Raça e Classe PSTU

Raça e Classe é o boletim da Secretaria de Negros e Negras do PSTU – Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado. Este boletim foi criado com o objetivo de debater questões relativas a comunidade negra. As edições disponibilizadas nesta postagem não apresentam informações sobre o número do jornal e sua tiragem. O número de páginas do boletim não é regular.

O PSTU foi fundado em 1994 e seu programa e estatuto foram aprovados durante um Congresso para a fundação do partido em julho do mesmo ano (SILVA, 2001). A fundação do partido seu deu também em razão da ruptura de vários membros com o Partido dos Trabalhadores (PT), para eles o PT deixou de ser uma alternativa para o desenvolvimento de uma postura revolucionária da esquerda. Segundo a página oficial do PSTU do Rio Grande do Sul, o partido defende a implementação de um projeto revolucionário e socialista no Brasil, defendendo a luta do operário, do estudante e uma luta popular.

Os boletins que serão publicados no blog são dos anos 1999, 2000 e 2001.

  • Raça e Classe PSTU – Outubro de 1999.

Em sua primeira página o boletim apresenta a matéria “Novembro é mês da consciência negra. É mês de luta”. Como fica claro no título o texto destaca a importância do mês de novembro para a luta dos negros no Brasil, e ressalta que o ano de 1999 é ainda mais importante em razão do baixo salário e da situação de desemprego enfrentada pelos negros no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Dessa forma, o texto convoca uma paralisação nacional contra o então presidente e o FMI.

Esse tema continua na página seguinte na discussão sobre os 500 anos de racismo e exploração vivenciados pela população negra do país. Na página três o jornal traz um texto sobre as tentativas criadas para uma mobilização internacional para a não execução do ex-líder dos Panteras Negras – Mumia Abu-Jamal. O julgamento de Abu-Jamal foi marcado por manipulação e ocultação de provas e durante o ano de 1999 o mesmo se encontrava no corredor da morte. O texto apresenta também a participação do Brasil nesse processo destacando as reuniões, o surgimento de comitês, entre outras medidas para defender a liberdade para Abu-Jamal.

Em sua última página, o boletim conta com uma matéria sobre a figura de João Cândido e a história da Revolta da Chibata.

Outubro de 1999:

  • Raça e Classe – Novembro de 2000.

Esta edição apresenta apenas duas página e traz primeiramente uma matéria sobre o 20 de Novembro e a importância de Zumbi dos Palmares, último líder do Quilombo dos Palmares. O texto debate ainda sobre as formas de violência que afetam a população negra e pobre e sobre a necessidade de lutar para pôr fim ao racismo, destacando a figura de Zumbi e seguindo o seu exemplo.

Ainda na primeira página o jornal comenta sobre as medidas tomadas no governo de FHC, afirmando que tais medidas afetam de forma negativa a população pobre e negra do Brasil. Dessa forma, para o boletim essa parte da população deve se comprometer com a luta contra FHC e o FMI. Nesta página é relembrada a questão de Mumia Abu-Jamal e a perseguição contra o mesmo. Vale apontar, que apesar das várias campanhas Abu-Jamal só deixou o corredor da morte em 2012 e ainda continua preso.

Na segunda página o jornal debate sobre a eleição de João Paulo e a relação do PSTU nessa campanha. No final da página recebe destaque a frase “Não há capitalismo sem racismo” de Malcolm X.

Novembro de 2000:

  • Raça e Classe – Maio de 2001

Esta edição apresenta uma única página que apresenta um texto de título “Liberdade Guerreira”. Ele trata da luta dos negros pela liberdade, destacando o seu caráter de conquista em razão das dificuldades enfrentadas, dessa forma, pode-se destacar as figuras de Zumbi e João Cândido, segundo o boletim:

O primeiro nos ensinou que para lutar contra a escravidão era preciso atacar o sistema que dela se beneficiava; o segundo, ao apontar os canhões dos navios rebeldes contra o palácio federal, definiu o alvo certeiro na luta contra o racismo: o estado capitalista e seus lacaios.

O texto comenta ainda sobre a abolição e reflete sobre o significado do 13 de Maio e por fim ressalta que a liberdade só vai ocorrer de fato com uma luta contra o sistema e a construção de uma sociedade socialista.

Maio de 2001:


Referências: