens da primeira edição, realizada no dia 18/11, clicando aqui.

Na ocasião, participaram o fundador do Grupo Maracatu Várzea do Capibaribe, Mestre Pirulito; O cantor e compositor, Gustavo Tiné; A Troça frevoderepenterock; O músico Nelson Heffi; Os poetas do Escambo Coletivo, Benoni Codacio e Policarpo Senda; O músico Alex Mono; O grupo Voz do Capibaribe; O grupo de rap Aliados CP; O cantor e compositor Henrique Silva; o produtor do Som na Rural, Roger de Renor; a violoncelista Johsi Guimarães e o diretor do Grupo de Teatro João Teimoso, Oseias Borba.

Confira abaixo a cobertura completa do evento:

Texto e imagens: Thomas Gonçalves AsCom RRNE/MinC

Share

Políticas para a economia criativa no Recife pautam reunião entre a Representação Regional Nordeste do Ministério da Cultura e a Incubadora Pernambuco Criativo

Na tarde da última quarta-feira (15/10), a Representação Regional Nordeste do Ministério da Cultura se reuniu com a equipe gestora da Incubadora Pernambuco Criativo, localizada no Centro de Convenções da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), sob o intuito de dialogar acerca das políticas que podem ser desenvolvidas em conjunto para que o projeto possa atingir suas metas. O local – fruto de uma parceria entre a Secult-PE/Fundarpe, Ministério da Cultura e UFPE – foi inaugurado em 16 de setembro deste ano, e contou com a presença de várias autoridades, entre elas a ministra da Cultura, Marta Suplicy, e o Secretário da Economia Criativa, Marcos André.

estaDurante a reunião – cujo estiveram presentes o chefe da RRNE/MinC, Gilson Matias; o representante da Economia Criativa no Nordeste, Roberto Azoubel; a gestora da Incubadora Pernambuco Criativo, Patrícia Reis; a Secretária Executiva da Incubadora, Patrícia Lessa; o gestor da UFPE, Marcos Galindo e o Coordenador de Articulação, Comunicação e Redes, André Souza – uma das pautas que mais se destacou foi a necessidade de organizar um momento de dinâmica entre outros conselhos e consórcios que estão sendo formados pelas incubadoras. “Vai ser muito inovador discutir a participação da sociedade civil nas decisões e execuções das atividades da incubadora para os produtores culturais destas localidades, além da importância das políticas públicas de economia criativa”, ressaltou Patrícia Reis.

Para este compartilhamento de ideias, pretende-se utilizar como exemplo a institucionalização do modelo de economia criativa adotado por Goiana – primeiro município a criar um cargo, por decreto, na área da economia criativa dentro da Prefeitura – colocando em discussão a possibilidade de replicá-lo para outros municípios. Ainda segundo a gestora da incubadora, também está previsto dentro do organograma de ações, em trabalho conjunto ao MinC, a questão dos territórios criativos, cujo está previsto no quarto eixo dos planos do Sistema, voltados à cultura e ao desenvolvimento.

Um dos principais desafios da Incubadora Pernambuco Criativo é também a formalização de dois conselhos: o executivo e o consultivo. Ao passo que o primeiro trata de acolher a gestão do projeto, responsável pelo monitoramento e execução das metas de convênio, o segundo fica encarregado pelos mapeamentos, o estudo das potencialidades locais, e a identificação das demandas.

rEUNIAO3O chefe da RRNE, Gilson Matias, garantiu que a Regional acredita e aposta neste setor da economia e está aberta ao diálogo destas políticas. Além disso, destacou a necessidade de fortalecer as recentes incubadoras inauguradas nas áreas de abrangência territorial administrativa da RRNE – Recife e Natal –, assim como a Bahia, subsidiada pela Representação Regional da Bahia e Sergipe, e sugeriu um encontro entre elas, objetivando a troca de ideias e métodos que possibilitem o aprimoramento dos projetos.

Na ocasião, Gilson ainda propôs que a UFPE participasse do novo edital Mais Cultura nas Universidades (saiba mais clicando aqui), que objetiva incentivar as universidades e institutos federais a desenvolverem planos de cultura. “Havia uma preocupação quanto aos equipamentos presentes nestes centros de estudos que, apesar de serem muitos, não tinham como dinamizá-los ou recuperá-los. Por isso é muito interessante quando esta discussão vem para dentro da universidade, porque ela vai passar por uma sistematização e vai ter uma conceituação. A economia criativa vem dando uma nova forma de pensar ao próprio Ministério”, explanou.

