Boletim Omnira – Segunda Edição e Informativo

O segundo número do boletim Omnira compreende os meses de maio e junho de 1993. O principal tema trabalhado é a questão do dia 13 de maio, dessa vez, sobre a perspectiva da mulher negra. A matéria traz um desenho de uma mulher negra acorrentada a uma favela, além de uma discussão que revela as consequências da falsa abolição. O texto é assinado por Abrenide Simões.

O Editorial do boletim pede que as leituras se comuniquem, para contribuir nesse debate e faz uma reflexão sobre os objetivos do Fórum de Mulheres Negras do estado de Pernambuco.

O boletim traz também uma coluna chamada “Mulheres em Movimento” onde são anunciados os eventos e acontecimentos mais importantes para a comunidade.

Essa edição do Omnira promove uma discussão acerca da mortalidade materna, na matéria “As mulheres negras também são “campeãs””. O texto revela as principais causas dessa mortalidade como a falta de assistência médica e os abortos clandestinos. Nesse sentido, Cristina Vital e Vilma de Deus, autoras do texto, afirmam que em razão da condição social da mulher negra, ela é a mais atingida por esses fatores. As autoras ainda destacam uma solução, que seria discutir profundamente essa questão, levando em consideração que “o Brasil é um país dividido por raças”.

O Omnira ainda apresenta em várias edições uma coluna chamada “Mulheres que fizeram parte da nossa história”, nesse número a história relatada é a da Rainha Nzinga. Em outra edição do Omnira, a historiadora e militante, Martha Rosa Figueira Queiroz, fala sobre a importância de se destacar essa figuras do passado. Ela afirma que “é esta realidade de guerreira que nos leva a resgatar as heroínas negras do passado e referendar as do presente. Não como forma de colecionar heroínas negras e datas mortas, que não transformam. A lembrança guerreira das de ontem e a identificação com as de hoje, nos tem levado a continuar na luta pela conquista de nossos direitos de cidadãs comuns e descendentes de uma civilização milenar, possuidora de uma história de risos e lágrimas.” (OMNIRA, nº 4, out/nov/1993)

Vale mencionar que em suas páginas o Omnira destaca uma campanha do MNU chamada “Reaja à Violência Racial”.

N°2:

  • Informativo

Em outubro de 1993, o boletim Omnira traz um informativo para promover uma palestra que iria ocorrer na cidade do Recife com o tema: Exportação de Mulheres. A palestrante era do Coletivo Mulheres Negras da Bahia, Cristina Rodrigues.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*