Archive for setembro de 2011

Pré-forum Paulista de Cultura Digital: o que eu tenho a ver com isso?

“O estado de sp não vai fazer o fórum paulista de cultura digital.
Vai fazer parte do grupo que vi fazer o fórum.
Tem uma diferença aí, percebe?”

José Luiz Herência,
Coordenador da Secretaria de Fomento e Difusão Cultural
da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo.
.
Depois da realização de algumas reuniões entre diversos atores sociais da Cultura Digital em São Paulo, reuniões estas que tinham como pauta a realização de um 2° Fórum Paulista de Cultura Digital (ver sistematização do 1° forum aqui.) e a formatação de modelos de formação para Pontos de Cultura nas temáticas ligadas a Cultura Digital, ainda ficou presente a necessidade de ampliar espaços de diálogo e de sistematização destas necessárias construções. Para e portanto, faz-se sugestivamente necessário um momento cara-a-cara, ao que pode-se considerar Pré-forum Paulista de Cultura Digital.
.
Relembrando…
.
Eventos que vão acontecer nesse segundo semestre de 2011 ligados a Cultura Digital:
.
Fórum da Internet – 13 e 14 de out, em São Paulo SP
.
Festival da Cultura Digital BR – 02 a 04 de dez, no Rio de Janeiro RJ
.
Conisli – 04 e 05 de out, em Osasco SP
.
II Encontro do Software Público Brasileiro 25, 26 e 27 de out, em Brasília DF
.
Festival Multimídia de Rádio, TV, Cinema e Arte Eletrônica – CONTATO 14 a 20 de nov em São Carlos SP
.
Hack’n Rio – Rio de Janeiro RJ 02 e 03 de dez
.
Diante desse calendário, surgiram as seguintes sugestões:
.
Executar um pré-forum, na semana de 14 a 20 de nov, durante o festival Contato, aproveitando que o Festival é agenda de uma porção de pesquisadores, atores do tema, ativistas de midia e arte livre, entre outros.
.
Pensar numa proposta de Fórum Paulista de Cultura Digital para 2012, talvez em Março/Abril. Essa proposta contaria com mais tempo de planejamento, articulação e execução. Como um dos motes é o envolvimento de atores da ponta (pontos de cultura, telecentros, comunidades que lidam com tecnologia ainda de maneira mais iniciante e experimental), talvez, vislumbrar uma execução deste fórum numa data mais distante daria condição melhor de contato/divulgação a estes coletivos.
.
Vale lembrar que a sec. de estado da Cultura se coloca como parceira na execução deste fórum. Se o mesmo for realizado em 2011, a parceria, por questões orçamentárias já predefinidas, se daria apenas por via de institucionalidade e por alguns recursos restritos a transporte e a alimentação. Se for realizado em 2012 a parceria pode ser ampliada e melhor planejada conforme indicativo do grupo organizador.
.
Outra proposta é iniciar, o quanto antes, a sistematização e a construção coletiva tanto da proposta deste fórum quanto deste pretenso modelo de formação numa plataforma web, que pode ser uma wiki, um WP, um Drupal, enfim.
.
O Fórum Paulista de Cultura Digital não tem pretensão de se apoiar na Secretaria de Cultura de São Paulo nem em nenhuma outra instância governamental como o Fórum da Cultura Digital Brasileira se apoiou no Ministério da Cultura. Por este motivo, contamos com a colaboração e as tecnologias sociais de todos os envolvidos a fim de melhor realizá-lo, sustentavelmente, independentemente e libertariamente.
.

O que eu tenho a ver com isso?

.

