Boletim Omnira

O boletim Omnira é uma publicação do Grupo de Trabalho de Mulheres do Movimento Negro Unificado de Pernambuco. O Omnira, palavra que significa liberdade, foi criado em 1993 com o objetivo de analisar em textos e matérias questões de gênero e raça.

O boletim contém 4 páginas, impressas em off-set, preto e branco, sobre papel jornal, e com tiragem de 1000 exemplares. Quanto ao formato, os três primeiros números do Omnira vieram em tamanho meio ofício, passando a ser editado em tamanho ofício a partir do número 4, como resultado da mudança (QUEIROZ, 2011, p.548) na edição da Rede de Jornais. Essa rede foi criada em julho de 1992, pela entidade não governamental, intitulada ETAPAS. Essa entidade tinha como finalidade unir jornais de várias comunidades com o objetivo de possibilitar o seu crescimento. Uma das características dessa rede era o fato de que nas páginas internas dos jornais, as matérias deveriam tratar de temas gerais, presente em todas as comunidades. Nesse sentido as matérias presentes na parte de dentro do Omnira, eram as mesmas dos jornais da rede. Pode-se com isso afirmar que, diferentemente do Negritude, o MNU não determinava todas as questões relacionadas ao Omnira, entretanto esse boletim atingia um público maior e mais diversificado (QUEIROZ, 2011, p.548).

Como afirma a historiadora Martha Rosa Figueira Queiroz, Doutora em História pela Universidade de Brasília, através das páginas do Omnira podemos observar que o Movimento Negro reflete sobre gênero, ao construir grupos de mulheres que buscam analisar as relações raciais sob o ponto de vista feminino. O Omnira é a voz feminina em alto e bom tom na história do MN no Recife por ressaltar as personagens e as cenas desse enredo que articula racismo e sexismo (QUEIROZ, 2011, p.549).

No que diz respeito ao grupo Omnira, ele foi criado em março de 1993 com o objetivo de fazer um trabalho de conscientização com as mulheres negras para sua valorização e autoestima, através não só do boletim, como de palestras, reuniões, pesquisas e outras formas criadas pelo grupo para se relacionar com a comunidade.

Além de mostrar as edições do boletim, será disponibilizado nesta postagem o projeto original do grupo Omnira, onde o grupo de mulheres apresenta o projeto, justifica o mesmo e deixa claro seu objetivo de busca pela liberdade e por uma verdadeira democracia racial, além disso, as autoras do projeto afirmam que pretendem “desenvolver com as mulheres de baixa renda negra em sua maioria – atividades educacionais, na área de saúde, com vistas a uma melhoria na qualidade de vida.” (PROJETO DO GRUPO OMNIRA DO MOVIMENTO NEGRO UNIFICADO).

Projeto Omnira:

No que se refere ao boletim, no acervo do Movimento Negro Unificado, na Casa da Cultura, constam 4 edições do Omnira, mais um informativo do ano de 1993. Os números que serão disponibilizados no blog são: nº02, 04, 05 e 08.


Referências:

  • QUEIROZ, M. R. F. 2011. Do Angola ao Djumbay: imprensa negra recifense. Cad. Pesq. Cdhis v. 24 n.2.
  •  Projeto do Grupo Omnira do Movimento Negro Unificado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*