O evento

5 de julho de 2018

I SEMINÁRIO PONTOS DE ENCONTRO CULTURA A UNIR OS POVOS

 

OBJETIVO: Gerar uma cooperação concreta de experiências e casos de estudos exitosos que possam servir como modelos para reaplicar em distintas realidades.

ORGANIZADORES: Instituto Casa Comum e ScholasCourrentes

DATA: 27 e 29 de junho de 2018. Iniciará no dia 27/06 às 8h30 e terminará às 13h do dia 29/06.

LOCAL: Centro Mariapoli de la Villa Pontificia de Castel Gandolfo, Italia. Encontro Paralelo ao IVCongreso Internacional de Cátedras Scholas. Universidad y Escuela. Haciaelrelanzamiento de universidades “emsalida”

 

O QUE É O SEMINÁRIO PONTOS DE ENCONTRO – CULTURA PARA UNIR OS POVOS?

Durante o Congresso Internacional de Cátedras Scholas, o programa Scholas Occurrentes com o Instituto Casa Comum realizará um seminário com organizações de cultura comunitária, de diferentes países da América Latina.

O objetivo do seminário é refletir juntos, buscando gerar uma proposta de cooperação, com base em experiências de casos de sucesso que podem servir como um modelo a ser aplicado em diferentes situações, que são sintetizadas na Carta de Castel Gandolfo, a ser redigida pelos participantes.

Apontando para um profundo processo civilizatório que favorece o estabelecimento de um novo pacto educativo-cultural a partir da cultura do encontro, estas organizações comunitárias focadas em arte e cultura, ambiente, educação popular, direitos humanos, tecnologia livre e organização cidadã, realizam ações solidárias de modo permanente, dando uma resposta concreta à população de suas localidades.

Reunindo a sabedoria ancestral, comunitária e artística nas mais diversas áreas sociais e territoriais, serão designados como Pontos de Encontro, em que serão proporcionadas atividades formativas de aprendizagem-serviço criativo, destinadas aos jovens e os incorporando ativamente em projetos definidos dentro do contexto de cada comunidade, com um profundo compromisso cidadão, os AGENTES JOVENS DA CIDADANIA. Durante um ano, os Agentes Jovens receberão formação específica e, ao mesmo tempo, aplicarão o que aprenderam em trabalhos para melhorar suas próprias comunidades. A formação de “Agentes Jovens da Cidadania” pretende demonstrar que é possível realizar um programa com baixo custo unitário e alto impacto social, econômico, cultural e civilizatório, em que a cultura do encontro é a base para a coexistência pacífica.

É objetivo do seminário, além da troca e sistematização de experiências, avançar em processos organizativos, visando a sustentabilidade dos PONTOS DE ENCONTRO e bolsas de estudo para os AGENTES JOVENS DA CIDADANIA, com a criação do Fundo Mundial “CULTURA A UNIR OS POVOS”. O fundo irá buscar recursos na forma de fundo fiduciário (endowment), procurando constituir um patrimônio a gerar recursos contínuos para a manutenção e promoção dos Pontos de Encontro e os Agentes Jovens da Cidadania, inicialmente com ênfase na América Latina. Também caberá ao Fundo a gestão das ações de articulação, capacitação e difusão entre os Pontos de Encontro e os Agentes Jovens de Cidadania, incluindo uma campanha mundial para que os Estados transformem essas ações em políticas públicas.

Haverá também uma campanha para mostrar que com 1,5% do orçamento militar mundial (US $ 1,8 trilhões em 2014) é possível financiar duzentos mil pontos no mundo todo (US $ 40 bilhões / ano, Ponto de Encontro) e fornecer 10 milhões de bolsas anuais para jovens, no valor de US $ 150 / mês cada.  É uma ideia simples, executável e realizável que tem como pano de fundo a política pública dos Pontos de Cultura do Brasil e que agora pode ser ampliada em todo o mundo, começando pela América Latina.

O Projeto Pontos de Encontro – Cultura a Unir os Povos está alinhado aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável – ODS – Objetivo 16 – Justiça e Paz – Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, proporcionar o acesso à justiça para todos e construir instituições eficazes, responsáveis e inclusivas em todos os níveis.

16.1 Reduzir significativamente todas as formas de violência e as taxas de mortalidade relacionada em todos os lugares

16.2 Acabar com abuso, exploração, tráfico e todas as formas de violência e tortura contra crianças

16.3 Promover o Estado de Direito, em nível nacional e internacional, e garantir a igualdade de acesso à justiça para todos

16.4 Até 2030, reduzir significativamente os fluxos financeiros e de armas ilegais, reforçar a recuperação e devolução de recursos roubados e combater todas as formas de crime organizado

16.5 Reduzir substancialmente a corrupção e o suborno em todas as suas formas

16.6 Desenvolver instituições eficazes, responsáveis e transparentes em todos os níveis 16.7 Garantir a tomada de decisão responsiva, inclusiva, participativa e representativa em todos os níveis

16.8 Ampliar e fortalecer a participação dos países em desenvolvimento nas instituições de governança global

16.9 Até 2030, fornecer identidade legal para todos, incluindo o registro de nascimento 16.10 Assegurar o acesso público à informação e proteger as liberdades fundamentais, em conformidade com a legislação nacional e os acordos internacionais

16.a Fortalecer as instituições nacionais relevantes, inclusive por meio da cooperação internacional, para a construção de capacidades em todos os níveis, em particular nos países em desenvolvimento, para a prevenção da violência e o combate ao terrorismo e ao crime

16.b Promover e fazer cumprir leis e políticas não discriminatórias para o desenvolvimento sustentável

 

Para o lançamento mundial do Fundo e o início da campanha, se propõe a realização do FESTIVAL DAS 3 LINGUAGENS E DAS 3 HARMONIAS, que acontecerá na Praça de São Pedro, na Cidade do Vaticano, em 2019, reunindo apresentações de arte, cultura, ancestralidade e vida comunitária de diferentes cantos do mundo. Festival das 3 linguagens, porque se busca, a partir das palavras do Papa Francisco, rearmonizar os indivíduos, integrando as linguagens do coração, cabeça e mãos em um só sentido: o sentir, pensar, agir. Festival das 3 harmonias, porque de acordo com os preceitos do Bem Viver e a Encíclica Laudato Si e o cuidado da Casa Comum, a vida em harmonia consiste em encontrar e integrar a harmonia do indivíduo consigo mesmo, do indivíduo com a comunidade humana, e da comunidade humana com a coletividade da vida e todos demais seres que habitam o Planeta, nossa Mãe e nossa Casa.

O objetivo é realizar um Festival potente e amoroso, artístico e reflexivo, em meio à diversidade de culturas, desencadeando todo um processo de mobilização comunitária, para a cultura da paz, convivência e encontro.

O Seminário terá também: – Exposição fotográfica sobre “Cultura, ancestralidade e comunidades na América Latina”, do fotógrafo Mário Miranda (realização do Instituto Olga Kos, São Paulo, Brasil); – Lançamento do livro “CULTURA A UNIR OS POVOS – A arte do Encontro”, de Célio Turino (edição do Instituto Olga Kos, São Paulo, Brasil); – Exposição “Arte y Juego”, da artista plástica Silvia Bove ( Mendoza, Argentina).