Arquivo da tag: Sala Nordeste

Confira a cobertura da segunda edição do Sarau Temos Palco, realizada em 25/11/14

A segunda edi√ß√£o do Sarau Temos Palco aportou, na √ļltima ter√ßa-feira (25/11), na Sala Funarte Nordeste ‚Äď localizada na Representa√ß√£o Regional Nordeste do Minist√©rio da Cultura. A iniciativa da Funda√ß√£o Nacional de Artes (Funarte) tem¬†como principal objetivo incentivar voca√ß√Ķes art√≠sticas, valorizar novos talentos e abrir espa√ßo para toda e qualquer express√£o de arte, al√©m de promover interc√Ęmbio cultural.¬†Confira as imagens da primeira edi√ß√£o, realizada no dia 18/11, clicando aqui.

Na ocasi√£o, participaram¬†o fundador do Grupo Maracatu V√°rzea do Capibaribe, Mestre Pirulito; O cantor e compositor, Gustavo Tin√©; A Tro√ßa frevoderepenterock; O m√ļsico Nelson Heffi; Os poetas do Escambo Coletivo, Benoni Codacio e Policarpo Senda; O m√ļsico Alex Mono; O grupo Voz do Capibaribe; O grupo de rap Aliados CP; O cantor e compositor Henrique Silva; o produtor do Som na Rural, Roger de Renor; a violoncelista Johsi Guimar√£es e o diretor do Grupo de Teatro Jo√£o Teimoso, Oseias Borba.

Confira abaixo a cobertura completa do evento:

Texto e imagens: Thomas Gonçalves AsCom RRNE/MinC

Share

Sarau Temos Palco chega a Pernambuco nos dias 18 e 25 de novembro, com participação de vários artistas e grupos locais

convite_temos_palco_18Nov_RecA Funarte NE recebe, na Sala Nordeste ‚Äď na Representa√ß√£o Regional Nordeste do Minist√©rio da Cultura – no Recife (PE), o sarau¬†Temos Palco, nos dias 18 e 25 de novembro, √†s¬†19h.¬†Diversos artistas e grupos, m√ļsica, poesia, rap e embolada participar√£o do evento. Na iniciativa, a Funda√ß√£o Nacional de Artes ‚Äď Funarte tem como principal objetivo incentivar voca√ß√Ķes art√≠sticas, valorizar novos talentos e abrir espa√ßo para toda e qualquer express√£o de arte, al√©m de promover interc√Ęmbio cultural. A entrada √© franca.

Participarão do sarau o Grupo Maracatu Várzea do Capibaribe, que sairá em cortejo da Praça do Arsenal até a Sala Nordeste; um trio de poetas do grupo Escambo Coletivo; o cantor, compositor e guitarrista Alex Mono; a violoncelista Johsi Guimarães; o grupo musical Voz do Capibaribe; e o rapper e repentista de embolada Zé Brown. Ao final, todos os presentes se juntam, para a execução de um tema musical.

Atualização (22/11/14): O Grupo Maracatu Várzea do Capibaribe e o rapper e repentista de embolada Zé Brown não participarão da segunda edição do evento, no dia 25/11/14 (terça-feira).

O¬†Temos Palco¬†√© sempre realizado de forma descontra√≠da e divertida, para que as pessoas criem uma identidade com a a√ß√£o e se sintam parte desse movimento cultural. A Funarte j√° levou a programa√ß√£o ao Rio de Janeiro, a S√£o Paulo e a Bras√≠lia. Os munic√≠pios de Belo Horizonte, Esteio (RS) e Manaus tamb√©m receber√£o o evento. Est√£o abertas as inscri√ß√Ķes para as pr√≥ximas edi√ß√Ķes ‚Äď atrav√©s dos e-mails espec√≠ficos de cada estado, no Portal da Funarte,¬†www.funarte.gov.br na se√ß√£o Not√≠cias.

Sobre o sarau¬†‚Äď O¬†Temos Palco¬†surgiu do encontro de jovens durante o Curto Circuito da Juventude, promovido pelo Minist√©rio da Cultura e pela Funarte em mar√ßo de 2014, em Bras√≠lia. Participantes do Rio de Janeiro, S√£o Paulo, Porto Alegre, Manaus, Bras√≠lia e Recife se reuniram com o MinC. A partir desse encontro, foram realizadas reuni√Ķes entre jovens do Rio de Janeiro e Recife com o presidente da Funarte, Guti Fraga, e surgiu a ideia do sarau.

Sobre os artistas

Maracatu Várzea do Capibaribe РO Maracatu Várzea do Capibaribe foi fundado pelo Mestre Pirulito, visando à formação de agentes multiplicadores da cultura do maracatu, sempre abrindo espaço para artistas e grupos culturais tradicionais.

Escambo Coletivo – Pollyanne Carlos¬†– A poeta Pollyanne Carlos, do munic√≠pio de Paulista (PE), proponente do projeto¬†Paratibe – Rio de Palavras,¬†inscrito no programa Mais Cultura nas Escolas (MEC e MinC) faz um interc√Ęmbio das atividades no seu bairro, Paratibe, com as a√ß√Ķes de letramento liter√°rio na Escola Municipal Dr¬™ Gelda Amorim ‚Äď entre elas, a¬†Sambada Coco dos Amigos¬†organizada e apresentada pela artista.

Escambo Coletivo РBenoni Codacio РNo universo da sua poesia, Benoni Codacio busca sempre o encantamento da literatura de cordel. Participou de eventos como a Bienal Internacional do Livro do Ceará e a Bienal da UNE; e é integrante do Escambo Cultural. Natural de Paulista (PE), o poeta prepara-se para publicar seu primeiro livro Do Lado Esquerdo do Sol.

Escambo Coletivo РPolicarpo Sendas РDesde 2002, o artista participa de recitais na Região Metropolitana do Recife. Em 2012, publicou seu primeiro livro, intitulado Verve.

Alex Mono¬†– A m√ļsica de Alex Mono √© uma mistura de grooves org√Ęnicas. √Č uma s√≠ntese das influ√™ncias absorvidas em sua trajet√≥ria art√≠stica, que v√£o do bai√£o, cirandas a improvisa√ß√Ķes jazz√≠sticas. Nos √ļltimos anos, o m√ļsico esteve presente em movimentos que defendem pol√≠ticas p√ļblicas para a cultura.

Johsi Guimarães РNascida em Arcoverde, a violoncelista está, atualmente, em gravação do seu primeiro CD. Além de musicista, Johsi Guimarães participa com frequência de saraus e eventos literários, nos quais recita poesias e faz leituras dramáticas.

Voz do Capibaribe¬†‚Äď o grupo surgiu da uni√£o de tr√™s m√ļsicos amigos, os cantores Almani Galdino e Ros√Ęngela Ribeiro e a violonista Evane Sarmento. Depois entraram Bernardo Belmonte, pandeirista, flautista e pianista e, por √ļltimo, Gustavo Soares, percussionista. A proposta musical do Voz do Capibaribe √© o resgate cultural de autores e m√ļsicas do cancioneiro pernambucano e nacional que ficaram no imagin√°rio popular; al√©m de apresentar musicas autorais, em v√°rios estilos, como samba, bossa nova, bai√£o, forr√≥, frevo, ciranda e coco.

