Imprimir Página

Sobre o Rio de Janeiro

Rio de Janeiro (“Rio” ou “Cidade Maravilhosa”)

 

O Rio de Janeiro é a segunda maior cidade brasileira, bem como uma das maiores da América do Sul.

Rio by Night

O Rio de Janeiro é uma cidade de contradições para o mundo dos vivos e dos não-vivos. Para muitos estrangeiros, seu nome é sinônimo de luxúria sibarita, e o mesmo vale para muitos seres do Mundo das Trevas. A pobreza de boa parte de seus sete milhões de pessoas é surpreendente, e toneladas de poluentes e resíduos humanos são despejados em sua pitoresca Baía de Guanabara a cada dia.

O Rio é um importante centro financeiro e um ponto focal para negócios e comércio interno e externo do Brasil. Muitas sedes de empresas da América do Sul estão localizados na cidade, e a maioria das empresas estrangeiras têm a sua sede principal dentro dos limites da cidade. As portas de entrada aéreas são o Aeroporto Internacional do Galeão (nas proximidades da Ilha do Governador) e o Aeroporto Santos Dumont.

Ex-capital do Brasil, o Rio de Janeiro passou 35 anos em uma espécie de lassidão luxuosa. Suas classes altas viveram o esplendor imperial, e posteriormente se tornou capital cultural do país e manteve-se firmemente apoiada em uma indústria de turismo florescente, a partir da década de 1950, promovendo um potpourri de brilho de boates, discotecas e festivais.

Muitos vampiros e criaturas do mundo das trevas migraram para Rio, entre os inúmeros turistas, sob a crença de que a alimentação no Rio é farta e, praticamente, sem esforço. E se a elegante sedução dos inocentes falhar, vampiros de paladares menos exigentes sempre podem caminhar até extensões de favelas miseráveis do Rio de Janeiro e arrastar vítimas sem rosto para fora de barracos.

Gratiano

Gratiano de Verronese, Arcebispo do Rio de Janeiro (VTM: Clan Lasombra Trilogy 2: Shadows Bullet-fiction , p. 157, 214-215)

A influência Lasombra no Rio remonta à descoberta do local de Gonçalo Coelho; quando o lendário arcebispo Gratiano de Verronese, do tempo de Monçada, financiou a expedição de Coelho. O clã Toreador chegou escassas décadas mais tarde, com os primeiros huguenotes exilados para construir um assentamento permanente ao longo da baía. Quando ouro e pedras preciosas começaram a fluir através da cidade do Rio, vindas de Minas Gerais, na década de 1690, os dois clãs se enfrentaram de forma intermitentemente. Com o dinheiro, no entanto, vieram as guerras reais. Guerras que duraram até 1807, em escalas ora mais intensas, ora políticas. A chegada da corte portuguesa, exilada no Brasil fugindo de Napoleão, veio dar nova dimensão ao conflito. O influxo de poderosos integrantes dos dois clãs levaram o conflito para um beco sem saída rapidamente. Ao mesmo tempo, a crescente riqueza da cidade e a fixação da população transitória fez com que surgisse um estranho amálgama da mentalidade cainita europeia com traços culturais brasileiros, culminado em um exótico acordo de “paz”, que ainda causa estranheza para outras culturas e ao mesmo tempo uma noção muito atraente. Eventualmente, a PAX CARIOCA (trégua entre seitas) se transforma em algo que apresenta semelhanças ocasionais de uma aliança, com base no princípio sagrado de não perturbar a galinha dos ovos de ouro (e esmeralda) do outro.

Assim, foi firmada a PAX CARIOCA no Rio, fato inédito em qualquer outro lugar do mundo. Os Lasombra do Sabá e os Toreador da Camarilla fizeram desta paz silenciosa, não formalizada um realização que causa curiosidade e receio entre a sociedade cainita mundial. A cidade tem sido tacitamente declarada como um cidade livre (“Carnaval Kindred”), mantendo-se fora das guerras entre seitas e da Jyhad. Todos os vampiros são bem-vindos ao Rio, desde que eles deixem suas políticas por trás pela duração da sua estadia. Isso não quer dizer que o Rio seja seguro para os vampiros. O pacto tácito, prevê também condições e regras tácitas, das quais os visitantes raramente tem conhecimento, mas se um vampiro matar outro aqui, é muito mais provável que seja por razões de negócios – ou lazer – do que para obter ganhos políticos.

