Jornal AfroReggae Notícias – Trigésima Quinta e Trigésima Sexta Edição

  • AfroReggae Notícias – Trigésima Quinta Edição

Nesta edição publicada em julho de 1999 o jornal AfroReggae Notícias fala sobre a luta política do povo negro, através da matéria da página quarto sobre Celso Athaíde e o seu projeto com o Partido Popular Poder para a Maioria, para Athaíde essa ideia surgiu pois a “melhor forma de lutar contra a desigualdade era formando o poder”. Ele ressalta ainda a participação do Rapper MV Bill na tentativa de criação do partido.

Ecio Salles traz uma matéria sobre o filme Orfeu do diretor Carlos Diegues, além disso, pontua ainda na coluna “missão do rio” que esse número do ARN foi publicado após o impacto da exibição do filme na favela de Vigário Geral.

N°35:

 

  • AfroReggae Notícias – Trigésima Sexta Edição

Em seu sétimo ano o AfroReggae Notícias lança em março de 2000 sua trigésima sexta edição, com informações sobre a comemoração de sete anos da entidade. O principal tema trabalhado nesse número é o processo de regeneração de um “bandido”, como fica visível em seu Editorial. Nesse sentido o jornal destaca a figura do Escadinha, José Carlos dos Reis Encina, um famoso traficante de drogas brasileiro. A matéria central dessa edição é uma entrevista com esse traficante, um dos fundadores da organização criminosa Falange Vermelha, que posteriormente se tornaria a famosa organização – Comando Vermelho. Nessa entrevista é abordado o desejo de Encina de trocar uma vida de violência pela música, principalmente, o Rap. A matéria é assinada por Tekko Rastafari.

Outra matéria relevante também é assinada por Tekko Rastafari aborda questões referentes ao Hip-Hop e ao Rap carioca e o seu papel na mídia.

Vale ressaltar ainda a matéria da página sete sobre jovens participantes do projeto empreendedores sociais desenvolvido pelo Grupo Cultural AfroReggae em Vigário Geral, Rio de Janeiro. O texto destaca as parcerias para a realização desse projeto e o seu objetivo com a comunidade.

A última página apresenta um texto de Zuenir Ventura, jornalista e escritor brasileiro. Ventura fala sobre sua admiração pelo trabalho feito no jornal e nos outros projetos de grupo, além de contar sobre a sua experiência ao conhecer a comunidade de Vigário Geral em 1993, o que mais tarde lhe rendeu um livro denominado “Cidade Partida”, a partir disso o autor fala sobre a dor presente na população da comunidade nessa época, sobre a importância do trabalho do AfroReggae e como conheceu jovens do grupo e se tornou “leitor assíduo do jornal”.

N°36:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*