Últimos Posts

  • Colegiado de Artes Visuais debate novas diretrizes para o setor

    0 comentários

    por: conferencianacional, em Sem categoria no dia 08/06/2010

    Reunido em Brasília nos dias 26 e 27 de maio, o Colegiado de Artes Visuais (CSAV) discutiu propostas e ações para a área, além de definir seus representantes no Plenário do Conselho. O encontro aconteceu durante a 4ª Reunião Ordinária dos Colegiados Setoriais do Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC), que teve na pauta temas como o Fundo Nacional de Cultura e os Fundos Setoriais.

    Acompanhe, abaixo, as principais deliberações do setor:

    1. Eleição dos representantes do CSAV para o Plenário do CNPC. Foram eleitos, por consenso, como membros titular e suplente do Plenário do CNPC, Charles Narloch e Dyógenes Chaves, respectivamente.

    2. Eleição do representante do CSAV para o Comitê do Fundo Setorial de Artes Visuais. Após amplo debate e conhecimento da proposta de regimento interno da Comissão Nacional do Fundo Nacional de Cultura, o CSAV entendeu que, embora a proposta de regimento indique a ocupação preferencial destas vagas por membros da plenária do CNPC, torna-se importante a divisão de tarefas e responsabilidades dos membros do Conselho junto às instâncias dos Colegiados, legitimados nas Pré-Conferências Setoriais. Assim, o CSAV delibera por encaminhar ao CNPC a indicação de três nomes para ocupar as vagas previstas no referido Comitê, por ordem prioritária, a saber: Paula Trope, Rosa Melo e André Venzon. Caso o CNPC atenda ao pleito deste Colegiado, solicita que os suplentes sejam indicados posteriormente, pelo CSAV.

    3. Proposta de estruturação do Fundo de Artes Visuais. O CSAV reconhece a importância e enaltece a iniciativa do MinC na consolidação imediata de um fundo específico para as artes visuais, em reconhecimento à produção brasileira e suas enormes demandas, que carecem de investimentos públicos destinados de maneira mais justa e coerente.  Quanto ao funcionamento proposto para o Fundo Setorial de Artes Visuais, o CSAV manifesta sua preocupação com as atribuições propostas para a Comissão Nacional do Fundo Nacional de Cultura – CNFNC e para o Comitê Técnico do Fundo Setorial de Artes Visuais, principalmente no que diz respeito à elaboração do plano de trabalho anual, por entender que pode haver sobreposição às atribuições do CSAV, instância legitimada, junto ao CNPC, para propor o planejamento de ações previstas no Plano Nacional de Cultura. Com relação aos representantes dos Comitês, o CSAV reitera a importância de que sejam priorizados membros dos colegiados para a composição da parte que cabe à sociedade civil.

    Quanto aos recursos destinados ao Fundo Setorial e sua utilização, o CSAV sugere que no mínimo 80% (oitenta por cento) seja distribuído por meio de editais específicos, novos ou já existentes, e que o restante seja utilizado para convênios que contemplem projetos de grande reverberação ao desenvolvimento das artes visuais em todas as regiões brasileiras, analisados e deliberados pelo CSAV/CNPC, voltados a museus e/ou instituições de caráter público ou público-privado. Entre os editais devem ser contemplados projetos de estímulo à produção, exposição e circulação de obras e processos artísticos, catalogação e conservação de coleções de artistas brasileiros, infra-estrutura de museus de arte e instituições museológicas, bibliotecas especializas em artes visuais, programas de aquisição de acervos de artes visuais para instituições públicas ou público-privadas, e manutenção, estímulo e continuidade de iniciativas e circuitos independentes, dentre outras.

    4. Revisão da minuta do Plano Setorial de Artes Visuais. Seguindo cronograma proposto pela Secretaria de Políticas Culturais do MinC, o CSAV solicita à Direção de Artes Visuais da Funarte a organização e realização de uma reunião de três dias, no Rio de Janeiro (RJ), em julho de 2010, especificamente para a revisão do documento original proposto pelos membros da gestão anterior do Colegiado e reavaliação/atualização do documento sistematizado pelo MinC. Como atividade seguinte, em agosto, o CSAV sugere que o documento revisado seja submetido a consultas públicas nas cinco regiões do país, ouvindo a comunidade e especialistas locais e garantindo/viabilizando a presença dos membros do CSAV que residem na região. Finalmente, na reunião ordinária do CSAV prevista para o mês de setembro, os membros do CSAV solicitam que haja um momento específico para o fechamento do documento.

    5. Grupo de Trabalho de Artes Visuais junto ao Ministério da Cultura. O CSAV solicita, como prioridade, a participação de dois representantes deste Colegiado no Grupo de Trabalho de Artes Visuais do Ministério da Cultura, especificamente na discussão do Estatuto das Artes Visuais, em consonância com o que foi sinalizado na primeira reunião deste Colegiado com o Sr. Ministro da Cultura, Juca Ferreira, em marco de 2010, quando foi pautada esta necessidade urgente de interlocução. Para tanto, o CSAV indica os seguintes membros do seu plenário: Paula Trope, Luiz Carlos de Carvalho, Fernanda Magalhães e Denise Bandeira.

