Informativo Agosto 2017 reduzido

A peça teatral, que traz uma mistura do universo popular nordestino com elementos da Commedia Dell’Arte,

Espetáculo
O “Do Repente” permite em sua pesquisa cênica de coreografia, figurinos, cenário e iluminação, características que nos remetem à ideia do cangaço, do vaqueiro, dos coronéis, entre outros. Além de músicas que homenageiam a tradição repentista, seja ela no coco de embolada, no aboio, na viola, no martelo agalopado ou no martelo perguntado. O espetáculo traz um universo de sonoridades da cultura popular do nordeste, que sem dúvidas, faz parte da construção da identidade cultural brasileira. A história traz quatro personagens que ao decorrer das cenas usam máscaras para contar os casos da narrativa.
A peça teatral, que tem 35 minutos de duração, é gratuita e livre para todas as idades.

 

Publicado em por Luciano deSouza | Deixar um comentário

Líderes de matriz afro-brasileira buscam Câmara de Palmas para garantir espaço na Lei Orgânica

Na manhã desta segunda-feira, 19, representantes de religiões de matriz afro-brasileira de Palmas reuniram-se com o relator da Lei Orgânica do Município de Palmas, vereador Tiago Andrino, para pedir respeito à diversidade religiosa e reconhecimento de direitos já existentes. Membros do Candomblé, da Umbanda, da Jurema, do Terecô e de vários terreiros buscam apoio para inclusão na Lei Orgânica do Município.

Preocupados com a intolerância religiosa e várias situações de ataque e discriminação, o grupo reuniu líderes que destacaram o trabalho social, educativo e cultural realizados pelos seus centros.  Pai Edmilson, de Logun Edé, destacou que o respeito religioso deve prevalecer em qualquer situação. “Buscamos o registro da nossa casa sem que sejamos atacados por vizinhos ou pessoas de outras religiões. Acredito que plantamos essa semente hoje e ela há de brotar”.

Márcio Carlos (Marcão), da Ile Ase Omibunmi, ressaltou que está na hora das religiões de culto afro-brasileiro ganharem espaço. “A gente sempre teve que viver as escuras, nos fundos de quintal. Por causa do preconceito e discriminação nós não temos espaço para mostrar o nosso trabalho social, a nossa religião, o nosso culto”.

O grupo apresentou a solicitação de inclusão da pauta na Lei Orgânica do Município que está sendo revisada.  Dofono Willian de Odé comemorou a abertura da Câmara em ouvir as demandas do grupo. “Essa abertura que a Câmara Municipal nos deu, através do vereador Tiago Andrino, vai elevar o debate para um patamar de direitos humanos e direitos constitucionais. Isso é extremamente positivo”, pontuou.

Representante da Casa Branca da Serra, em Taquaruçu, a Ebomi Roberta de Osoguiã, destacou o novo momento vivido pelas casas de culto de tradição afro-brasileira e afro-indígena na capital. “A organização das casas nos dará a visibilidade necessária para cobrar do poder público a garantia dos nossos direitos já estabelecidos nas leis maiores. É necessário que o povo de terreiro, o povo de santo, de matriz africana, tenha respeitada a sua expressão religiosa, cultural e ancestral”, destacou.

 

Federação Tocantinense

Os representantes das Casas de Cultos de Matriz Afro-brasileira entregaram ao vereador Tiago Andrino uma solicitação para a realização no próximo dia 26 de agosto da reunião de fundação da Federação Tocantinense das Casas de Culto Brasileiro no Estado do Tocantins. Andrino ressaltou que não haverá problemas na concessão do espaço da Casa e destacou “essa é a casa do povo, portanto, é a casa de vocês também”.

A criação da Federação será chamada em edital a ser publicado ainda esta semana nos veículos de comunicação e na mesma ocasião será feita a eleição da primeira diretoria.

Direitos e Garantias

O relator da revisão da Lei Orgânica do Município, Tiago Andrino afirmou que a Câmara Municipal tem que estar sempre aberta às discussões da sociedade e que é necessário que todos sejam respeitados. “Eu como relator estou executando esse trabalho de ouvir a todos. Cada setor que tem intenção de colocar direito, garantias, dar opiniões sobre o nosso trabalho. Hoje eu recebi uma comissão de uma associação de religiões de matriz africana que manifestaram interesse em participar da discussão e contribuir na formação dessa nova Lei Orgânica. Nosso papel é fazer essa mediação e garantir que todos sejam respeitados, e que Palmas seja uma cidade de todos e para todos”.

