«

»

mar 20

Imprimir Post

Sangue

Após se afastarem, quando estão para entrar no carro. A sensação de frustração se abate sobre os três.

JOAQUIM

Antes de irmos para o local da caçada, precisamos passar em um hospital. Vamos precisar de bolsas de sangue para transfundir o sangue do lobisomem.

ANDERSON

Como assim.

ANTONIO

A gente tem que matar o bicho e ter como armazenar o sangue antes que coagule.

JOAQUIM

E coagula bem rápido.

ANDERSON

Mas nós vamos conseguir abater o lobisomem?

Joaquim mostra o sispositivo de detonação.

JOAQUIM

Tem explosivo na cabeça dele.

ANDERSON

E se der errado?

JOAQUIM

Se der errado, a gente está fudido. Só isso.

ANTONIO

Se os outros vampiros nos alçarem também estaremos. Por isso, minha ideia é po Joaquim explodir enquanto eu corro, pego o corpo do lobisomem e levo ele para longe. isso precisa ser rápido.

ANDERSON

Mas você consegue ser mais rápido que os outros vampiros?

ANTONIO

Você está esquecendo as regras da caçada. Eles vão liberar o bicho e só depois de cinco minutos vão começar a caça-lo. Meu dom me faz bem veloz. É uma chance. Se nós soubermos a direção…

JOAQUIM

Se a caçada está programada para meia-noite, nós temos que chegar pontualmente. Nosso tempo é mínimo.

ANTONIO

Ele vai precisar correr pelo menos um minuto para sair do campo de visão dos demais.

ANDERSON

Outros vampiros tão velozes quanto o Antonio vão partir pra cima rápido.

JOAQUIM

Qual é a porra do alcance do detonador?

ANDERSON

Vai ter no máximo uns cinquenta metros.

JOAQUIM

Se eu entrar no campo de visão dele, ele deve partir pra cima de mim. Quando estiver dentro do alcance eu detono. Se não funcionar eu estou fudido.

ANTONIO

Mas é importante também ter um carro próximo e alguém no carro esperando para uma saída relâmpago.

JOAQUIM

O Anderson fica. Você tem um rifle de longo alcance.

ANDERSON

Não, para isso teria que ter tempo para uma encomenda especial. Tenho um fuzil e umas granadas.

JOAQUIM

O fuzil, ok, mas a granada não rola. Se estivermos em apuros será porque o inimigo está perto. Então o próximo ponto é conseguir as bolsas de transfusão.

Eles se encaminham para o hospital de Vassouras.

ANDERSON

Vocês estão ligados que nós agora estamos indo contra dois grupos: os que querem brincar de caça ao lobisomem e o grupo rebelde que estava fortalecendo o bicho para ele conseguir escapar.

JOAQUIM

É!

ANDERSON

Ótimo. Eu acho que é importantante eu ficar no carro mesmo.

JOAQUIM

Por isso a gente precisa estar bem cronometrado com o momento em que ele for liberado.

JOAQUIM

A gente pode contar com a ajuda de mais alguém.

ANDERSON

Quem?

JOAQUIM

A Cleia. Se ela nos mantiver informados. Ela deu muita informação pra gente. Mas o que a gente está fazendo entrando nessa quebrada?

ANDERSON

Você não queria um fuzil? Então eu preciso ir na boca de fumo daqui. Deixa eu falar com aquele soldado do tráfico.

Anderson desce do carro e é observado por três sujeitos mal encarados. Ele fixa os olhos nos de um deles, estabelecendo contato e projeta sua vontade sobre a mente do traficante pedindo gentilmente que ele se aproxime. O sujeito sai de onde está e vai com o fuzil em punho apontando-o para Anderson.

ANDERSON

Ei, pode ficar tranquilo, sou da paz. Entregue o fuzil para mim.

Prontamente e sem qualquer resistência o sujeito entrega a arma para Anderson, que se vira e entra imediatamente no carro. O traficante fica atônito sem entender a situação, enquanto os outros dois gritam com ele e começam a atirar. O carro dispara em segurança.

JOAQUIM

Que geito escroto de conseguir uma arma.

ANDERSON

Mais prático e mais rápído. E a gente tem um plano B?

JOAQUIM

Sim, a gente tem: correr e correr pra caralho.

Ao chegar ao  Hospital Universitário Sul Fluminense, os três vampiros caminham em direção à Recepção.Hospital Universitário Sul Fluminense 3

JOAQUIM

Viemos doar sangue.

RECEPCIONISTA

O senhor vai ter que passar amanhã de manhã.

JOAQUIM

Como assim? Eu sou médico. Nunca vi isso.

RECEPCIONISTA

É que agora não tem ninguém para isso. As doações podem ser feitas de segunda a quarta-feira, das 7h às 11:45h e quarta-feira das 14:30h às 17h.

ANTONIO

(retirando um maço de notas do bolso)

Acho que pode ser arrumado. Meu amigo quer doar sangue e eu prometi que ele não voltaria para casa essa noite sem doar.