Zé Brown РNascido no Recife, no bairro de Casa Amarela, é embolador, rapper e compositor. O seu trabalho traz elementos da tradição regional, como o repente, o coco de embolada e o maracatu.

Serviço

Sarau Temos Palco
Datas: 18 e 25 de novembro (terças-feiras), às 19h
Entrada gratuita
Local: Sala Nordeste ‚Äď Funarte
Representação Regional Nordeste do Ministério da Cultura
Rua do Bom Jesus, 237 – Bairro do Recife ‚Äď Recife (PE)

Realização: Fundação Nacional de Artes РFunarte /Ministério da Cultura
Produção Regional Recife
Produtor Executivo: Karuna de Paula/Diego Rafael

Assessoria de Comunica√ß√£o:¬†Thomas Gon√ßalves/Wallace Fonteneli ‚Äď RRNE/MinC
(81) 3117 8439

Mais informa√ß√Ķes
https://www.facebook.com/coletivotemospalco?fref=ts

Informa√ß√Ķes no Nordeste atrav√©s do e-mail:¬†reinaldofreire.naldinho@funarte.gov.br

Share

Garanhuns e Recife recebem Projeto Tamborandar nos dias 18 e 19 de Outubro

Orquestra de TamboresPernambuco recebe neste fim de semana o Projeto Tamborandar, as apresenta√ß√Ķes acontecem dia 18 e 19 de Outubro. No¬†s√°bado (18) ser√° em Garanhuns, no Parque Euclides Dourado e no domingo (19) na Sala Nordeste da Funarte, localizada no t√©rreo da Representa√ß√£o Regional Nordeste do Minist√©rio da Cultura. Os shows come√ßam a partir das 17 horas, aberto ao p√ļblico de todas as idades e a entrada √© gratuita.

O projeto da Orquestra de Tambores foi Contemplado no Edital de Concessão e Patrocinio dosTamborandar Aracaju Correios e  tem como objetivo a Circulação em formato de turnê deste bem cultural alagoano pelo Nordeste Brasileiro. Na estreia do Projeto Tamborandar o grupo se apresentou no Lançamento da Feira da Musica 2014 em Fortaleza dia 22 de Agosto e dia 23 no Crato.

Promover a cultura africana e ind√≠gena alagoana nos palcos dos Estados da regi√£o nordeste do Brasil com a apresenta√ß√£o do show musical ‚ÄúBantus e Caet√©s‚ÄĚ. O Show, como o pr√≥prio nome afirma, √© uma mistura da influ√™ncia de duas culturas e a musicalidade do grupo, essencialmente expressa atrav√©s dos elementos sonoros extra√≠dos de instrumentos como: flauta, p√≠fano e tambores, reproduzem, de forma intuitiva, elementos da natureza, como o vento e a terra.

As apresenta√ß√Ķes culturais s√£o abertas ao p√ļblico e em cada Estado o grupo realizar√° duas apresenta√ß√Ķes art√≠sticas, sendo uma na capital e outra no interior, fazendo um total de 18 (dezoito) apresenta√ß√Ķes musicais.

unnamed

O Projeto já percorreu 3 estados: Ceará, Alagoas e Sergipe, ainda em outubro é a vez de Salvador (BA) e Feira de Santana (BA) receberem o projeto. O encerramento será no mês de Janeiro de 2015 nas cidades São Luiz (MA) e Imperatriz (MA).

Tamborarandar LaranjeirasA Orquestra de Tambores de Alagoas conta com a participação especial do Projeto Batuque na abertura da apresentação em Garanhuns dia 18 no sábado, este projeto é uma idealização da ONG NADESG e atua desde de 2004 com percussão em projetos sociais.

 

 

SERVIÇO

Projeto Tamborandar – 17h, entrada franca
S√ĀBADO (18) em Garanhuns | Parque Euclides Dourado
DOMINGO (19) em Recife | Sala Nordeste da Funarte, térreo da RRNE do MinC. Rua do Bom Jesus, 237 РBairro do Recife.

Texto adaptado por: Camila Magalh√£es AsCom RRNE/MinC

Share

Sala Nordeste recebe exposição Edifício Recife, a partir do dia 17 de outubro

Com abertura no dia 17 de outubro, √†s 19h, a Sala Nordeste ¬†da Funarte¬†‚Äď localizada na sede da Representa√ß√£o Regional Nordeste do MinC em Recife (PE) exp√Ķe a mostra de arte e pesquisa¬†Edif√≠cio Recife. A exposi√ß√£o √© iniciada pelos artistas B√°rbara Wagner¬†e Benjamin de B√ļrca a partir da lei municipal 7427, que exige que todos os edifiŐĀcios com mais de 1.000 m2 de aŐĀrea constru√≠da na cidade do Recife comissionem para sua entrada uma escultura a um artista pernambucano. A exposi√ß√£o ficar√° aberta at√© 28 de novembro, de segunda a sexta, das 10h √†s 18h.

DESENHO CANTEIRO_03Criada em 1961 por Abelardo da Hora, a lei foi responsaŐĀvel por uma proliferacŐß√£o de encomendas que ilustram as contradicŐß√Ķes da cidade: s√£o puŐĀblicas, poreŐĀm restritas aŐÄs grades dos condomiŐĀnios; privilegiam artistas locais, mas pagam tributo a estrangeirismos; est√£o espalhadas em grande parte no periŐĀmetro urbano e, apesar de caiŐĀrem no gosto da populacŐß√£o, nem sempre teŐām representatividade ou vigor esteŐĀtico.

A primeira fase do projeto aborda o ecletismo dessas esculturas por meio de uma catalogacŐß√£o Edificede fotografias e textos que acabam por testemunhar o processo de urbanizacŐß√£o acelerada do Recife. Em ‘Edif√≠cio Recife’, cada uma das 66 imagens vem acompanhada do depoimento do porteiro dos edifiŐĀcios, que n√£o somente toma conta do preŐĀdio mas da ‘obra de arte’ da qual se torna o principal fruidor e especialista. Os fragmentos transcritos atestam o espanto desses conservadores amadores, na sua tentativa de elaborar um discurso para dar sentido a uma obra. Em geral uniformizados, esses personagens aparecem na s√©rie de retratos ‘Porteiros’ no interior do espa√ßo constrito da portaria ou cabine de seguran√ßa, vis√≠veis apenas atrav√©s do vidro que os isola do ambiente externo ou pelas aberturas de comportas e janelas pelas quais observam o seu entorno.