Durante a reunião o relator informou ainda que muitos relatos chamaram sua atenção e que cabe a Lei a Orgânica do Município a garantia dos direitos. “Cabe no texto da Lei Orgânica garantir que não seja violada a liberdade religiosa e as garantias fundamentais. A comissão vem trabalhando com velocidade e a nossa previsão é que meu relatório final seja apresentado ainda no mês de agosto. Apresentando esse relatório à comissão, ele tramita CCJ e com velocidade ele já vai à Plenário. Acredito que em dois meses já estará concluída essa revisão da Lei Orgânica do Município”, acrescentou.

O Superintendente de promoção das Políticas Públicas aos Direitos Humanos, João Paulo, informou que após essa reunião já tem tarefas a cumprir. “Nós temos a função de desmitificar as religiões de matriz africana e trabalhar a celeridade do alvará de funcionamento das casas  e trabalhar projetos que possam tirar essa ideia negativa que as pessoas têm sobre as religiões de matriz africana, através da educação e projetos culturais”.

{Fonte: https://www.t1noticias.com.br}

Publicado em Observatório Cultural | Deixar um comentário

A Prefeitura de Palmas lançou na manhã desta terça-feira, 27, a programação “Palmas Praia 2017”

A Prefeitura de Palmas lançou  na manhã desta terça-feira, 27, a programação “Palmas Praia 2017”

Com decoração que remete ao clima havaiano, ao som de artistas regionais, a Praia da Graciosa será palco de um luau que levará o melhor da MPB e Pop Rock aos presentes.  Fundação

O Luau de Verão acontecerá sempre às sextas e aos sábados, iniciando no terceiro final de semana da temporada, 14 e 15 de julho, até o último final de semana, 28 e 29 de julho.

A Praia das Arnos também receberá shows com artistas regionais contemplados no edital de cultura do município. Os shows acontecerão aos sábados e domingos, iniciando no segundo final de semana 07 e 08 de julho e vai até o último final de semana do mês, 29 e 30 de julho.

O festival de rock já consagrado em Palmas terá sua 13ª edição esse ano, como parte da programação da temporada de praia da cidade. O PMW Rock, que acontecerá no dia 29 de julho, na Praia da Graciosa, terá como atração principal a banda nacional Detonautas.

Detonaltas

O evento conta com as parcerias da Secretaria Municipal de Infraestrutura, Serviços Públicos, Trânsito e Transportes, Guarda Metropolitana de Palmas e das Fundações Municipal de Cultura, de Meio Ambiente, e de Esportes e Lazer.

 

Barraca e guia turístico

Também nesta terça-feira lançado o “Guia Turístico de Palmas”, uma publicação da Agência Municipal de Turismo (Agtur) em parceria com a Secretaria Municipal de Comunicação. O guia traz um panorama turístico de toda a cidade, contemplando seus principais atrativos, com informação técnica, descrição e como chegar a cada um deles.

Outro destaque também foi a compilação dos principais eventos realizados na cidade. O guia será distribuído durante a temporada “Palmas Praia”, em todos os Centros de Atendimento ao Turista – Catur.

Confira programação completa

1º Final de Semana

29/ 06 a 01 /07 – Palmas Burguer – Praia da Graciosa 18hs

29/ 06 a 01 /07 – Shows Regionais – Praia da Graciosa

01/07 – Aula Fitness – Parque Cesamar

02/07 – 12ª Corrida do Fogo

30/06 e 01/07 – Barraca da Sustentabilidade – Praia da Graciosa das 18h às 22h.

02/07 – Barraca da Sustentabilidade – Praia do Prata das 13h às 18h.

2º Final de Semana

06 a 09/07 – Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia Challenge – Praia da Graciosa

07 a 09/07 – 2º Campeonato Nacional de Voo Livre de Parapente – Rampa de parapente – Acesso Aparecida do Rio Negro

08 e 09/07 -Show s Regionais (Praia das Arnos)

08/07 – Aula Fitness – Parque Cesamar

07 e 08/07 – Barraca da Sustentabilidade – Praia da Graciosa das 18h às 22h.