    6. Outros Grupos de Trabalho e Comitês. O CSAV reivindica ao Ministério da Cultura a participação de representantes deste Colegiado como interlocutores nos Grupos de Trabalho e comitês de elaboração de projetos, prêmios e editais, assim como em outros programas que tratam das artes visuais nas Secretarias e Órgãos do MinC (IPHAN, IBRAM, FUNARTE, SID), bem como em programas afins em outros Ministérios (MEC, Min. do Turismo e outros).

    Membros presentes na Reunião:

    André Venzon
    Charles Narloch
    Denise Bandeira
    Dyógenes Chaves
    Janaína Garcia
    José Serafim Bertoloto
    Luiz Carlos de Carvalho
    Magna Domingos
    Maria Fernanda Vilela de Magalhães
    Newton Goto
    Paula Trope
    Rosa Melo
    Tana Halú Silva

  • Relatório da Pré-Conferência

    0 comentários

    por: Maria Cristina Martins, em Sem categoria no dia 18/03/2010

    Confira o relatório da Pré-Conferência de Artes Visuais, realizada em Brasília entre os dias 07 e 09 de março de 2010:

    I – FICHA DE QUALIFICAÇÃO:

    1. DATA: 07 a 09 de março de 2010
    2. UF: DF
    3. ÁREA ARTÍSTICA OU DE PATRIMÔNIO: Artística
    4. LOCAL DE REALIZAÇÃO: Brasília – Esplanada dos Ministérios
    5. Nº DELEGADOS SOCIEDADE CIVIL (ESTADUAIS + NATOS): 61
    5. Nº DELEGADOS PODER PÚBLICO (ESTADUAIS + FEDERAIS): 09
    5. Nº CONVIDADOS: 04
    5. Nº OBSERVADORES: 03

    II – FICHA DE QUALIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL:

    1. NOME COORDENADOR SETORIAL: Izabel Costa
    2. SECRETARIA/VINCULADA: Fundação Nacional de Artes

    III – ATA DE REALIZAÇÃO:

    Dia 08/03/2009

    Iniciaram-se os trabalhos às 10h, com uma apresentação geral dos participantes, seguida de fala institucional do diretor do Centro de Artes Visuais da Funarte, Ricardo Resende, e exposição sobre a metodologia do encontro, realizada pela coordenadora da Pré-Conferência Setorial de Artes Visuais, Izabel Costa.

    Em seguida, foi realizada a leitura do regimento interno da Pré-Conferência, já aprovado pela instância do Conselho Nacional de Políticas Culturais (CNPC). Realizou-se longo debate acerca do artigo 7º, que versa sobre a distribuição das vagas para o Colegiado Setorial de Artes Visuais, centrado na questão da adequação ou não da divisão por segmento de atuação à realidade do setor. Realizaram-se falas favoráveis e contrárias a tal divisão. Porém Marcelo Veiga, da Secretaria de Políticas Culturais, da equipe de organização, explicou à plenária que não havia possibilidade de alteração do regimento, dada sua aprovação pelo CNPC, a não ser na forma como seria realizada a eleição. Por ampla maioria, não sendo necessária a contagem dos votos, os delegados presentes deliberaram pela realização de eleição aberta, durante a plenária final.

    O período da tarde foi dedicado às discussões nos grupos de trabalho relativos aos eixos temáticos, espaços de elaboração das propostas a serem apresentadas aos participantes durante a plenária final.

    Às 8h40, já findos os debates dos grupos de trabalho, os participantes tornaram a se reunir em plenária para escolherem conjuntamente os 10 delegados do setor para a II Conferência Nacional de Cultura (II CNC). Foi adotado o critério estabelecido pelo regimento interno, que prevê 2 delegados por macrorregião brasileira. Os delegados escolhidos, aclamados pelos presentes, são os listados abaixo:

    Região Sul

    Titulares:
    Neiva Bohns
    Newton Rocha Filho (Goto)

    Suplente:
    Fernanda Magalhães

    Região Sudeste

    Titulares:
    Tibério França
    Paula Trope

    Suplentes:
    Luiz Carlos de Carvalho e Silva
    Janaína Garcia

    Região Centro-Oeste

    Titulares:
    Zilda Barradas
    Wagner Barja

    Não houve suplentes

    Região Nordeste

    Titulares:
    Sandra Vasconcelos
    Rosa Melo

    Suplentes:
    Flávio Lopes
    Lúcia França

    Região Norte

    Titulares:
    Dércio Damaceno
    Maria Christina Barbosa

    Suplentes:
    Lígia Barros
    Tana Halú

    Dia 09/03/2009

    Os trabalhos tiveram início com a apresentação das propostas construídas pelos grupos de trabalho dos eixos temáticos da Pré-Conferência.

