Boletim Negração

O Negração é um boletim informativo do Afoxé Alafin Oyó, fundado em 1986 na cidade de Olinda, sendo este o quarto afoxé de Pernambuco. O boletim tinha como objetivo o fortalecimento do movimento negro, além de ser um veículo de denuncia contra o racismo. A primeira edição saiu no ano de 1988, ano de centenário da abolição. O boletim continha oito páginas e tamanho tablóide. Sua direção era composta por três mulheres: Márcia Diniz, Alzenide Simões e Martha Rosa, sendo estas duas últimas militantes do MNU. O boletim era um meio de trazer informações sobre a situação do negro no país, poemas de inspiração da luta negra, dicas de leituras e informações sobre elementos das religiões afro-brasileiras. As matérias eram assinadas pelas pessoas que não faziam parte da diretoria de imprensa, podemos destacar também a participação de pessoas que faziam parte da edição do Omnira, Negritude e do MNU de Pernambuco.

  • Boletim Negração – Primeira Edição

A primeira edição é marcada pela semana da consciência negra, trazendo na capa a imagem de Zumbi dos Palmares, símbolo da luta e resistência negra no Brasil. Na primeira página, o editorial mostra as dificuldades de circulação, o objetivo do boletim e uma matéria escrita por Manoel Augusto dos Santos, diretor do Afoxé Alafin  Oyó, que denuncia na matéria de título,” O que diz nosso diretor político sobre a constituição”, as falhas que a constituição brasileira tem e os efeitos dessas falhas na população pobre e negra.

Na segunda página, o boletim mostra a matéria principal de título “Renasce Zumbí”, que aborda a história do Quilombo dos Palmares.

O boletim também nessa primeira edição destaca as mulheres na política, com as entrevistadas: Vera Baroni (militante petista) e Lúcia Crispriano (educadora). A página quatro, trás a primeira entrevistada Vera Baroni que foi presidente da Associação Profissional dos Atendentes, Auxiliares e Técnicos de Enfermagem/ PE e Vice presidente do clube dos previdenciários, além de ser atuante de outros movimentos. Na página seguinte, a segunda entrevistada foi Lúcia Cipriano, presidente do Afoxé Alafin Oyó do ano de 1988.

N°1:

  • Boletim Negração – Segunda Edição

Nesta segunda edição, na página cinco, o destaque vai para o primeiro encontro de mulheres negras, que aconteceu em Valença no Rio de janeiro, entre os dias 2,3 e 4 de janeiro do ano anterior. O encontro contou com mulheres de todo o Brasil destacando as militantes do MNU entre elas Maria do Rosário Trindade dos Santos e Inaldete Pinheiro. O encontro teve como pauta, denunciar as desigualdades, as formas de resolver estas questões e a formas de organização do movimento das mulheres negras.

Nº2:

  • Boletim Negração – Terceira Edição

Essa edição  três do boletim no ano de 1990, vem trazendo na página três uma matéria especial que mostra a origem do nome do afoxé Alafin  Oyó, onde o Alafin seria o chefe político do povo Oyó. Esse grupo em questão fazia parte dos povos Iorubas, que residiam na atual Nigéria.

A página quatro é estampada pela matéria de título “20 de novembro”, dia nacional da consciência negra. Essa matéria mostra entrevistas com pessoas integrantes do afoxé e militantes do MNU, onde elas falam da imagem deixada pelo grande líder do Quilombo dos Palmares.

N°3:

  • Boletim Negração – Quarta Edição

Em seu terceiro ano, o Negração trás na página três, uma matéria que homenageia o militante afro-pernambucano, Francisco Solano Trindade, que também foi homenageado no carnaval pelo Afoxé Alafin  Oyó. O militante é natural do Recife, nasceu em 1908 e atuou com militância entre os anos 20 e 60.

N°4:

Uma ideia sobre “Boletim Negração

  1. Boa tarde,

    Eu me chamo Ana Flávia Magalhães Pinto, sou ativista do Movimento Negro e historiadora dedicada ao estudo da imprensa negra. Neste semestre, estou oferecendo a disciplina “Imprensa Negra no Pós-Abolição”, a qual no dia 10 de novembro contará com a participação da historiadora Martha Rosa. Gostaria, pois, de saber se vocês poderiam me enviar as imagens do Boletim Negração, que não estão disponíveis aqui no site, acredito que por algum problema técnico. Ficarei imensamente grata pela ajuda.

    Um abraço,
    Ana Flávia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*