09/07 – Barraca da Sustentabilidade  – Praia do Prata das 13h às 18h.

3º Final de Semana

14 e 15/07 Luau de Verão na Praia da Graciosa

15 e 16/07 – Shows Regionais (Praia das Arnos)

15/07 – Aula Fitness – Parque Cesamar

14/07e 15/07 – Barraca da Sustentabilidade – Praia da Graciosa das 18h às 22h.

16/07 – Barraca da Sustentabilidade – Praia dos Buritis das 13h às 18h.

4º Final de Semana

21 e 22/07 – Luau de Verão na Praia da Graciosa

22 e 23/07 Shows Regionais (Praia das Arnos)

22/07 – Aula Fitness – Praia da Graciosa – com Aline Freitas

22 e 23/07 – Exposição de Carros Antigos – Praia da Graciosa

21/07 e 22/07 – Barraca da Sustentabilidade – Praia da Graciosa das 18h às 22h.

23/07 – Barraca da Sustentabilidade – Praia do Prata das 13h às 18h.

5º Final de Semana

28 e 29/07 – Luau de Verão na Praia da Graciosa

29 e 30/07 – Shows Regionais (Praia das Arnos)

29/07 – PMW Rock – Show Nacional com Detonautas – Praia da Graciosa

29/07 – Aula Fitness – Parque Cesamar

28 e 29/07 – Barraca da Sustentabilidade – Praia da Graciosa das 18h às 22h.

30/07 – Barraca da Sustentabilidade – Praia do Prata das 13h às 18h.

Publicado em Cultura Tocantins, Música, Observatório Cultural | Com a tag , | Deixar um comentário

Show de Zé Geraldo em Porto Nacional no Festival de Cultura

Durante cinco dias, os amantes da cultura já têm um encontro marcado neste mês de junho, com a 37ª Semana da Cultura que irá movimentar Porto Nacional de 21 a 25 de junho no Centro Cultural Beira-Rio, com uma vasta programação cultural.

A Prefeitura, através da Secretaria Municipal da Cultura e do Turismo (Secult) realizará o evento que é gratuito, e contará com a 1ª Feira Literária Portuense (Flip) e o Festival da Canção. O título – “Nos vitrais de suas janelas há sempre reflexos de luta, mudança e muita cultura”, faz referência direta à amplitude da programação.Para deixar o evento ainda mais interativo, a 37ª edição da Semana da Cultura movimentará a cidade com mais de 20 espetáculos culturais e teatrais ao todo, mais de 12 shows regionais. Além de 24 lançamentos de livros, terá 6 palestras, 3 Rodas de Conversas com participação de professores da Universidade Federal do Tocantins, e uma vasta programação cultural.

A abertura oficial da 37ª Semana da Cultura e da Flip será às 22h no Auditório Pedro Tierra, com a Orquestra Viva Música da UFT, Entrega da Comenda Dr. Francisco Ayres e pronunciamento das autoridades. Posteriormente, às 23h30, show nacional com o cantor Zé Geraldo no Palco JL do Acordeon. No total, serão 20 estandes, 8 entre livrarias e editoras. O escritor homenageado será o escritor paraibano, in memorian Ariano Suassuna, e terá como patrono regional, o portuense e poeta, Pedro Tierra.

Zé Geraldo

Foi criado em Governador Valadares (MG). Aos 18 anos mudou-se para São Paulo a fim de trabalhar. Tencionava ser jogador de futebol, mas o sonho foi interrompido por um acidente automobilístico. Depois de restabelecido, passou a estudar e a trabalhar, dedicando-se também a tocar em bailes durante um período de oito anos.

Na década de 1970, morou durante um tempo na mesma casa que o trio The Snacks e Tim Maia. Pai da cantora e compositora Nô Stopa.

Integrou a banda The Black Cats, cantando músicas em inglês.

No início da década de 1970, gravou três compactos e um LP pela gravadora Rozenblit. Entre 1975 e 1978, participou com sucesso de diversos festivais, sendo premiado e obtendo ingresso na gravadora CBS. Em 1979, gravou seu primeiro disco, “Terceiro mundo”, onde se destacaram as músicas “Reciclagem”, “Promessas de um idiota às seis da manhã”, ambas de sua autoria e “Cidadão”, de Lúcio Barbosa.