    O eixo 1, “Produção Simbólica e Diversidade Cultural”, produziu as seguintes propostas de estratégia:

    1) Reconhecer a importância da produção simbólica das Artes Visuais na construção da identidade e cidadania, valorizando-a com ações de formação e informação continuadas, incluindo a educação formal e informal, garantindo a circulação da produção de seus conteúdos em todas as mídias.

    2) Fomentar a experimentação em artes visuais, comportando todas as linguagens, técnicas e suportes, por meio de programas e projetos específicos para ampliação de público e políticas públicas de estímulo à produção, estabelecendo:

    – Resgate, preservação, pesquisa e construção de banco de dados da produção de artistas e práticas artísticas;
    – Apoio à criação e difusão da arte, através de bolsas e editais de âmbito nacional;
    – Redes de trocas de informações e realizações artísticas com intercâmbios e residências dentro e fora do país;
    – Implantação de centros de referência em formação, informação e produção das Artes Visuais em todos os estados.

    Por ampla maioria foi eleita a proposta 2 para ser levada à II Conferência Nacional de Cultura.

    Do eixo 2, “Cultura, Cidade e Cidadania”, saíram as propostas abaixo:

    1) Consolidar o Colegiado Setorial de Artes Visuais por meio da criação de infraestrutura com destinação de recursos para que os conselheiros circulem em todas as regiões brasileiras, no sentido de divulgar e dialogar sobre a formulação e implementação das políticas públicas do setor de artes visuais.

    2) Criar ouvidoria, acessível por telefone e internet em todas as instituições do Sistema Minc para que haja uma interlocução com a sociedade civil.

    A proposta 1, após sofrer uma alteração – substituição da palavra “criação” por “garantia” – foi eleita por ampla maioria, ficando assim:

    1) Consolidar o Colegiado Setorial de Artes Visuais por meio da garantia de infraestrutura com destinação de recursos para que os conselheiros circulem em todas as regiões brasileiras, no sentido de divulgar e dialogar sobre a formulação e implementação das políticas públicas do setor de artes visuais.

    Os participantes do eixo 3, “Cultura e Desenvolvimento Sustentável”, construíram apenas uma proposta:

    Identificar, catalogar, fomentar, incentivar e capacitar artistas, produtores, pesquisadores e promotores das artes visuais contemplando a diversidade individual, coletiva e de criatividade. Desenvolver estas cadeias produtivas por intermédio de políticas públicas inclusivas, afirmativas, abrangentes e específicas.
    Decorrente das ações acima propostas criar, reestruturar e ativar espaços próprios para o desenvolvimento dos trabalhos deste segmento em todos os municípios do Brasil, assegurando a preservação da memória cultural produzida por cada município e a integração destes espaços através da construção de uma rede de informação virtual. Proporcionando a integração e o intercâmbio entre a produção regional e brasileira no campo das artes visuais, garantindo os direitos e o acesso aos bens culturais, resultando na organização e realização de um Festival Nacional de Artes Visuais, anualmente.

    Esta proposta foi aprovada por ampla maioria, porém sofreu alterações antes, ficando assim:

    Identificar, catalogar, fomentar, incentivar e capacitar artistas, produtores, pesquisadores e promotores das artes visuais, contemplando a diversidade individual, coletiva e de criatividade. Desenvolver estas cadeias produtivas por intermédio de políticas públicas inclusivas, afirmativas, abrangentes e específicas, possibilitando, assim, criar, reestruturar e ativar espaços próprios para o desenvolvimento dos trabalhos deste segmento em todos os municípios do Brasil, assegurando a preservação do patrimônio cultural e natural de cada município e a integração destes espaços através da construção de uma rede de informação virtual.

    O Eixo 4, “Cultura e Economia Criativa”, identificou as seguintes prioridades:

    1) Criar incubadoras voltadas à economia criativa, para o segmento das artes visuais, com pelo menos um pólo em cada macrorregião do país, vinculadas ao Ministério da Cultura (MinC), que visem à formação artística, técnica e de gestão cultural. Requalificar os espaços culturais públicos já existentes e fomentar a criação de novos, contemplando também os espaços independentes geridos por grupos autônomos. Deverão ser asseguradas cotas de recursos anuais do poder público para a manutenção dos mesmos, assim como para divulgação, reflexão, residências artísticas e intercâmbio entre os espaços.

    2) Ampliar o acesso da população aos bens e conteúdos artísticos a partir de troca de acervos já existentes em instituições públicas brasileiras, e também com a aquisição e formação de novos acervos de arte contemporânea em nível nacional (incluindo coleções de vídeo, arquivos documentais e digitais), possibilitando, assim, sua circulação com estratégias locais de exibição, requalificando os espaços para a recepção dessas obras e a mão de obra técnica envolvida, alem da criação de novos espaços e da melhoria qualitativa das reservas técnicas.