Para Marcos Galindo, gestor da UFPE, é esperado que o Centro de Convenções se torne um espaço cultural ativo. “Se a gente conseguir implementar estas coisas que estão em curso, a gente vai estar criando para o Recife um ambiente de cultura importante e vigoroso. As atividades da Incubadora aqui estão inclusas neste quadro”, pontuou. Mais além, a Universidade pretende estabelecer uma política visando a institucionalização de programas sustentáveis e de longa duração, onde serão movidos por projetos e alimentados por um fundo de cultura.

REUNIAO2

Após a reunião, a equipe da Incubadora apresentou o espaço para o chefe da RRNE/MinC. O projeto faz parte das ações de revitalização do Centro de Convenções da Universidade que contará até 2015 com salas de cinema, auditórios e espaços livres para exposição e espetáculos.

Sobre a Incubadora Pernambuco Criativo

A Incubadora Pernambuco Criativo faz parte da Rede de Incubadoras Brasil Criativo, programa da Secretaria da Economia Criativa do Ministério da Cultura, que conta com 7 incubadoras inauguradas nos estados do Rio de Janeiro, Acre, Bahia, Mato Grosso, Pará, Goiás e Rio Grande do Norte.

É a primeira incubadora da rede a ser instalada dentro de universidade reforçando a importância da união entre o mundo do empreendedorismo cultural com o mundo acadêmico, da pesquisa e da inovação.

A Incubadora Pernambuco Criativo ofertará aos agentes culturais cursos e consultorias em gestão, planejamento estratégico, assessoria contábil, jurídica e de comunicação, marketing, elaboração de projetos e captação de recursos e acompanhamento contínuo. Também sediará balcões de crédito, de formalização, assessoria jurídica e uma área compartilhada permanente de trabalho colaborativo.

TEXTO: Thomas Gonçalves AsCom RRNE/MinC

Share

Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz/2014 apresenta habilitados

A Fundação Nacional das Artes – Funarte, publicou a lista dos projetos habilitados e inabilitados ao edital. O resultado parcial corresponde à primeira fase do processo seletivo (habilitação). A publicação foi feita no dia 26 de setembro de 2014.

Para visualizar os projetos HABILITADOS, clique aqui.
Para visualizar os projetos INABILITADOS, clique aqui.
Para acessar o FORMULÁRIO DE RECURSO, clique aqui.

Sobre o edital

O Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz/2014 vai contemplar 107 projetos em duas modalidades:  (A) Circulação e  (B) Montagem de Espetáculos ou Manutenção de Atividades Teatrais de Grupos e Companhias. As premiações variam de R$ 50 mil a R$ 150 mil, para todas as regiões do país.  O investimento total é de R$ 10 milhões. O objetivo é fomentar o desenvolvimento de atividades teatrais, incentivando a criação e a circulação de espetáculos, além de contribuir para a manutenção de grupos e companhias. A portaria que institui o Prêmio foi publicada no Diário Oficial da União, em 11 de julho de 2o14.

Podem concorrer pessoas jurídicas, tais como produtoras artísticas, companhias ou grupos de todo o país. As inscrições somente poderão ser enviadas pelos Correios (SEDEX), sendo desconsideradas aquelas postadas após a data de encerramento. O formulário de inscrição, juntamente com o projeto, deverá estar devidamente identificado e ser encaminhado para o seguinte endereço: Avenida Rio Branco, 179 / 6º andar – Centro – CEP 20040-007 Rio de Janeiro – RJ.

Mais informações:
Coordenação de Teatro
Centro de Artes Cênicas da Funarte
teatro@funarte.gov.br

TEXTO: www.funarte.gov.br
Share

Prefeitura Municipal de João Pessoa lança edital de cinema Walfredo Rodriguez

A Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) lança, nesta sexta-feira (19), às 9h, no Paço Municipal, o Prêmio Walfredo Rodriguez de Produção Audiovisual. Com investimentos de R$ 3,375 milhões, do Fundo Setorial de Audiovisual (FSA), alocados pela Agência Nacional de Cinema (Ancine), e do Fundo Municipal de Cultura (FMC), administrado pela Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope), o edital privilegiará a produção de curtas, médias e longas-metragens locais, num estado com forte tradição na sétima arte, tendo saído da Paraíba o filme “Aruanda”,de Linduarte Noronha, que instaurou o Cinema Novo no país e gerou gênios como Glauber Rocha.

filmeA coletiva de imprensa contará com as presenças de Roberto Gonçalves de Lima, diretor da Ancine, que vem do Rio de Janeiro para a solenidade, de representantes da Funjope e de demais artistas e profissionais ligados ao cinema.