Na década de 1980, gravou outros dois discos pela CBS, “Estradas”, de 1980, e “Zé Geraldo”, de 1981. Ainda em 1980, participou do festival MPB-Shell promovido pela Rede Globo, interpretando “Rio Doce”. No ano seguinte, no mesmo festival, cantou “Milho aos pombos”. Em 1987, participou do disco “Bacupari”, do grupo Mina das Minas, cantando a música “Um lugar”. No ano seguinte, gravou “Poeira e canto”, ao vivo, pelo selo Vaqueiros Urbanos.

Nos anos 1990, fez gravações pela Eldorado e pela Copacabana. Em 1996, gravou disco acústico pela Paradoxx. Em 1998, participou do CD do mineiro Juraíldes da Cruz, “Um lugar seguro”, cantando “Bom tempo”. No mesmo ano, gravou também a composição “Assim já ninguém chora mais”, no CD produzido pelo Movimento dos Sem-Terra, MST. Suas composições “Semente de tudo” e “São Sebastião do Rodeio” foram incluídas respectivamente nas novelas “Livre para voar” e “Paraíso”, ambas da Rede Globo de Televisão. Alguns de seus maiores sucessos foram “Senhorita”, “Milho aos pombos”, “Negro amor”, esta uma versão de Péricles Cavalcanti para “It’s All Over Now Baby Blue”, de Bob Dylan e “Banquete de hipócritas”. Com sua voz rouca, misturando música caipira com folk e rock, tem percorrido o país, apresentando shows em feiras, exposições, teatros e ginásios.

Na segunda metade dos anos 1990, passou a apresentar-se regularmente nos Estados Unidos e Canadá, contando com um público formado em sua maioria por brasileiros e latino-americanos em geral. Em junho de 2008, com 30 anos de carreira, lançou seu 16º disco: “Catadô de bromélias”, pelo próprio Sol do Meio Dia. No CD, o artista, entrre outras, faz parceria com Zeca Baleiro na faixa “Na barra do seu vestido” e revisita Bob Dylan em “Mr.Tambourine”, versão de Leno, (da dupla Leno e Lílian) e apresenta “Diário de bicicleta (O dia em que encontrei Che Guevara na zona em Valadares).


Discografia

  • (2011) Cidadão: trinta e poucos anos – APE Music – CD
  • (2008) Catadô de Bromélias • Sol do Meio Dia • CD
  • (1998) No meio da área • Paradoxx • CD
  • (1996) Zé Geraldo-Acústico-Ao vivo • Paradoxx • CD
  • (1994) Aprendendo a viver • Eldorado
  • (1991) Ninho de sonhos • Eldorado
  • (1990) Viagens e versos • Eldorado
  • (1988) Poeira e canto (Ao vivo) • Vaqueiros urbanos/Eldorado
  • (1986) No arco da porta de um dia • Selo Arca • LP
  • (1984) Sol girassol • Copacabana • LP
  • (1983) Caminhos de Minas • Copacabana • LP
  • (1981) Zé Geraldo • CBS • LP
  • (1981) Milho aos pombos/Senhorita • CBS • Compacto simples
  • (1981) Olhos mansos/Entrevista • CBS • Compacto simples
  • (1980) Estradas • CBS
  • (1980) Cidadão/Maria Bonita • CBS • Compacto simples
  • (1980) Como diria o Dylan/O Profeta • CBS • Compacto simples
  • (1979) Terceiro mundo • CBS

Publicado em Música, Observatório Cultural | Com a tag , | Deixar um comentário

Antônio Netto inicia série de exposições em SP

O artistas plástico Antonio Netto inicia uma série de exposições na região sudeste começando pelo Museu Municipal de Barueri em São Paulo.

Paradoxos, Territórios e Outras Imagens,  é a 9ª exposição individual do artista, que é hoje um dos mais expressivos e atuantes no abstracionismo concreto (ou geométrico) no Tocantins, que completa 25 anos de trajetória artística em 2017.  A exposição contempla obras de fases de trabalhos anteriores, “Paradoxos da Forma (2006)”,  “Espaços Preenchidos de Vazio (2008)”, “Versos Reverso (2008)”,  “Territórios Imaginário – Ocupações (2015)”, além de quadros mais recentes, com obras que surgem como desdobramentos estéticos da Territórios.