    Dentre as estratégias apontadas, foi eleita como prioritária, por ampla maioria, a proposta 1.

    Para finalizar, no Eixo 5, “Gestão e Institucionalidade da Cultura”, foram apontadas as propostas abaixo:

    1) Fortalecer a gestão das políticas públicas para as Artes Visuais, por meio da ampliação das capacidades de planejamento e execução de metas, a articulação das esferas dos poderes públicos, o estabelecimento de redes institucionais das três esferas de governo e a articulação com instituições e empresas do setor privado e organizações da sociedade civil e do aprimoramento dos mecanismos de participação social nos processos de elaboração, implementação, acompanhamento e avaliação destas políticas.

    2) Ampliar e desconcentrar os investimentos em produção, difusão e fruição em artes visuais, com vistas ao equilíbrio entre as diversas fontes e à redução das disparidades regionais e desigualdades sociais, assim como ampliar o reconhecimento e a apropriação social da diversidade da produção artística brasileira, por meio de políticas de capacitação e profissionalização, pesquisa, difusão e formação de público, apoio à inovação de linguagem, estímulo à produção e circulação, formação de acervos e repertórios e promoção do desenvolvimento das atividades econômicas correspondentes.

    Por ampla maioria, foi eleita como prioritária a proposta 2.

    Dessa forma, as propostas do setor de artes visuais que seguem para análise na II CNC são:

    1) Fomentar a experimentação em artes visuais, comportando todas as linguagens, técnicas e suportes, por meio de programas e projetos específicos para ampliação de público e políticas públicas de estímulo à produção, estabelecendo:
    – Resgate, preservação, pesquisa e construção de banco de dados da produção de artistas e práticas artísticas;
    – Apoio à criação e difusão da arte, através de bolsas e editais de âmbito nacional;
    – Redes de trocas de informações e realizações artísticas com intercâmbios e residências dentro e fora do país;
    – Implantação de centros de referência em formação, informação e produção das Artes Visuais em todos os estados.

    2) Consolidar o Colegiado Setorial de Artes Visuais por meio da garantia de infraestrutura com destinação de recursos para que os conselheiros circulem em todas as regiões brasileiras, no sentido de divulgar e dialogar sobre a formulação e implementação das políticas públicas do setor de artes visuais.

    3) Identificar, catalogar, fomentar, incentivar e capacitar artistas, produtores, pesquisadores e promotores das artes visuais, contemplando a diversidade individual, coletiva e de criatividade. Desenvolver estas cadeias produtivas por intermédio de políticas públicas inclusivas, afirmativas, abrangentes e específicas, possibilitando, assim, criar, reestruturar e ativar espaços próprios para o desenvolvimento dos trabalhos deste segmento em todos os municípios do Brasil, assegurando a preservação do patrimônio cultural e natural de cada município e a integração destes espaços através da construção de uma rede de informação virtual.

    4) Criar incubadoras voltadas à economia criativa, para o segmento das artes visuais, com pelo menos um pólo em cada macrorregião do país, vinculadas ao Ministério da Cultura (MinC), que visem à formação artística, técnica e de gestão cultural. Requalificar os espaços culturais públicos já existentes e fomentar a criação de novos, contemplando também os espaços independentes geridos por grupos autônomos. Deverão ser asseguradas cotas de recursos anuais do poder público para a manutenção dos mesmos; assim como para divulgação, reflexão, residências artísticas e intercâmbio entre os espaços.

    5) Ampliar e desconcentrar os investimentos em produção, difusão e fruição em artes visuais, com vistas ao equilíbrio entre as diversas fontes e à redução das disparidades regionais e desigualdades sociais, assim como ampliar o reconhecimento e a apropriação social da diversidade da produção artística brasileira, por meio de políticas de capacitação e profissionalização, pesquisa, difusão e formação de público, apoio à inovação de linguagem, estímulo à produção e circulação, formação de acervos e repertórios e promoção do desenvolvimento das atividades econômicas correspondentes.

    Selecionadas as estratégias prioritárias, iniciou-se a apresentação dos candidatos para a composição do novo Colegiado Setorial de Artes Visuais.
    Na eleição para o novo Colegiado Setorial votaram apenas os delegados da sociedade civil e os membros do Colegiado Setorial então empossados, todos com o mesmo poder de voto.