Se você é metarecicleiro, estudiolivrista, telecentrista, ativista da Cultura Digital, adepto da Cultura Hacker e das licenças livres; se você acha que não foi você que escolheu a cibercultura, mas sim a cibercultura que te escolheu; se você pensa que uns mexem no computador porque tem talento, mas você mexe porque tem uma missão, então você tem tudo a ver com essa história!
.
Atenção: o 5° Festival Contato (http://www.contato.ufscar.br) que ocorre de 14 a 20 de novembro de 2011 vai ser palco de grandes discussões a cerca dos conceitos que envolvem a Cultura Digital e os modelos de formação dessa temática. Estamos chamando esse momento de Pré-forum Paulista de Cultura Digital e você está convidado a participar, tanto presencialmente quanto virtualmente dessa idéia.
.
Veja a proposta de realização desse momento (para editar sugestões clique aqui.):
.
Dia 16/11/2011, de manhã, das 10:00 as 13:00 -> IDÉIAS PERIGOSAS =O
Roda de conversa com figuras de destaque na rede que possam dar pitacos importantes. Momento chuva de idéias, saravá de referências. Quem fala (Um pentagrama da Cultura Digital)?
.
  • 1 ativista da Metareciclagem para falar sobre como a metarec tem pensado/agido/articulado coisas em rede e que conceitos carrega (labs de garagem, descentralização, deslocamento e (des)universitarização da inovação tecnológica);
  • 1 ativista falando sobre Rede enquanto Tecnologia Social;
  • 1 ativista telecentrista falando sobre a Rede de Nacional de formação do telecentros.br, de como uma rede de formação a distância pode servir a propósitos de propagação livre do conhecimento;
  • 1 ativista hacker falando sobre a importância dos dados abertos para construções e deliberações conscientemente e democraticamente coletivas;
  • 1 ativista falando sobre quais são as políticas, padecentes ou não de investimentos, que vigoram como urgentes para os problemas sociais de hoje e de amanhã, em especial as do campo da cultura e educação;
.
Dia 16/11/2011, de tarde, das 14:30 as 17:30 -> IDÉIAS PERIGOSAS registradas em Arte =O
Continua o papo, mas a proposta é sistematizar isso com arte. Uns escrevem, poetizam, outros filmam, editam, colhem papos, cenas, outros desenham.
.
Dia 17/11/2011, de manhã, das 10:00 as 13:00 -> A Academia abre as portas.
Sugestão de que professores universitários como Ivana Bentes, Sérgio Amadeu, Nelson Pretto, Ladislaw Doubor falem sobre Cultura Digital.
.
Dia 17/11/2011, de tarde, das 14:30 as 17:30 -> A Academia abre as portas registradas em Arte.
Continua o papo, mas a proposta também, assim como no dia anterior é registrar com arte.
.
Dia 18/11/2011, de manhã, das 10:00 as 13:00 -> A política escuta e a escuta política, PCult (en)cena.
Sugestão de uma mesa com José Luiz Herencia (Coordenador de Fomento e Difusão Cultural da Secretaria de Estado da Cultura De São Paulo), Márcia Rollenberg (Nova secretária da Secretaria de Cidadania e Difusão Cultural do Ministério da Cultura), deputado Newton Lima (PT-SP – Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara).
.
Dia 18/11/2011, de tarde, das 14:30  das 17:30 -> A política escuta e a escuta política, PCult (en)cena.
Sistematização.
.
.
Contamos com sua presença, com sua colaboração e com suas criativas idéias!

Nenhum comentário.

Construindo um Edital de Cultura Digital para Florianópolis

O Conselho Municipal de Políticas Culturais de Florianópolis – CMPC, desenvolveu uma série de editais púbicos com recursos do Fundo Municipal de Cultura de Florianópolis, direcionados a várias áreas da cultura e artes como a dança, teatro e a cultura popular.


Mesmo não tendo conselheiros específicos na área, o CMPC decidiu contemplar a Cultura Digital. Após algumas reuniões e debates sobre o tema, a comissão de redação dos editais, em parceria com ativistas e produtores, chegou a uma proposta final do texto do Edital Cultura Digital de Florianópolis.

Este texto está disponível na internet para contribuições. As observações podem ser publicadas na caixa de comentários deste post caso o autor não posso comparecer na última reunião expandida do CMPC, na qual acontecerá o fechamento do texto do Edital.

A reunião é aberta à participação de todos os interessados no tema, e acontece no dia 29 de Setembro de 2011 (quinta-feira), na Casa da Memória de Florianópolis.

MINUTA DO EDITAL DE CULTURA DIGITAL PARA CONSULTA PÚBLICA

SERVIÇO

O quê: Reunião expandida da Cultura Digital
Quando: Dia 29 de Setembro (quinta-feira), às 19h
Onde: Casa da Memória – Rua Padre Miguelinho nº 58 – Centro de Florianópolis. Esquina com Rua Anita Garibaldi (Imediações da Catedral Metropolitan)

