“Cambinda Estrela” no CineCabeça

novembro 19th, 2010

novembro 11th, 2010

Convida para a pré-estréia dosdocumentários curitibanos contemplados pelo Edital “Nós na Tela 2010”,realizados por jovens egressos de projetos sociais de audiovisual.

TERÇA-FEIRA, 16 de novembro, às 20h
Local:  CINEMATECA DE CURITIBA,
Rua Rua Carlos Cavalcanti – Centro, 1174

Entrada Franca

VILA DAS TORRES 2014 (15 min, 2010)
Direção: WillianCoutinho Duarte, LúciaPego dos Santos, Marta Pegodos Santos e Bruno Mancuso
Realização: Minha Vila Filmo Eu

Odocumentário “Vila das Torres 2014” é um bate-bola bem humorado emtorno do mega evento midiatico, a “Copa do Mundo de Futebol de 2014″visto a partir do ponto de vista de moradores da Vila das Torres, umacomunidade carente situada na região central de Curitiba.
Comoa Vila das Torres é vista entre os pontos turísticos de Curitiba? ACopa do Mundo trará algum benefício para esta comunidade? Como osmoradores da Vila das Torres podem se organizar para fazer parte destejogo?
Apartida já começou, vista as chuteiras e bola pra frente!

OMinha Vila Filmo Eu é um projeto de formação e inclusão audiovisualmantido pelo Projeto Olho Vivo. Para maiores informações: www.projetoolhovivo.com.br/ 41-3015-1592

Agente não quer só comida

Direção: Priscila Pacheco/ Roteiro e Montagem: ThiagoCouto

Em A gente não quer só comida convidamos o público a refletir sobre aimportância
da arte como um dos fundamentos de formação humana.  Em parceria comartistas
consagrados, 7 crianças são desafiadas a produzir uma peça teatralbaseada
nos poemas de Cecília Meireles.  O processo vivo do exercício criativorevela que a arte,
mesmo  feita com simplicidade, é capaz de gerar profundastransformações.

APOIO

Mostra Competitiva Nós na Tela

outubro 26th, 2010

Para ver mais fotos, clique no link abaixo.

Read the rest of this entry »

Post no blog do crítico Carlos Alberto Mattos

outubro 25th, 2010

…rastros de carmattos


http://carmattos.wordpress.com/2010/10/22/transformacoes-na-tela

blog de Carlos Alberto Mattos………………………………. porque somos um pouco o que nos atravessa