A segunda fase da pesquisa trata da aplica√ß√£o da lei nos dias de hoje. Como parte da programa√ß√£o, uma chamada aberta para o ‘Concurso de esculturas para o Novo Recife’ convida o p√ļblico a submeter sugest√Ķes de esculturas para a fachada dos 12 pr√©dios do maior empreendimento imobili√°rio a ser constru√≠do na cidade nos √ļltimos anos. No espa√ßo da exposi√ß√£o, tanto o edital do concurso como uma vers√£o do Novo Recife criada pelo pedreiro, marceneiro e artista Ant√īnio Paulo (Orob√≥, 1955) orientam os participantes a utilizar cadernos de desenho e deixarem suas contribui√ß√Ķes.

Com aten√ß√£o √† est√©tica da arquitetura renderizada aplicada ao contexto do Nordeste, a terceira EDIFICIO RECIFE ESCULTURAS_01fase da pesquisa observa a rela√ß√£o entre texto e imagem utilizada na promoc√£o de projetos imobili√°rios ainda em constru√ß√£o na regi√£o Nordeste. Como uma video-colagem, ‘Desenho/Canteiro’ estuda o vocabul√°rio de apar√™ncias e slogans empregados na venda de empreendimentos privados regidos pela l√≥gica da exclusividade e da exclus√£o. Quando o desenho se torna mais vis√≠vel do que o canteiro, a representa√ß√£o se imp√Ķe ao que √© vivido, submetendo a experi√™ncia real ao espet√°culo como nova forma de domina√ß√£o.

Saiba mais através do site www.edificiorecife.org e e-mail concurso.edificiorecife@gmail.com

SOBRE OS ARTISTAS

BaŐĀrbara Wagner (BrasiŐĀlia, 1980) e Benjamin de BuŐĀrca (Munique, 1975) fazem uso de narrativas documentais – tais como video-entrevistas e foto-pequisas ‚Äď a fim de observar as diferentes relacŐßoes entre ‚ÄėtradicŐßao‚Äô e ‚Äėprogresso‚Äô em economias emergentes. Trabalhando em colaboracŐßao desde 2011, Wagner/de BuŐĀrca participaram do 33o. Panorama de Arte Brasileira no Museu de Arte Moderna de S√£o Paulo, da 4a. Bienal de Arte ContemporaŐānea do Oceano IŐĀndico, da 36a. Bienal da Irlanda e do 6o. Festival de Arte ContemporaŐānea da LetoŐānia. Em 2014, EdifiŐĀcio Recife foi nomeado para o Berlin Art Prize. Wagner/de BuŐĀrca vivem entre Recife e Berlim.

SERVIÇO

EDIF√ćCIO RECIFE – Mostra de Arte e Pesquisa iniciada por B√°rbara Wagner e Benjamin de B√ļrca
Abertura no dia 17 de outubro, às 19h | Exposição aberta de segunda a sexta, das 10h às 18h, até o dia 28 de novembro.
Local: Sala Nordeste da Funarte РSede da Representação Regional Nordeste do Ministério da Cultura. Rua do Bom Jesus, 237 РBairro do Recife, Recife (PE)

TEXTO

Camila Magalh√£es | AsCom RRNE/MinC com informa√ß√Ķes da assessoria

Share

Pela primeira vez no Brasil, Mostra ‚ÄúLa Gran Serpiente‚ÄĚ aporta na Sala Nordeste

Estreou nesta ter√ßa-feira, 26 de agosto, na Sala Nordeste da Funarte – localizada na sede da Representa√ß√£o Regional Nordeste do MinC em Recife (PE) – a Mostra ‚ÄúLa Gran Serpiente‚ÄĚ, da artista Pernambucana Beta Ferralc, radicada no Uruguai. Pela primeira vez no Brasil, a exposi√ß√£o, que j√° esteve em cartaz na cidade de Montevid√©u (Uruguai), ficar√° aberta √† visita√ß√£o at√© 12 de setembro, de segunda a sexta e aos domingos.

Na obra, Ferralc captura através do seu olhar interior uma serpente que apenas se pode ver através de um véu. A serpente representada em movimento cíclico e contínuo circula entre horizontes, e desenha marcas que, ao estarem superpostas, ocultam e ao mesmo tempo aumentam as possibilidades de leitura da obra.

‚ÄúQuanta √°gua o universo de Beta move. √Āgua f√©rtil em que a imagina√ß√£o fant√°stica da artista navega, submerge, emerge, passeia por paisagens desconhecidas, √†s vezes desconcertantes. Montevid√©u ampliou a vis√£o c√≥smica da artista e sua capacidade de dialogar com nossas alegrias, tristezas, certezas e perplexidades. Suas formas e cores proporcionam um grande enriquecimento de nossa humanidade‚ÄĚ, afirma o artista Urian Agria de Souza.

A Sala Nordeste da Funarte fica localizada na Sede da Representação Regional Nordeste do MinC (RRNE/MinC).

Serviço:
Mostra ‚ÄúLa Gran Serpiente ‚ÄĚ
Local: Sala Nordeste da Funarte
Rua Bom Jesus, 237 ‚Äď Bairro do Recife ‚Äď Recife/PE
Visitação: até 12 de setembro de 2014
Hor√°rios : 10h √†s 18h ‚Äď segunda a sexta / das 15h √†s 18h ‚Äď domingo

Share

Maracatu V√°rzea do Capibaribe se apresenta na Sala Nordeste, no Recife

No pr√≥ximo domingo, 24 de agosto, √†s 17h, o p√ļblico ter√° a oportunidade de assistir √† √ļnica apresenta√ß√£o do Maracatu V√°rzea do Capibaribe na Sala Nordeste da Funarte, que funciona na Representa√ß√£o Regional do Minist√©rio da Cultura, Rua Bom Jesus n¬ļ 237, no Bairro do Recife, na capital pernambucana. Fundado h√° 15 anos, o grupo realiza ensaios e oficinas gratuitas com a finalidade de manter viva a tradi√ß√£o de uma das mais significativas manifesta√ß√Ķes de Pernambuco, o Maracatu de Baque Virado.

As a√ß√Ķes desenvolvidas pelo grupo visam tamb√©m promover a cultura afro-brasileira e sensibilizar jovens e adultos para que eles atuem como multiplicadores culturais, divulgando a sua comunidade e preservando as suas origens. Durante o evento, na Sala Nordeste, ser√£o homenageados o estilista Eduardo Ferreira e o artista pl√°stico Francisco Brennand, que assinam o figurino e as estampas exclusivas criadas para o Maracatu V√°rzea do Capibaribe.

Sobre o grupo

O Maracatu V√°rzea do Capibaribe foi fundado em dezembro de 1999, por Alcid√©sio Santana (Mestre Pirulito do Maracatu V√°rzea do Capibaribe ‚Äď Pr√™mio Culturas Populares ‚Äď MinC/2009) e Flavia Correia. Ao longo destes 15 anos, realiza ensaios e oficinas gratuitas, visando √† forma√ß√£o de agentes multiplicadores da cultura do Maracatu. Os ensaios abertos acontecem na Casa da Cultura Luiz Gonzaga, no Recife, todos os s√°bados, durante o ano inteiro, sempre abrindo espa√ßo para artistas e grupos culturais tradicionais, mas tamb√©m apoiando o surgimento de novos grupos, que hoje j√° fazem parte dos ciclos culturais.

