«

»

jan 13

Imprimir Post

Vassouras: as duas faces do tapete (1)

Joaquim e Antônio decidem ir até o terreiro onde os membros mais velhos de seu bando foram pegos. Rafael e Gabriel tentam buscar mais informações sobre magos e espíritos, enquanto Anderson vai ao Rio em busca de seus contatos para conseguir armamento.

No terreiro, encontram o Pai de Santo João, que os recebe com desconfiança. Joaquim informa ir em paz e que busca apenas uma solução para seus líderes que foram capturados. João informa que Amanda, Eduarda e Luiz não estão mais ali e que não foram pegos por ele, mas dados pelos vampiros de Vassouras (Pedro e Beatriz) como oferta para garantir a segurança destes. Informa a eles, ainda, que os corpos dos três foram levados para o Hotel Arpoador.

Joaquim e Antônio entram em contato com Rafael. Este liga para o hotel e descobre que o mesmo ainda funciona, mas possui um valor de diária muito elevado para a cidade de Vassouras. Os outros dois passam de moto em frente ao hotel e vêem que não passa de um espelunca, sendo bastante antiquado, mal iluminado e com pouca aparência de hospedar hóspedes.

Os três se encontram em frente ao motel onde dormiram durante o dia anterior. Começam, então a planejar como fariam. Inicialmente estão convencidos a explodir o hotel e tentar resgatar os corpos de seus líderes. Depois, se dão conta de que não possuem munição suficiente e que a explosão poderia por em risco aqueles que planejam resgatar. por fim, por sugestão de Rafael, chamam um carniçal da família Obertos, o qual recebe a incumbência de entrar no hotel e investigando seu interior.

 

Link permanente para este artigo: http://culturadigital.br/roteiro/2017/01/13/348/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*

Pular para a barra de ferramentas