No segundo dia do Seminário Internacional de Políticas Culturais ocorrerá o lançamento de livros. Na ocasião, os autores estarão presentes para dialogarem com leitores interessados nas obras lançadas. Em breve lançaremos notícias sobre os livros e os autores que estarão presentes. A entrada é franca!

Data: 18 de maio de 2016.
Local: Hall do Auditório – Fundação Casa de Rui Barbosa
Horário: 20h

Veja os livros que serão lançados:

 

DEMOCRACIA RADICAL E PLURALISMO CULTURAL. PARA LER CHANTAL MOUFFE. Editora: Lumme

barbalho

RESUMO: A obra faz uma sistematização do pensamento da filósofa política Chantal Mouffe visando apresentar suas principais teses e conceitos, entre eles os de “democracia radical”, “democracia agonística”, “o político”, e suas implicações para o entendimento de uma sociedade mais pluralista.

AUTOR: Alexandre Barbalho – Historiador, pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), sociólogo pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e doutor em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). É professor adjunto do curso de História e dos PPGs em Sociologia e em Políticas Públicas da UECE e em Comunicação da UFC. Tem experiências nas áreas de Comunicação, Política e Cultura, com ênfase em políticas de cultura, de comunicação e das minorias atuando principalmente nos seguintes temas. É autor, entre outros, de: Relações entre Estado e cultura no Brasil (Unijuí, 1998); Cultura e imprensa alternativa (UECE, 2000); A modernização da cultura (UFC, 2005); A criação está no ar: Juventudes, política, cultura e mídia (UECE, 2013 – edição em espanhol: La creación está en el aire: juventudes, política, cultura y comunicación. Editorial UOC, 2014.)

 

POLÍTICAS CULTURAIS NO GOVERNO DILMA – Editora: UFBA

ufba

A obra reúne textos de pesquisadores/as brasileiros/as sobre diversos aspectos da política cultural implementada no primeiro governo Dilma.

AUTORES:

Antonio Albino Canelas Rubim

Formado em Comunicação pela Universidade Federal da Bahia (1975) e em Medicina pela Escola Baiana de Medicina (1977), mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia (1979), doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (1987) e pós-doutor em Políticas Culturais pela Universidade de Buenos Aires e Universidade San Martin (2006). Professor titular da Universidade Federal da Bahia; docente do Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade e do Programa de Artes Cênicas, ambos da UFBA. Pesquisador I – A do CNPq e do Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura da UFBA. Autor de livros e artigos em periódicos nacionais e internacionais. Membro de conselhos editoriais de publicações em Cultura e Comunicação. Foi Secretário de Cultura do Estado da Bahia; Diretor do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos da UFBA; Presidente do Conselho Estadual de Cultura da Bahia; Coordenador do Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura; Diretor da Faculdade de Comunicação da UFBA, por três vezes; Presidente da Câmara de Extensão da UFBA; Coordenador do Programa de Comunicação e Cultura Contemporâneas da UFBA; Presidente da Câmara de Comunicação, Cultura e Turismo da Fundação de Amparo à Pesquisa da Bahia; Secretário de cultura da Associação dos Professores Universitários da Bahia, por duas vezes, e Presidente da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação. Principais áreas de interesse: políticas culturais; cultura e política; comunicação e política; cultura, comunicação e sociedade.

Lia Calabre

Graduada em História pela Universidade Santa Úrsula (1988), mestre em História pela Universidade Federal Fluminense (1999), Doutora em História pela Universidade Federal Fluminense (2002). Pesquisadora Titular e chefe do Setor de Estudos de Política Cultural da Fundação Casa de Rui Barbosa (2003-2014). Atual Presidente da Fundação Casa de Rui Barbosa. Organizadora do Seminário Internacional de Políticas Culturais. Autora de livros e artigos, nacionais e internacionais, sobre políticas culturais, Tem experiência na área de história cultural e política, com ênfase em Políticas Públicas de Cultura, atuando principalmente nos seguintes temas: política cultural, gestão cultural, política e cultural rádio, cultura, meios de comunicação de massa e rádio.