Maracatu V√°rzea do Capibaribe
Dia 24 de agosto, domingo, às 17h
Local: Representa√ß√£o Regional Nordeste do MinC (RRNE/MinC) –¬†Sala Nordeste
Rua do Bom Jesus, 237 ‚Äď Bairro do Recife
Recife (PE)

Share

“THE END” ‚Äď Exposi√ß√£o individual do artista Bruno Faria na Sala Nordeste

neon.theend

Resultado do Pr√™mio Funarte de Arte Contempor√Ęnea 2013, o artista recifense Bruno Faria apresenta a partir da ter√ßa-feira (15/04/2014) na Sala Nordeste ‚Äď Funarte NE/MinC, situada no pr√©dio da Representa√ß√£o Regional Nordeste do Minist√©rio da Cultura (rua do Bom Jesus, 237 ‚Äď Bairro do Recife), a exposi√ß√£o THE END. Partindo de uma pesquisa realizada sobre o antigo Cinema AIP, da Associa√ß√£o da Imprensa de Pernambuco, o artista desenvolveu tr√™s trabalhos in√©ditos que, entre outras coisas, discutem a desativa√ß√£o dos Cinemas de Rua causada pela mudan√ßa do cen√°rio cultural das cidades.

¬†A fal√™ncia da arquitetura moderna em Recife, o Cinema Novo Brasileiro e a integra√ß√£o das artes visuais e o cinema na d√©cada de 1960, tamb√©m permeiam as quest√Ķes levantadas nos trabalhos do artista.

A instala√ß√£o ‚ÄúDesign prum Brasil Novo‚ÄĚ se apropria do hall de entrada da Sala Nordeste. Nele o artista apresenta interven√ß√Ķes realizadas em 11 p√īsteres de longa metragens brasileiros que tiveram a participa√ß√£o da Artista Lygia Pape, no desenvolvimento dos cartazes ou na tipografia e diagrama√ß√£o dos cr√©ditos dos filmes. Sobre esses cartazes, o artista reproduz trechos do livro de atas, do per√≠odo da ditadura militar que relata os objetivos da Associa√ß√£o da Imprensa de Pernambuco, e na sequ√™ncia, cobre esses p√īsteres com laminas coloridas transparentes, nas cores usadas por Pape na obra ‚Äúroda dos prazeres‚ÄĚ de 1967.

A sala principal do espa√ßo recebe o v√≠deo ‚ÄúThe End‚ÄĚ, onde Bruno reproduz os cr√©ditos de 100 filmes cl√°ssicos da hist√≥ria do cinema, eleitos no livro ‚ÄúA Magia do Cinema‚ÄĚ de Roger Ebert, primeiro cr√≠tico de cinema a ganhar um pr√™mio Pulitzer de Cr√≠tica. Cada um dos cr√©ditos traz a identidade de seu filme, seja na tipografia ou na m√ļsica que o acompanha, tornando poss√≠vel o reconhecimento desses cl√°ssicos pelo p√ļblico. Cr√©ditos ap√≥s cr√©ditos, a expectativa por um novo come√ßo se desmancha quando nenhum filme come√ßa. O v√≠deo √© um fim constante e intermin√°vel.

√Č tamb√©m esse fim constante que aparece em ‚ÄúLetreiro Objetivo‚ÄĚ. Nessa interven√ß√£o, o artista sai da Sala Nordeste para atuar diretamente no pr√©dio da Associa√ß√£o da Imprensa de Pernambuco, onde funcionava o cinema AIP, fonte da pesquisa. No topo do pr√©dio modernista em situa√ß√£o prec√°ria da Av. Dantas Barreto, o artista instalou um grande neon de 2 metros de altura por 12 metros de comprimento. Esse letreiro anuncia THE END, refer√™ncia ao cinema AIP que fechou suas portas, mas tamb√©m o descaso com a arquitetura moderna em Recife, ou mesmo as quest√Ķes urban√≠sticas da Cidade.

SERVIÇO:

Exposição individual: THE END, de Bruno Faria
Abertura: terça-feira, 15 de abril, às 19h
Período expositivo: de 16 de abril a 18 de maio de 2014
Horários: de segunda a sexta, das 10 às 18h
Entrada franca e livre

Bruno Faria¬†(Recife, PE, em 1981):¬†Mestrando em Po√©ticas Visuais na UFMG, e formado em Artes Pl√°sticas na FAAP, seus trabalhos s√£o desenvolvidos em diferentes m√≠dias: desenho, escultura, performance, instala√ß√£o, interven√ß√£o, fotografia e refletem sobre o lugar que o homem vive e suas rela√ß√Ķes com o espa√ßo, arquitetura, narrativas de fic√ß√£o e a pr√≥pria arte. Participou de importantes exposi√ß√Ķes coletivas como: 32¬ļ Panorama da Arte Brasileira, Gera√ß√£o 00 ‚Äď A Nova fotografia Brasileira, SPA das Artes, Bolsa Pampulha III edi√ß√£o, Rumos Ita√ļ Cultural, Videobrasil, X Bienal de Santos, Pr√™mio Fiat Mostra Brasil. Realizou as seguintes exposi√ß√Ķes individuais: ‚ÄúManual para uma nova vista‚ÄĚ, Funda√ß√£o Joaquim Nabuco, Recife ‚Äď PE; ‚ÄúPoint de Vue‚ÄĚ, Centro Cultural Banco do Nordeste. Fortaleza ‚Äď CE; ‚ÄúO√°sis‚ÄĚ, II Temporada Programa de Exposi√ß√Ķes Centro Cultural S√£o Paulo; ‚ÄúTerravista‚ÄĚ, Funda√ß√£o Joaquim Nabuco, Recife ‚Äď PE; ‚ÄúAnexo‚ÄĚ, Projeto Bolsa Pampulha, Museu de Arte da Pampulha, Belo Horizonte ‚Äď MG. Possui obras nas cole√ß√Ķes p√ļblicas da Prefeitura Municipal de Santo Andr√© ‚Äď SP, Prefeitura Municipal da Praia Grande ‚Äď SP, Museu de Arte da Pampulha ‚Äď MG, Centro Cultural Banco do Nordeste ‚Äď CE, e¬† MAB ‚Äď Museu de Arte Brasileira ‚Äď FAAP e na Cole√ß√£o de Arte da Cidade de S√£o Paulo.