Os vampiros de todos os matizes passeiam pelos caminhos tórridos do Rio de Janeiro, mas determinados clãs são predominantes. Os Lasombra e Toreador ainda dominam no Rio. Suas área de atuação são bem demarcadas pelo estilo e elegância de algumas regiões e as áreas mais mais sóbrias e violentas de outras. Os Brujah também andam em abundância; com destaque para uma gangue formada por descendentes de escravos e outra por remanescentes das noites de revolução das resistências ao Regime Militar. Os clãs Setitas e Tremere costumam enviar estudiosos à cidade, atraídos pelos cultos afrobrasileiros da umbanda e cultos de sangue secretos criados por cainitas a partir da miscigenação de ritos taumatúrgicos e koldúnicos com o candomblé em terreiros do Rio. Alguns Malkavianos também são vistos pelas ruas em noite desenfreadas e seus excessos são ignorado pelo rebanho que em geral ignora ou ri de suas insanidades. Alguns Tremere costumam escapulir, através das sombras, em ações de espionagem, enquanto Assamitas costumam usar a cidade como ponto de encontro temporário para a venda de seus serviços. Os ToreadorSetitas exercem certa influência sobre a área de entretenimento, sendo os primeiros influentes mais no mainstream, enquanto os segundos prevalecem nas ofertas de diversão dos becos escuros e regiões marginais, oferecendo diversões para satisfazer a todo e qualquer gosto, com destaque para os ilícitos. Os Brujah e Assamitas podem ser encontrados, com interesses comuns, como assassinos ou estudantes de artes marciais brasileiras a capoeira  e o jiu-jitsu brasileiro. Os Lasombra dominam absolutamente o crime organizado, com disputam internas entre suas facções, além de exercer grande influência na política da Cidade. Entretanto, a arena política começou a ser disputada pelos Toreador, que passaram a exercer influência a partir de 2009, quando o prefeito Eduardo Paes assume a Prefeitura do Rio de Janeiro.

Para a população mortal de Rio, o Carnaval é o lendário festival que acontece quatro dias antes da Quarta-feira de Cinzas; para os vampiros, o Carnaval é algo totalmente diferente. É o código oficial do Rio, imposta por vampiros com séculos de idade que, talvez cansados das guerras de sua espécie, fizeram da cidade um parque de diversões. Em uma cidade onde a violência percorre as ruas para em excessos, principalmente nos bairros mais pobres, há certamente muito alimento para os mais diversos cainitas. A cidade é um porto livre de mercadorias e serviços vampíricos, onde os negócios podem ser fechados e acordos podem ser feitos longe dos olhos vigilantes dos anciãos das seitas. É no Rio que um Toreador pode contratar um Tzimisce para moldar seu ou sua amante dos sonho, ou um Lasombra devoto pode rezar para a estátua do Cristo Redentor, no Corcovado, ao lado de um Gangrel andarilho.

Como se poderia esperar, tais liberdades vêm com um bom preço. Enquanto as linhas de batalha da Jyhad foram temporariamente apagada aqui, para muitos vampiros isto simplesmente significa que agora seu próprio lado pode tentar agir sem retribuição, o que não é bem verdade, pois alguns Esquadrões da Morte vagam pela cidade. Na verdade, são gangues de mercenários de caça a outros parentes de sua espécie, tendo muitas vezes “laços de sangue”, estando disponíveis a qualquer pessoa disposta a contratá-los. Outro tipo de Esquadrão da Morte são as gangues de vigilância da PAX CARIOCA. Estas não são oficiais, nem conhecidas explicitamente pelos vampiros, que na verdade não demonstram interesse algum em conhecê-las, mas dizem os boatos que tanto a Camarilla, quanto o Sabbat mantém um esquadrão de vigilantes da PAX, com ciência e aprovação tácita dos seus respectivos Príncipe e Arcebispo. Ninguém, entretanto, revela ter provas do fato.

Outra particularidade do Rio, foi o surgimento do Conselho Tríplice, formado pelo Arcebispo do Sabbat, pelo Príncipe da Camarilla e por uma criatura conhecida apenas pelo nome, Otávia, cuja origem sobrenatural é desconhecida. O conselho é raramente evocado e funciona como um Tribunal para qualquer questão que ultrapasse as seitas. Ao que se sabe, o Conselho pode ser evocado apenas no caso de um “Carnival contractu”, ou seja, um contrato formulado durante o carnaval e cujas partes solicitem sua guarda pelo Conselho. Ao fazer isso, as partes concordam que a parte que descumprir o contrato receberá como pena a sentença de morte e uma caçada de sangue será divulgada a todo o mundo. Obviamente, ouve-se que se o Conselho foi acionado duas ou três vezes nestes muitos séculos, teria sido muito. Por outro lado, o Conselho representa uma poderosa sombra sobre a cidade, que faz com que independentes e visitantes tenham cautela mesmo fora do Carnaval, pois um enorme potencial de retaliação paira como guardiã da PAX CARIOCA. Ainda assim, isso é parte da alegria e magia do Rio.

Os vampiros de qualquer seita são bem-vindos à cidade do Rio de Janeiro, desde que eles sejam capazes de esquecer a política durante a sua estadia. A cidade tornou-se algo como uma estância de férias para os mortos-vivos, uma vez que multidões de turistas e favelas oferecer mais do que suficiente sustento. Graças à variedade impressionante de clãs passando na cidade, um Cainita específico poderia tomar muito tempo para que pudesse ser encontrado no Rio.