    A primeira votação foi realizada sem considerar a área pela qual o candidato se inscreveu, com a participação de todos os delegados qualificados para o pleito. Seu objetivo foi o de identificar o candidato mais votado, que ocupa a primeira vaga disponível no Colegiado Setorial e também a representação no Conselho Nacional de Políticas Culturais. Abaixo, resumo da votação:

    Lígia Barros – 0 votos
    Cricilma Ferreira – 0 votos
    Dércio Damaceno – 2 votos
    Orlando Maneschy – 16 votos
    Tana Halu – 0 votos
    Felipe Judson – 1 voto
    Kelly Baeta – 0 votos
    Viviani Acioli – 1 voto
    Mariana Smith – 0 votos
    Marília de Laroche – 1 voto
    Lúcia França – 1 voto
    Aslan Cabral – 0 votos
    Rosângela de Melo (Rosa Melo) – 2 votos
    Paulo Marcolino (Pixote) – 1 voto
    Sanzia Barbosa – 4 votos
    Magna Domingos – 1 voto
    Odete Venâncio – 0 votos
    Zilda Barradas – 0 votos
    Tibério França – 0 votos
    Janaína Garcia – 0 votos
    Paula Trope – 1 voto
    Luiz Carlos de Carvalho – 1 voto
    Lívia martucci – 5 votos
    Fernanda Magalhães – 0 votos
    Denise Bandeira – 0 votos
    André Venzon – 0 votos
    Neiva Bohns – 0 votos
    Charles Narloch – 0 votos
    Yiftah Peled – 0 votos
    Alexandre Lambert – 0 votos
    Diógenes Chaves – 1 voto
    Ana Glafira – 0 votos
    Newton Rocha Filho (Goto) – 20 votos
    Wagner Barja – 0 votos
    Bruno Monteiro – 0 votos
    Serafim Bertolo – 0 votos
    José Álbio – 0 votos
    Luiz Gustavo Vidal – 0 votos

    Para as vagas regionais, sendo 1 vaga para cada região brasileira, a eleição foi realizada regionalmente, ou seja, candidatos de uma determinada região receberam votos apenas de delegados da respectiva região. Abaixo, registro da votação:

    Norte
    Lígia Barros – 3 votos
    Dércio Damaceno – 1 voto
    Orlando Maneschy – 10 votos
    Felipe Judson – 0 votos

    Nordeste
    Kelly Baeta – 0 votos
    Viviani Duarte – 5 votos
    Mariana Smith – 0 votos
    Marília de Laroche – 0 votos
    Paulo Marcolino (Pixote) – 2 votos
    Sanzia Brabosa – 9 votos
    Bruno Monteiro – 4 votos

    Centro-Oeste
    Magna da Silva – 5 votos
    Odete Venâncio – 0 votos
    Zilda Barradas – 0 votos
    Wagner Barja – 1 voto

    Sul
    Charles Narloch – 10 votos
    Suplente: Neiva Bohns – 2 votos

    Sudeste
    Lívia Martucci – 5 votos
    Janaína Garcia – 2 votos
    Alexandre Lambert – 1 voto

    Na eleição dos representantes dos segmentos de produção, mediação e artístico, sendo três representantes por segmento, votaram todos os delegados qualificados. Abaixo, o registro da votação:

    ÁREA ARTÍSTICA
    Cricilma Ferreira – 0 votos
    Tana Halu – 27 votos
    Lúcia França – 1 voto
    Aslan Cabral – 6 votos
    Paula Trope – 11 votos
    André venzon – 6 votos
    Yiftah Peled – 3 votos

    ÁREA DE PRODUÇÃO
    Rosângela de Melo (Rosa Melo) – 13 votos
    Denise Bandeira – 11 votos
    Tibério França – 21 votos
    Diógenes Chaves – 10 votos

    ÁREA DE MEDIAÇÃO
    Luiz Carlos de Carvalho – 16 votos
    Fernanda Magalhães – 10 votos
    Ana Glafira – 5 votos
    Serafim Bertoloto – 16 votos
    José Álbio – 0 votos
    Luiz Carlos Vidal – 7 votos

    Dessa forma, o novo Colegiado Setorial de Artes Visuais adquire a seguinte composição:

    Titulares: Orlando Maneschy, Sânzia Barbosa, Magna Domingos, Charles Narloch, Lívia Martucci, Tana Halú, Paula Trope, André Venzon, Tibério França, Rosa Melo, Denise Bandeira, Luiz Carlos de Carvalho, Serafim Bertoloto, Fernanda Magalhães e Newton Rocha Filho (Goto).

    Suplentes: Lígia Barros, Viviani Duarte, Wagner Barja, Neiva Bohns, Janaína Garcia, Aslan Cabral, Yiftah Peled, Lúcia França, Diógenes Chaves, Luiz Gustavo Vidal, Ana Glafira, José Albio e Dércio Damaceno.

    Observação: ao fim do processo eleitoral, o candidato Dércio Damaceno elegeu-se como suplente de Newton Rocha Filho (Goto), por ter sido o candidato mais votado na primeira votação entre aqueles que não ocuparam vagas de titulares nas eleições subsequentes. Essa primeira votação independente de área e região, que definiu a primeira vaga para o Colegiado, definiu também o representante do setor no CNPC.

    Antes do término da plenária, foram encaminhadas e aprovadas por ampla maioria duas moções de desagravo. A primeira manifesta que o documento distribuído como sendo a proposta de plano setorial das artes visuais não contemplava na integralidade a proposta construída pelas Câmaras Setoriais de Artes Visuais, revisada recentemente pelo Colegiado Setorial de Artes Visuais.