 

Share

Exposi√ß√£o ‚ÄúPOR√á√ÉO‚ÄĚ – Abertura

Gilson Matias, Clécio de Souza, Naldinho Freire, Carolina Paz e Douglas de Freitas

Gilson Matias, Clécio de Souza, Naldinho Freire, Carolina Paz e Douglas de Freitas

Na √ļltima ter√ßa-feira, dia 21 de janeiro de 2014, o vernissage da exposi√ß√£o ‚ÄúPOR√á√ÉO‚ÄĚ, da paulistana Carolina Paz, resultado do Pr√™mio Funarte de Arte Contempor√Ęnea 2013, a mostra representa um recorte dos √ļltimos anos do trabalho da artista e conta com obras in√©ditas apresentadas pela primeira vez ao p√ļblico. A cidade do Recife √© a primeira do Nordeste a receb√™-las e est√£o dispon√≠veis para a visita√ß√£o p√ļblica de segunda a sexta-feira das 10h √†s 18h, nos s√°bados e domingos das 14h √†s 17h, at√© o dia 28 de fevereiro, na Sala Nordeste, equipamento cultural situado na Representa√ß√£o Regional Nordeste do Minist√©rio da Cultura (RRNE/MinC), na Rua do Bom Jesus, Bairro do Recife.

A premiada exposi√ß√£o foi apreciada por um p√ļblico diverso que p√īde perceber as possibilidades pl√°sticas de objetos banais, a√ß√Ķes cotidianas e elementos de pot√™ncia est√©tica que recebem status de arte pelas m√£os de Carolina Paz, que disse estar muito feliz por apresentar a sua mostra individual aqui na Sala Nordeste: ‚Äúespero que o espectador esgarce seu tempo e desfrute olhando mais al√©m da beleza e encantamento que as obras possam oferecer‚ÄĚ. O Chefe da Representa√ß√£o Regional Nordeste do Minist√©rio da Cultura (RRNE/MinC), Jos√© Gilson Matias Barros, esteve presente no lan√ßamento da exposi√ß√£o, juntamente com o Chefe Substituto – L√ļcio Rodrigues, al√©m da presen√ßa de Cl√©cio de Souza, representando a presid√™ncia da FUNARTE e Reinaldo Freire, da representa√ß√£o da FUNARTE NE/MinC.

O curador da exposi√ß√£o ‚Äď Douglas de Freitas, caminhou pelas obras junto ao p√ļblico e demonstrou a dimens√£o criativa enquanto apresentava detalhes dos processos art√≠sticos utilizados por Carolina Paz. Do conjunto, ele destacou o contexto e as imagens capitadas para v√≠deo Sem T√≠tulo de 2011, que abre a exposi√ß√£o e traz o sil√™ncio como inspira√ß√£o para a artista, al√©m da ambienta√ß√£o e disposi√ß√£o dos elementos est√©ticos na composi√ß√£o do filme, que tem dura√ß√£o de 72 minutos. Em ABRA√áO a artista falou do car√°ter criativo da escultura, onde cem travesseiros de penas de ganso foram prensados pelo peso do seu corpo e amarrados com uma corda dourada. In√©dita, a escultura que foi feita especialmente para a abertura da exposi√ß√£o √© considerada a mais emblem√°tica das obras.

A artista Carolina Paz retornar√° a cidade do Recife, no dia 25/02, para lan√ßamento do cat√°logo e mais um momento de conversa e intera√ß√£o com o p√ļblico. O projeto da exposi√ß√£o ‚ÄúPOR√á√ÉO‚ÄĚ, realizar√° na Sala Nordeste (RRNE/MinC), eventos que enfatiza a educa√ß√£o e forma√ß√£o do p√ļblico no conhecer das artes com a oficina de forma√ß√£o para professores e educadores das diversas √°reas da educa√ß√£o fundamental, m√©dia, superior, participantes de a√ß√Ķes sociais e ONG, no dia 08/02 e uma oficina voltada ao p√ļblico infantil, no dia 09/02, ambas das 14h √†s 16h.

SERVI√áO: As inscri√ß√Ķes para as oficinas devem ser feitas pelo e.mail: fernanda.educativo@gmail.com.com

Texto : F√°bio Gomes – AsCom RRNE/MinC

Fotos da RRNE/MinC e FUNARTE NE/MinC na exposi√ß√£o ‚ÄúPOR√á√ÉO”

 

 

 

Share

Sala Nordeste recebe premiada exposi√ß√£o “Por√ß√£o”

E flyer _ Exposição PORÇÃO
A Sala Nordeste, localizada na sede da Representa√ß√£o Regional Nordeste do MinC (RRNE/MinC), sedia entre os dias 21 de janeiro e 28 de fevereiro a premiada exposi√ß√£o ‚ÄúPOR√á√ÉO‚ÄĚ, da paulistana Carolina Paz. O projeto foi contemplado no Pr√™mio Funarte de Arte Contempor√Ęnea 2013, onde apresenta uma s√©rie exposi√ß√Ķes com possibilidades pl√°sticas de objetos banais e a√ß√Ķes cotidianas. Com curadoria de Douglas de Freitas, a mostra comp√Ķem pinturas, escultura, objetos e um v√≠deo, onde a artista desloca elementos habituais e os reposiciona criando certo ru√≠do.

O v√≠deo Sem T√≠tulo de 2011 abre a exposi√ß√£o, na qual se v√™ uma mesa posta com uma x√≠cara vazia. Aos poucos a√ß√ļcar √© adicionado √† essa x√≠cara e, colherada a colherada, vemos a x√≠cara encher e toda a cena se apagar em a√ß√ļcar. Os trabalhos ‚ÄúVolta‚ÄĚ e ‚Äú√Ātimo‚ÄĚ s√£o quase miniaturas. Nelas, diminutas pinturas de x√≠cara em √≥leo sobre tela s√£o instaladas em molduras especiais de madeira que lhes conferem solenidade. Um pouco mais a frente est√° ‚ÄúRevela√ß√£o‚ÄĚ, pintura onde uma m√£o eleva um tecido.

A√ß√ļcar_Foto 1
‚ÄúContato‚ÄĚ vem de uma s√©rie de trabalhos onde a artista articula com fio dourado x√≠caras, as vezes cheias de caf√©, as vezes vazias, equilibrando-as sobre o pr√≥prio peso. O centro do espa√ßo √© ocupado por ‚ÄúAbra√ßo‚ÄĚ, uma escultura in√©dita onde cem travesseiros de penas de ganso s√£o prensados pelo peso do corpo da artista e amarrados com uma corda dourada.

O p√ļblico poder√° visitar a exposi√ß√£o de segunda a sexta-feira das 10h √†s 18h, nos s√°bados e domingos das 14h √†s 17h. POR√á√ÉO ficar√° em cartaz na Sala Nordeste at√© o dia 28 de fevereiro de 2014.