,

2 Comentários

Web e Participação – a democracia no século XXI

Há quase um ano desta postagem, em 28 de setembro de 2010, Adriana de Araújo Guzzi, mais conhecida como Drica Guzzi, lançava seu livro “Web e Participação – a democracia no século XXI”.
.
Neste livro, Drica Guzzi traz uma leitura importante dos movimentos de redes sociais no Brasil via Web 2.0 e sua relação com a participação pública eletrônica, a chamada e-participação. A partir de uma análise do continuum da participação pública, descreve como podemos caminhar progressivamente em ações democráticas através da internet. A autora ainda mostra como estão ligados o conceito de democracia e os dispositivos de participação ampla proporcionados pelas novas tecnologias de comunicação.
.
Decorrente de sua dissertação de mestrado na área de Comunicação e Semiótica, pela Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP), intitulada “Participação Pública, Comunicação e Inclusão Digital” que pode ser lida e baixada na íntegra aqui, o livro busca esclarecer como a rede transforma as fronteiras de espaço e tempo, favorecendo o compartilhamento de informações e opiniões. “A grande inovação que a conversação na rede proporciona é a possibilidade de reunião dessas pessoas num ambiente favorável às discussões. O desenvolvimento da tecnologia de comunicação na rede têm permitido conversas cada vez mais descentralizadas e fluídas nas redes.
.
A virada na campanha de Barack Obama, nos Estados Unidos, e o sucesso do abaixo-assinado da Ficha Limpa,  são exemplos desse novo ambiente de conversas”, diz Drica.

.

Leia o resto desse post »

Nenhum comentário.

LinuxSociALL – A Rede Social Linux

Via Cotidiano Linux.

Já imaginaram uma rede social para usuários de Linux e entusiastas de Software Livre do Brasil, onde pudessemos conhecer novas pessoas, trocar experiências, formar grupos, encontrar profissionais e fazer novas amizades?

Esse lugar existe, é a rede social Linux SociAll.

A Linux SociAll é um projeto lançado recentemente e foi desevolvida com o objetivo de ser um lugar onde os usuários de Linux possam trocar ideias, ficar sempre em contato com seus amigos da área, fazer novas amizades e principalmente para ajudar nosso querido Pinguim a crescer…

O Cotidiano Linux entrevistou o criador do Linux SociAll, Elton Jamenix, confira abaixo a entrevista:

Como surgiu a ideia de lançar uma rede social para usuários linux?

Em 2006, quando comecei a usar o orkut e achei interessante aquele mundo de gente se comunicando.

Desde então você vem desenvolvendo o Linux SociAll?

Sim, antes fiz alguns testes com uma rede social para troca de ideias www.postandoideias.eu5.org mas não deu muito certo. E como sempre recebi críticas de que não daria certo, acabei demorando um pouco para lançar o projeto.

Mas com o espaço que  o linux estava ganhando por causa do kurumin, resolvi continuar com a ideia e como existiam muitos fóruns que falavam de linux, então pensei que seria bom ter uma rede social onde os usuários pudessem ter contato direto com desenvolvedores e profissionais linux.

Você fez todo o desenvolvimento sozinho?

Sim, porque quando eu falava do projeto e convidava alguém para ajudar no desenvolvimento, sempre me falavam que não havia necessidade de criar outra rede social, pois já existiam centenas.

Quais são as tecnologias usadas no desenvolvimento do sistema?

O desenvolvimento do Linux SociAll é feito usando um Gerenciador de Conteúdo (CMS) em php e mysql. O sistema não foi desenvolvido por mim, eu apenas adaptei ao propósito do LinuxSociALL.

O projeto teve ou tem algum patrocinio?

Não! O único patrocinio que recebi foi a hospedagem que um amigo meu, Gesiel Goulart, me cedeu. Outra ajuda que tivemos foi com a criação da logo do projeto, que foi desenhada por Eric Viana, mas ajudas e patrocinios sempre são bem vindos, quem quiser ajudar o projeto entre em contato comigo através do e-maillinuxsociall@gmail.com

Qual o objetivo principal do Linux SociAll?

O principal objetivo do LinuxSociALL é agrupar o maior numero possível de usuários e desenvolvedores Linux do Brasil e ajudar a promover um contato direto entre seus membros, facilitando o acesso a diversas informações e serviços relacionados ao software livre.

O Linux SociAll permite integração com outras redes sociais?

A integração existe, mas ainda não é automática, nem em tempo real. Mas os usuários podem compartilhar seus post com outras redes sociais usando botões de divulgação do FacebookTwitterGoogle Buzz,DeliciousLinked InMyspace como já fazem em diversos blogs e sites.