Na ocasião, será apresentada a política de fomento à indústria cinematográfica e audiovisual desenvolvida pela Agência reguladora em consonância com os governos municipais, em atendimento aos diversos segmentos da cadeia produtiva mediante a utilização de diferentes instrumentos financeiros, tais como investimentos, financiamentos e operações de apoio.

O primeiro edital Walfredo Rodriguez, lançado em 2012, contemplou com R$ 1 milhão 13 projetos de longas, médias e curtas com repasses que variavam de R$ 20 mil a R$ 440 mil. Muitos deles ainda estão em execução. “Os investimentos em cinema que João Pessoa recebe este ano não encontram paralelo na sua história recente, projetando-se até em relação às destinações estaduais no Brasil”, comenta o diretor-executivo da Fundação, Maurício Burity.

Prova disso é que, com o lançamento deste edital, João Pessoa passa a ser sétima cidade que mais investe em cinema no Brasil, à frente de estados como o Acre e de capitais como Natal e Goiânia. “Ele é o produto final de um trabalho bem elaborado, que levou em conta análises técnicas e de mérito extensivas e, que por fim, foi submetido a uma concorrência entre vários municípios”, enumera Maurício Burity. O valor total aportado pelo programa Brasil de Todas as Telas, somando todos os editais lançados pela Ancine até agora, é de R$ 35 milhões, com previsão total de investimentos na modalidade suplementação de recursos de R$ 94 milhões.

“A segunda edição do prêmio consolida um compromisso institucional em fortalecer uma arte que já nasceu grande no Estado, com a ascensão de estrelas espalhadas pelas diversas áreas do cinema e uma produção traduzida em lançamentos e reconhecimento da nossa força”, reconhece a atriz Marcélia Cartaxo, coordenadora da Divisão de Audiovisual da Funjope.

Walfredo Rodriguez – Considerado o pai do cinema paraibano, o fotógrafo Walfredo Rodriguez (1893-1973), que dá nome ao prêmio, testemunhou o crescimento da cidade em negativos que mostram a evolução da Capital desde que ela se chamava Parahyba do Norte.

Trabalhou com realizadores cinematográficos no Rio de Janeiro, onde aperfeiçoou seus conhecimentos em cinema. Em seguida, voltou à Paraíba, onde produziu vários filmes, a maior parte documentários, entre os quais se destacam “Sob o Céu Nordestino”, “Amor e Perdição”, “Reminiscência de 30”  e  “Carnaval Paraibano e Pernambucano”

TEXTO: Prefeitura de João Pessoa

Share

Documentário de Eduardo Coutinho, Cabra Marcado Para Morrer, é o destaque dessa quarta (24) no Cine É Proibido Cochilar

O Cine É Proibido Cochilar encerra sua programação de filmes ligados ao tema política com a exibição do documentário Cabra Marcado Para Morrer, clássico do saudoso diretor Eduardo Coutinho, falecido no mês de fevereiro deste ano.

cabramarcadoO documentário de 120 minutos é datado do ano 1984, mas começou a ser produzido 20 anos antes, em 1964. As filmagens foram interrompidas em razão do Golpe Militar brasileiro e retomadas apenas 17 anos depois (1981), por meio depoimentos dos camponeses sobreviventes que trabalharam nas primeiras filmagens e da viúva do líder da liga camponesa Sapé, Elisabeth Teixeira – que até então vivia na clandestinidade.

A narrativa conta a história política do líder da liga camponesa de Sapé (que fica na Paraíba) que lutava pelos direitos da zona rural, João Pedro Teixeira, executado em 1962.

O Cine É Proibido Cochilar é uma iniciativa da Representação Regional Nordeste do Ministério da Cultura (RRNE/MinC) e acontece todas as quartas, às 19h, gratuitamente.