Serviço:
Exposição PORÇÃO
Local: Sala Nordeste – Rua do Bom Jesus – Bairro do Recife 237
Data: 21/01 – 28/02
Hora: 10h às 18h Рsegunda a sexta
14h às 17h- sábado e domingo

Com informa√ß√Ķes da assessoria de imprensa

Share

REGIONAL NORDESTE: UM ANO DE FORTALECIMENTO DAS EXPRESS√ēES CULTURAIS

 REGIONAL NORDESTE

Regional Nordeste - Foto: √Ālvaro J√ļnior

¬† ¬† ¬† ¬† A Representa√ß√£o Regional Nordeste do Minist√©rio da Cultura (MinC) termina 2013 fazendo um balan√ßo de suas a√ß√Ķes, pontuadas pelo fomento √† uma participa√ß√£o mais ativa da sociedade civil na constru√ß√£o de pol√≠ticas p√ļblicas culturais. Al√©m de refor√ßar e disseminar os programas do Minist√©rio, a RRNE tamb√©m atuou com foco no √Ęmbito local, abrindo sua sede para debates, oficinas, exposi√ß√Ķes e mostras de audiovisual.

¬† ¬† ¬† ¬† ¬† A casa de todos os segmentos culturais passou por mudan√ßas logo nos primeiros meses do ano, com a chegada do potiguar Gilson Matias √† frente da chefia. Conhecido pelo seu trabalho na educa√ß√£o e nos movimentos sociais do Rio Grande do Norte, procurou pautar seu trabalho na RRNE com o incentivo √† a√ß√Ķes de capacita√ß√£o e valoriza√ß√£o da produ√ß√£o nordestina em diversos segmentos. ‚ÄúEduca√ß√£o e cultura s√£o indissoci√°veis. A primeira nos d√° condi√ß√Ķes de descobrir, valorizar e fruir a segunda, que por sua vez, nos d√° uma leitura cr√≠tica e ao mesmo tempo delicada de nossos h√°bitos, nossa hist√≥ria, nossos anseios‚ÄĚ, diz.

Sob o primeiro ano de sua gest√£o, foram realizadas quatro oficinas de implementa√ß√£o de sistemas de cultura (RN, CE, MA e PE), al√©m do atendimento di√°rio sobre o Sistema Nacional de Cultura na pr√≥pria sede; orienta√ß√£o a editais e demais a√ß√Ķes do MinC, como o Cultura 2014 para a Copa do Mundo. A mobiliza√ß√£o em torno do evento esportivo mais importante do pr√≥ximo ano levou a RRNE a percorrer todo o Nordeste, numa a√ß√£o estrat√©gica que atendeu somente no segundo semestre, 36 cidades, entre capitais e os principais polos do interior dos estados, a fim de integrar munic√≠pios circunvizinhos na dissemina√ß√£o da informa√ß√£o.

¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬†A participa√ß√£o popular na constru√ß√£o de pol√≠ticas p√ļblicas foi prioridade para a equipe do MinC Nordeste, que acompanhou 86 confer√™ncias municipais de cultura ao longo da regi√£o, e sete confer√™ncias estaduais, enviando servidores e consultores no atendimento a gestores e representantes dos mais diversos segmentos art√≠sticos. O destaque vai para a for√ßa-tarefa na 3¬™ Confer√™ncia Nacional de Cultura, realizada em Bras√≠lia, DF, em novembro. ‚ÄúNosso trabalho rendeu frutos, ficamos muito felizes de ver que a regi√£o Nordeste foi a maior representante do encontro, com 31% dos presentes‚ÄĚ, afirma o chefe da RRNE Gilson Matias, que comemora a mobiliza√ß√£o crescente da classe art√≠stica: ‚ÄúEste √© o maior evento da cultura nacional, e n√£o estar√≠amos aqui se n√£o fosse pelo esfor√ßo conjunto com artistas, produtores culturais e gestores comprometidos com o fortalecimento das express√Ķes culturais brasileiras‚ÄĚ, conclui.

Para promover uma maior apropria√ß√£o dos direitos culturais pelos cidad√£os, o Minc Nordeste levou a diversas cidades oficinas de orienta√ß√£o √†s a√ß√Ķes de fomento a diversos setores, com destaque para os encontros do Edital Cultura 2014 e Edital Funarte de Ocupa√ß√£o dos CEUs, realizados em todos os estados da regi√£o, preparando a sociedade civil para o envio de propostas culturais a serem executadas durante a Copa do Mundo e nos Centros de Artes e Esportes Unificados. ‚ÄúAcredito que o esfor√ßo conjunto com todos os √≥rg√£os ligados √† cultura impulsionou o nosso alcance, no sentido de proporcionar aos cidad√£os a devida frui√ß√£o de seus direitos culturais‚ÄĚ, afirma o Chefe Substituto da RRNE L√ļcio Rodrigues.

Entre os parceiros que contribu√≠ram com o MinC Nordeste em 2013, est√£o as secretarias estaduais e municipais, que se mostraram alinhadas ao Plano Nacional de Cultura, ao articular encontros e disseminar a import√Ęncia de trabalhar os potenciais culturais como ferramenta de crescimento e desenvolvimento social. No √Ęmbito nacional, o MinC Nordeste contou com a colabora√ß√£o de √≥rg√£os como a Funda√ß√£o Nacional de Artes (Funarte); a Secretaria de Cidadania e Diversidade Cultural (SCDC); a Secretaria de Fomento e Incentivo √† Cultura (SEFIC); Pontos de Cultura e os diversos colegiados setoriais.

CONSULTORES DA UNESCO

V√Ęnia Brayner, Renato Rem√≠gio e Cristina Vale

V√Ęnia Brayner, Renato Rem√≠gio e Cristina Vale

¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬† Atrav√©s da Secretaria de Articula√ß√£o Institucional do Minist√©rio da Cultura (SAI/MinC), foi realizado em 2013 uma nova sele√ß√£o de consultores atrav√©s do Projeto de Coopera√ß√£o T√©cnica Internacional com a Organiza√ß√£o das Na√ß√Ķes Unidas para Educa√ß√£o, Ci√™ncia e Cultura (Unesco). O objetivo √© orientar, por meio de assist√™ncias t√©cnicas, os estados e munic√≠pios para as diretrizes e moldes do Sistema Nacional de Cultura (SNC).

¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬†Refor√ßando a equipe atrav√©s da consultoria de estados e munic√≠pios para a ades√£o e orienta√ß√£o do Sistema Nacional de Cultura e os eventos integrantes da III Confer√™ncia Nacional de Cultura, os consultores Renato Rem√≠gio (Para√≠ba, Rio Grande do Norte e Cear√°), V√Ęnia Brayner (Alagoas e Pernambuco) e Cristina Vale (Piau√≠ e Maranh√£o) foram respons√°veis, durante o contrato de 365 dias, para atuar dentro da abrang√™ncia administrativa da Regional Nordeste.

SALA NORDESTE

Entrada2-300x225               A Sala Nordeste, espaço mantido em um convênio com a Funarte, a Prefeitura da Cidade do Recife e o Centro Cultural Banco do Nordeste, recebeu artistas contemplados pelos editais de Artes Visuais. O espaço evidencia a vocação cultural do Bairro do Recife, contribuindo para a revitalização da localidade, onde estão concentrados diversos equipamentos culturais. Direcionada para as Artes Visuais, incluindo Design, Fotografia, Moda e Arte Digital, a sala tem por objetivo difundir obras da produção recente, de caráter experimental e cujo histórico considere a interface das linguagens adequadas ao perfil do espaço.

¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬†As mostras ‚ÄúO Melhor dos Mundos Poss√≠veis‚ÄĚ, ‚Äú√āmago‚ÄĚ e ‚ÄúRetrospectiva Braz Marinho‚ÄĚ representaram importantes oportunidades para a aprecia√ß√£o tur√≠stica para o bairro do Recife Antigo, que dentro do per√≠metro da ilha, explora o valor hist√≥rico agregado a um epicentro de produ√ß√£o e difus√£o cultural, potencializado atrav√©s espa√ßos como Instituto Cultural do Banco Santander, Pa√ßo Alf√Ęndega, Sinagoga Kahal Zur Israel, Centro Cultural dos Correios, Escola de Arte e Tecnologia ‚Äď Oi Kabum, Torre Malakoff, Centro Apolo-Hermilo, entre outros que ainda est√£o em fase de implementa√ß√£o, como o Centro Cultural da Caixa Econ√īmica Federal e o Pa√ßo do Frevo.

¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬† No m√™s de setembro e outubro, a Sala Nordeste recebeu a exposi√ß√£o ‚ÄúO Corpo na Arte Africana, abordando quest√Ķes relacionadas a arte, ci√™ncia e sa√ļde. Realizada pela Friocruz Pernambuco e composta por 140 obras produzidas por 50 etnias daquele continente, a mostra foi dividida em cinco m√≥dulos: ‚ÄúCorpo individual & Corpos m√ļltiplos‚ÄĚ; ‚ÄúSexualidade & Maternidade‚ÄĚ; ‚ÄúA modifica√ß√£o e a decora√ß√£o do corpo‚ÄĚ; ‚ÄúO corpo na decora√ß√£o dos objetos‚ÄĚ; e ‚ÄúM√°scaras como manifesta√ß√£o cultural‚ÄĚ. A mostra representou o evento mais visitado do ano, com mais de 1.200 visitantes em seus 41 dias de exibi√ß√£o.

¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬† Outra a√ß√£o importante foi a parceria da Funarte Nordeste na retomada de uma das mais importantes mostras de artes visuais do Nordeste, o Spa das Artes, cuja √ļltima edi√ß√£o se deu em 2011. A exposi√ß√£o ‚ÄúComo Produzir singularidades?‚ÄĚ, com a√ß√£o art√≠stica de colagem ao vivo, do goiano Wolney Fernandes e o pernambucano Roberto Guerra. As Oficinas Desafios Contempor√Ęneos tamb√©m foram trazidas √† regi√£o, com debates e oficinas abertas ao p√ļblico, que puderam usufruir de t√©cnicas e provocar questionamentos a respeito dos rumos tomados pela arte contempor√Ęnea, e suas aplica√ß√Ķes na rela√ß√£o do homem consigo mesmo e o espa√ßo que ocupa.

¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬† Al√©m da administra√ß√£o da Sala Nordeste e suas respectivas programa√ß√Ķes, a Funarte Nordeste promoveu eventos e encontros que colaboraram com o exerc√≠cio funcional das linguagens culturais nordestinas. Uma delas foi a Mostra Nordeste de Artes Visuais, localizada no Museu Murillo La Greca, no Recife. O objetivo era incentivar a circula√ß√£o de produ√ß√Ķes e contribuir com o interc√Ęmbio cultural entre artistas, p√ļblico e entidades voltadas ao setor. Segundo o representante da Funarte no Nordeste, Naldinho Freire, a realiza√ß√£o da mostra serviu para refor√ßar a efic√°cia da articula√ß√£o no segmento das artes visuais. ‚ÄúQuando queremos saber o que est√° correndo por fora do circuito, recorremos a outros autores e nomes importantes de cada regi√£o, para que nos ponham a par das novidades.‚ÄĚ, explica Naldinho.

¬† ¬† ¬† ¬† ¬† Fechando o ciclo de 2013, a Funarte trouxe para o Nordeste mais uma etapa dos Semin√°rios Desafios Contempor√Ęneos, reunindo nomes de destaque em diversas linguagens, com debates abertos ao p√ļblico. Os encontros foram realizados entre os dias 10 e 12 de dezembro, na sede da RRNE sob o mote ‚ÄúVisualidades e Transversalidades‚ÄĚ. O encontro teve a import√Ęncia na promo√ß√£o da reflex√£o sobre a pr√°tica das artes contempor√Ęneas, construindo pontes entre as diversas linguagens, al√©m de refor√ßar a integra√ß√£o entre os artistas, que podem fortalecer sua presen√ßa na formula√ß√£o de pol√≠ticas p√ļblicas em artes visuais.

APOIO AO AUDIOVISUAL

anuncio_ecola-de-cinema - Copia¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬†Aproveitando o forte escoamento de obras independentes ao longo dos estados, a RRNE promoveu mostras tem√°ticas para exibi√ß√£o em seu Cine √Č Proibido Cochilar, oferecendo exibi√ß√Ķes gratuitas √†s quartas-feiras, sempre √†s 19h. Em janeiro, o cineclube da Regional Nordeste abriu a programa√ß√£o anual com o document√°rio ‚ÄúAssim era a Atl√Ęntida‚ÄĚ, de Carlos Manga e S√≠lvio de Abreu.

A obra documentava trechos dos filmes que sobreviveram a um inc√™ndio nos est√ļdios da empresa, em 1952, e a inunda√ß√£o em seus dep√≥sitos, em 1971. No mesmo m√™s, a sala exibiu a pel√≠cula ‚ÄúCiclo do Recife, produzido pela Funda√ß√£o Joaquim Nabuco. O v√≠deo tratou da produ√ß√£o cinematogr√°fica dos anos 20 na capital pernambucana, uma grade de proje√ß√Ķes voltada a homenagem do cl√°ssico cinema antigo.

¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬† O principal objetivo est√° na valoriza√ß√£o das obras brasileiras, visando o contexto hist√≥rico e social da regi√£o nordeste. A maior parte do acervo faz parte da Programadora Brasil, setor do MinC respons√°vel pelo cat√°logo e licenciamento de t√≠tulos para livre exibi√ß√£o em pontos de proje√ß√£o. Importantes filmes, como o Sargento Get√ļlio e Edif√≠cio Master, marcaram a programa√ß√£o do cineclube com sucesso de p√ļblico. Al√©m da imensa grade de obras consagradas, o cineclube ‚Äú√Č Proibido Cochilar‚ÄĚ disponibilizou a sala de exibi√ß√£o para produtores independentes. Foi o caso do cineasta recifense ‚ÄúKK‚ÄĚ e seus tr√™s curtas inspirados na subjetividade das imagens em movimento: ‚ÄúRev√©m Natura‚ÄĚ, ‚ÄúAkamarjen‚ÄĚ e ‚ÄúSer t√£o √Āgua‚ÄĚ).

¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬†Ampliando o espa√ßo do audiovisual para proponentes da regi√£o, o Cine √Č Proibido Cochilar tamb√©m abriu as portas para os curtas-metragens, trazendo discuss√Ķes e debates com os cineastas e cr√≠ticos da √°rea. A primeira mostra aconteceu entre os meses de mar√ßo e maio com os Curtas de Pernambuco. O objetivo era incentivar a cultura deste setor atrav√©s do contato com obras consagradas do cinema pernambucano, al√©m de possibilitar o surgimento de novos talentos. O evento conseguiu trazer nomes conhecidos; como Lula Gonzaga, pioneiro do cinema de anima√ß√£o do estado; e Alexandre Ganiz√©, protagonista do filme o ‚ÄúRap do Pequeno Pr√≠ncipe‚ÄĚ.

¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬† Descentralizando as pel√≠culas nordestinas, o cineclube iniciou durante o segundo semestre a Mostra Para√≠ba de Cinema, exibindo entre os meses de setembro e outubro uma ampla programa√ß√£o de curtas metragens, sendo oito produ√ß√Ķes catalogadas pelo Pr√™mio Linduarte Noronha 2009 e sete obras independentes. Em outubro, m√™s consagrado pela celebra√ß√£o da consci√™ncia negra, a equipe respons√°vel teve a iniciativa de criar a mostra ‚ÄúCinema Negro dos anos 70‚ÄĚ, retratando temas como desigualdade racial, cultura e religiosidade afro-brasileira.

¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬†Com isso, o p√ļblico teve a oportunidade de assistir t√≠tulos raros que se tornaram refer√™ncia para a cinematografia brasileira, como ‚ÄúVida Nova por Acaso‚ÄĚ, de Odilon Lopez (1970); ‚ÄúCompasso de Espera‚ÄĚ, de Antunes Filho (1973); ‚ÄúNa Boca do Mundo‚ÄĚ, de Ant√īnio Pitanga (1976); e ‚ÄúAs Aventuras Amorosas de um Padeiro‚ÄĚ,¬†de Waldir Onofre (1975). Em uma an√°lise geral, a RRNE faz um balan√ßo de 52 obras exibidas durante 32 dias de exibi√ß√£o ao longo do ano. Uma m√©dia anual de 25 pessoas por sess√£o, levando em considera√ß√£o o limite m√°ximo de 60 cadeiras dispon√≠veis no audit√≥rio da RRNE.

¬† ¬† ¬† ¬† ¬† Abrangendo as mais diversificadas linguagens audiovisuais, o Cine √Č Proibido Cochilar obteve um p√ļblico com mais de 800 pessoas, uma forte iniciativa para a resist√™ncia contra as pel√≠culas comerciais do s√©culo XXI. A equipe respons√°vel pela programa√ß√£o, estrutura e divulga√ß√£o do cineclube ¬†√© constitu√≠da por: Teresa Huang, Nilton Valen√ßa, Roberto Azoubel e √Ālvaro J√ļnior.

MINC NAS REDES

Face

¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬† No dia 16 de abril de 2013, a RRNE inaugurou a fanpage no Facebook para ampliar o campo de intera√ß√£o entre proponentes, gestores, artistas e demais interessados na constru√ß√£o de pol√≠ticas p√ļblicas culturais. Em menos de um ano a p√°gina se tornou a mais popular dentre as regionais do MinC, obtendo 1.389 curtidas e mais de 500 mil visualiza√ß√Ķes. A estrat√©gia foi baseada na diversidade de usu√°rios e suas prefer√™ncias individuais, possibilitando uma grande imers√£o de internautas para o conte√ļdo pol√≠tico cultural.

¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬† De acordo com o Chefe da Representa√ß√£o Regional Nordeste, Gilson Matias, a entrada da RRNE no Facebook foi um caminho natural a ser seguido, visto que a rede social agrega um n√ļmero crescente de usu√°rios brasileiros. ‚Äú√Č de suma import√Ęncia que o Minist√©rio promova um encontro com o cidad√£o e o informe acerca de suas pol√≠ticas, programas e projetos. Portanto, estar presente em uma plataforma que concentra a maioria dos internautas brasileiros, significa estabelecer uma rela√ß√£o ainda mais pr√≥xima e de acordo com os princ√≠pios b√°sicos de articula√ß√£o‚ÄĚ, afirma.

¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬†A fanpage no Facebook vem somando esfor√ßos durante nove meses com √†s outras redes onde o MinC Nordeste j√° atua, como o v√≠deo blog da RRNE (http://youtube.com/mincnordeste) e o Twitter da Regional (www.twitter.com/mincnordeste). O blog oficial da regional (http://culturadigital.br/mincnordeste/) sofreu altera√ß√Ķes ao longo do ano, se adaptando as versatilidades do mundo digital, reformulando layouts e inserindo novas plataformas de hiperm√≠dia, como galeria de v√≠deos e fotos, al√©m de contar um acervo liter√°rio com edi√ß√Ķes online do Minist√©rio da Cultura. Toda essa modifica√ß√£o garantiu a perman√™ncia pela terceira vez consecutiva como o website mais acessado dentre os endere√ßos hospedados no servidor do http://culturadigital.br/.

EQUIPE E PRESTAÇÃO DE SERVIÇO

¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬†Com isso, a RRNE termina o ano de 2013 com uma grande a√ß√£o de presta√ß√£o de servi√ßo aos cidad√£os. O atendimento atualmente est√° segmentado e distribu√≠do entre a sua equipe, atrav√©s de Jos√© Gilson Matias Barros (chefe da RRNE, respons√°vel tamb√©m pelo Mais Cultura Nas Escolas/Universidade e os¬†Planos Municipais e Estaduais de Cultura), L√ļcio Rodrigues ( Chefe substituto e tamb√©m respons√°vel pelas informa√ß√Ķes sobre os Planos Municipais e Estaduais de Cultura), Teresa Huang (Usinas Culturais, Centro de Artes e Esportes Unificados – CEUs e Espa√ßos Mais Cultura), os assessores Nilton Valen√ßa (¬†Cultura Viva, Lei Rouanet e Vale Cultura, Rede Sa√ļde/Cultura, Salic Web) e Isabela Lucchesi ( PRONATEC, Lei Rouanet, Vale Cultura, Rede Sa√ļde/Cultura, Salic Web), Roberto Azoubel (Livro, Leitura e Literatura, Economia Criativa e Audiovisual), Fernanda Matos ( Respons√°vel pelo SNC – Ades√£o, Informa√ß√Ķes e Consultores), Reinaldo Freire (Funarte Nordeste), Luiz Carlos Oliveira, Maria L√ļcia Amorim e Silvestre Filho (administrativo), Mariangela Cavalcanti (Secret√°ria Executiva – Agenda), √Ālvaro J√ļnior e Juliano da Hora (comunica√ß√£o). ¬†

Texto/foto: Juliano da Hora e √Ālvaro J√ļnior – Ascom RRNE / MinC

Share