GT 1 – Patrimônio, museologia e turismo

Visando abordar as diferentes relações existentes com o patrimônio material e imaterial, o GT 1 pretende fomentar o debate acerca dos tensionamentos referentes às suas diferentes formas de apropriação e uso pelos vieses da museologia e do turismo. Busca-se ainda, refletir sobre os processos de patrimonialização e o uso das tecnologias na criação de novos diálogos entre as diversas maneiras de se relacionar com o patrimônio.

GT 2- Comunicação, mobilidade e turismo

As práticas comunicativas e o caráter móvel dos indivíduos e objetos são inerentes ao turismo e muito impulsionados pelos avanços tecnológicos. Neste contexto, o GT 2 propõe reflexões sobre as articulações entre o turismo, o Paradigma das Novas Mobilidades e os múltiplos fenômenos de comunicação, priorizando suas tendências contemporâneas, como as redes sociais e as ferramentas digitais.

GT 3 – Cidades, gestão e planejamento turístico

No viés do planejamento e da gestão do Turismo, o GT 3 propõe uma análise acerca da interface desses temas com os estudos urbanos. Pretende-se abarcar estudos que proponham uma reflexão do ponto de vista das transformações socioambientais e políticas empreendidas nas cidades que buscam desenvolvimento turístico. Considerando a temática do evento, espera-se ainda que os estudos apontem caminhos para um planejamento turístico nas cidades que considerem todos os atores/agentes sociais envolvidos na atividade turística.

GT 4 – Paisagens naturais, seus usos e apropriações

A Carta de Florença (1981) entende que todo jardim histórico é uma “composição arquitetônica e vegetal […] que apresenta interesse público” e que deve ser salvaguardado. Partindo desta compreensão sobre jardins e sítios históricos e naturais, das regras específicas para sua salvaguarda e também daquela apresentada na Carta de Juiz de Fora (2010), o GT 4 tem como objetivo central estimular o debate sobre estratégias e ações que visem a preservação de diferentes paisagens naturais, como jardins e parques históricos, turistificados ou não. Quais são os desafios enfrentados pela gestão desses espaços e, considerando o tema central da edição do evento, de que maneira a tecnologia pode auxiliar tanto na salvaguarda quanto na fruição desses locais?