    A segunda moção aprovada registra a volta precoce para o estado de origem dos delegados do Acre, que, por terem seus vôos marcados pela produção do evento para a manhã do dia 09 de março, não puderam se fazer presentes na plenária final do setor.
    Por fim, foram aprovadas pela plenária duas propostas.

    A primeira refere-se a um pedido de reunião do Ministro da Cultura e do diretor do Centro de Artes Visuais da Funarte com os artistas, a ser organizada pela Funarte em todos os estados brasileiros, com a presença do Colegiado Setorial de Artes Visuais. A segunda, pede a inclusão imediata do mapeamento das artes visuais no Brasil no Portal das Artes, como já acontece com as áreas de teatro e dança.

    Após a aprovação das moções e das propostas citadas acima, foi encerrada a plenária às 13h50.

  • Delegados para a II CNC

    2 comentários

    por: Maria Cristina Martins, em Sem categoria no dia 12/03/2010

    Além da escolha das propostas prioritárias a serem levadas para a II Conferência Nacional de Cultura (II CNC) e da renovação do Colegiado Setorial de Artes Visuais, também foram tirados, durante a Pré-Conferência Setorial de Artes Visuais, os delegados que estão participando da II CNC. Confira os nomes dos dez representantes escolhidos, dois de cada região:

    Região Sul

    Titulares:
    Neiva Bohns
    Newton Rocha Filho (Goto)

    Suplentes:
    Fernanda Magalhães

    Região Sudeste

    Titulares:
    Tibério França
    Paula Trope

    Suplentes:
    Luiz Carlos de Carvalho e Silva
    Janaína Garcia

    Região Centro-Oeste

    Titulares:
    Zilda Barradas
    Wagner Barja

    Suplentes:

    Região Nordeste

    Titulares:
    Sandra Vasconcelos
    Rosa Melo

    Suplentes:
    Flávio Lopes
    Lúcia França

    Região Norte

    Titulares:
    Dércio Damaceno
    Maria Christina Barbosa

    Suplentes:
    Lígia Barros
    Tana Halú

  • Propostas eleitas como prioridades

    0 comentários

    por: Maria Cristina Martins, em Sem categoria no dia 10/03/2010

    Veja abaixo as propostas eleitas como prioridades pelos participantes da Pré-Conferência Setorial de Artes Visuais. Essas propostas serão levadas para a II Conferência Nacional de Cultura, que começa no dia 11 de março (quinta-feira), pelos delegados também eleitos durante a Pré-Conferência.

    Eixo 1 – Produção simbólica e diversidade cultural

    Fomentar a experimentação em artes visuais, comportando todas as linguagens, técnicas e suportes por meio de programas e projetos específicos para ampliação de público e políticas públicas de estímulo à produção, estabelecendo:
    – Resgate, preservação, pesquisa e construção de banco de dados da produção de artistas e práticas artísticas;
    – Apoio à criação e difusão da arte, através de bolsas e editais de âmbito nacional;
    – Redes de trocas de informações e realizações artísticas com intercâmbios e residências dentro e fora do país;
    – Implantação de centros de referência em formação, informação e produção das Artes Visuais em todos os estados.

    Eixo 2 – Cultura, cidade e cidadania

    Consolidar o Colegiado Setorial de Artes Visuais por meio da garantia de infraestrutura com destinação de recursos para que os conselheiros circulem em todas as regiões brasileiras, no sentido de divulgar e dialogar sobre a formulação e implementação das políticas públicas do setor de artes visuais.

    Eixo 3 – Cultura e desenvolvimento sustentável

    Identificar, catalogar, fomentar, incentivar e capacitar artistas, produtores, pesquisadores e promotores das artes visuais contemplando a diversidade individual, coletiva e de criatividade. Desenvolver estas cadeias produtivas por intermédio de políticas públicas inclusivas, afirmativas, abrangentes e específicas, possibilitando, assim, criar, reestruturar e ativar espaços próprios para o desenvolvimento dos trabalhos deste segmento em todos os municípios do Brasil, assegurando a preservação do patrimônio cultural e natural de cada município e a integração destes espaços através da construção de uma rede de informação virtual.

    Eixo 4 – Cultura e economia criativa

    Criar incubadoras voltadas à economia criativa, para o segmento das artes visuais, com pelo menos um polo em cada macrorregião do país, vinculadas ao Ministério da Cultura (MinC), que visem à formação artística, técnica e de gestão cultural. Requalificar os espaços culturais públicos já existentes e fomentar a criação de novos, contemplando também os espaços independentes geridos por grupos autônomos. Deverão ser asseguradas cotas de recursos anuais do poder público para a manutenção dos mesmos; assim como para divulgação, reflexão, residências artísticas e intercâmbio entre os espaços.