Qual a estatística atual de visitantes do Linux SociAll, quantos membros ativos existem no momento e qual é a perspectiva de crescimento da rede?

Do dia 1ª de maio até hoje, nós tivemos um número de acessos superior aos 24 mil e temos atualmente 515membros, e esse número aumenta a cada dia. Sobre a perspectiva de crescimento da rede, eu ainda não parei para pensar nesse ponto, mas acredito que se conseguirmos chegar aos 10.000 membros até o fim do ano, será uma mostra do que podemos esperar do Linux SociAll.

Há quanto tempo você é usuário Linux?

Sou usuário linux desde 1999, quando comprei uma revista, que não me lembro do nome, e nessa revista tinha uma matéria que falava de um novo sistema operacional que não precisava instalar. Eu fiquei curioso, pois o único sistema que eu conhecia era o Windows… Então fiz o teste e instalei o Kurumin no meu computador, um pentium 166 com 16mb de ram, e sou usuário Linux até hoje.

Atualmente está envolvido em algum outro projeto dentro da comunidade Linux?

Sim, eu mantenho um projeto de uma distribuição linux baseada no Puppy Linux com o nome BigpupBr que já está na 4ª versão e pode ser baixado no endereço www.bigpupbr.co.cc. O BigpupBR codinome Iguana é uma distribuição Linux brasileira que roda diretamente do cd (Live CD) sem necessidade de instalação, mas pode, perfeitamente, ser instalado no HD, como qualquer outra distribuição.

2 Comentários

Linkania: uma teoria de Redes

O livro “Linkania, uma teoria de redes” trata do surgimento e desenvolvimento da cibercultura no Brasil, bem como da inserção da cibercultura nos diversos âmbitos da sociedade. Analisa estratégias de comunicação, como os blogs, e projetos de colaboração online, como o projeto Metáfora, além dos desdobramentos dessas ações em novas práticas sociais, políticas públicas, no mercado e na comunicação.

.

Escrito por Hernani Dimantas, o livro é fruto do trabalho final de pesquisa de mestrado do mesmo, pesquisa intitulada “Linkania – a sociedade da colaboração” a qual foi adaptada para compor o livro e pode ser lida na íntegra aqui.

.

Palavras-chave: cultura hacker, links, colaboração, conhecimento livre, linkania.

Entrevista dada para a rádio Jovem Pan pelo autor sobre o livro – formato OGG.

Entrevista dada para a rádio Jovem Pan pelo autor sobre o livro – formato MP3.

Nenhum comentário.

O Jornalismo e a Cultura Digital: redes sociais, blogs e outros desconcertos.

Um novo papel para o jornalismo

Blogs e redes sociais revolucionam divulgação de informações na era digital

Por SILVIA KOCHEN


Churrasco de “gente diferenciada”: ideia lançada
no Facebook / Foto: P. Mariano

O policial canadense Michael Sanguinetti, numa palestra sobre segurança em um campus universitário de Toronto, em 24 de janeiro, fez uma recomendação que repercutiu em todo o mundo. Ele disse que as mulheres, para evitar estupro, não deviam usar roupas que pudessem sugerir que fossem vadias. A infeliz declaração foi o estopim para um movimento conhecido como a Marcha das Vadias (ou Slutwalk, no original em inglês), que se alastrou por todo o mundo nos últimos meses.

Em 3 de abril, 3 mil pessoas foram às ruas de Toronto vestidas de forma sensual para protestar contra a cultura que transforma as mulheres em culpadas pela violência que sofrem. “Já basta, não se trata apenas de uma ideia ou de um policial culpando as vítimas, mas de mudar o sistema e fazer algo construtivo com a raiva e a frustração”, disse Heather Jarvis, de 25 anos, uma das organizadoras da marcha em Toronto.

Leia o resto desse post »

2 Comentários

Banda Larga é ficção nas escolas públicas

Via Instituto Telecom.

Criado em 2008, o Programa Banda Larga nas Escolas (PBLE) nasceu como parte de uma mudança no Plano Geral de Metas para a Universalização (PGMU), do Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) – responsável por estabelecer obrigações a serem cumpridas pelas concessionárias de telefonia fixa. O programa foi resultado de um trabalho conjunto dos Ministérios da Educação, das Comunicações, Planejamento, Casa Civil e Anatel com o objetivo de levar, gratuitamente, o serviço de banda larga a 56.865 escolas públicas de ensino básico do país.