Rumores dizem que um vampiro do oriente, chamado Tigre-Demômio estaria iniciando um movimento para expandir seu território para a América do Sul. Um de seus bodhisattvas teria se mudado para o Rio de Janeiro, coordenando e facilitando a imigração de chineses e coreanos, para formar sua base de operações na sociedade humana, mas ninguém sabe onde e quais são os objetivos específicos desta migração no Mundo das Trevas.

Residentes sobrenaturais de destaque

  • Gratiano de Veronese, arcebispo do Sabbat.
  • A Inquisidora do Sabbat conhecida como Mercy (nome de batismo Alessandra) nasceu no Rio de Janeiro, onde foi abraçada. Atualmente, atua ao redor do mundo juntamente com a Inquisição do Sabbat.
  • Otávia, Ananasi.
  • Suarez, foi apontado em alguns elísios norte-americanos como sendo o Príncipe do Rio de Janeiro, em torno de 1942, o que foi uma informação falsa.

Dados oficiais da cidade do Rio de Janeiro

Do alto, da esquerda para a direita: Cristo Redentor, praia de Botafogo, panorama do centro da cidade, Ponte Rio-Niterói, Estádio do Maracanã e panorama da Barra da Tijuca vista a partir da Pedra da Gávea.

Do alto, da esquerda para a direita: Cristo Redentor, praia de Botafogo, panorama do centro da cidade, Ponte Rio-Niterói,Estádio do Maracanã e panorama da Barra da Tijuca vista a partir da Pedra da Gávea.

Rio de Janeiro (frequentemente referida simplesmente como Rio) é um município brasileiro, capital do estado homônimo, situado no Sudeste do país. Maior destino turístico internacional no Brasil, da América Latina e de todo o Hemisfério Sul, a capital fluminense é a cidade brasileira mais conhecida no exterior, funcionando como um “espelho”, ou “retrato” nacional, seja positiva ou negativamente. É a segunda maior metrópole do Brasil (depois de São Paulo), a sexta maior da América e a trigésima quinta do mundo. Tem o epíteto de Cidade Maravilhosa e aquele que nela nasce é chamado de carioca. Parte da cidade foi designada Patrimônio Cultural da Humanidade, com o nome “Rio de Janeiro: Paisagem Carioca entre a Montanha e o Mar”, classificada pela UNESCO em 1 de julho de 2012.

É um dos principais centros econômicos, culturais e financeiros do país, sendo internacionalmente conhecida por diversos ícones culturais e paisagísticos, como o Pão de Açúcar, o morro do Corcovado com a estátua do Cristo Redentor, as praias dos bairros de Copacabana, Ipanema e Barra da Tijuca (entre outros), o Estádio do Maracanã, o Estádio Nilton Santos, o bairro boêmio da Lapa e seus arcos, o Theatro Municipal do Rio de Janeiro, as florestas da Tijuca e da Pedra Branca, a Quinta da Boa Vista, a Biblioteca Nacional, a ilha de Paquetá, o réveillon de Copacabana, o carnaval carioca, a Bossa Nova e o samba.

Brasão do Rio de Janeiro

Brasão do Rio de Janeiro

Representa o segundo maior PIB do país, estimado em cerca de 140 bilhões de reais (IBGE/2007), e é sede das duas maiores empresas brasileiras – a Petrobras e a Vale, e das principais companhias de petróleo e telefonia do Brasil, além do maior conglomerado de empresas de mídia e comunicações da América Latina, as Organizações Globo. Contemplado por grande número de universidades e institutos, é o segundo maior polo de pesquisa e desenvolvimento do Brasil, responsável por 19% da produção científica nacional, segundo dados de 2005, com destaque para a Universidade Federal do Rio de Janeiro.

O Rio de Janeiro é considerado uma cidade global beta – pelo inventário de 2008 da Universidade de Loughborough (GaWC).

Bandeira do Rio de Janeiro

Bandeira do Rio de Janeiro

Foi, sucessivamente, capital do Estado do Brasil (1621-1815), uma colônia do Império Português, desde 1763 até 1815, depois do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves(1815-1822), do Império do Brasil (1822-1889) e da República dos Estados Unidos do Brasil (1889-1968) até 1960, quando a sede do governo foi transferida para a recém construída Brasília.

 

Aniversário 1° de março
Fundação 1 de março de 1565 (451 anos)
Gentílico carioca
Localização
Localização do Rio de Janeiro
Localização do Rio de Janeiro no Rio de Janeiro

 

Rio de Janeiro

Localização do Rio de Janeiro no Brasil

Características geográficas
Área 1 197,463 km²
População 6 498 837 hab. –  IBGE/2016
Densidade 5 427,17 hab./km²
Altitude 2 m
Clima Tropical atlântico Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,799 (RJ: 2º) – alto PNUD/2010
PIB R$ 282 538 827 mil (BR: 2º) – IBGE/2013
PIB per capita R$ 43 941,25 IBGE/2013
Página oficial
Prefeitura www.rio.rj.gov.br
Câmara www.camara.rj.gov.br

Link permanente para este artigo: http://culturadigital.br/roteiro/sobre-o-rio-de-janeiro/

Pular para a barra de ferramentas