    Eixo 5 – Gestão e Institucionalidade da Cultura

    Ampliar e desconcentrar os investimentos em produção, difusão e fruição em artes visuais, com vistas ao equilíbrio entre as diversas fontes e à redução das disparidades regionais e desigualdades sociais, assim como ampliar o reconhecimento e a apropriação social da diversidade da produção artística brasileira, por meio de políticas de capacitação e profissionalização, pesquisa, difusão e formação de público, apoio à inovação de linguagem, estímulo à produção e circulação, formação de acervos e repertórios e promoção do desenvolvimento das atividades econômicas correspondentes.

  • Novo Colegiado Setorial de Artes Visuais

    0 comentários

    por: Maria Cristina Martins, em Sem categoria no dia 10/03/2010

    Foram eleitos, no dia 09 de março de 2010, durante a Pré-Conferência Setorial de Artes Visuais, os novos membros do Colegiado Setorial de Artes Visuais para os próximos dois anos. Veja os nomes:

    Titulares: Orlando Maneschy, Sânzia Barbosa, Magna Domingos, Charles Narloch, Lívia Martucci, Tana Halú, Paula Trope, André Venzon, Tibério França, Rosa Melo, Denise Bandeira, Luiz Carlos de Carvalho, Serafim Bertoloto, Fernanda Magalhães e Newton Rocha Filho (Goto).

    Suplentes: Lígia Barros, Viviani Duarte, Wagner Barja, Neiva Bohns, Janaína Garcia, Aslan Cabral, Yiftah Peled, Lúcia França, Diógenes Chaves, Luiz Gustavo Vidal, Ana Glafira, José Albio e Dércio Damaceno.

    A ata do evento será publicada em breve.

  • Programação oficial

    0 comentários

    por: Maria Cristina Martins, em Sem categoria no dia 05/03/2010

    Confira a programação oficial enviada pela coordenação das Pré-Conferências:

    Local: Esplanada dos Ministérios (em frente ao Museu Nacional)

    DIA 07/03/10

    14h às 18h – Credenciamento

    19h às 21h – Abertura Museu Nacional

    21h – Jantar

    DIA 08/03/10

    9h – Abertura Setorial

    10h – Aprovação do Regimento Interno

    11h – Grupos Temáticos (discussão de conteúdos)

    12h – Almoço

    14h – Grupos Temáticos (elaboração de estratégias)

    16h – Intervalo

    17h – Grupos Temáticos (definição das estratégias prioritárias)

    19h – Jantar

    20h – Encontro de Delegados Regionais para a II CNC

    DIA 09/03/10

    8h às 12h – Eleição dos Colegiados Setoriais ou Lista Tríplice ao Conselho Nacional de Políticas Culturais (CNPC)

    9h – Plenária Setorial

    13h – Almoço

  • Faltam três dias para o início da Pré-Conferência

    4 comentários

    por: Maria Cristina Martins, em Sem categoria no dia 04/03/2010

    Pré-Conferência Setorial de Artes Visuais
    De 07 a 09 de março de 2010
    Local: Cidade da Cultura (estrutura de tendas montada na Esplanada dos Ministérios), em Brasília

    Confira abaixo a metodologia que será utilizada:

    METODOLOGIA

    1º DIA – CREDENCIAMENTO

    Durante o credenciamento os participantes deverão:

    – Confirmar sua inscrição
    – Registrar ou não sua candidatura ao CNPC (colegiado setorial ou listra tríplice)
    – Optar por um dos cinco eixos temáticos:

    Eixo 1 – Produção Simbólica e Diversidade Cultural
    Eixo 2 – Cultura, Cidade e Cidadania
    Eixo 3 – Cultura e Desenvolvimento Sustentável
    Eixo 4 – Cultura e Economia Criativa
    Eixo 5 – Gestão e Institucionalidade da Cultura

    – Receber ‘kit do participante’ (caneca, caneta, bloco de anotações, bolsa, manual de consulta, programação e crachá)

    Os crachás devem ter cores diferentes, de acordo com a função dos participantes na plenária.

    – Amarelo (delegados da sociedade civil)
    – Laranja (delegados do poder público)
    – Verde (delegados natos)
    – Azul (convidados)
    – Branco (observadores)

    ABERTURA

    19h às 21h – Abertura (Teatro Nacional)

    – Mesa de abertura – ministro, secretários, diretores de vinculadas, conselheiros do CNPC/representantes de setores e autoridades (60’).

    – Palestra Magna do tema geral da II CNC (30’).

    – Aprovação do regimento interno (30’)

    2º DIA – PLENÁRIAS SETORIAIS

    9h – Abertura Setorial (plenária setorial geral)

    – Fala institucional da Secretaria ou vinculada responsável pela ação (apresentação dos programas, projetos e ações ligados ao setor) (15’).

    – Fala do coordenador setorial da pré-conferencia (15’)

    9:30h – Plenárias dividida em grupo (por eixo temático)

    – O mediador/palestrante expõe sobre o setor tendo como referência o eixo temático da II CNC, daquele grupo (10’).

    – O mediador/palestrante conduz o debate entre o grupo, como base para a elaboração das estratégias para as políticas públicas do setor (70’).