Transformações na tela

Há poucos dias, fiz um grande passeio pelo Brasil através de 20 curtas do projeto Nós na Tela. De Lábrea, na selva Amazônica, a Londrina, no Paraná, passando por Tocantins, Piaçabuçu (AL), Ilhéus (BA), Recife e outros tantos municípios, conheci projetos bacanas de inserção social e cultural, topei com alguns vídeos bem críticos, outros com cara mais “institucional”.
Os curtas, todos com duração de 15 minutos, foram realizados por jovens egressos de oficinas audiovisuais e tiveram seus projetos selecionados no Concurso de Apoio à Produção de Obras Audiovisuais Digitais Inéditas de Curta Metragem, nos Gêneros Documentário ou Telerreportagem, sobre o tema “Cultura e Transformação Social” – Nós na Tela. Uma oficina específica ajudou a preparar as produções. Todos os curtas foram exibidos quarta e quinta na Cinemateca Brasileira, em São Paulo. Quinta à noite aconteceu a cerimônia de premiação, conforme escolha de um júri composto pelos críticos Daniel Caetano, Rodrigo Fonseca e este que vos fala.
O primeiro lugar, aquinhoado com um prêmio de 20 mil reais, foi do paranaense Vila das Torres 2014, de Willian Coutinho Duarte, Lúcia Pego dos Santos, Marta Pego dos Santos e Bruno Mancuso. Destacado pelos três jurados, o doc tem um roteiro muito bem articulado em torno do passado, presente e futuro de um bairro carente que destoa da paisagem organizada e asséptica de Curitiba (“uma cicatriz no rosto da Cidade-Sorriso”, como diz alguém). Moradores de Vila das Torres narram as origens da comunidade e o desenvolvimento espontâneo de uma cultura do futebol no local. Especulam também sobre o destino do bairro nos preparativos para a Copa de 2014, que terá jogos em Curitiba. É um trabalho crítico, que não se furta a ironias sobre a elite e a administração pública da cidade, mas o faz de maneira orgânica, sem panfletarismo. Tem tudo para percorrer o país em festivais.
Outro curta com poder de fogo é Arquitetura da Exclusão, de Adelvan de Lima, que ficou com o segundo lugar e um prêmio de 10 mil reais. O projeto é paulista, mas se refere ao muro construído em torno da favela Dona Marta e às UPPs cariocas. A pergunta “O Haiti é aqui?” serve de mote performático para um questionamento dos objetivos do tal muro (proteção ecológica ou encarceramento da comunidade?) e de uma certa visão idealista das UPPs. A própria equipe passa por uma batida policial antes de retirar dos guardas bons depoimentos sobre seu treinamento e porte de armas. Pode ser visto como um hors d’oeuvre para o doc que está sendo produzido por Cacá Diegues sobre esse tema.
O terceiro lugar (5 mil reais) foi para Quenda, de Warlem Machado e Alexandre Bortolini, um esperto perfil de três meninos gays que frequentam a noite do Rio. Eles contam como vivem e veem a si próprios, além das circunstâncias em que saíram do armário perante suas famílias. Embora o tema do outing seja gasto, as particularidades e a franqueza dos personagens garantem a personalidade do filme, que busca uma linguagem afinada com o comportamento e o ambiente retratados.
Havia outros curtas dignos de menção, como o breve apanhado da nova geração do hip hop paulista, exoticamente intitulado Disseminando Ideias e Influenciando Pessoas. Este curta de Felipe Rodrigues era um dos meus preferidos, tanto pelo charme e a graça da confecção, quanto pela forma como se aproxima dos métodos caseiros de trabalho do rapper e produtor musical Emicida. Também apreciei especialmente os santistas BNH 001, de Aline Assis (discussão dos efeitos da construção de um shopping no primeiro projeto de conjunto residencial do antigo BNH) e Aloha, de Paula Luana Maia dos Santos e Nildo Ferreira (sobre surfistas portadores de deficiências físicas). E ainda o amazonense Paumari na Cidade, de Eugênio Paumari e Sérgio Lobato, que mostra jovens índios escapando do tráfico pelo caminho do aprofundamento étnico; e Cinema de Bolso, de Alan Russel (Tocantins), abordagem em alto astral de um projeto de formação audiovisual com celulares e câmeras fotográficas.
O Nós na Tela é mais uma iniciativa da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura que vem semeando a expressão autóctone pelos quatro cantos do país durante o governo Lula. Em breve, os 20 curtas integrarão a série televisiva Nós na Tela, dirigida por Francisco César Filho, que organiza todo o projeto. Cada programa de meia-hora incluirá um curta, cenas de making of, entrevista com o(s) diretor(es) e uma breve reportagem sobre a comunidade onde foi produzido. A série será veiculada pelas emissoras ligadas à Associação Brasileira de Canais Comunitários – ABCCom e em outros canais do sistemas público e estatal.

Premiação da Mostra Competitiva Nós na Tela

outubro 22nd, 2010

CURTA CURITIBANO SOBRE EFEITOS DA COPA DE

2014 EM UMA COMUNIDADE CARENTE VENCE

MOSTRA COMPETITIVA NÓS NA TELA


Uma reflexão sobre o mega evento midiático que será a Copa do Mundo FIFA de 2014 a partir do ponto de vista dos moradores de Vila das Torres, uma comunidade carente de Curitiba, que passará por reformas por conta do evento. Assim é o curta-metragem “Vila das Torres 2014”, de Willian Coutinho Duarte, Lúcia Pego dos Santos, Marta Pego dos Santos e Bruno Mancuso, eleito o melhor filme da Mostra Competitiva Nós na Tela.

O evento aconteceu nos dias 20 e 21 de outubro na Cinemateca Brasileira (São Paulo) e exibiu os 20 trabalhos vencedores do Concurso de Apoio à Produção de Obras Audiovisuais Digitais Inéditas de Curta Metragem, nos Gêneros Documentário ou Telerreportagem, sobre o tema “Cultura e Transformação Social” – Nós na Tela.