Confira o contexto histórico:

“As Ligas Camponesas vinham sendo criadas desde meados dos anos 50 com o objetivo de conscientizar e mobilizar o trabalhador rural na defesa da reforma agrária. Durante o governo de João Goulart (1961-64), o número dessas associações cresceu muito e, junto com elas, também se multiplicavam os sindicatos rurais. Os camponeses, organizados nessas ligas ou em sindicatos ganharam mais força política para exigir melhores condições de vida e de trabalho.

A renúncia de Jânio Quadros em 25 de agosto de 1961, após apenas sete meses de governo, abriu uma grave crise política, já que seu vice, João Goulart, não era aceito pela UDN e pelos militares, que o acusavam de promover agitação social e de ser simpático ao comunismo. Assim como esses setores eram contrários à posse de Jango, existiam outros que defendiam o cumprimento da Constituição, como o governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola.

O impasse foi resolvido com a adoção do regime parlamentarista de governo, aprovado pelo Congresso. Com esse regime, Jango era apenas chefe de Estado, sendo que o poder efetivo de decisão estava nas mãos de um primeiro-ministro escolhido pelos deputados e senadores.

Diante da crise econômica, o regime parlamentarista imposto pelos conservadores, se mostrava ineficiente, com a sucessão de vários primeiros-ministros, sem que a crise fosse atenuada. Esse cenário fortalecerá o restabelecimento do presidencialismo, conquistado através de um plebiscito em 6 de janeiro de 1963. Reassumindo a plenitude de seus poderes, Jango lançou as reformas de base apoiadas por grupos nacionalistas e de esquerda.. Elas incluíam a reforma agrária, a reforma do sistema bancário, a reforma tributária e a reforma eleitoral.

Muitos comícios foram organizados em apoio às reformas, destacando-se um comício-gigante realizado na Central do Brasil do Rio de Janeiro em 13 de março. A mobilização popular nos comícios assustava as elites que, articuladas com as forças armadas e apoiadas pelos setores mais conservadores da Igreja, desferiram um golpe de Estado em 31 de março de 1964.

No dia seguinte, o controle dos militares sobre o país era total e, no dia 4, Goulart se auto-exilou no Uruguai, sem impor qualquer resistência aos golpistas, temendo talvez o início de uma guerra civil no país

Iniciava-se assim um dos períodos mais obscuros da história do Brasil, com 21 anos de ditadura militar que promoveu uma violenta onda de repressão sobre os movimentos de oposição, além de ter gerado uma maior concentração de renda, agravando a questão social, produzindo mais fome e miséria. Os “anos de chumbo” da ditadura ocorreram após o AI5 (Ato Institucional número 5), no final do governo Costa e Silva (1968), estendendo-se por todo governo Médici (1969-1974)”

Fonte: www.historianet.com.br

SERVIÇO

Cine É Proibido Cochilar exibe: Cabra Marcado Para Morrer
Representa̤̣o Regional Nordeste do MinC РRua do Bom Jesus, 237, Bairro do Recife
24 de setembro 2014 – 19h, gratuito

TEXTO: Camila Magalhães AsCom RRNE/MinC

Share

Inaugurada a Incubadora Pernambuco Criativo no Recife

Pernambuco Criativo 01Em solenidade que contou com a presença da Ministra da Cultura, Marta Suplicy, foi inaugurada na tarde desta última terça-feira (16) a Incubadora Pernambuco Criativo – a primeira a ser instalada dentro dos domínios de uma universidade, fortalecendo o elo da gestão pública do MinC com o governo do estado de Pernambuco e a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), para fomentar os diversos segmentos da cultura e direcionar àqueles que fazem dela o seu meio de vida.

incubadora Pernambuco CriativoNa ocasião, a Ministra e os gestores presentes – dentre eles o chefe-substituto da Representação Regional Nordeste do MinC, Lúcio Rodrigues; o Secretário Estadual de Cultura, Marcelo Canuto (que representou no ato o atual governador de PE, João Lyra Neto); o reitor da UFPE, professor Edmilson Santos; o Secretário de Políticas Culturais, Américo Córdula; o Secretário de Economia Criativa, Marcos André; o presidente da Funarte, Severino Pessoa; além dos gestores da Incubadora Pernambuco Criativo, Patrícia Reis e Marcos Galindo – foram recepcionados pelo grupo de Lanceiros e Maracatu Rural Piaba de Ouro e pela Orquestra Sinfônica de Frevo da UFPE.