As concessionárias teriam que instalar conexão à internet em alta velocidade (mínimo de 1 megabit por segundo) e oferecer a ampliação periódica da velocidade a fim de manter a qualidade e a atualidade do serviço. O cronograma previa que, ainda em 2008, 40% do total das escolas seriam atendidas. Em 2009, a previsão era de incluir mais 40%. Em 2010, os 20% restantes também estariam atendidos.

A partir de 31 de dezembro de 2010, a conexão em cada escola deveria ser bidirecional, com  velocidade igual ou superior a dois megabits efetivo por segundo (Mbps) no sentido Rede-Escola e pelo menos um quarto dessa velocidade no sentido Escola-Rede.
A TeleBrasil – entidade representante do empresariado do setor – tem divulgado documentos, como a Carta de Brasília 2011, garantindo que cerca de 58 mil escolas públicas já teriam acesso livre à internet em alta velocidade. E os próprios balanços da Anatel reforçam estes dados, afirmando que até dezembro de 2010, 57.586 instituições já foram conectadas – o que, segundo a Agência, representaria 91% de todas as escolas privilegiadas pelo programa.

Apesar do site do MEC reforçar esses números, a realidade constatada nas escolas é completamente diferente. Durante o Futerecom 2011, por exemplo, a Prodesp (Companhia de Processamento de Dados de São Paulo) divulgou dados em relação à velocidade utilizada nas escolas públicas paulistas, cerca de 80% delas atingem apenas 64 Kbps.

Garantir 1 Mbps ou 2 Mbps já seria muito pouco para as demandas colocadas pelos conteúdos educacionais. Mas, quando se compara com Portugal, a situação chega a ser dramática. De acordo com o presidente da Portugal Telecom, Zeinal Baiva, em palestra na Futurecom, em Portugal  as escolas públicas estão conectadas a 64 Mbps. Ou seja, mesmo sendo um país de dimensões menores, ainda significa uma velocidade muitas  vezes maior que a instalada aqui.

Alertamos, mais uma vez, da necessidade da convocação imediata do Fórum Brasil Conectado. Criado no governo Lula, o Fórum não foi convocado uma única vez no atual governo. Ele é fundamental no acompanhamento das atividades ligadas ao Plano Nacional de Banda Larga e, em particular, na discussão sobre se é realidade ou ficção o Banda Larga nas Escolas.

Cobramos uma averiguação profunda sobre os dados divulgados.  A Anatel, o Ministério da Educação, o Ministério das Comunicações, governos estaduais e prefeituras devem ter um quadro claro a ser apresentado à sociedade.

Conteúdo

Uma pesquisa recente divulgada pelo Centro de Estudo sobre Tecnologias da Informação e da Comunicação (Cetic.br) mostrou, que mesmo com 81% das escolas públicas do Brasil tendo laboratórios de informática, apenas 4% das mesmas possuem acesso à ferramenta na sala de aula. Ao todo foram entrevistados 1.541 professores, 4.987 alunos, 497 diretores e 428 coordenadores pedagógicos em 497 escolas brasileiras com o objetivo de identificar o uso e a qualidade da banda larga em instituições públicas e a partir daí, procurar soluções para a educação no país.

Segundo o estudo, todas as atividades realizadas com alunos apresentam baixa incidência de uso da internet. Apenas 20% dos professores entrevistados afirmaram usar esta ferramenta para organizar e mediar à comunicação com os estudantes. Como era esperado, a região do país responsável pela maior utilização de computadores e acesso à rede em sala de aula, é a Sul, onde se concentram 56% dos educadores. Os 44% restantes são oriundos de todas as demais regiões do Brasil.

Seminário Universalização da Banda Larga

O Instituto Telecom convida todos a participar do seminário “Banda Larga como Direito: balanço do PNBL e perspectivas para a universalização do serviço”, promovido pela Campanha Banda Larga é um Direito Seu.

O evento é aberto ao público e acontece na próxima quinta-feira, dia 22/09, às 9h30, na Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília. A presença de todos os interessados é muito importante para aprofundar o debate e a luta por um acesso democrático e de qualidade à banda larga no país.

Nenhum comentário.

Plano Nacional de Cultura: consulta pública ONLINE das metas

Ministério da Cultura abre, dia 21 de setembro de 2011, consulta pública para a construção das metas do Plano Nacional de Cultura, documento que visa servir como plano de metas para os próximos 10 anos de investimentos e políticas culturais no Brasil.