Uma iniciativa do Ministério da Cultura – MinC, por meio da Secretaria do Audiovisual – SAv e da Secretaria de Articulação Institucional – SAI, em parceria com a Associação Brasileira de Canais Comunitários – ABCCom e com a Sociedade dos Amigos da Cinemateca, o Edital Nós na Tela recebeu projetos de jovens realizadores – com idades entre 17 e 29 anos – que anteriormente frequentaram projetos sociais com atividades de formação para realização de obras audiovisuais.

Como primeiro colocado, “Vila das Torres 2014” recebeu prêmio de R$ 20 mil, escolhido por júri formado pelos críticos cinematográficos Carlos Alberto Mattos, Daniel Caetano e Rodrigo Fonseca.

Em segundo lugar, com premiação no valor de R$ 15 mil, a comissão julgadora elegeu “Arquitetura da Exclusão”, no qual o diretor Adelvan de Lima propõe um questionamento sobre os muros, visíveis e invisíveis, que permeiam os centros urbanos. O curta documenta intervenções artísticas no Morro Santa Marta, onde está localizada a primeira favela a ser cercada pelo Estado do Rio de Janeiro.

Terceiro colocado, “Quenda”, de Warllem Machado e Alexandre Bortolini, acompanha três jovens gays cariocas, que mostram suas baladas preferidas e contam as angústias com discriminações sofridas no dia-a-dia, além de relatar as reações de suas famílias quando assumiram a homossexualidade. O curta recebeu R$ 5 mil.

Os 20 curtas-metragens realizados através do Edital integram a série televisiva Nós na Tela, composta por 20 programas de 30 minutos cada um, que será veiculada brevemente pelas emissoras ligadas à Associação Brasileira de Canais Comunitários – ABCCom e em outros canais do sistemas público e estatal de radiodifusão.

Mais informações podem ser acessadas no blog www.culturadigital.br/nosnatela e no website www.cinemateca.gov.br.

Informações:
(11) 5084.3252 ou nosnatela@cinemateca.org.br – com Bia Gomes

Edital de Micrometragem

outubro 13th, 2010

Estão abertas até 20 de novembro de 2010 as inscrições para o Concurso de Apoio à Produção de Obras Cinematográficas Inéditas, de Micrometragem, do Gênero Animação. São selecionados dez projetos, que recebem R$ 20 mil cada um para a produções de 1 minuto sobre o tema “Consumo Sustentável e Biodiversidade”.

Iniciativa do Ministério do Meio Ambiente, por meio da Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental, e do Ministério da Cultura, por meio da Secretaria do Audiovisual, seu objetivo é despertar na sociedade um olhar crítico para o seu meio e estimular a produção de campanhas para televisão, sobre a temática socioambiental, fomentando processos educativos e participativos,

A principal janela de exibição dos curtas-metragens será o circuito Tela Verde do MMA e as TVs públicas. O edital e maiores informações podem ser acessadas através do endereço www.cultura.gov.br/site/2010/10/05/cine-ambiente.


MOSTRA COMPETITIVA NÓS NA TELA

setembro 28th, 2010

Nós na Tela


competição reúne curtas feitos nas 5 regiões do país por ex-alunos de oficinas audiovisuais

mostra competitiva exibe e premia 20 curtas realizados em 8 estados e no DF

exibição e premiação acontecem em 20 e 21/10 na Sala BNDES Cinemateca (São Paulo), com entrada franca

Curtas-metragens realizados em várias regiões do país por jovens egressos de oficinas audiovisuais de inclusão social integram a Mostra Competitiva Nós na Tela, que acontece nos dias 20 e 21 de outubro (quarta e quinta-feira), na Sala BNDES da Cinemateca Brasileira (Largo Senador Raul Cardoso 207, Vila Mariana, São Paulo, telefone 11-3512.6111 ramal 215), com entrada franca.