Serão apresentados 75 obras, de diferentes tamanhos e formatos, em acrílica sobre tela.

A exposição acontece de 30 de maio a 02 de julho de 2017.

Local: Museu Municipal de Barueri – SP

Agendamentos: museu.adm1@barueri.sp.gov.br

Tel.: 11. 4198.5975 / 4198.8298

Antônio Rodrigues Netto, natural de João Pessoa – PB vive no Estado do Tocantins desde 1996. Nas  das artes visuais o seu trabalho mais constante tem sido no campo geométrico (concreto) abstrato.

Autodidata, frequentou galerias e ateliês de diversos artistas nos anos de 1980 e 1990, onde estudou técnicas de desenho a grafite, pintura a óleo e giz pastel oleoso, além de técnicas como acrílica sobre tela e aquarela. De 1996 a 1998 foi artista residente e professor de desenho e pintura na Magenta Galeria de Arte, em Palmas desde então, além de sua produção artística, Netto atuou na gestão cultural do SESC, Fundação Cultural de Palmas e Secretaria Estadual de Cultura.

Publicado em Artes Plásticas | Com a tag , | 1 comentário

Concurso Nacional Novos Poetas. Prêmio Sarau Brasil 2017

Estão abertas as inscrições para o Concurso Nacional Novos Poetas, Prêmio Sarau Brasil 2017.

Podem participaSarau-Brasil-2017_2r do concurso todos os brasileiros natos ou naturalizados, maiores de 16 anos.

Cada candidato pode inscrever-se com até dois poemas de sua autoria, com texto em língua portuguesa.

O tema é livre, assim como o gênero lírico escolhido. Serão 250 poemas classificados.

A classificação dos poemas resultará no livro, Prêmio Sarau Brasil 2017. Antologia Poética.

 O certame está entre os mais destacados concursos literários da língua portuguesa.

Concurso Literário e uma importante iniciativa Vivara Editora Nacionalde produção e distribuição cultural,

alcançando o grande público, escolas e faculdades.

Inscrições gratuita:

Até 05 de junho de 2017 pelo site: www.concursonovospoetas.com.br

Realização: Vivara Editora Nacional

Apoio Cultural: Revista Universidade

Publicado em Literatura Cultural, Observatório Cultural | Deixar um comentário

FCP realiza oficinas de elaboração de projetos culturais e Lei Cultura Viva

Com o intuito de capacitar a comunidade artística palmense, em especial os interessados em participar do “Edital de Premiação de Iniciativas Culturais para o desenvolvimento da Rede de Pontos de Cultura da Política Nacional de Cultura Viva no Município de Palmas”, a Fundação Cultural de Palmas (FCP), em parceria com o Ministério da Cultura realiza nessa semana, nos dias 25 a 27 de maio, oficinas de elaboração de projetos culturais e sobre a Lei Cultura Viva.selo_premio_cultura_viva

A palestra sobre a Política Nacional da Lei Cultura Viva acontece nesta quinta, 25, às 19 horas, no Cine Cultura. As duas oficinas de elaboração de projetos, nos dias 26 e 27, serão das 8 às 12 horas e das 14 às 18 horas no Centro de Ensino e Treinamento Artístico – Espaço Cultural José Gomes Sobrinho. O proponente poderá se inscrever somente em uma das oficinas de elaboração de projetos.

As inscrições podem ser realizadas pessoalmente na FCP- Espaço Cultural José Gomes Sobrinho,  ou pelo telefone (63) 2111-2402.

Edital

O Edital para implementação da Política Nacional de Cultura Viva foi prorrogado para o dia 05 de junho de 2017 e tem o objetivo de premiar e incentivar entidades culturais e coletivos culturais, certificados ou não como Pontos de Cultura de Palmas. O certame irá distribuir R$ 500 mil para 15 proponentes em prêmios de 20 e 40 mil reais. O repasse dos recursos às entidades e coletivos culturais que tiverem suas iniciativas selecionadas será no total de R$ 40 mil para as entidades culturais e de R$ 20 mil para os coletivos culturais (sem CNPJ).