    – O mediador/palestrante deverá conduzir a analise dos documentos já produzido pelo setor e/ou de troca de experiências entre o grupo (50’).

    – O mediador/palestrante escolha de 05 (cinco) relatores para os subgrupos de trabalho na parte da tarde (dentre os componentes do grupo) (20’).

    12h – Intervalo

    14h – Elaboração de Estratégias

    – O mediador/palestrante deverá dividir o grupo em 05 (cinco) subgrupos para elaboração de estratégias para o eixo, a partir dos capítulos/diretrizes do Plano Nacional de Cultura (instrumental próprio). Cada subgrupo deverá elaborar quantas estratégias quiserem, mas apresentar apenas 02 (duas) estratégias na plenária de grupo. Este é o momento para elaboração, discussão e priorização de propostas (estratégias). (120’)

    16h – Plenárias de Grupo

    – O mediador/palestrante retorna os cinco subgrupos a plenária de grupo de eixo e convida um a um os cinco relatores dos subgrupos que deverão apresentar as 02 (duas) estratégias prioritárias. As 10 (dez) estratégias elaboradas nos subgrupos devem ser apresentadas em telão para que a priorização seja feita. (30’)

    – O mediador/palestrante conduz a votação do grupo para que se priorizem entre as 10 (dez) apresentadas as 02 (duas) prioritárias, que serão encaminhadas para a plenária setorial do dia seguinte. (30’)

    17h – Intervalo

    18h – Encontro de Delegados Regional

    Depois de encerrada a votação das estratégias, os grupos se desfazem, retornam a plenária geral para serem divididos por regiões (NE, N, S, SE, CO). Depois de divididos devem conversar e eleger dois nomes para apresentar na plenária do dia seguinte como delegados setoriais para a II CNC. (60’)

    3º DIA

    9h – Plenária Setorial

    – O coordenador setorial deverá conduzir a apresentação das estratégias priorizadas nos grupos (duas por eixo) Cada mediador/palestrante apresenta as 02 (duas) estratégias elaboradas no dia anterior pelo seu grupo. Será aprovada uma por eixo e estas serão apresentadas na plenária nacional da II CNC (todas as demais serão incorporadas ao documento norteador de elaboração dos Planos Setoriais). (45’)
    – Eleição/apresentação dos 10 (dez) delegados setoriais, sendo 02 (dois) por cada uma das regiões do país, somente entre os delegados da sociedade civil. A plenária deve aclamar os nomes apresentados pelas regiões (45’).

    8h às 12h – Eleição dos Colegiados Setoriais ou Lista Tríplice

    Processo de votação aos colegiados setoriais ou indicação de listas tríplices ao Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC), em espaço apropriado para isso.

    12h – Encerramento

    – Cadastramento dos delegados setoriais eleitos para a II CNC.

  • Local da Pré-Conferência foi definido

    0 comentários

    por: Maria Cristina Martins, em Sem categoria no dia 02/03/2010

    Já está definido o local onde ocorrerá a Pré-Conferência Setorial de Artes Visuais. Será na Cidade da Cultura, estrutura de tendas montada na Esplanada dos Ministérios especialmente para este encontro. Haverá transporte no aeroporto aguardando todos os delegados e convidados, para conduzi-los ao hotel e, posteriormente, ao local das atividades.

  • Confira os inscritos como observadores

    0 comentários

    por: Maria Cristina Martins, em Sem categoria no dia 02/03/2010

    Hercilia Lopes Lopes
    bacharel em Artes Plásticas pela UnB
    hercilialopes@gmail.com

    Eraldo Peres
    jornalista – Photo Agencia
    eraldo@photoagencia.com.br

    Maria Cristina Macedo Dominici
    pesquisadora
    cristina.dominici@hotmail.com

    Danielle Delabeneta Dumoulin e Silva
    estudante de Artes Plásticas – faculdade Dulcina de Morais
    danidumoulin@gmail.com

    Andre Botelho Vilaron
    gestor público/fotógrafo
    andre.vilaron@terra.com.br

    Mariana Venturim
    produtora
    mariventurim@gmail.com

    Júlio César Alves Lopes
    artista plástico
    lightstudioartvisual@hotmail.com

    José Rosa
    fotógrafo
    imaginarfotos@imaginarfotos.com.br

    Emília Marta Meira Magalhães Matos
    pesquisadora
    emillymagalhaes@hotmail.com

  • Encerramento das inscrições para observador

    0 comentários

    por: Maria Cristina Martins, em Sem categoria no dia 01/03/2010

    Encerram-se hoje as inscrições para observador da Pré-Conferência Setorial de Artes Visuais. Quem quiser participar, é só mandar um email para mcristinamartins@funarte.gov.br ou izabelcosta@funarte.gov.br. O observador arca com todas as despesas pertinentes a sua ida a Brasília – transporte, alimentação etc – e não tem direito a voz e voto.