São exibidos os 20 projetos vencedores do Concurso de Apoio à Produção de Obras Audiovisuais Digitais Inéditas de Curta Metragem, nos Gêneros Documentário ou Telerreportagem, sobre o tema “Cultura e Transformação Social” – Nós na Tela.

Todos os trabalhos têm 15 minutos de duração e seus diretores – com idades entre 17 e 29 anos – frequentaram anteriormente projetos sociais com atividades de formação para realização de obras audiovisuais.

Suas gravações tiveram lugar em comunidades de capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, Curitiba e Manaus, assim como nas localidades de Lábrea (Amazonas), Piaçabuçu (Alagoas), Limoeiro do Norte (Ceará) e Ilhéus (Bahia).

A Mostra Competitiva Nós na Tela premia os curtas com valores de R$ 20 mil (melhor curta), R$ 15 mil (segundo colocado) e R$ 5 mil (terceiro lugar). O júri da competição é formado pelos críticos cinematográficos Carlos Alberto Mattos, Daniel Caetano e Rodrigo Fonseca. Os vencedores são anunciados em cerimônia agendada para o dia 21 de outubro, às 20h00.

Registros e resgates culturais estão presentes em títulos como “Griô”, de Gilcimar França, que aborda os conhecimentos presevados por mestres e griôs de Piaçabuçu (AL), na região da foz do Rio São Francisco, e “Cambinda Estrela”, de Adriano Lima, sobre as atividades culturais, artísticas e educativas do Maracatu Nação Cambinda Estrela, de Recife.

“A Gente Não Quer Só Comida”, de Priscila Pacheco dos Santos, acompanha um grupo de crianças de uma escola pública de Curitiba durante a criação de uma peça de teatro de bonecos, enquanto “Galeria”, de Evelyssa Sanches, trata da experiência de um grupo de teatro que atua em unidades prisionais de Londrina (PR).

Dirigido por Alan Russel, “Cinema de Bolso” focaliza um grupo de adolescentes da periferia de Palmas (TO) que modificam a realidade em que vivem ao produzir curtas-metragens a partir de aparelhos de telefonia celular. Por sua vez, periferias da cidade de São Paulo que abrigam saraus artísticos estão no centro de “Curta Saraus”, no qual seu diretor, David Alves da Silva, discute com os artistas locais a cultura e transformação social por meio da arte.

Carrano, O Bicho Que Nasceu Para a Eternidade” (de Willian Ceará) traz a trajetória do ator, escritor, poeta e teatrólogo curitibano Austregésilo Carrano Bueno (1957-2008), integrante do Movimento da Luta Antimanicomial e autor do livro “Canto dos Malditos”, onde conta sua experiência nos hospitais psiquiátricos e denuncia os absurdos cometidos diariamente nessas instituições e no qual foi baseado o premiado filme Bicho de Sete Cabeças. O rapper paulistano Emicida, considerado uma das maiores revelações do hip hop do Brasil nos últimos anos e que distribui seus trabalhos a partir do uso caseiro de novas tecnologias, é o personagem central de “Disseminando Idéias e Influenciando Pessoas”, de Felipe Rodrigues.

Nascido em Limoeiro do Norte (CE) e morador de Diadema, na Grande São Paulo, um pedreiro de 61 anos que desenvolveu habilidades literárias e artísticas e produziu ficções, cordéis, poesias, composições e roteiros cinematográficos de baixo orçamento é o protagonista de “Miguel Batista, o Construtor de Imagens”, de José Luís de Freitas. Produção da Baixada Santista, “Aloha”, de Paula Luana Maia dos Santos e Nildo Ferreira, acompanha um dia na vida de personagens com deficiência física que, com pranchas adaptadas, correm atrás da melhor onda.

Em “Quenda”, de Warllem Machado e Alexandre Bortolini, três jovens gays cariocas nos levam às suas baladas preferidas, contam as angústias com discriminações sofridas no dia-a-dia e falam das reações de suas famílias quando assumiram a homossexualidade. Por sua vez, “Vila das Torres 2014” (de Willian Coutinho Duarte, Lúcia Pego dos Santos, Marta Pego dos Santos e Bruno Mancuso) propõe uma reflexão sobre o mega evento midiático que será a Copa do Mundo FIFA de 2014 a partir do ponto de vista dos moradores de Vila das Torres, uma comunidade carente de Curitiba, que passará por reformas por conta do evento.