O Edital e seus anexos estão disponíveis no Diário Oficial do Município de Palmas nº 1.667 e também estão disponíveis no site da Fundação Cultural de Palmas no  link.

Oficinas Dia Horário Local
Política Nacional Lei Cultura Viva 25/05/2017 19 horas  Cine Cultura – Espaço Cultural
Elaboração de Projetos Culturais 26/05/2017 08h às 12h e 14 às 18h Centro de Ensino e Treinamento Artístico – Espaço Cultural José Gomes Sobrinho
Elaboração de Projetos Culturais 27/05/2017

08h às 12h e 14h às 18h

Palmas

Publicado em Cultura, Cultura Tocantins, Cultura Viva, Observatório Cultural | Com a tag , , | Deixar um comentário

Assembleia Legislativa Homenageia Braguinha Barroso

RBraguinha3ealizada na manhã  do dia 18 de maio, a sessão solene em comemoração ao aniversário de Palmas, que completa 28 anos neste sábado, dia 20, foi marcada por discursos e homenagens. Neste ano, a Assembleia Legislativa homenageou oito personalidades que fazem parte da história de Palmas e se destacaram nas áreas de educação, esporte, cultura, política e empreendedorismo.

Foto: Manoel Lima

Foto: Manoel Lima

Autora da resolução que deu origem à sessão solene, a deputada Luana Ribeiro (PDT) destacou a contribuição de cada homenageado para o desenvolvimento de Palmas. “O objetivo da homenagem é demonstrar a essas pessoas que a sociedade palmense reconhece seus esforços e sua dedicação em prol de melhores condições de vida, trabalho e convivência”, ressaltou a parlamentar.

Braguinha  junto com  Nelzinha Bahia são os compositores da Música “Canção de Amor a Palmas”, cantada e interpretada por vários artistas, foi gravada pelo coral municipal de Palmas em 2000. A música se tornou Hino Popular de Palmas através da  Lei Municipal nº985, de 25 de abril de 2001.

A partir dai, torna-se patrimônio imaterial da cidade, que  de certa forma sintetiza e tenta transmitir  o sentimento dos seus pioneiros/fundadores através da música.Braguinha 1

Além de Braguinha Barroso, também receberam homenagens os professores Domênico Sturiale e Elvio Quirino, o empresário Eurípedes Caetano da Costa, o ex-deputado Izidório Correia, José Pereira do Nascimento, José Wilson Soares e Rogério Alves.

Gravação da música realizada pelo  Coral Municipal de Palmas (2000).

<iframe width=”100%” height=”450″ scrolling=”no” frameborder=”no” src=”https://w.soundcloud.com/player/?url=https%3A//api.soundcloud.com/tracks/134158959&amp;auto_play=false&amp;hide_related=false&amp;show_comments=true&amp;show_user=true&amp;show_reposts=false&amp;visual=true”></iframe>

Publicado em Cultura, Música, Observatório Cultural | Com a tag , | Deixar um comentário

A festa do Divino Espírito Santo por Poliana Macedo

Livro PolianaA jornalista Poliana Macedo está com uma obra publicada pela Editora Fi, o livro “A festa do divino Espírito Santo: Memória e religiosidade em Natividade Tocantins”. A obra analisa as festividades que ocorrem na cidade tocantinense em louvor do culto religioso na contemporaneidade, destacando alguns dos seus aspetos mais significativos.

Este é o segundo livro da jornalista que o produziu a partir da sua dissertação de mestrado. O livro está disponível no site da editora: http://www.editorafi.org/133poliana, para download gratuito ou para a compra da obra física. Poliana espera que, a partir do seu livro, as pessoas possam conhecer melhor a história da devoção ao Divino Espírito Santo em Natividade.

“Como ela começou em Portugal, como chegou ao Brasil e seus primórdios em Natividade.

E, principalmente, que possam entender o significado da fé que norteia todo o trabalho dessas pessoas”, comentou. Além disso, a jornalista tem a expectativa que as demais festas do Divino sejam incentivadas e divulgadas em todo o Tocantins. “Espero que mais pesquisas sejam realizadas sobre o assunto em nosso Estado e que as demais festas do Divino realizadas pelo Tocantins também sejam incentivadas e divulgadas”, disse.