“Temos que manter vivo esse legado do Maracatu, que é de geração para geração e ficamos muito felizes em saber que no tão agradável Centro de Convenções da UFPE, vamos ter um espaço de apoio à Cultura Popular e que podemos contar com ele. […] A gente tem que agradecer mesmo, ficar muito grato por essa iniciativa da Incubadora em Pernambuco, porque a cultura popular tem que ser valorizada e resgatada, valorizando os mestres”, afirma o lanceiro do Maracatu Piaba de Ouro, Pedro Salustiano.

A Pernambuco Criativo é a oitava incubadora inaugurada pelo programa do Ministério da Pernambuco Criativo 04Cultura, Rede de Incubadoras Brasil Criativo e está localizada dentro do Centro de Convenções da UFPE, que passa por um processo de revitalização. “Este é um dia muito especial para a UFPE, pois com a abertura da Incubadora Pernambuco Criativo nós vamos poder conviver com a cultura, colaborando não só com o Estado, mas com os diversos municípios que tem na sua base a Economia Criativa, e também para a formação dos nossos alunos”, explica o reitor da UFPE, Edmilson Santos.

Em seu discurso, a Ministra da Cultura colocou que Pernambuco é um Estado que respira cultura, seja pela música de Geraldo Azevedo, o movimento Mangue Beat, as rendas, a literatura com João Cabral de Melo Neto e Ariano Suassuna. Destacou a implantação do Sistema Nacional de Cultura (saiba mais clicando aqui), do Vale Cultura (saiba mais clicando aqui), dos CEUs (saiba mais clicando aqui) e dos diversos Editais para a Cultura Cigana, Negra, Hip Hop, Conexão Cultura Intercâmbio e Negócios como ferramentas importantes de disseminação e inclusão cultural.

Pernambuco Criativo 02“[…] A incubadora é um ponto de encontro, de cursos, de inovação. O Centro de Convenções da UFPE é extremamente feliz, porque eu estou vendo que vai ter tudo de cultura, a juventude da faculdade vai vir aqui. Então será um lugar que vai estar com o espírito que nós precisamos para ajudar e fermentar, fazendo com que jovens que queiram iniciar uma carreira na área da cultura, aqui possam ter assistência”, completa.

Para a gestora da Incubadora Pernambuco Criativo, Patrícia Reis, o desafio maior é fortalecer asPernambuco Criativo 03 cadeias produtivas de cada região do estado, apoiando e fomentando as invenções cotidianas, a funcionar como um centro de absorção local das tecnologias e conhecimentos. “A cultura em Pernambuco possui inúmeros protagonistas incorporados no seu tecido, a Incubadora Pernambuco Criativo faz parte de uma rede física e virtual que oferece apoio aos empreendedores criativos e também oferece um ambiente de partilha, de aceleração entre empreendedores, artistas, prestadores de serviço e fabricantes dos diversos segmentos da economia criativa brasileira”, conclui. Segundo o Secretário de Economia Criativa, até o final do ano o Brasil terá catorze incubadoras em diferentes estados do país.

Brasil Criativo

A Pernambuco Criativo é uma parceria entre a UFPE, Secretaria de Cultura do estado e Ministério da Cultura. Ela integrará a Rede Brasil de Incubadoras Criativas. O programa conta com investimentos de R$ 40 milhões e tem como princípios norteadores a diversidade cultural e a inclusão social.

As incubadoras são centros de inovação, empreendedorismo, formação, fomento e promoção de empreendimentos do campo da economia criativa. São espaços de convívio e interação multissetorial entre empreendedores e também multi-institucionais, que reúnem governos, bancos, universidades, o Sistema S e a sociedade civil, promovendo o compartilhamento de experiências e o fortalecimento de redes e coletivos em geral.

As Incubadoras Brasil Criativo oferecem aos agentes culturais cursos e consultorias, planejamento estratégico, assessoria contábil, jurídica e de comunicação, marketing, elaboração de projetos e captação de recursos, e acompanhamento contínuo. Também sediam balcões de crédito, formalização, formação técnica e assessoria jurídica e uma área compartilhada permanente de trabalho colaborativo. As atividades são desenvolvidas por equipes locais, em diálogo com as potencialidades e vocações culturais de cada região.