Na próxima quarta-feira, 21 de setembro, o Ministério da Cultura abrirá consulta pública para receber sugestões às metas propostas para o Plano Nacional de Cultura (PNC), instituído pela Lei nº 12.343/2010.  O objetivo da consulta é  receber contribuições da sociedade civil e de gestores públicos para o processo de construção das metas que nortearão as políticas públicas no campo cultural, no período de dez anos de vigência do PNC.

A consulta, disponível até o dia 20 de outubro, reafirma o compromisso do MinC com os processos democráticos, participativos e abertos com relação à formulação de políticas culturais.

Logo após o período da consulta pública, representantes do MinC e do Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC) – órgão colegiado integrante da estrutura básica do Ministério da Cultura – se reunirão para a consolidação final das metas, as quais serão publicadas em dezembro próximo.

Para enviar contribuições ao PNC, acesse http://pnc.culturadigital.br/

(Ascom/MinC)

Fonte: http://www.cultura.gov.br/site/2011/09/15/plano-nacional-de-cultura-23/

Nenhum comentário.

Pontos de Cultura: sem previsão em orçamentos e PPAs, rede pode deixar de receber recursos

Via ARede.

E mais uma vez esse blog traz uma notícia preocupante relacionada ao Programa Cultura Viva. Veja abaixo a reportagem da revista ARede sobre a probabilidade real de perda orçamentária da Rede de Pontos de Cultura.

Quando se fala em recursos para os Pontos de Cultura, as pessoas logo pensam no orçamento do Ministério da Cultura e no governo federal. Mas é preciso acompanhar e exigir, também, a presença dos pontos nos Planos Plurianuais (PPAs) e orçamentos públicos dos estados e prefeituras, sob pena de não conseguir recursos para ampliar o programa. Ou para mantê-lo, depois que vencer o prazo dos atuais convênios.

A maior parte dos Pontos de Cultura, hoje, é conveniada a redes estaduais e municipais, em um arranjo institutcional no qual o MinC contribui com 2/3 dos recursos e o parceiro, com 1/3. “Por isso, os estados devem garantir em seus PPAs e orçamentos anuais recursos para manutenção e ampliação das redes de pontos”, alerta Sttela Cabral, participante da Comissão Nacional dos Pontos de Cultura.

Além disso, os estados e municípios que não se conveniarem, até 2012, ao Sistema Nacional de Cultura, não poderão mais receber os repasses do MinC. Essas questões são importantes para o futuro das redes descentralizadas de pontos. Também haverá mudanças na fonte de recursos para o programa com a aprovação da nova lei Rouanet. Na entrevista abaixo, Stella explica por quê estados e municípios devem ser pressionados a prever verbas para o programa..

ARede – Se os pontos de cultura não estiverem nos PPAs e orçamentos, não podem receber recursos públicos? Por que?

Stella – Fiz este alerta para todos os representantes da Comissão Nacional dos 27 Grupos de Trabalho dos Estados fiquem atentos aos Planos Plurianuais (PPAs) dos estados. Não basta olharmos para o PPA Nacional, se os governos estaduais e municipais não fizerem as mesmas previsões de recursos em seus orçamentos para que sejam garantidas as contrapartidas das Redes de Pontos de Cultura.

Os recursos aportados pelo Ministério da Cultura no Programa Cultura Viva vêm do Fundo Nacional de Cultura (FNC), que cobre até 80% dos projetos. E 20% têm que ser de contrapartida, ou seja, nos convênios com os estados e municípios a proporção é R$ 2,00 do MinC e R$ 1,00 das redes nos estados e municípios, como contrapartida finaceira. No PPA do governo do Estado de São Paulo, foi garantido o repasse da 3ª parcela dos pontos da rede aqui e a ampliação de mais 300 Pontos a partir de 2012. E nos outros estados, o que sabemos?

Precisamos acompanhar outra coisa: no Plano Nacional de Cultura e no Sistema Nacional de Cultura está previsto que os municipios e estados devem aderir ao Sistema Nacional de Cultura até 2012 para garantir o recebimento dos repasses do Ministério da Cultura para todos os projetos (Pontos de Cultura, Bibliotecas, Museus…). Que municipios e estados já aderiram ao sistema?