Poliana ressalta que o Estado tocantinense possui sim cultura e ela deve ser valorizada. “O Tocantins tem cultura sim e possui uma identidade. Não concordo com muitos pesquisadores que levantam a bandeira que aqui não temos cultura. Nosso povo é retrato dessa cultura”, afirmou a jornalista. “Temos que valorizar o que temos”, completou.

Pesquisa
Segundo a jornalista, a pesquisa que embasa o livro iniciou entre 2010 e seguiu até 2012. “Porém antes desse período, entre 2005 e 2006, enquanto cursava o curso de Jornalismo, fizemos um projeto experimental em Natividade e nossa turma organizou seminário de extensão também na cidade que fez com que pudéssemos conhecer as pessoas, a história da cidade”, explicou.

“Fiquei extremamente encantada com aquilo tudo e pensei que ‘as pessoas deveriam conhecer Natividade e a festa do Divino’, afirmou Poliana. A partir da escolha do tema para o seu mestrado, foi feita a pesquisa de campo. “Meio que morei em Natividade durante o período da festa do Divino porque a ideia era captar e relatar o quê de fato acontecia ali.

E ainda passei seis meses em Portugal (morando praticamente dentro de uma biblioteca) procurando autores e pesquisando sobre a origem da festa por lá”, contou a jornalista.
Ainda segundo Poliana, no Brasil há informações escassas sobre a festa, por isso a pesquisa em Portugal foi fundamental para entender o percurso da festa lá até chegar ao nosso país. “Sem esse intercâmbio na Universidade do Minho e orientação de professores portugueses, não teria conseguido todos os dados”, completou. Sobre a compilação dos dados, Poliana disse que não encontrou dificuldades nesta parte do trabalho. “Por mais extensa que tenha sido a pesquisa, foi uma fase boa, pois quando você escreve sobre algo que gosta, as palavras fluem facilmente”, explicou.

O livro
A apresentação do livro é feita pela Dra. Marta Lobo, professora de História Moderna da Universidade do Minho em Portugal. A obra possui 222 páginas. “A festa do divino Espírito Santo: Memória e religiosidade em Natividade Tocantins” analisa as festividades que ocorrem nesta cidade em louvor do culto mencionado na contemporaneidade, destacando alguns dos seus aspetos mais significativos. A temática tem sido objeto de estudo de historiadores, mas também de sociólogos, antropólogos e etnólogos.

Perfil

Poliana Macedo

Poliana Macedo

Poliana Macedo de Sousa, Jornalista e Mestra em Ciências do Ambiente. Atua como servidora pública federal na área de editoração de revistas científicas da Universidade Federal do Tocantins desde 2014. No Jornalismo atuou nas editorias de Cultura, Economia e foi Correspondente no Jornal do Tocantins, também trabalhou na área de Assessoria de Comunicação na Prefeitura de Araguaína e órgãos do sistema S como Senar, Senai e Sesi. Como docente ministrou aulas nos cursos de Administração da Faculdade de Ciências do Tocantins (FACIT) e Jornalismo da UFT.

Publicado em Literatura Cultural, Observatório Cultural | Com a tag | Deixar um comentário

A TERCEIRA MARGEM DO RIO: a de dentro, com Cia. Letras de Rosa (RJ)

Espetáculo premiado e baseado em conto de Guimaraes Rosa estreia em Palmas

 

 

Um homem que desde criança lamenta a estranha partida do pai. Um espetáculo contado através de um monólogo que resgata a brasilidade, o sertanejo, o regionalismo e a cultura popular. Tudo isso está na peça ‘A Terceira Margem do Rio: a de Dentro’, que tem apresentação em Palmas nesta sexta-feira, 12, no Teatro Fernanda Montenegro.

BaseadoA Terceira Margem do Rio - Foto de Mariani Rosa 2 na obra de Guimarães Rosa, a montagem é da Companhia “Letras de Rosa” do Rio de Janeiro (RJ).  A atraçãotraz elementos de um conto extraído do livro “Primeiras Estórias” do escritor mineiro e é interpretado no palco pelo ator Renato TouzPin.