São parceiros do programa, dentre outras instituições, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio; o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação; o Ministério da Educação; o Ministério do Turismo; as secretarias estaduais e municipais de Cultura e de Desenvolvimento Econômico, assim como SEBRAE, SENAC, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e universidades.

TEXTO: Camila Magalhães AsCom RRNE/MinC | Com informações da AsCom MinC

Share

Pronatec Cultura abre 160 vagas no Piauí

A Fundação Cultural do Piauí (Fundac), em parceria com os ministérios da Cultura (MinC) e da Educação (MEC), abriu a pré-inscrição para cursos de assistente de produção cultural e de músico de banda em três cidades do Piauí – Teresina, Parnaíba e Floriano. Serão 160 vagas, oferecidas por meio do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec).

Veja a programação:

Teresina

  • Instituição: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI)
    • Assistente de produção cultural – início: 15/09 – Turmas: manhã e tarde  (180 horas/aula)
    • Músico de Banda – início: 19/09 – Turnos: manhã e tarde (220 horas/aula)
  •  Instituição: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac)
    • •Assistente de produção cultural – início: 15/09 – Turno: manhã (200 horas/aula)

Parnaíba

  • Instituição: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI)
    • Assistente de produção cultural – início: 20/09 – Turno: manhã (180 horas/aula)
    • Músico de banda – início 20/09 – Turno: manhã (220 horas/aula)

Floriano

  • Instituição: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (IFPI)
    • Assistente de produção cultural – início: 20/09 – Turno: noite
    • Músico de banda – início: 20/09 – Turno: noite

Todos os cursos têm 20 vagas disponíveis, exceto músico de banda em Parnaíba, que serão 40 vagas. A idade mínima para participar é 16 anos e o interessado deve estar cursando ou ter cursado o Ensino Médio.

A pré-matrícula para os cursos em Teresina deve ser feita na sede da Fundac (Praça Marechal Deodoro, 816 – Centro). Em Floriano, no Centro Cultural Cristino Castro (Avenida Eurípedes de Aguiar, S/N – Centro) e em Parnaíba, na Secretaria Municipal do Trabalho (Rua Itaúna, 1434 – Pindorama). É necessário levar os seguintes documentos: carteira de identidade e CPF; cópia do comprovante de residência; cópia do comprovante de escolaridade; e cópia da identidade do CPF do responsável, em caso de menor de idade.

Mais informações pelo telefone (86) 3226.2621.

TEXTO: AsCom/MinC

Share

Representante da RRNE/MinC participa de mostra internacional de teatro em João Pessoa

O estado da Paraíba receberá, entre os dias 12 e 21 de setembro, a primeira edição da Mostra Internacional de Teatro – João Pessoa Encena 2014. Realizado pelo Instituto Artemanha de Artes, a solenidade de abertura do evento está marcada para o dia 11/09, a partir das 19h, na Usina Cultural Energisa e contará com a presença do chefe-substituto da Representação Regional Nordeste do Ministério da Cultura, Lúcio Rodrigues.

Na ocasião, será lançado o livro “Revelando Artemanhas” de Luciano Santiago, curador da mostra, e logo após haverá uma apresentação musical da banda cearense Fulô da Aurora. Mais além, no dia 16 do mesmo mês, Lúcio voltará a participar da MIT-PB 2014 como parte de uma mesa de diálogo que objetiva discutir o conceito de políticas públicas para a cultura e como as Leis de Incentivo têm ajudado na elaboração de pesquisas e produções do chamado Teatro de Grupo. O debate acontecerá na Sala Cine Aruanda, no Departamento de Teatro da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Para o evento, aportarão na capital o total de 30 grupos teatrais, sendo 10 da Paraíba, 16 de outros estados, além de quatro atrações internacionais vindas da Argentina, Chile e Espanha.

A iniciativa tem como objetivo possibilitar o acesso de toda a população ao que de melhor está sendo produzido nos palcos brasileiros.

Saiba mais sobre a MIT-PB 2014, inclusive a programação completa, clicando aqui.