Como as comissões podem pressionar para que o programa entre nesses documentos, cada um em seu estado? Qual é o prazo para conseguir fazer isso?

O Poder Executivo elabora os projetos dos PPAs e Orçamentos (União, Estados e Municipios) até 31 de agosto e manda para os legislativos com uma reserva de contingente para que os parlamentares façam suas emendas. No caso dos convênios existentes, os governantes costumam manter suas contrapartidas. No caso de ampliação, nem sempre. As comissões de Pontos de Cultura podem e devem pressionar, monitorar e acompanhar a execução. Há, no acordo de cooperação do Minc com os estados, um item que prevê a criação de um comitê com participação do MinC, do governo do estado e da sociedade civil, para acompanhar as redes (está no site do MinC o de todos os Estados). Os nomes devem ser publicados no Diário Oficial.

O que pode mudar para os repasses aos Pontos de Cultura, na nova Lei Rouanet?

O projeto da nova Lei Rouanet, que irá se chamar ProCultura, está tramitando no Congresso Nacional. Na lei atual temos um único fundo. Quando a nova lei for aprovada, o ProCultura terá 13 fundos temáticos (artes visuais, audiovisual, arte cênicas, musica e outros). Não há nenhum Fundo para o Programa Cultura Viva. Por isso, temos dois desafios: criar o Marco Legal do Programa Cultura Viva e criar um Fundo Cultura Viva no Procultura. Poucas pessoas estão atentas para isso.

Por isso, no dia 05/10 será realizada uma audiência pública na Assembléia Legislativa de São Paulo, coordenada pela Comissão de Educação e Cultura da Casa, para tratar do Marco Legal do Programa Cultura Viva com a presença da Ministra Ana de Hollanda, o Secretário de Estado da Cultura Andrea Matarazzo ou o José Luiz Herencia, a Deputada Jandira Feghali, o relator da Lei Cultura Viva, o relator da Lei ProCultura e um Senador(a) da Comissão de Educação e Cultura do Senado.

Nenhum comentário.

Doode: a rede social GNU/Linux no Brasil

O Que é O Doode?

O Doode começou como um projeto de fim de semana de Vitor Micillo e tinha como objetivo criar um misto de rede social e twitter dedicada aos usuários GNU/Linux. O nome veio da gíria dos surfistas americanos e havaianos que significa amigo.
.
O Doode levou 1 ano e 6 meses para ser concluí­do. Foi feito totalmente em Software Livre e de Código Aberto e se baseia em uma mistura do CMS floopo e o renomado sistema de blogs WordPress. Mas simplesmente juntar essas duas ferramentas não foi o suficiente.
.
Para garantir uma melhor segurança foi utilizado no projeto o sistema de criptografia do IonCube (disponível no pacote Zend-PHP), alguns scripts em Python para comunicação e proteção do Banco de Dados MySQL, além da alteração de todo o sistema de autenticação de usuário. Em resumo, a parte de infra-estrutura foi feita basicamente em PHP, ajax, jQuery, MySql e Python enquanto para o design foram utilizadas as ferramentas Inkscape e GIMP.
.
Destaques:
  • Em menos de um mês o projeto já conta com mais de 1300 usuários cadastrados (hoje o número é esse e cresce a cada dia);
  • O autor recentemente foi entrevistado pela revista Info e entrou em contato com a Canonical;
  • Totalmente feito em Software Livre;
  • O Doode pode vir a ser um aplicativo da distribuição ubuntu. Se ele tiver 50.000 usuários e se Vitor concluir seu aplicativo (esse é o plano) para Desktop muito possivelmente ele virará uma rede social a ser acomplada no sistema ubuntu.

.

Como Eu Posso Ajudar?

Existem tês formas de contribuir: a primeira é se cadastrar e utilizar a rede social (ela possui integração com o Twitter) para atingirmos os 50.000 usuários; a segunda é ajudar a divulgar o projeto (e a rede social) para seus amigos e colegas; a terceira e última é ajudar no desenvolvimento do aplicativo para Desktop do Doode.
.
Para isso precisamos apenas de pessoas que tenham conhecimento Python e que tenham interesse de trabalhar no desenvolvimento de uma aplicação que poderá ter patrocínio da Canonical. Não é obrigatório ter conhecimento em GTK, mas se você estiver disposto e quiser aprender iremos ajudar, então entre em contato!
.
Referências:

Nenhum comentário.

Pular para a barra de ferramentas