A narrativa detalha as especificidades geográficas, ecológicas e sociais componentes de nossas raízes, ao identificar particularidades e riquezas das manifestações artísticas regionais e nacionais.A Terceira Margem do Rio - Foto de Mariani Rosa 3 (1)

Em cartaz há sete anos, o premiado espetáculo carioca traz uma sonoplastia ao vivo e traduz a alma mineira e sertaneja. Na peça, o público se deleita com cada palavra e gesto do texto de um dos maiores escritores brasileiros de todos os tempos.

A companhia foi criada por três amigos que, partindo de um desejo de fazer teatro e da paixão pela obra do escritor João Guimarães Rosa, em junho de 2016, se unem com o objetivo de realizar experimentações na interface dramaturgia-musicalidade, contida nos célebres contos do autor, propondo uma teatralidade que dialogue com a grande literatura brasileira.

A Terceira Margem do Rio - Foto de Mariani Rosa 4 (1)

“Este experimento cênico-literário tem como ideia principal expor aspectos poéticos da identidade do povo brasileiro a partir do afetuoso olhar local-universal de Guimarães Rosa, e, com isso, contribuir para a integração sociocultural de diferentes grupos de espectadores. O presente projeto propõe um mergulho artístico no inconsciente, no desconhecido, na loucura e na solidão, trazendo à tona anseios e sentimentos velados, questionamentos, reconhecimento de si, sonhos, encantamento, liberdade. Seu diferencial maior é a metamorfose da força e beleza das palavras de Rosa em gesto, movimento, corpo, voz, ação e poesia cênica e a transposição da alta literatura brasileira em cena acessível ao espectador de teatro”, explica Renato.

De acordo com o ator e diretor, a realização do projeto é inspirada pelo desejo de lançar um olhar sobre o humano contemporâneo que, em um mundo em constante transformação, coloca-se entre margens, como as de rios simbólicos.  Neste processo, percebe-se ante questionamentos fundamentais: quem sou eu? De onde vim e para onde vou?

“Inquietações relacionadas à necessidade de explicação do mundo e definição de identidade. Quando nos deparamos com a interpretação forte de nossa condição, em contato com a percepção privilegiada da literatura nativa, brasileira e universal, tornamo-nos capazes de reorientar o nosso próprio processo existencial, percebendo melhor nossas relações com o próximo e com o ambiente onde vivemos”, pondera.

Sinopse

Baseado na obra de João Guimarães Rosa, o espetáculo encena a história de um homem que, desde criança, lamenta a estranha partida de seu pai. Aberta a múltiplas interpretações, a narrativa trata de temas como valores familiares, amor, loucura e solidão. Tudo com uma trilha sonora especial, ao vivo, que ressalta profundamente a alma mineira e sertaneja.

Prêmios

Reconhecido e premiado no 7º Festival de Teatro de Ubá (MG) com “Melhor espetáculo solo”, “2º melhor espetáculo do Festival”, “Melhor sonoplastia” e “Melhor cenário”, o espetáculo também foi reconhecido com indicações para “Melhor ator”, “Melhor diretor” e “Melhor figurino”.

 

Produção

A produção é da “Fluxo Criativo”, produtora cultural de Palmas que começa a se expandir para o interior do estado. Os ingressos custam R$ 30 e já podem ser adquiridos na internet através do endereço www.sympla.com.br/fluxocriativo. Também serão vendidos ingressos a partir das 18 horas no dia do evento, recomenda-se chegar antes.

SERVIÇO

‘A terceira margem do rio: a de dentro’, com Cia. Letras de Rosa (RJ)

DATA: Sexta-feira, 12 de maio

HORÁRIO: 20h

LOCAL: Teatro Fernanda Montenegro

INGRESSOS: R$30

FICHA TÉCNICA

Renato TouzPin adaptação, interpretação e direção

Diego Siqueira violão, violino, gaita e efeitos

Zé Duarte viola e efeitos

Pedro Jonathas assistência de direção e supervisão cênica

  1. B. Lemos consultoria literária

Filomena Mancuzo produção

Natália Troise assistência de produção

Zeka Viola cenografia e figurino

Jhow Lourenço vídeo e fotografia

Dum Marino Iluminação Cênica

 

 

Publicado em Cultura Tocantins, Observatório Cultural | Deixar um comentário