 

SERVIÇO

Mostra Internacional de Teatro РJọo Pessoa Encena 2014 Р(MIT-PB 2014)

Abertura

11 de Setembro/2014, às 19h

Usina Cultural Energisa – Avenida Pres. Epitáfio Pessoa, 243 – João Pessoa, PB

Debate sobre Políticas Públicas Culturais

Das 14h às 17h

Sala Cine Aruanda no Departamento de Teatro da da Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

TEXTO: Thomas Gonçalves AsCom RRNE/MinC | Com informações da Assessoria

Share

No mês da fotografia, vale a pena conhecer os incentivos para essa arte e sua preservação

“Fotografar é colocar, na mesma linha, a cabeça, o olho e o coração”, afirmou o fotógrafo francês Henri Cartier-Bresson. Considerado o pai do fotojornalismo, influenciou gerações de fotógrafos e ajudou a desenvolver diversas técnicas de fotografia. Como ele, muitos fizeram da paixão pela fotografia sua profissão. E, para os amantes dessa arte, também há incentivos do governo.

O prêmio Funarte Marc Ferrez de Fotografia, já na sua 14 edição, é um deles. Na edição deste ano, buscou selecionar 18 projetos, com prêmios no valor de R$ 53 mil para cada um dos contemplados. Para isso, os projetos no campo da fotografia deveriam considerar as novas linguagens e suas diversidades, contemplar temas relevantes da sociedade, nova produção fotográfica, o diálogo com a educação e permitir a acessibilidade aos equipamentos e bens culturais, entre outros.

Cristiano Franco Burmester, diretor-presidente da Associação Brasileira de Fotógrafos (Abrafoto) se interessou pela arte desde adolescente e, desde então, não largou mais a paixão. “Fotografia para mim é uma forma de expressão, é meu trablaho, é como lido com o mundo”, conta. “O governo, quando incentiva tem que contemplar a renovação da linguagem e da criação, além de criar ambiente positivo para fotógrafo, ofercer cursos de formação. O premio do Marc Ferrez faz isso”, completa.

Burmester, admirador de Cartier-Bresson e Sebastião Salgado, fala ainda sobre a importância da formação de fotógrafos. “Um bom fotógrafo tem que ter uma boa formação artística na história da arte, na linguagem da comunicação, na formação técnica, nos conceitos “, avalia. “O fotógrafo também pode ter um talento, um olhar construído ao longo da vida”, completa.

Preservação

Nessa área de formação, além das oficinas gratuitas que a fundação oferece periodicamente, há o Centro de Conservação e Preservação Fotográfica da Funarte (CCPF), localizado no Rio de Janeiro (RJ).

Pioneiro na América do Sul, o centro tornou-se referência internacional em conservação fotográfica. Um dos diferenciais da instituição é que ela não conta com acervo próprio de imagens. O objetivo principal é trabalhar com parcerias, para recuperar coleções de instituições públicas e privadas ou de clientes particulares.

Ao longo de mais de duas décadas de atividade, também se transformou em um pólo de criação e intercâmbio de novas tecnologias e métodos de preservação. O principal objetivo do centro é estabelecer diretrizes, métodos e sistemas para a preservação de acervos fotográficos brasileiros. Para isso, dispõe de pesquisas, desenvolve projetos, difunde informações técnicas. Instituições como o Iphan, Biblioteca Nacional, Museu Imperial e Museu Villa Lobos estão entre as centenas de beneficiadas pelo centro.

“Ele foi criado na década de 1980, como parte da Programa Nacional de Preservação e Pesquisa da Fotografia do então Instituto Nacional da Fotografia, INFOTO, da Funarte. Ao longo de três décadas, implantou e consolidou a área no país como centro de referência para instituições detentoras de acervos fotográficos, estudantes e profissionais, e público em geral”, conta Sandra Baruki, Conservadora de Fotografia e Coordenadora do Centro de Conservação e Preservação Fotográfica da Funarte.

Além disso, o local oferece cursos. Os temas são relacionados tanto à produção histórica, dos acervos tradicionais com negativos e fotografias, como à produção contemporânea com preservação digital. “Em setembro, realizaremos em parceria com o Museu Théo Brandão da Universidade Federal de Alagoas o curso “Uso Criativo de Acervos Fotográficos” a ser ministrado pelo pesquisador, fotógrafo e escritor Pedro Vasquez, em Maceió; em outubro e novembro, oficinas sobre Boas Práticas da Fotografia Digital da Captura ao Arquivamento, Impressão e Preservação Digital, com os professores Marcos Issa e Millard Schisler, em Recife e Porto Alegre”, adianta Baruki.

TEXTO: AsCom/MinC

Share