A mulher pega o maço de dinheiro e pede para esperarem um momento, pois vai verificar se tem alguém para fazer a coleta imediatamente. Eles seguem a atendente pelo corredor. Ela abre a porta de uma sala, onde um enfermeiro negro está sentado olhando o celular.

RECEPCIONISTA

Jorge, tem um moço aqui querendo doar sangue.

Jorge

Ué, só amanhã.

RECEPCIONISTA

Ele quer muito e gostaria de dar um bom agrado se a gente pudesse fazer hoje.

JOAQUIM

Eu vou viajar amanhã para fora do Brasil e não queria ir sem fazer isso. Tem um amigo que vai fazer uma cirurgia amanhã e se ele precisar de sangue para uma emergência eu me sentiria muito mal. E eu sou O negativo, como ele.

RECEPCIONISTA

(deixando Jorge ver o maço de dinheiro)

Vai lá, Jorge, não custa. A gente pode dividir a responsabilidade. E ele é O negativo, é? Isso é raro, né?

JORGE

Está bom. Vamos na sala alí do lado.

Ao entrar na sala, Joaquim emite seu tentáculo, como um chicote, envolvendo e imobilizando o enfermeiro. O tentáculo tem um metro de comprimento e é uma projeção parecida com uma serpente com estrutura óssea e musculatura. Em sua ponta, Joaquim colocou uma de suas presas e uma pequena ventosa para sugar sangue.tenta usá-la para picar a vítima, mas a coordenação física do tentáculo não está refinada.

O ataque pega o homem de surpresa, o qual dá um grito, quando a presa se vê circundado pelo tentáculo. Antonio se assusta e avança sobre o enfermeiro tentando imobilizá-lo. Anderson fixa seus olhos nos do homem e ordena que ele se cale, mas sem sucesso. Antonio quebra o pescoço do homem.

ANTONIO

O que foi isso? Que coisa nojenta é essa, Joaquim? Para quê isso? Eu subornei a mulher e o cara para ser tudo discreto.

Enquanto isso Joaquim morde e começa a sugar o sangue do enfermeiro. O tentáculo se move freneticamente, enquanto o próprio corpo de Joaquim parece estremecer, parecendo uma fera se alimentando.

ANTONIO

Anderson, pegue os sacos de sangue. Nós viemos só para isso. Eu pensei que a ideia de discrição estava implícita. Anderson, tem como verificar se foi filmado?

ANDERSON

Aqui, não.

ANTONIO

Lá fora também.

ANDERSON

Quer que faça agora? Pode ser que tenham registrado o lance do dinheiro.

Após cerca de um minuto, Joaquim parece finalmente se controlar. Ele está com o rosto e roupa sujos de sangue, ao passo que Antonio o olha com reprovação.

ANTONIO

Você poderia avisar ANTES de tomar umas atitudes como essa. Afinal, somos ou não uma equipe.

JOAQUIM

Eu estava querendo ser rápído.

ANTONIO

Mas você acabou pondo todos em risco.

JOAQUIM

Que se foda. Conseguiu o saco? Deixa eu ver se é isso aí mesmo. Porra, Anderson, você está pegando bolsa de sangue vazia e cheia.

ANDERSON

Não era isso? Qual é para pegar?

joaquim e ANTONIO

Vazio!

ANDERSON

Quer que eu esvazie?

ANTONIO

Esvazia? Como assim? tem anticoagulante aí dentro.

Joaquim confere as bolsas de sangue e verifica que Anderson havia pegado nove sacos com sangue cheios e três vazios.

JOAQUIM

Puta merda. Só três sacos vazios. Que merda. Devem estar guardados em outro lugar. vamos lá perguntar para a mulher.

ANTONIO

Que isso?!? Você está louco. Ela é só uma atendente. Ela nem sabia a diferença entre os tipos sanguíneos.

JOAQUIM

Peraí, tem o que ele separou para minha suposta doação. então temos quatro. Já tem o suficiente.

ANDERSON

Vamos levar esses cheios?

JOAQUIM

Não, deixa aí. sair aí com cheiro de sangue vai dar bandeira.

Antonio olha para Joaquim, cujo rosto e roupas estão ensopados em sangue. E balança a cabeça negativamente. Anderson acompanha o olhar de Antonio e, após se entreolharem, apanha as bolsas cheias de sangue também.

Joaquim começa a procurar por algo nas prateleiras até encontrar alguns fracos de eparina, os quais guarda no bolso da bermuda.

Anderson acessa a rede local, buscando desativar e apagar os registros das câmeras de segurança.

Saem pela Recepção, levando as bolsas de sangue. A recepcionista se assusta com as roupas ensanguentadas de Joaquim, mas atônita entre a possibilidade de um crime ter acontecido e a possibilidade de ser envolvida fica sem reação, enquanto eles se afastam.

Os três vampiros retornam ao motel onde estão se escondendo e começam a tentar fechar os últimos aspectos da caça ao lobisomem. Anderson programa todos os celulares do grupo para que possa acompanhar a localização de cada membro do bando.

 

Link permanente para este artigo: http://culturadigital.br/roteiro/2017/03/20/sangue/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>


*

Pular para a barra de ferramentas