Alexandre Barbalho – Historiador, pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), sociólogo pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e doutor em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). É professor adjunto do curso de História e dos PPGs em Sociologia e em Políticas Públicas da UECE e em Comunicação da UFC. Tem experiências nas áreas de Comunicação, Política e Cultura, com ênfase em políticas de cultura, de comunicação e das minorias atuando principalmente nos seguintes temas. É autor, entre outros, de: Relações entre Estado e cultura no Brasil (Unijuí, 1998); Cultura e imprensa alternativa (UECE, 2000); A modernização da cultura (UFC, 2005); A criação está no ar: Juventudes, política, cultura e mídia (UECE, 2013 – edição em espanhol: La creación está en el aire: juventudes, política, cultura y comunicación. Editorial UOC, 2014.)

 

POLÍTICA CULTURAL E DESENTENDIMENTO ALEXANDRE BARBALHO. EDITORA IBDCULT

barbalho2

RESUMO: A obra faz uma discussão sobre a cultura e a política cultural na contemporaneidade com o objetivo de propor uma política cultural que incorpore, sem despotencializá-las, as disputas simbólicas que ocorrem na sociedade, ou em outras palavras, seus desentendimentos, a partir das reflexões feitas pelo filósofo político Jacques Rancière.

AUTOR: Alexandre Barbalho – Historiador, pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), sociólogo pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e doutor em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). É professor adjunto do curso de História e dos PPGs em Sociologia e em Políticas Públicas da UECE e em Comunicação da UFC. Tem experiências nas áreas de Comunicação, Política e Cultura, com ênfase em políticas de cultura, de comunicação e das minorias atuando principalmente nos seguintes temas. É autor, entre outros, de: Relações entre Estado e cultura no Brasil (Unijuí, 1998); Cultura e imprensa alternativa (UECE, 2000); A modernização da cultura (UFC, 2005); A criação está no ar: Juventudes, política, cultura e mídia (UECE, 2013 – edição em espanhol: La creación está en el aire: juventudes, política, cultura y comunicación. Editorial UOC, 2014.)

 

PRODUÇÃO CULTURAL – INFORMAÇÕES, CONFIGURAÇÕES E PARADOXOS. Editora Armazém da Cultura

rachel

RESUMO: Os estudos no  Brasil  sobre  o  campo  da  organização  da  cultura,  ou  seja,  sobre produção,  gestão  e  política  culturais,  são  relativamente  recentes  se  comparados  à realidade  francesa  ou  mexicana,  por  exemplo. Mas  têm  crescido  de  forma  relevante nos últimos quinze anos, em grande parte, como resultado da retomada do papel do Estado na elaboração e implementação de políticas públicas no setor. O trabalho desenvolvido por Rachel Gadelha, resultado de seu mestrado em  Políticas  Públicas  e  Sociedade  da  Universidade  Estadual  do  Ceará,  faz  parte  desse esforço  reflexivo  e  traz  uma  contribuição  fundamental  ao  abordar  um  tema  pouco explorado  que  é  justamente  o  surgimento  e  a  formação  do  campo  da  produção cultural.

AUTORA: Rachel Gadelha – Antropóloga pela Universidade Estadual  de  Campinas  (UNICAMP-SP),  Mestre  em  Políticas  Públicas  e  Sociedade na  Universidade  Estadual do  Ceará  (UECE). Com graduação em Administração e gestão na Universidade  Estadual  do  Ceará  e  na Universidade de Barcelona. Foi diretora da Via de Comunicação (1997 a 2015), empresa idealizadora e realizadora do  Festival  de  Jazz  e  Blues  de  Guaramiranga. Co-organizadora  do Livro  “Economia  Criativa:  Uma  Nova  Perspectiva”  editado  em  2007  e  produtora executiva do livro “Nos Acordes do Jazz & Blues: Memórias do Festival Jazz &  Blues de Guaramiranga  ”,  editado  em  2013. Leciona cursos e disciplinas na área de produção e gestão cultural em universidades e instituições de  ensino.  Coordenadora pedagógica do curso  técnico  Laboratório  de Produção  Cultural.  Gestora  do   Minimuseu  Firmeza  e  consultora  da  Secretaria  de Cultura do Estado do Ceará.