Um questionamento sobre os muros, visíveis e invisíveis, que permeiam os centros urbanos é a proposta de “Arquitetura da Exclusão, de Adelvan de Lima. O curta documenta intervenções artísticas no Morro Santa Marta, onde está localizada a primeira favela a ser cercada pelo Estado do Rio de Janeiro. Já “A Última Lágrima”, produção de Campinas (SP) dirigida por Juscelino dos Santos, denuncia a violência cometida contra a mulher dentro do lar, que atinge diferentes classes sociais e idades, tendo como pano de fundo a cultura do hip hop. Versos de rap estão também em “Reconstituição – O Primeiro do Último Dia”, de Gabriela Cativo, narrativa da história real de um ex- traficante de Manaus que, depois de 18 anos na prisão, recebe a visita do jovem e atual chefe do tráfico de drogas da região, que vai à cadeia para conhecer o pai.

A transformação social de jovens indígenas moradores da periferia de Lábrea, no estado do Amazonas, que saem de uma condição de marginalização construindo suas identidades a partir de elementos de sua própria cultura, está no centro de “Pamoari na Cidade, de Eugênio Paumari e Sérgio Lobato. Por sua vez, “Transformação Etnodigital”, de Curupaty Abaeté Tupinambá, revela a transformação social que a inclusão digital através da rede índios on-line – www.indiosonline.com.br – realiza entre os indígenas participantes, dentro e fora de suas comunidades.

Na produção pernambucana “A Igreja Evangélica e a Cultura Afro Brasileira”, o diretor Willamy Tenório volta as câmeras, simultaneamente, para a Igreja Evangélica e para os grupos de cultura Afro, buscando desmistificar preconceitos. “BNH 001”, de Aline Assis, mira a transformação do espaço comunitário do primeiro conjunto residencial BNH de Santos em um shopping center e seus efeitos na comunidade. Finalmente, em “Roda Mundo”, de Antônio F. F. Ribeiro, a percepção urbana de Brasília e seus caminhos são vistos pelos olhos de uma cozinheira moradora de Samambaia usuária de ônibus, de um encarregado de obras da Ceilândia que tem o carro como meio de transporte e de um catador de latinhas morador de rua, usuário da bicicleta como locomoção e ferramenta de trabalho.

Após as exibições na Mostra Competitiva, os curtas-metragens integrarão a série televisiva Nós na Tela, composta por 20 programas de 30 minutos cada um, que será veiculada pelas emissoras ligadas à Associação Brasileira de Canais Comunitários – ABCCom e em outros canais do sistemas público e estatal de radiodifusão.

Nós na Tela é uma iniciativa do Ministério da Cultura – MinC, por meio da Secretaria do Audiovisual – SAv e da Secretaria de Articulação Institucional – SAI, em parceria com a Associação Brasileira de Canais Comunitários – ABCCom e com a Sociedade dos Amigos da Cinemateca.

Mais informações podem ser acessadas no blog www.culturadigital.br/nosnatela e no website www.cinemateca.gov.br.

PROGRAMAÇÃO

20 de outubro (quarta–feira)

16h00

Miguel Batista, o Construtor de Imagens” – José Luís de Freitas (documentário, SP, 15 min, 2010, colorido, digital)

Quenda” – Warlem Machado (documentário, RJ, 15 min, 2010, colorido, digital) “Vila das Torres 2014”Willian Coutinho Duarte, Lúcia Pego dos Santos, Marta Pego dos Santos e Bruno Mancuso (documentário, PR, 15 min, 2010, colorido, digital) “Roda Mundo” – Antônio F. F. Ribeiro (documentário, DF, 15 min, 2010, colorido, digital)

18h00

Pamoari na Cidade” Eugênio Paumari e Sérgio Lobato (documentário, AM, 15 min, colorido, 2010, digital)

A Igreja Evangélica e a Cultura Afro Brasileira” – Willamy Tenório (telerreportagem, PE, 15 min, 2010, colorido, digital)

