Cia. Narradores Urbanose Barracão Teatro na Teia 2010 - Foto: André Goldman

Cia. Narradores Urbanose Barracão Teatro na Teia 2010 - Foto: André Goldman

A experiência brasileira dos Pontos de Cultura inspira diversos projetos e teses acadêmicas sobre políticas públicas no exterior. O modelo inspirou a Câmara de Deputados e da administração da região do Lazio, Itália, na criação do projeto Officine dell’Arte.

Nos países ibero-americanos também cresce o interesse pelos Pontos de Cultura. Em 2009, durante a reunião de ministros da Ibero-américa e da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa e do Caribe, representantes de 15 nações assinaram a Declaração de São Paulo, na qual consta a decisão de submeterem à próxima reunião de Cúpula dos Chefes de Estado da Ibero-américa uma proposta de criação do Programa Ibercultura – nos moldes dos Pontos de Cultura – para ser implantada nos 23 países da região.

Universidades

Orquesta de Tambores de Alagoas - Foto: André Goldman

Orquesta de Tambores de Alagoas - Foto: André Goldman

Na Universidade de Berkeley, na Califórnia (EUA), a cátedra sobre Cultura e Literatura luso-brasileira, coordenada pela professora Candace Slater, coloca estudantes em contato com  Pontos de Cultura. “Os alunos vêm ao Brasil participar de alguma atividade dos Pontos e depois fazem um projeto falando da experiência”, comenta Candace.

O professor catedrático da Universidade de Londres (Reino Unido) e diretor artístico da ONG People Palace Projects, Paul Heritage, conhece a experiência dos Pontos de Cultura e promove o intercâmbio de experiências com estudantes da instituição e pessoas envolvidas no programa.“O Programa Cultura Viva consegue, com dinheiro público, apoiar energias populares. É um modelo absolutamente contrário ao clássico das artes na Europa, principalmente no Reino Unido”, afirmou.

Leia também no site da Comunicação Compartilhada da Teia 2010 a matéria América Latina na Teia: pela regionalização dos pontos de cultura.

Por equipe da SCC/MinC

Be Sociable, Share!