 

ARQUEOLOGIA INDUSTRIAL NA PAISAGEM URBANA DE CURITIBA

cesar

RESUMO: Constituída como área de maior interesse científico nas últimas duas décadas, o campo que se convencionou chamar arqueologia industrial tem suas diretrizes metodológicas pautadas pelo estudo arqueológico de vestígios materiais com o fim de compreender historicamente o desenvolvimento industrial como motor da urbanização nas sociedades contemporâneas. Com isto em vista, Arqueologia Industrial na Paisagem Urbana de Curitiba foi publicado em 2013 com o objetivo de listar preliminarmente vestígios de arquitetura industrial, maquinário e infraestrutura que outrora desempenharam importante papel a manufatura e gestão de serviços na região de Curitiba e ainda hoje compõem sua paisagem urbana.

AUTORES: Paulo Cesar Manzig e Juliana Regina Pereira

Paulo Cesar Manzig

Mestre em Divulgação Científica pela UNICAMP, possui graduação em geologia pela UFPR (1981). Dedicou-se à fotografia profissional nas áreas publicitária, industrial e técnica, e atualmente desenvolve projetos culturais na área de paleontologia e geociências. Publicou em 2012 o livro “Museus & Fósseis da Região Sul do Brasil”, cujo trabalho permitiu a descoberta dos primeiros pterossauros da Bacia Sedimentar do Paraná.

Juliana Regina Pereira

Bacharel e licenciada em História pela UFPR (2013), desenvolveu nos anos de 2012 e 2013 a pesquisa que levou à publicação do Arqueologia Industrial na Paisagem Urbana de Curitiba, viabilizado pela Fundação Cultural de Curitiba. Atualmente cursa mestrado em História pela UNICAMP, onde realiza pesquisa no campo do Patrimônio Industrial.

 

POLÍTICAS CULTURAIS: TRAJETÓRIA E DIÁLOGOS EM CAMPOS DOS GOYTACAZES

Editora: Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro – UFNF

 simonne

 RESUMO: Este livro reúne diversos estudos no campo das Políticas Culturais, realizados no âmbito da Officina de Estudos do Patrimônio Cultural nos últimos 10 anos. Visa celebrar, isto é, “fazer realizar com solenidade” a Officina de Estudos do Patrimônio Cultural (Officina), vinculada ao Laboratório de Estudos do Espaço Antrópico/LEEA, do Centro de Ciências do Homem/CCH, da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro/UENF (http://www.uenf.br). A ideia deste livro surgiu a partir da vontade de reunir a retrospectiva dos trabalhos desenvolvidos na Officina, ao mesmo tempo imprimir um registro do grupo de pesquisadores, inicialmente preocupados com o estado de abandono e o descaso com o rico Patrimônio Cultural em Campos dos Goytacazes e região, avançando para os estudos que trataram das questões relativas às Políticas Culturais de Preservação e as ações de extensão sem ser restritiva a outros temas.

AUTORA: Simonne Teixeira – Organizadora

Doutora em Filosofía i Lletras (Historia) – Universitat Autònoma de Barcelona (1995), com pós-doutorado pela Escuela de Estudios Hispano-Americanos/CSIC (2011/2012). É professora  da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, desde 1996, e atualmente exerce a Direçao da Casa de Cultura Villa Maria/UENF. Tem experiência na área de Arqueologia, com ênfase em Arqueologia Histórica (Hidráulica) e Estudos do Patrimônio Cultural.

 

Lançamento de Livros – VII Seminário Internacional de Políticas Culturais
Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*

Pular para a barra de ferramentas