Cinema de Bolso” – Alan Russel (documentário, TO, 15 min, 2010, colorido, digital) “Curta Saraus” – David Alves da Silva (documentário, SP, 15 min, 2010, colorido, digital)

20h00

Griô” – Gilcimar França (documentário, AL, 15 min, 2010, colorido, digital) “Cambinda Estrela” – Adriano Lima (documentário, PE, 15 min, 2010, colorido, digital) “BNH 001” – Aline Assis (documentário, SP, 15 min, 2010, colorido, digital) “Disseminando Idéias e Influenciando Pessoas” – Felipe Rodrigues (documentário, SP, 15 min, 2010, colorido, digital)

21 de outubro (quinta–feira)

16h00

Carrano, O Bicho Que Nasceu Para a Eternidade” – Willian Ceará (documentário, SP, 15 min, 2010, colorido, digital)

A Gente Não Quer Só Comida” – Priscila Pacheco dos Santos (documentário, PR, 15 min, 2010, colorido, digital)

A Última Lágrima” – Juscelino dos Santos (documentário, SP, 15 min, 2010, colorido, digital) “Galeria” – Evelyssa Sanches (documentário, PR, 15 min, 2010, colorido, digital)

18h00

Transformação Etnodigital” Curupaty Abaeté Tupinambá (documentário, BA, 15 min, 2010, colorido, digital)

Reconstituição – O Primeiro do Último Dia” – Gabriela Cativo (documentário, 2010, 15min, colorido, digital)

Aloha”Paula Luana Maia dos Santos e Nildo Ferreira (documentário, SP, 15 min, 2010, colorido, digital) “Arquitetura da Exclusão” – Adelvan de Lima (documentário, SP, 15 min, 2010, colorido, digital)

20h00

cerimônia de premiação Mostra Competitiva Nós na Tela

Serviço:

Mostra Competitiva Nós na Tela

20 e 21 de outubro de 2010 (quarta e quinta-feira) Sala BNDES Cinemateca (210 lugares)

Largo Senador Raul Cardoso 207, Vila Mariana – São Paulo – (11) 3512.6111 ramal 215 entrada franca

classificação indicativa: 14 anos

www.cinemateca.gov.br

Sarau da Cooperifa na ECA-USP

setembro 23rd, 2010

Olá!

Gostaria de convidá-los a participar do Sarau com os poetas da Cooperifa e outros convidados, que acontecerá nesta quinta-feira (23), às 20h, na prainha da ECA. A atividade integra a Semana de Movimentos Sociais e abrirá a Quinta & Breja.

Para quem não conhece, o Sarau da Cooperifa acontece todas as quartas-feiras, há alguns anos, em um bar na região do Capão Redondo, periferia da zona sul de São Paulo. Poetas, rappers, repentistas e moradores reunem-se para declamar, improvisar e compartilhar versos e rimas.

Na última década, dezenas de saraus surgiram em bairros periféricos da capital. É um movimento que cresce e cada vez mais mobiliza as pessoas para refletir coletivamente sobre arte e a vida na periferia. O sarau que acontecerá na ECA terá como mestre de cerimônias o poeta Sérgio Vaz (coordenador da Cooperifa) e contará com a participação do rapper Gaspar (Z’África Brasil) e outros poetas periféricos. Venha conhecer os poetas do seu tempo e traga sua poesia!

Semana dos Movimentos Sociais na USP – Quinta-feira (23)

14h-16h: A Luta no Asfalto – Debate

– MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto)
– Terra Livre (Jardim Pantanal)
– Movimento Passe Livre (MPL)

18h-20h: A Luta no Campo – Debate
– MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra)
– MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens)
– Ariovaldo Umbelino de Oliveira (Geografia da USP)

20h-22h: SARAU DE POESIA
– Cooperifa
– Gaspar (Z’Africa Brasil)
+ Outros convidados

“Curta Saraus”, de David Alves da Silva – São Paulo (SP)

setembro 21st, 2010

Teaser “A Gente não quer só comida”, de Priscila Pacheco dos Samtos – Curitiba (PR)

setembro 17th, 2010

Teaser A GENTE NÃO QUER SÓ COMIDA from Thiago Couto on Vimeo.